A bela propaganda do Boticário e a fúria conservadora

jun 3, 2015 by     15 Comentários    Postado em: Atualidades

 

Esta semana a Boticário estreou sua campanha “Casais” para o Dia dos Namorados.

Segundo o UOL, o comercial teria gerado forte repercussão de evangélicos nas redes sociais, com comentários desrespeitosos sobre a orientação sexual das pessoas.

Desde que a Globo ficou mais liberal, incluindo relacionamentos homoafetivos nas novelas, aparentemente o conservadorismo brasileiro (onde se encontra a maioria dos brasileiros) saiu da toca com toda sua fúria, mostrando uma grande dificuldade de convivência com as diferenças.

Pior ainda é o Conar abrir procedimento a partir de queixas contra questões morais como esta.

Ainda precisamos avançar muito como sociedade.

Em relação ao comercial, ele é belíssimo e de muito bom gosto.

E melhor ainda foi a resposta da Boticário aos questionamentos:

“O Boticário acredita na beleza das relações, presente em toda sua comunicação. A proposta da campanha ‘Casais’, que estreou em TV aberta no dia 24 de maio, é abordar, com respeito e sensibilidade, a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor ? independentemente de idade, raça, gênero ou orientação sexual – representadas pelo prazer em presentear a pessoa amada no Dia dos Namorados. O Boticário reitera, ainda, que valoriza a tolerância e respeita a diversidade de escolhas e pontos de vista.”

 E falando sobre o tema, vale a pena ler a história do cientista político Leon Victor de Queiroz, comentador assíduo do blog, sobre seu relacionamento.

15 Comentários + Add Comentário

  • É dificil ser liberal no Brasil, Pierre.

    De um lado você tem os chicobuarqueres da vida e seus sonhos românticos com Fidel nos dias de hoje. E do outro tem um monte de conservadores que querem fiscalizar a liberdade individual de cada um.

    É triste ver esse mimimi todo dos conservas por causa de um comercial tão bobo e simples desse. A coisa mais pesada é um abraço, meu deus.

    Por isso a juventude tem tanta facilidade em cair nas mãos do PSOL, PSTU e essas coisas por aí. Eles ganham no social e destroem na economia.

    Conservadores = Ajudam mais os esquerdistas do que atrapalham.

    • E o pior é ver cascateiros como Yungur! Teus comentários políticos são preconceitos puros…De quem não tem nada na cabeça. Tipo miolo de pote…sem água!

  • “Pior ainda é o Conar abrir procedimento a partir de queixas..” Isso me fez lembra do comercial da OLX que tiraram do ar só por causa do “ordináriaaaaaa”… Mas aí não se coloca na conta dos conservas… a intolerância veio das feminazi do suvaco peludo.

  • Casais não, duplas… não tardará serão trios, quadras, orgias, surubas…

    • E se forem? O que a tua vida tem a ver com isso?

  • Eu gostei do comercial, acho que foi uma boa forma de demonstrar o respeito do boticário e sua posição.
    Só acho que ficou no ar a impressão que apenas branco compra perfume lá.

    • Artur Ugiette, dei uma boa risada com seu comentário. Não ri “do seu comentário”; mas da forma espirituosa com a qual o escreveu. Do seu modo de pensar, toda propaganda agora tem de ser povoada por uma espécie de ONU. Tem que ter um negro, um japonês, um tetraplégico, um obeso, um mico leão dourado etc. O Boticário já foi corajoso em fazer o que fez. Soprar todos os apitos de uma só fez é trabalho demais.

      • kkkkk,
        Quase.
        Na verdade foi uma critica ao fato de que hoje, pelo espaço dado na mídia aos Jean’s Williys e Malafaias, a propaganda surfou pra ganha projeção.
        Se fosse algum tempo atrás, a polêmica da vez seria a falta de negros e gordos no comercial. Mas hoje isso não dá repercussão.

  • Só queria saber quanto esse povo ganha pra fiscalizar a genitália alheia. Toda forma de amor é válida, todo mundo só quer ser feliz.

    Lá em 1999 tinha o clipe das t.A.T.u. se beijando na chuva e ninguém ligou pra MTV enchendo o saco pra tirarem do ar. Vão todo mundo transar.

  • Tenho pra mim que tudo foi uma estratégia de marketing. Não apenas o comercial, como a sua contestação e repercussão

  • O boticário não tem o que temer, pois seguidor do Silas Malafaia só compra Alfazema e Alma de Flores.

  • “Por isso a juventude tem tanta facilidade em cair nas mãos do PSOL, PSTU e essas coisas por aí. Eles ganham no social e destroem na economia.”

    PERFEITO!

  • Não entendi o nexo causal entre a Globo ter se tornado mais liberal e a fúria dos “conservadores” brasileiros ter saído da toca… Parece-me que esse segmento que se mobiliza nas redes sociais para vociferar contra coisas como essa bela campanha do Boticário possui claras delimitações demográficas (e uma certa preferência pela TV Record, na verdade)…

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).