Porque apoio o impeachment

mar 30, 2016 by     22 Comentários    Postado em: Artigos e Análises

Por Yuri Coriolano
para o Acerto de Contas

Ao discutir o Impeachment nos últimos dias, percebi que o maior problema do debate são as posições tomadas por paixão ou ódio a um projeto político, despreocupadas com a fundamentação da opinião e tomadas, muitas vezes, por falta de informação.

Decidi, então, como forma de estimular o debate, expor as razões que me levam a apoiar o Impeachment da Presidente Dilma. E começo pela indagação mais recorrente:

“Se for pra Dilma sair e dar lugar a Michel Temer, que também é corrupto, melhor ela ficar. Todos são corruptos.”

O maior engano dessa opinião, a meu juízo, é crer que o único problema do país e principalmente desse governo é a corrupção.

Se Dilma cair, eu não sei se Temer vai ser tão corrupto quanto ela. Também não sei se será menos, embora acredite que ele não será honesto. O que eu tenho certeza mesmo é de que ele não vai conseguir roubar mais do que o PT. Isso é realmente impossível.

Entretanto, esse não é o maior benefício do impeachment. Ao menos não para mim. O que eu quero, mesmo, é ver o Brasil sair da crise. A crise que enfrentamos é política, apesar de também ser econômica. A econômica, na verdade, é consequência direta da política. Não dá para sair com a crise econômica sem acabar com a crise política.

“Mas a crise não foi causada pelo PT. A crise é internacional.”

Não, a crise não é internacional. Basta olhar, como mero exemplo, a prosperidade dos nossos vizinhos: Colômbia, Paraguai, Chile e, sobretudo, o início recente da recuperação econômica da Argentina, da qual tratarei mais adiante.

Já o Brasil vive uma crise de expectativas, vez que Dilma foi reeleita através da campanha mais mentirosa da história do país. Tudo que ela prometeu, não cumpriu. Mais que isso, fez tudo ao contrário. Da energia elétrica ao combustível, o Governo encareceu tudo o que ela disse que não iria reajustar. Os direitos trabalhistas, os quais não seriam mexidos “nem que a vaca tossisse”, foram relativizados. Os impostos ficaram cada vez mais pesados. A inflação estourou. O crédito ficou muito mais caro.

Diante desse quadro caótico, a população, cujo salário não acompanha a inflação, perdeu a confiança no governo. O empresário, sufocado pelos impostos e pela burocracia estatal, está cheio de incertezas quanto ao futuro do país.

O resultado dessa conjugação de fatores é conhecido. O povo prefere guardar o dinheiro e compra menos. O comércio vende menos e acaba tendo que demitir. Quem não tem emprego, não compra. Quem ainda tem, vai cortando os supérfluos. O comércio vende ainda menos. A indústria para de produzir. Férias coletivas. Demissão em massa. Economia em recessão. Salários congelados. Arrecadação drasticamente reduzida. E por ai vai…

“Ah, mas a oposição não deixa Dilma governar. Estão obstruindo todas as votações. Tem que deixar ela trabalhar!”

É verdade. Se a política do PT fosse benéfica ao país, eu seria o primeiro a defender e condenar a postura da oposição. Mas não é.

Diante de todo esse caos, sabe o que o governo propõe para resolver a crise? Ressuscitar a vil e cruel CPMF, o antigo “imposto do cheque”, cuja tributação é feita em cascata, a cada movimentação financeira. O PT demonstra não entender nada sobre elevação de impostos, o que só faz desacelerar ainda mais o consumo e sufocar a “livre iniciativa” que ainda resta. É dar murro em ponta de faca. Sobre o tema, recomendo o elucidativo artigo do Instituto Liberal sobre a Curva de Laffer.

Enquanto isso, a Argentina conseguiu sair da crise e da inflação galopante através das políticas liberais e antiburocráticas do novo presidente Mauricio Macri, que enxugou a máquina pública, cortou impostos e isentou de Imposto de Renda 90% dos argentinos, exatamente o oposto do que Dilma propõe, que é contra o reajuste das faixas de isenção do Imposto de Renda no Brasil.

A oposição, a meu ver, tem é DEVER de barrar uma política econômica tão maléfica ao país. Se permitissem a sua aprovação, não representariam os eleitores que lá os colocaram.

Infelizmente, não temos o recall no Brasil. Só nos resta o impeachment como meio de impedir que sejamos obrigados a amargar mais 3 anos do desgoverno do PT.

“Má gestão não é hipótese de Impeachment. Impeachment é golpe. Respeitem os votos. Respeitem a democracia!”

Primeiro: Impeachment NÃO é golpe. Golpe se dá com ruptura constitucional. O Impeachment é previsto na Constituição e na Lei 1.079/50, a Lei do Impeachment.

Segundo: Dilma cometeu, com as pedaladas fiscais, que consiste, em brevíssima síntese, na simulação fraudulenta de superávit orçamentário, através da inadimplência nos repasses aos bancos oficiais, crime de responsabilidade descritos no artigo 11, itens 2 e 3, da Lei 1.079/50. A fraude foi reconhecida pelo TCU, que por unanimidade recomendou a rejeição das contas da Presidente Dilma Rousseff. Sobre o tema, recomendo a leitura do artigo do Mercado Popular.
__________________________
Yuri Coriolano é advogado eleitorialista.

22 Comentários + Add Comentário

  • Me interessei pelo texto pelo fato de estar buscando alguma fundamentação, mas só encontro “achismos” :(

    • Segundo: Dilma cometeu, com as pedaladas fiscais, que consiste, em brevíssima síntese, na simulação fraudulenta de superávit orçamentário, através da inadimplência nos repasses aos bancos oficiais, crime de responsabilidade descritos no artigo 11, itens 2 e 3, da Lei 1.079/50. A fraude foi reconhecida pelo TCU, que por unanimidade recomendou a rejeição das contas da Presidente Dilma Rousseff. Sobre o tema, recomendo a leitura do artigo do Mercado Popular.

  • meus olhos doem!

  • O texto é mediano, embora cumpra com certa razoabilidade o fim a que se propõe. O instrumento de destituição do chefe do executivo é legal, legítimo, discordar disso apenas em casos de acefalia ideológica. Todavia, existem argumentos mais substanciais para a destituição da presidente. Flagrantemente, houve violação da probidade administrativa e ato atentatório aos poderes constituídos. Como será o futuro, só deus sabe, agora defender sua permanência com o esdrúxulo argumento de golpe além de vil, é ignorante. Ideal seria convocar uma nova constituinte e fazer uma reforma geral no estado. Descentralizar a maioria dos serviços, imperar um estado mínimo, acabando com esse ente inchado que temos hoje. Além do mais, seria uma excelente forma de dizimar com certas prerrogativas de agentes públicos e políticos, como parlamentes, membros do judiciário, MP e executivo. Tal situação abriria espaço, por conseguinte, para uma reforma tributária, trabalhista e previdenciária, impulsionando o estado para um crescimento mais sólido.

    • Concordo plenamente.

  • Texto muito vazio. Primeiro, como, quantitativamente, o autor prova que é impossível roubar mais que o PT? O PR, o PP, inclusive o PMDB e PSDB tão devendo justificativas pra população. Segundo, pergunto a algum trabalhador beneficiário se teve seu direito alterado? Houve ajustes, apoiados e liderados pela Câmara e Senado a quem o autor defende, dizendo que deixariam Dilma governar se fosse bom, oi? como? Não vejo os principais deputaos preocupados em reduzir os gastos com assessoria, auxílio moradia, etc. Querem construir shopping. Pra mim, o principal problema desse país são os brasileiros e os deputados (reflexo de quem elegeu), Dilma é incompetente e não tem articulação política nenhuma, desagradou a oposição, desagradou o próprio partido, ficou isolada e agora vai ter que arcar com isso através de um processo de impeachment que, segundo o autor, se justifica pelas pedaladas fiscais. Se for assim, metade dos governadores do Brasil deveriam cair devido às pedaladas. A única coisa boa do impeachment é que Temer vai conseguir governar e o mercado vai se acalmar só, e somente só, porque reage à estabilidade e isso de cai, não cai não agrada investidores.

  • Se esses marginais petistas tivessem que pagar por todo o mal que fizeram, FUZILAMENTO ainda seria pouco.

    MAS, já que isso é meio difícil, só resta rezar pelo impeachment.

    Espero que as onze putas de subúrbio que ocupam o CABARÉ do STF (escritório de advocacia do PT) tomem vergonha na cara uma vez na vida e não queiram “melar” o processo de impeachment.

    Vamos ver se esse vaso sanitário todo cagado chamado brasil entra nos eixos.

  • Vão impichar dilma? Deviam colocá-la num hospício. A coitada roubou e mentiu tanto na vida que ficou doida.

  • Tem que tirar essa bruxa logo, caso contrário daqui a pouco Serra Leoa vai tá dando lição de economia ao Brasil.

  • Proponho um novo nome para o Brasil: Cuzil (mistura de Cuba + Brasil).

  • Se for só para achar,eu também acho.”achismo”

  • Parei de ler aí: “O que eu tenho certeza mesmo é de que ele não vai conseguir roubar mais do que o PT. Isso é realmente impossível.”

    Como diria o matemático Jonh Nash: “A certeza dos obtusos” ehehhehehe

    Ou o camarada tem uma maquina mágica que mede a corrupção. Ou não sabe fazer uma conta de somar. eheheheh A segunda opção é a mais provável.

    Mas, também sou a favor do golpe. Porra de Impeachement. Sou a favor do golpe mesmo. O PT é incompetente demais, digo em termos de gestão, não de corrupção. Neste último tema o PMDB de Temer /Cunhaé o campeão absoluto. Então, após o golpe, a globo só vai noticiar pensamentos felizes e a corrupção vai continuar comendo solta, mas haverá um pouco mais de eficiência de mercado. Pena que não teremos estado minimo total, pois na minha modesta opinião só o estado mínimo salva o Brazil. Salvar de quem? Dos políticos e barnabés. Pense numa associação perigosa!!!

    • Pense num povo preocupado com os demais, o país pegando fogo, tiraram recesso de 40 dias, agora recesso de semana santa, depois é recesso de sao joao, antonio, pedro…natal…fim de ano de novo..

  • Carlos, já observou que aqui ninguém curte a ideia do estado mínimo? Será que muitos andam agarrados às tetas da viúva? Difícil saber. Pra implementar a ideia, só uma nova constituinte. Ela sim, desprezaria qualquer alegação de direito adquirido e ato jurídico perfeito dessa turma.

  • Funcionário público se ouvir falar em “estado mínimo” tem um choque anafilático. Pra esse pessoal a única coisa “mínima” que existe é trabalho, o resto é tudo máximo: recesso, férias, licença, salários, verbas indenizatórias etc.

  • Política no Brasil é aliança, poder e dinheiro, esqueçam o resto como por exemplo, história, ideologia, ética, moral, etc. Por isso que estão distribuindo cargos para salvar o governo.

    Na cabeça dos anti-impeachment é assim:

    Compra-se 171 votos -> morreu impedimento -> Venceu a democracia
    Não consegue comprar 171 votos -> segue o processo de impedimento -> golpe

    Pra que complicar tanto ?

  • Empresas/Startups de ciência e tecnologia tem resolvido mais problemas da sociedade do que os próprios governos.

    Pesquisem sobre “Vale do Silício” e “Universidade da Singularidade”.

    Infelizmente o Brasil ainda está preso no já ultrapassado sistema de “PTralhas e Coxinhas”.

  • Yuri Coriolano é “advogado eleitorialista”, na verdade seria “eleitoralista”, agora está tudo entendido, principalmente a matemática obtusa do Dr. Coriolando.

  • Só não entendo essa de estado minimo ou menos estado pra quem? pois falta professor , falta enfermeiro, falta medico , falta policial e principalmente falta fiscal ( da receita, da fazenda , da controladoria e teria sim que criar uma inspetoria totalmente independente em todos os níveis de governo onde qualquer ato em não conformidade com a lei o inspetor teria a obrigação de comunicar o MP.)

    e o texto inicia apelando pra não paixão das opiniões e sensatez nos argumentos mas tem cara de analfabeto politico esses argumentos pois a solução não é tirar a ou b e sim listar e conscientizar o eleitor que partido corrupto não se pode votar em nenhuma hipótese , nas urnas temos que expurgar desgraças como PMDB, PP, PL , PT, PSL, PDT, PRB, PTB, DEM PSDB PMN PV ……. TEMOS MUITA POUCA OPÇÃO MAS AINDA PODEMOS TESTAR OS ÚLTIMOS CARTUCHOS AI SIM SEM PAIXÃO E UMA CHANCE SÓ. ( ex o Psol tem duas prefeituras se tiver roubo comprovado é só riscar do mapa apesar que Macapá foi e é uma decepção.)

  • Esperava mais do texto. Acredito que temos muitos motivos para defender a saída da presidente.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

janeiro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).