A encapsularização de uma cidade doente

out 30, 2012 by     577 Comentários    Postado em: Atualidades

Desde ontem o assunto das redes sociais vem sendo a inauguração do Shopping Riomar. Fotos no Instagram, imagens no Facebook e muitas mensagens no Twitter.

Ontem foi a cerimônia de inauguração do centro de compras, que contou até com a presença do Governador, prefeito, ministro, senadores, deputados e o establishment em geral. O negócio chega a ser tão sério que até o Arcebispo apareceu para abençoar o Shopping.

Foi uma espécie de celebração coletiva de um empreendimento arrojado, mas que só demonstra que algo está errado.

Quando se comemora a abertura de um shopping como se fosse um parque público, é sinal de que a cidade está doente.

Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido. (Americano é subdesenvolvido com dinheiro)

E isso nada tem a ver com questão ideológica ou coisa do tipo. Apenas falo isso porque para um centro de compras neste formato dar certo, é preciso que a cidade esteja uma porcaria, que é exatamente o caso de Recife.

O sucesso de um shopping está diretamente relacionado a uma falha de mercado. Ele cobre todos os aspectos que o Poder Público não consegue atender, que é a qualidade dos espaços públicos na cidade.

 

Me dei conta disso na primeira vez que estive no exterior. Estava em Bruxelas, olhando para os lados e percebi os motivos de ali não ter um shopping: as ruas eram bonitas, seguras, com calçadas largas e bem cuidadas, sem comércio ilegal e ainda fazia um friozinho. (foto acima)

Para que shopping center?

Por aqui é exatamente o contrário. As ruas são fétidas, inseguras e com as calçadas esculhambadas. Para piorar, como o deslocamento da classe média é todo feito de carro, ainda falta estacionamento privado perto dos locais de compra. Na verdade o espaço público está totalmente privatizado, seja por camelôs, construtores que espalham metralha nas calçadas, ou ainda pelos famigerados donos das ruas, chamados aqui de flanelinhas, que hoje são os verdadeiros representantes da esculhambação que se tornou o Recife.

Por tudo isso o shopping center vira um excepcional empreendimento. É mais seguro, não se cai em um buraco, estaciona-se com facilidade e ainda tem o ambiente geladinho.

Engana-se quem acredita que isso é uma luta do bem contra o mal, ou ainda que isso se deve a um empreendedor privado, que no caso é João Carlos Paes Mendonça.

Vamos combinar outra coisa: JCPM é empresário e faz o que bem entender com seus investimentos, e a abertura de um shopping é apenas a percepção perspicaz de uma falha de mercado que pode se tornar uma grande oportunidade de negócio.

Na outra ponta, costuma-se dizer: “Ah…mas aqui em Recife quem manda é o seu grupo e meia dúzia de construtoras.”

Isso não é verdade, quem manda na cidade é qualquer um que queira. Seja ele um construtor, um camelô, um empresário, ou mesmo um flanelinha.

Essa cidade vive um clima de anarquia completa, patrocinada por um Poder Público inerte, tendo à frente um prefeito sem moral, que está à frente de uma cidade sem planejamento algum. Um Prefeito que chega ao cúmulo de fazer uma via pública de acesso ao centro de compras sem calçada, como se ninguém pudesse ir a pé. De bicicleta saindo do centro da cidade então, nem pensar.

A única questão é que este grupo de empresários com visão mais imediatista aposta no estilo de cidade morta a qualquer custo, pois bastaria uma boa reforma urbana em alguns bairros que o cenário mudaria por completo. O único risco está aí.

Por outro lado, temos uma população cujo sonho de consumo é refrescar os fundilhos em um ar-condicionado a qualquer custo.

O nosso padrão de sucesso hoje é morar em um prédio com um muro de 7 metros, descer por um elevador geladinho, entrar no carro e ir passear no shopping center.

É a completa encapsularização do cidadão.

O indivíduo bem sucedido por aqui é aquele que compra um apartamento na praia e vislumbra o mar de um esteira ergométrica de 15 mil reais, pois não se dá nem ao trabalho de ir passear no calçadão da avenida Boa Viagem. Na casa deste cidadão toma-se banho quente com o ar-condicionado do banheiro ligado. Ar puro só é respirado em alguns poucos momentos.

E as argumentações a favor da encapsularização são as mais pobres possíveis, como por exemplo a beleza dos centros de compras. Já outros preferem ser mais agressivos, dizendo que quem é contra está contra a geração de empregos.

Mas o melhor mesmo são aqueles que vêm com a frase mágica matadora: “aposto que você vai frequentar o shoppping”.

Ora, os empregos seriam gerados da mesma forma se as lojas fossem nas ruas. E não nego que, apesar de não gostar, vou frequentar o Shopping porque ali estão os cinemas, restaurantes, etc. É como tentar proibir de frequentar o estádio de futebol adversário.

E esse fenômeno da encapsularização vem acontecendo em quase todas as metrópoles do Brasil. Não acontece na Europa ou em qualquer outro lugar desenvolvido justamente pelo que coloquei acima.

E os argumentos ainda podem piorar, indo até a politização do tema, como se isso fosse uma briga entre esquerda ou direita, ou entre ricos e pobres. Como se a urbanização da cidade devesse ser ideologizada.

Esquecem que o lugar mais valorizado do Brasil, a Zona Sul carioca, se orgulha de ter suas principais lojas nas ruas. Em Ipanema as principais lojas estão todas pelas ruas, como H Stern, Puma, Richards, etc. Estão todas em calçadas bem cuidadas, apinhadas de gente, dando vida ao lugar. Até os cinemas são na ruas, assim como bons restaurantes.

E quando instalaram um centro de compras semelhante a um Shopping no Leblon, a população reclamou porque estava preocupada com a vida do bairro. O resultado hoje é que as lojas deste centro de compras são muito mais baratas do que as instaladas nas ruas, porque é lá que está a vida de uma cidade. E os empregos são gerados da mesma forma, seja em lojas de ruas ou em centro de compras.

E para quem pensa que aqui não é Ipanema, basta relembrar que as ruas eram uma bagunça, até que o então prefeito Cesar Maia resolveu fazer uma reforma na cidade, aumentando as calçadas. A revolta naquele momento foi grande, já que ele pensou no absurdo de tirar uma faixa de carro para dar ao pedestre.

Mas no Rio de Janeiro todos acabaram percebendo que isso foi melhor para a cidade.

Mas por aqui comemora-se com toda pompa a catarse subdesenvolvimentista como progresso.

O pior é que, de um lado temos a galera encapsularizada celebrando o “progresso” modernoso ao gosto do empresariado selvagem. De outro os defensores dos “fracos e oprimidos” camelôs e flanelinhas, que ajudaram na privatização da cidade. E no meio, espremidos como recheio de sanduíche, aqueles que ainda imploram por uma cidade melhor, e mais humana, com melhor transporte coletivo, com mais bicicletas andando em segurança, com as ruas cheios de pedestres em calçadas amplas e bem cuidadas.

Mas está difícil.

Como diz Renato Russo:

Vamos celebrar nossa tristeza,
Vamos celebrar nossa vaidade
Vamos comemorar como idiotas

577 Comentários + Add Comentário

  • Pierre, MAXIA VENIA com voce… Temos cultura e costumes bem diferente da zoropa. No nosso modelo, Rio Mar é excelente. Argumentei no facebook com v; bonito, funcional, gera empregos, tem ar-condicionado, estacionamento…tudo que nao teria na rua da Imperatriz

    • Wagner,
      Deixe de ser tão cego. As ruas da Imperatriz, Nova, etc possuem beleza, muito mais autêntica e coesa do que os shoppings. E da mesma forma que um shopping, lá são gerados empregos e funcionam muito bem, basta ter planejamento e gestão. Argumentos como o teu mostram a pobreza de espírito que tomou conta de nossa população, onde qualquer coisa é aceita de qualquer forma.
      Acho engraçado que todo mundo viaja pra ver cidade: monumentos, igrejas, parques, museus, etc e tudo isto no meio da rua, sem tá contido dentro de um shopping ou você viaja para passear em shopping?
      E que modelo é esse que você fala? Modelo de cidade? Modelo de sociedade? Se você acha que está tudo bem é bom você começar a se informar, pensar não vai doer.

      • Sem contar que, pra se ter modelo, precisa-se de padrões. Ora, universalizou-se um conceito de lugar ideal para tudo? Cada lugar tem suas características e desenvolve-se bem o lugar que sabe explorá-las.
        Temos as nossas, somos criativos, somos criadores. Mas infelizmente, também somos alienados e idiotas por querermos tudo igual ao exterior. Eles têm suas belezas, verdade seja dita, mas isso não nos faz absolutamente dispensáveis. Não nos faz NADA dispensáveis.
        Temos que olhar mais pra dentro e aproveitar o que temos de melhor; e temos muito disso.
        Como foi falado das igrejas, praças… Será que não temos igreja no Brasil?! Praças? Áreas de laser? Mesmo tendo as nossas sujeiras consequentes da urbanização descontrolada, temos lugares extremamente lindos e vislumbráveis, muitas vez mais valorizados por que quem vem de outro país. Temos 512 anos na cara, já somos bem grandinhos pra continuar achando a grama do vizinho mais verde.
        Vamos acordar e fazer por onde ao invés de apenas “mas se fizéssemos como na europa…” O que eles fazem é inteligente, mas nem adianta querer fazer igual. Temos tudo pra ser igualmente diferentes, somos o país da missigenação, das idéias, da arte, da cultura. Podemos não ser melhores que ninguém, mas garanto que não ficamos nem um pouco por baixo.
        Brasileiro com orgulho, nordestino com alegria. Como disse o Gonzagão “até pra nascer tive sorte, pois nasci em Pernambuco, o famoso Leão do Norte!”

        • Leão do Norte, copiar algo bem feito em outro país não nos diminui como nação. Querer ser original em tudo é uma mania estúpida de brasileiro. É coisa de gente que diz: “não preciso copiar os outros, pois tudo que penso é original e melhor”. Às vezes o plágio soa melhor.

        • Na imperatriz pode ser tudo lindo, Mai que é quente, é!

        • A rua da Imperatriz é suja, e feia e tem muito ladrão como todo o centro do Recife. Sem falar que não existe estacionamento, nem um bom acesso para cadeirantes e/ou portadores de deficiência física.
          Apesar de ser mais caro comprar no shopping, nem se compara o conforto. O centro do Recife está acabado, sujo, sem investimento, sem nenhuma atração para os compradores. É mais fácil você ser roubado, cair num buraco, levar chuva e sol, e outras mazelas que todos sabemos que lá existe.

        • Sinceramente, não é errado copiar algo que traga melhoria para nós. O errado é usar argumentos infundaveis como desculpa para apoiar a construção de de um schopping center como o Rio Mar. O exemplo q nos foi dado, que foi o da Europa que tem seus empreendimentos comerciais nas ruas é ótimo e seria legal copiar isso. Não fazendo de nossas ruas um clone da Europa, mas sim melhorando às condições de nossas ruas. Melhorando a infraestrutura, a segurança, os estacionamentos, etc… Também precisamos de uma grande reforma educacional, pois comovemos, temos vário exemplos nessa mesma página. Várias pessoas crescem acostumadas a serem consumistas compulsivos achando melhor estar em um shopping totalmente separado da realidade, da natureza e também da história, como é o caso de algumas ruas do Recife, como: Rua da Imperatriz, Rua Nova, entre outras. Temos políticos que presam pelos “grandes empreendimentos” semelhantes a esse usando como desculpa a criação de novas vagas de emprego, esse mesmos empregos podem ser gerados se às lojas passarem a ser nas ruas, e o pior é que os empresários usam uma parte de seu dinheirinho ( uma pequena parte) para fazer uma obra pública, por exemplo: asfaltar uma rua, ou retirar alguns moradores de palafítas ( para não ter uma imagem ruim por perto de seu empreendimento). Com isso eles ganham subsídios nos impostos… Então pernambucanos, nordestinos, brasileiros… Temos que estinguir essa pobreza de espírito de dentro de nós e desfrutar mais do que temos e lutar como cidadãos pra que a situação melhore, vamos parar de pensar que o sucesso é atingido após a compra de um automóvel, ou um apartamento em frente ao mar.
          Obrigado pela atenção.

        • Não é uma questão de copiar do exterior, e sim de aprender com os erros. Depois da segunda guerra, a europa entrou num processo de urbanização em que patrimonio antigo deveria ser demolido e lugar a “grandiosa” arquitetura moderna, nisso inclui arranha céus, prioridade para os carros e “shoppings centers”,e é o que está acontecendo com a gente. O grande problema é que, arquitetura moderna, em meados da decada de 60, começou a ser criticada. Viu-se na europa a necessidade de um urbanismo mais humano, que valorize o pedestre, onde tudo esteja perto, sem haver necessidade de usar o carro, e, principalmente: valorizar o espaço publico. Então um novo meio de pensar a cidade foi aplicada, e a europa se tornou o que é atualmente: um modelo. Mas nós não enxergamos isso. Carro aqui é status, espaço publico aqui é ponto de drogas, ou lugar de pobres pq rico vai pro Plaza. Patrimonio aqui cedeu lugar aos arranha ceus da Moura Dubeux. Aqui só se aprende quando a gente se fode.

      • Seria legal ver lojas “de peso” na Imperatriz, ao invés de ter que se confinar shopping para isso.

        • Qual a loja de “peso” da imperatriz? kkkk

        • Não sei se você conhece a Imperatriz, Karlos com “K”, mas lá estão C&A e Renner, lojas que, até para um shopping do porte do RioMar, são consideradas de peso.

          Além claro, da lendária Padaria Imperatriz.

        • Quer dizer que a Imperatriz tem 4 lojas de “peso”? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        • VC jura que nos shoppings centers estamos totalmente seguros, não é?
          aí, já é OUTRA questão! quantos casos nós vemos e ouvimos falar, mas a mídia abafa?
          a insegurança nos persegue, não importa para onde vamos!
          essa novidade, pra quem é consumista, é um prato cheio. Recife finalmente no mapa!
          então, que aproveitemos!

        • Totalmente não, em nenhum lugar do Recife estamos totalmente seguro. Mas mais seguro do que a Rua da Imperatriz, te garanto que sim! Nem em casa estamos totalmente seguros.

      • Completamente de acordo, Breno.

      • Ninguém vai falar da privatização da BR 232 não?

    • Voce reparou que alguns lojistas. não quiseram se instalar no riomar, acabam sendo obrigados porque tem operações em outros shoppings do grupo jcpm, e mesmo assim a procura por pontos nas ruas de bairros nobres está altíssima, o custo fixo de ter um ponto no shopping é de mais de 30% do faturamento do negócio, voce praticamente trabalha pro shopping e o governo, se precisa faturar muito, ou seja pequenas e médias lojas, acabam virando funcionária do players que sempre ganham, GOVERNO E DONO DO SHOPPING. ATACADISTA DO VAREJO É MELHOR QUE VENDER ARMAS E DROGAS!

      O que fazer em Recife se não for ao shopping?

      • Frede,Recife,é LINDA por natureza,é só olhar querendo ver e,para qualquer lado que nosso olhar se volte,a beleza está presente;
        Recife CIDADE LUZ é BRASILEIRA eu te AMO.

    • E é exatamente isto que Pierre está dizendo.

      Mas os ricos daqui só são civilizados quando estão na Europa.

      De volta ao Brasil eles mandam seus vassalos/escravos levarem os totós para deçixar o cocô nas ruas. Pois eles mesmos não pisam nas ruas.

      E as OTORIDADES que macaqueiam os ricos, ajudam a emporcalhar e enfeiar a cidade, pois nem a varrição sabem fazer; não tapam os buracos e não fazem manutenção de nada.

      Para que cuidar do Brasil se o parque e o centro de compras deles é no exterior?

    • Wagner, VIXE MARIA com você.

    • Concordo Wagner, a Rua da Imperatriz , Rua Nova e outras…estão acabadas, fedem, são feias, cheias de gambiarras elétricas e hidráulicas, esgoto escorrendo, muitos trombadinhas, etc…e o pior, sem acessibilidade para cadeirante e portadores de deficiência e sem estacionamento. Dia desses entrei numa loja na Rua Nova, encostei na parede, e sujei a camisa. A loja estava funcionando e estava em obras. Uma zona total. Nem sem compara!

  • Faço minhas as palavras do Pierre. Esse é um dos melhores textos de análise urbana que lí nos últimos tempos.
    Lembrando que o Prefeito Cesar Maia quando “limpou” a cidade e devolveu as ruas aos cariocas foi chamado na época de maluco. Graça a “loucura” dele tivemos as ruas de volta. Hoje, os mais jovens nem imaginam a bagunça que já foi um dia a zona sul do Rio de Janeiro. Graças a Deus é uma lembrança do passado.
    Recife ou qualquer outra cidade tem solução. Mas é necessário vontade política. É necessário também que a população de bem participe da política pq se os bons saem os ruins tomam conta.

    • É isso Diogo. O que falta realmente é vontade política para consertar o nosso centro da cidade. A única vontade mesmo que existe desse políticos é a de enganar e sugar o nosso dinheiro. Verdadeiros vampiros.

    • Diogo, no mínimo, você está brincando. Nasci no Recife, mas praticamente fui criado no Rio de Janeiro. Falar que o Rio de Janeiro as coisas são bem organizado é não conhecer o Rio. Vou lá todos anos, já que meus filhos são cariocas, e não vejo nada mudado. Há sujeira e bagunça em tudo que é lado. Apesar de ter coisa muito mais bonita que aqui. Recife para se tornar uma cidade perfeita teria que mudar muita coisa, mas existe muita resistência para que isso aconteça. Para mim só ficava de pé aquilo que é realmente histórico.

  • Excelente texto! Esse é um dos melhores textos de análise urbana que lí nos últimos tempos. [2]
    Tapa na cara da nossa classe mérdia que perdeu completamente os significados das ruas e da vida a céu aberto.

    E pra quem vem com esse papinho abilolado de “o shopping nos dá segurança”, só desejo que um louco como James Holmes não invente de entrar no RioMar metralhando vcs numa sessão de cinema…

  • “Numa sociedade tornada competitiva pelos valores que erigiu como dogmas, o consumo é verdadeiro ópio, cujos templos modernos são os Shopping-centers e os supermercados, aliás construídos à feição das catedrais O poder do consumo é contagiante, e sua capacidade de alienação é tão forte que sua exclusão atribui às pessoas a condição de alienados. Daí a sua força e seu papel perversamente motor na sociedade atual.”

    (O Espaço do Cidadão – Milton Santos)

    • Juca, esse livro é fantástico! Milton Santos consegue em pequenos trechos elucidar muito coerentemente o espaço dos verdadeiros cidadãos, que por fim, são esses aí: o q estão aptos pra consumir ou se tornar cliente!

      • Cidadãos? Os shoppings, ou melhor, o sistema, reduz o ser de cidadão para apenas consumidor, e só.

        • Mas foi exatamente isso q quis dizer Daniel, nesse sistema apenas as pessoas aptas a serem consumidores, são consideradas cidadãs… e essas reflexões estão contidas no livro Espaço do Cidadão de Milton Santos, dentre outros pensamentos voltados para as “cidades mercados”, como o Recife.

  • Excelente texto de análise urbana.

  • Tirando a parte que Pierre defende JCPM…

    • E era o quê? Para atacar? Eu não concordo do Rio Mar ter sido construído colado no Capibaribe como foi, mas isso não é culpa de JCPM, é culpa do poder público que deixou. Se JCPM de repente visse que faria bastante dinheiro construindo uma usina nuclear, ele tem todo o direito.
      Se seus engenheiros fizessem um Estudo de Impacto Ambiental e concluíssem que ele teria custos reduzidos se construísse sua usina no meio do Recife Antigo, bem, ele tem todo o direito de QUERER construir lá, mas no final cabe ao PODER PÚBLICO PERMITIR tal coisa.

      • forçando o exagero aqui:
        “O ladrão não tem culpa de roubar… Polícia é que não foi eficiente o bastante para evitar!”.

        faça-me o favor…

        • Nada a ver olheiro. JCPM não infringiu nenhuma lei ao construir ali.

          Tb nao concordo pessoalmente com o local, mas LEGALMENTE (q foi o seu exemplo) não há qualquer impedimento.

        • Embora a prostituição seja moralmente questionável, não há lei proibindo uma mulher de vender seu corpo. O que não pode é a exploração sexual por terceiros. Espero que você entenda a analogia.

    • Ele não defendeu. Simplesmente não atacou. Ou agora “não atacar” é sinônimo de “defender”? Só existem dois lados absolutos?

      Pierre claramente não colocou culpa em JCPM, o que não implica que aprove a jogada do empresário. Tão somente Pierre explicou que o empresário está apenas se aproveitando de uma “falha de mercado” gerada pela inércia do poder público.

      Ah, quer saber, não vou me alongar sobre isso. Releia o texto e entenderá.

  • Aliás, o Rio de Janeiro possui shoppings enormes, como o Botafogo e o North que tem quase 400 lojas. Nao sei dizer se a zoropa inteira segue o padrão de Bruxelas

    • Vá a Paris, vá a Berlin, vá a Londres, vá a Roma, vá a Barcelona, vá a Nova Iorque e depois chegue a essa conclusão: nós somos uma província que causa gargalhadas nas cidades desenvolvidas.

      E ainda somos ridículos desse jeito voluntariamente acreditando piamente que somos “muito bacanas”.

      • A MACY’s em NY não é grande? Ou não é um shopping?

        • A Macy’s é uma loja de departamentos, que fica na Quinta Avenida. Não é um shopping.

        • Luciano, ela engana bem, visse??? Com o aglomerados produtos e marcas que tem dentro…

        • Como o Laccosta falou, a Macy’s é uma loja de departamento que por definição reúne produtos de diversos departamentos/marcas em uma única loja.
          O que é diferente de um shopping. Seus espaços de convivência se resumem à cafés.

          Você quer argumentar com exemplos de Nova York?
          Pense na Bleecker Street, 5th Avenue, Times Square, etc.

          Acha que algum desses centros de consumo e convivência seguem os modelos de shopping? Não.
          As únicas cidades que Shoppings gigantes predominam se encontram nas áreas que sofrem e sofreram a onda imigratória e turismo de países como o nosso.

        • Quem nasceu no Brasil depois do governo Collor, quando faliram a Mappin, Mesbla, Lobrás, Slopper etc, não sabe o que é loja de departamento…

        • Cara para mim a MACY’s é um shopping…

          Vejo ele de forma muuiiiiiiiito semelhante.

        • Laccosta, Macys em NY, ou Gallerie Lafayette em Paris sao lojas de departamento!

          O europeu tem aversão a shoppings, posso te garantir.

          Nos EUA os shoppings estão se resumindo aos Malls nos suburbios, bem especificos.

        • PG, o estilo das lojas de departamento é o mesmo do shopping.
          É aquela história: não é privatização é concessão…

      • Cara, concordo com boa parte do que afirmaram. Porém, se eu morasse no sul do país, eu certamente poderia comparecer ao centro da cidade para, passeando sem medo de ser assaltado e em uma temporatura agradavel, realizar compras em diversas lojas. Mas do jeito que as coisas estão por aqui, e o calor de lsacar, prefiro os shoppings.

    • A Inglaterra tem diversos shopping centers. vou citar o mais notório: Harrods. Todo lugar tem seus templos do consumismo, que serve pra segregar as camadas sociais. Os nossos não chegam ao exagero do Harrods, por exemplo, mas por falta de espaço no mercado, de poder de compra. Mas consumismo é um problema mundial. Aqui falta sim mais aproveitamento dos espaços públicos, da rua. Mas também devo lembrar que, em dias de muito calor na Europa, muita gente fica em casa, não vai pra rua fazer compras no sol porque o calor é incômodo pra todos, inclusive pra eles. Não estou defendendo os shoppings, antes que achem que se trata disso. Quase nunca vou, não curto o ambiente. Mas pra comparar, é preciso ter parâmetros realistas. Europa e Recife são completamente distintos. Comparar com o Rio faz mais sentido. Mas honestamente, prefiro que essas H Stern, Puma e Richards continuem nesses templos do consumismo e deixem os espaços públicos para coisas que realmente favoreçam a população local e promovam a cultura, e não o consumismo. Inclusive porque acho um absurdo o que se gasta nessas lojas, e em uma região com tanta desigualdade social, tomar os espaços públicos com lojas de artigos que só uma pequena parcela da população pode comprar me parece insensato (pra não dizer ofensivo). Mas concordo plenamente que é ridículo o papel das autoridades públicas e religiosas benzendo empreendimento privado. É uma pena que o capital privado tenha tanta força. Mas sei que dessa doença padece todo o mundo, infelizmente.

      • Harrods nem é shopping, veja comentário acima como a Macy´s.

        E quanto a calor… você mesmo respondeu falando sobre o Rio de Janeiro.

      • Harrods não é shopping, é loja de departamento…

        • A questão é o espaço público. Nessas lojas de departamento (ou shoppings europeus como estão dizendo) o acesso se faz direto da Rua.
          Também é um templo de consumo de grife e que segrega socialmente, mas não destroi o espaço público.Não criam bolsões na malha urbana onde praticamento só se entra de carro. Temos que refletir que esses mega empreendimentos refletem na forma da nossa cidade e empobre demais nosso espaço urbano.A diferença da zona sul carioca (onde moro atualmente) é que as ruas são vivas. Você pode até não frequentar a H stern ou a Richards, mas você desce do seu apartamento e vai até a esquina andando num supermecado ou padaria. Copacabana e Ipanema especialmente são locais onde
          predominam o uso misto, ou seja, no térreo de muitos prédios residenciais também
          funcionam comercio e serviços. Você vive de fato a escala do bairro. Não precisa de carro para nada.
          Com o metrô passando ao lado da sua casa é possível que você trabalhe no centro e não use o carro quase nunca. A classe média e média alta usa muito o transporte público. Não acho que tudo seja a uma maravilha também. Tem muitos problemas, principalmente sociais. Acho que está na hora da nossa sociedade perceber que estamos enfiando nossa cidade num burraco terrível. Enquanto não pressionarmos o iniciatia pública para mudar esta situação viveremos em um lugar terrível
          de se morar. O pior é que tem muita gente que apoia esse modelo, que acha o projeto novo Recife uma maravilha. Triste realidade….

    • Em cidades gigantes e cosmopolitas há de tudo, inclusive Shoppings. A questão é o número, a necessidade e o peso que eles têm na economia da cidade e na vivência dos moradores. A forma como como a cidade determina e é determinada pela existência desses centros. Você não vai conseguir construir uma cidade tão perfeita e uniforme que seja totalmente proibitiva aos shoppings. O que está em jogo é o modelo econômico e urbanístico. Não consigo imaginar o prefeito de Paris inaugurando um o Rio Mar de lá e dizendo que aquilo vai ser importante pra economia da cidade. Portanto, concordo com Pierre.

      EUA não contam. Como consta no texto, americano é subdesenvolvido com dinheiro.

      O Rio de Janeiro é mesmo um laboratório interessante. A região que vai da Urca até o Leblon tem esse estilo descrito por Pierre (Os Shoppings citados por Wagner peixoto não ficam nessa região). Na Barra da Tijuca é o oposto. Bairro das celebridades e do encapsulamento em condomínios, é a terra prometida (por Eike Batista). Também não confundam as lindas galerias de Copacabana, as vezes chamadas de shoppings, com shoppings.

      Ah sim, e no que depender de Eduardo Campos (Geraldo Júlio, dá no mesmo), e seu olhar voltado para seus projetos de poder, precisando agradar seus lobistas, a cidade não vai continuar doente. Ela simplesmente vai morrer.

    • Não conheço a Europa toda, mas Porto, Lisboa, Coimbra (tem um grande shopping, mas tem sua rua VIVA cheia de lojas também), Paris, Valência, Madrid, Sevilla, são cidades onde as ruas são utilizadas. No momento que vc tira o comércio da rua e joga dentro de um shopping, vc tira a circulação de pessoas das ruas, e rua sem gente, é rua insegura. Então o shopping não dá a segurança que a rua não tem, ele tira a segurança que a rua teria. Fora que as pessoas usando somente shoppings, não usam as calçadas, então não exigem árvores para dar sombra, nem exigem calçadas de qualidade. Rua deixou de ser espaço de convivência, virou caminho pra shopping. Recife, você merece!!!

      • O centro de recife não é movimentado?

        • Sim, o centro do Recife é movimentado. E muito. Fazia muito tempo, mas ontem passei umas duas horas lá e andei muito, Mudou muito pouco de 30 anos para cá. Os problemas são os mesmos. Depois de olhar tudo que disseram: calçadas, trânsito, flanelinhas, ambulantes, lojas, segurança e limpeza, só há uma conclusão óbvia:
          Falta somente Educação.
          Por isso as ruas são fétidas e o lixo abunda mesmo tendo garis varrendo duas vezes por dia a guararapes, por exemplo. Os ambulantes vão virar soldadores. Mas leva tempo, somente a nova geração vai virar. A antiga não consegue mais aprender com facilidade. Não foi ensinada a aprender. Por isso, alguns subempregos vão sumir aos poucos.
          Ah, sim. Mesmo reclamando pelo poder público: Sem educação a população não tem como cobrar algo que não sentimos falta.

        • Cesar, nunca li tanta besteira em um só post cara!! primeiro ninguém tá propondo tirar lojas das ruas, segundo shoppings ou Mall são modelos diferentes de negócios, todas grandes cidades possuem varios e continuarão a possuir, agora NUNCA vi tanta gente TAPADA reclamando de um modelo de
          negócio adotado COM SUCESSO no mundo INTEIRO…..
          BANDO DE BABACA reclamão sem objetividade e se achando os bilassss!!!!

        • Sujeira, violência, acidente de transito e diversas outras mazelas são vila da falta de educação.
          Dê isso e o progresso humanizado virá.

          Por isso o candidato de uma proposta só estava tão certo…

    • E o que é legítimo minha gente??? está dentro da legalidade ter trabalho escravo? está dentro da legalidade destruir mangue? por favor, essa desculpa de que empresário pode fazer o que quiser que tá n direito dele só pelo simples fato de ter dinheiro pra investir acho q n cabe…

      • Concordo totalmente.

    • Os Shoppings na Europa( vivi em na Inglaterra, França, Alemanha, e Espanha, e conheço outros tantos paises) não são tão grandes, nem tão “centrais” na vida das pessoas. Como o autor do texto bem colocou, a vida acontece nas ruas, em lojas pequenas e medias, muito mais que aqui. Se voltássemos a fazer isso, não seria “copiar Europeu” seria a volta a uma qualidade de vida perdida. E os shoppings que ficassem para quem gosta. Meus amigos de fora não entendem, com o clima que temos aqui, como estamos sempre”trancafiados”. Tem a realidade local(é quente) e tem a outra a nefasta insegurança, que isso, acho que todos estamos de acordo que deveria mudar. Mas a cidade é bonita, mas mal cuidada. Parece que ninguém com poder pensa. Mesmo os que querem ganhar são imediatistas, mediocres.

  • Passeei pela Zuropa e nos EUA e onde eu fui, cidadizinha e cidadezona tinha shops.

    O shop é a unica modalidade de lazer aqui.

    Justamente pelo que o sr. falou. O povo é como o gado, vai para onde mandarem ir.

    Lá na Zuropa o que não falta é parque, eles nutriram uma paixão por parque e tem vários, enormes. Visitei vários pequenos parques do tamanho do shopping recife. Veja bem, “pequenos parques”.

    Não culpe o cidadão que esta encapsulado porque não vê opção. Sério, eu não acho que a culpa dessa situação seja do peão.

    Mas, vira e meche, nas eleições, se vota só na mesma corja.

    É porque o povo gosta de se fuder, então eu quero mais é que eles se fodam mesmo para ver se aprendem.

    Né não Alexs?

    • Psocierfeito. Enquanto a Europa pensa em “cidades do bem viver” ,nosso povo comete erros que ooutras sociedades cometeram há 100 anos e se orgulha disso.

      • Digo: perfeito.

    • A falta de opção é puro comodismo. Várias opções temos, vou citar 3: 1) correr pela cidade; 2) pedalar pela cidade; 3) saídas para tirar fotos. As 3 opções podem ser realizadas em grupo para aumentar a segurança. O comodismo tira a imaginação das pessoas, o espírito de conhecer a cidade com outros olhos. Prefiro correr 12km, 15km e depois juntar uma roda de amigos e jogar conversa fora bebendo água de coco ou pedalar e fazer um café da manhã logo em seguida ou juntar a galera e tirar fotos de algum lugar da cidade. Muito melhor do que viver encapsulado dentro de um shopping, dentro de um carro, para mim já basta o encapsulamento no trabalho durante a semana. Frequentar o shopping e ir ao cinema também faz parte, mas que não seja uma coisa corriqueira, pois outras coisas também tem que ser vivenciadas.

      • Se eu correr 12 kms eu morro. :(

        Antes de correr 12 kms eu preciso me preparar para correr 12 kms, para me preparar eu preciso de tempo. Mas eu não tenho tempo para isso.

        Comodismo?

        Ok!

        Tirar fotos a esmo? Não me agrada, se lhe agrada, ótimo!

        • Ou você acha algo que lhe agrade. Pedalar pela rua é mais seguro do que se imagina. (exceto em vias expressas) E não precisa de um preparo físico de atleta. (eu sou gordo e estou usando a bike cada vez mais como meio de transporte)

      • E por falar em pedalar, tem um grupo que assalta bicicletas de fibra de carbono na saída da Praça da Jaqueira. Se liguem, pois muita gente já foi assaltado lá. O Recife é perigoso, uma caminhada e uma corrida de bicicleta, se não for bem orientada, pode trazer aborrecimentos.

        • Obg pela informação, o mais seguro é sempre fazer em grupo

  • Caramba, que medo dessa foto. Parece saída daqueles filmes onde um grupo de sobreviventes se tranca dentro de um shopping pra se proteger dos zumbis.

    • “Caramba, que medo dessa foto. Parece saída daqueles filmes onde um grupo de sobreviventes se tranca dentro de um shopping pra se proteger dos zumbis.” [2]

  • O CONSUMO É O ÓPIO DO POVO

    “Numa sociedade tornada competitiva pelos valores que erigiu como dogmas, o consumo é verdadeiro ópio, cujos templos modernos são os Shopping-centers e os supermercados, aliás construídos à feição das catedrais. O poder do consumo é contagiante, e sua capacidade de alienação é tão forte que sua exclusão atribui às pessoas a condição de alienados. Daí a sua força e seu papel perversamente motor na sociedade atual.”
    (O Espaço do Cidadão – Milton Santos)

    • Excelente. Grande Milton!!!
      Valeu

  • O empreendedor esta cumprindo sua missão, ele percebeu a oportunidade e executou seu plano.

    Mas isso nada impede de se reformar as ruas do centro do recife (imperatriz, Hospício, etc…), construir espaços pra estacionamentos, investir na segurança, etc… e tornar o centro atrativo para novas empresas se instalarem por ali.

    Conto com o bom senso da população para que não achem, que a solução do recife seja enche-lo de shoppings.

    Claro que gostei do Texto.

  • Bom, não tem muito o que falar, o texto de Pierre, além de excelente, resumiu tudo.

    O Recife está uma zona, o prefeito é um BUNDÃO e os empresários exploram isso da melhor forma.

    Só resta agora a rafaméia se lambuzar no “xópis” e torrar o décimo terceiro com bugingangas. Ano que vem a história se repete: tome endividamento e neguinho com depressão por que tá devendo até o último fio de cabelo.

    E tudo isso com a bênção do arcebispo. (Essa não tem nem o que comentar, a igreja abençoando um shopping é o cúmulo da decadência. Só faltava ter levado uns padres pedófilos pra cuidar das crianças enquanto as mães torram dinheiro nas lojas).

    Enfim, tenho pena desta pobre cidade e de seu povo anestesiado.

  • Texto bastante provocativo, até que enfim, parabéns.

    Desdobrando o contra-argumento, “você vai usar o shopping”, confesso que será divertido flagrar o professor numa multinacional fastfood qualquer do shopping, pensativo e angustiado, mãos na cabeça como naquela foto do Walter Benjamin, tentando se consolar através de um delicioso capuccino ou um mega x-bancon-super-blaster-feliz.

    Walter Benjamin, que pegou uma etapa atrás, e teceu crítica parecida com a sua, mas endereçada a essas mesmas lojas europeias do seu texto.

    “a rua se torna moradia para o flâneur, que, entre as fachadas dos prédios, sente-se em casa tanto quanto o burguês entre suas quatro paredes. Para ele, os letreiros esmaltados e brilhantes das firmas são um adorno de parede tão bom ou melhor que a pintura a óleo no salão do burguês; muros são a escrivaninha onde apoia o bloco de apontamentos; bancas de jornais são suas bibliotecas, e os terraços dos cafés, as sacadas de onde, após o trabalho, observa o ambiente. Que a vida, em toda a sua diversidade, em toda a sua inesgotável riqueza de variações, só se desenvolva entre os paralelepípedos cinzentos e ante o cinzento pano de fundo do despotismo: eis o pensamento político secreto da escritura de que faziam parte as fisiologias”

    Algumas cidades europeias conseguiram dá uma estancada nesse processo. Recife conseguirá?

  • Não me lembro de nenhum candidato a prefeito de Recife, nesta última eleição, tenha apresentado alguma proposta CONCRETA para tornar o centro da cidade um ambiente ao menos parecido com o exemplo citado pelo Rio. O blog questionou isto em algum momento???
    Há algum indicativo de que o prefeito eleito venha a fazer algo para tornar o centro comercial um ambiente menos hostil??? O blog já o questionou sobre isto???
    É verdade sim que há os cidadãos que vivem encapsulados por opção, mas também há os encapsulados por pura falta de alternativa a isso!!!!
    Se eu não tenho calçadas adequadas, não encontro local para estacionar, me deparo com um batalhão de flanelinhas nada respeitosos, como que eu vou fazer compras no centro da cidade???? Ainda bem que ainda nos resta um shopping center, pois não fossem eles teríamos que fazer compras onde????
    Até nos poucos parques que temos, as calçadas estão em péssimo estado de conservação!!! Veja as calçadas do Parque da Jaqueira, tem cada trecho que o estado está péssimo.

    • Rafael, não entendi direito… é o blog que tem que questionar por nós? E enquanto isso ficamos de braços cruzados esperando que alguém tome a iniciativa no nosso lugar? Tenho certeza que você conhece pelo menos um vereador que foi eleito, ou conhece alguém que conhece um. Se você concorda com o texto envie o link para ele. Se todos fizermos isso, estamos ajudando a pelo menos iniciar uma discussão.

      • Claro que não, eu não disse isso em momento algum. O questionamento deve ser feito por todos os cidadãos, mas como o blog faz vários questionamentos acerca dos mais variados temas, é normal esperar que ele possa questionar isto também.
        Super simples de entender!!!!!

  • Quando o boi morre, sua carne vai para uma câmara frigorifica. Dali, sai em caminhões frigoríficos ou navios refrigerados para outra câmara. De la é distribuído, em outros veículos refrigerados, para os freezers dos supermercados para depois irem as geladeiras e, assim, serem consumidos.
    Pelo visto vivemos uma vida onde gostamos de ser carne de açougue, sempre saindo de um lugar geladinho para outro

    • q merda

      • Mummmmmmmmmmm. Não entendeu,né?

  • Perfeito o texto… parabéns pela análise… lembrando apenas que além de vontade política, falta vontade do POVO, que não cobra pela priorização de aspectos que melhorem a qualidade de vida!

    • E desde quando nosso povo se preocupa com a qualidade de alguma coisa? A prova disso é que as UPAS de Dudu são um sucesso.

      • E vem aí as Upinhas de Geraldo…..kkkkkkkkkk

  • Muito bom seu texto Pierre. O poder público para viabilizar esses empreendimentos mobilizam em tempo hábil, saneamento, calçamentos, iluminação, água, e tudo mais necessário, para o cidadão essas benfeitorias nunca chegam. Esses centros de compras são verdadeiras cavernas, não se sabe se é dia ou se é noite. O “choque” de Ordem que Sergio Cabral fez no Rio de Janeiro foi muito positivo, e tem que ser feito em muitas cidades do país para devolver as ruas e calçadas para o cidadão. Em Lyon na França acidade foi projetada para os pedestres um exemplo para o mundo.Abraços e a sociedade agradece pelo seu texto tão esclarecedor.

  • Concordo com tudo exceto na parte do ar condicionado. Você provavelmente escreveu todo esse texto de um lugar bem confortável longe do calor. Se tu fosses o tipo de pessoa que se submete ao calor dessa cidade e tivesse plena noção do que isso significa você certamente não teria estragado o texto com essa menção ingênua até.

    • Só lembrando que ar condicionado não é mágica. Ele esfria dentro, fazendo troca de calor com o exterior, então esta PORRA de cidade tá um infermo, pq tem 500mil carros diariamente nas ruas, explosão imobiliária sem controle e sem cuidado, shoppings enormes jogando calor para o seu exterior, e destruição de mangue para mais asfalto preto, que também acumula calor. Viva a via mangue. Tiramos um pedaço do cinturão verde pra colocar um cinturão de asfalto. Vem mais calor. É efeito bola de neve. Ou melhor, bola de fogo!
      Que um dia não tenhamos um prefeito bosta.

  • Pierre, parabéns pelo post!

    O Recife não está crescendo, está inchando, desumanizado e com obras contestáveis como o Parque de Boa Viagem que castrou as árvores para a construção de dois enormes e mal acabados penicos de concreto e imensa área cinza” no lugar de área verde.

    Essa insanidade foi inaugurada 3 vezes e com festa paga com o nosso dinheiro, contudo, muito menos celebrada do que a abertura do RioMar.

    Seguimos um padrão terceiro-mundista de crescimento e por aqui é raro ver quem defende áreas verdes ou a recuperação de redutos urbanos.

    A classe média sucumbiu aos apelos da indústria cultural e da incompetência geral e está resignada com a porcaria que lhe é servida diariamente.

    Topa viver encapsulada e sob as mais diversas angústias desde que com um pouquinho de grana e carro novo, esperneia e buzina mas, de efetivo, pouco ou nada se faz para mudar a situação.

    O Recife Antigo foi abandonado pela administração petista mas, mesmo assim, lembram como era antes? Um local decadente em que ninguém, exceto os freqüentadores de próstibulos, desejava ir ou mesmo passar.

    A própria Rua da Imperatriz, no final dos anos 70, teve os seus dias de elite com a inauguração do calçadão e a reforma de várias lojas como as Lojas Brasileiras, Clock’s, Ele & Ela, e muitas outras, com padrão de shopping center atual.

    Tudo isso é fruto da falta ou de mal planejamento de autoridades incompetentes e/ou despreparadas ou corruptas que insistem em remendos ou tapumes para problemas sérios, a mesma atitude e qualidade que a Compesa adota para fechar os buracos que abre pelas ruas da nossa cidade

    Por essas e outras é que estou feliz com a expulsão do pt da nossa prefeitura e tenho certeza de que muitos petistas concordam comigo por considerarem que, nesse ponto, os pecados foram muitos.

    Mas será que Geraldo Júlio, Eduardo Campos e os velhos e novos vereadores vão fazer diferente?

    As minhas perspectivas não são otimistas, acho que pouco ou nada vai mudar se as ações dos contribuites e cidadãos não mudarem.

    A gente vem aqui e senta o pau nesses desmandos mas a gritaria não funciona, precisamos fazer mais!

    Por exemplo, COBRANDO DOS VEREADORES QUE FORAM ELEITOS e do PREFEITO que afirmou para todos na tv que era um faz-tudo e ia fazer diferente, quase um Mandrake.

    O trânsito caótico demanda uma nova visão do problema além de se fazer um viaduto ali ou outro aqui e inversão do sentido do tráfego.

    Os nossos ônibus urbanos não são os mais adequados ao transporte público, são caminhões adaptados e que possuem acesso mais complicado e quase impossível para quem usa cadeira de rodas.

    JP e JC e uma penca antes deles, mostraram projetos ambiciosos para navegação do Capibaribe, extensão das rotas do metrô e até VLS mas o tempo passa e nada é feito ou demora demais e se apresenta mais tímido do que o alardeado.

    Vou contactar o vereador que apoiei, André Régis, para saber qual será a atitude dele frente a essas questões e, se ficar apenas no bla-bla-bla, vou denunciar aqui no blog (se me permitirem).

    Mas, além do executivo e legistativo, ONDE O MINISTÉRIO PÚBLICO???????

    O que essa gente que tem o poder e ganha muito bem com o DEVER de servir e de ser leal aos seus patrões, o POVO, está fazendo?

    Além de espernear, precisamos cobrar dessas autoridades AÇÃO.
    Ou até uma campanha como ADOTE UM PROMOTOR E VEREADOR PARA VIGIAR.

    O valoroso MP, NA MINHA OPINIÃO, está se tornando um paquiderme doente, lerto, com visão prejudicada, comendo muito mais do que deveria e passando o dia no chão. Não se move, para o deleite das demais autoridades ociosas ou malandantes.

    Além de Bruxelas, em Londres ou Paris e outras várias cidades da Europa, existem mercados públicos ou ruas em que se pode comprar tudo o que existe numa feira livre ou delicatessen, ao ar livre, com segurança, bancos para se sentar, limpeza e até flores nas janelas e nos postes, lugares em que dá prazer estar e vontade de voltar e por isso são os favoritos para se fazer compras pois, além disso, é normal a venda de comida e apresentações artísticas das mais variadas e que, não raro, inclui brasileiros.

    OK, aqui não é a Europa.
    Mas o que há de errado em copiar o que de bom eles têm por lá?

    A má educação típica de boa parte da nossa população não anima muito, em princípio, a querer introduzir aqui esse tipo de empreendimento mas deveria ser o contrário para se mudar a atitude típica de cidadão de terceiro mundo que joga lixo no chão, depreda o que encontrar pela frente e não cuida da manutenção.

    Se tem cerveja e carnaval, parece que está tudo bem.

    MAS…

    Onde uma organização defenda essas idéias?
    Onde os políticos e cidadãos para forçar essa mudança???
    Quem vai desligar o computador e tirar o popozão do sofá para lutar pelas demandas populares sem reinvidicar cargo ou salário?
    Quem vai lutar pelos nossos filhos e netos e gerações futuras e entregar o Recife como uma cidade melhor?

    Esperamos demais dos políticos sem cobrar uma ação efetiva deles e sem ter uma atitude eficaz contra o que repudiamos.

    Não adianta apenas desabafar a indignação aqui no blog ou ficar aplaudindo o Joaquim Barbosa.

    TEMOS QUE FAZER MAIS!

  • Excelente texto, Pierre. Concordo integralmente com o que você escreveu. Só adicionaria que não apenas o atual prefeito é inerte como todos os que o antecederam, pelo menos desde 1985 – que é quando eu posso dizer que me lembro de alguma coisa*. Chegamos a essa situação com “muito esforço” de nossos péssimos gestores e, sinceramente, não acho que isso vá mudar. Primeiro porque tem muita gente que acha normal (se acostumou, na realidade) esse modelo encapsularizado e segundo porque nada que o futuro prefeito tenha apresentado em sua campanha nos faz suspeitar que as coisas serão diferentes neste aspecto.

    Algo que “faltou” mencionar é que existem, sim, shopping centers na Europa, mas, quase sempre, eles ficam distantes das cidades grandes – muitas vezes, no meio do nada, como num cruzamento de duas auto-estradas. O mesmo ocorre com supermercados.

    * Antes disso teve a última tentativa racional de melhorar a cidade, que eu me lembre, feita por Gustavo Krause, com a utilização do local em que hoje fica o Fórum Rodolfo Aureliano como estacionamento, de onde partiam ônibus para o centro da cidade. Mas eu não me lembro de outros aspectos da administração Krause, para poder dizer se ele foi um bom prefeito, ou não.

  • Texto muito bom, Pierre.
    Parabéns! Contra esse festim provinciano que virou a inauguração do RioMar, sem apelar pra os clichês esquerdistas! Muito legal!

  • O Krause, pelo menos, tentou inovar e a sua marca foram as feirinhas típicas que existiam em vários locais e os estacionamentos no Joana Bezerra e Rua da Aurora em que a pessoa deixava o carro e embarcava num ônibus climatizado que circulava pelo centro da cidade.

    As feirinhas típicas foram um boa idéia e a intenção era ter uma em cada bairro, um ponto de encontro e diversão onde se vendia artesanato, comidas e bebidas típicas, época em que o Alto da Sé, em Olinda, era o ponto quente da noite pernambucana.

    Mas a qualidade não era homogênea e, por exemplo, a segurança deixava a deseja e por vezes havia brigas e furtos de veículos nas proximidades (nas boates como Number One e outras freqüentadas pela “zelite”, também), além de barulho e sujeira. Talvez uma boa idéia que poderia ter sido melhor implementada.

    Os estacionamentos eram bem convenientes mas foi um estrondoso fracasso. Diziam que os ônibus atrasavam, o ar condicionado não funcionava, etc, uma meia verdade que encobre o comodismo dominante.

    O local se tornou autódromo que servia mais para se fazer “pega” na noite adentro e depois veio a abrigar o fórum.

    A Rua da Aurora, onde existia o tobogã e palco da Festa da Mocidade e outros eventos, continua lá, bela e servindo de estacionamento e nada mais.

  • Belo texto Professor!

    Acrescentaria apenas a importância da questão educacional para mudança desta realidade.

    grande abraço!

    Jesse

  • Opa, texto bom, Pierre. A cidade está um caos mesmo e não há sinal de melhora.

  • Geraldo… ouve essa…

  • O melhor texto já colocado aqui! Compartilho em número e grau o seu posicionamento!

    Moro em Casa Forte, há 12 anos e antes era o melhor local do Recife para ser morar. Atualmente é um dos piores. Do ponto de vista de “desenvolvimento” tem tudo, mas a qualidade de vida de quem mora ali e que trabalho noutro local é deprimente. Transtorno pra sair e pra chegar. Tudo devido à transformação que essa cidade vivenciou nos últimos 8 anos, principalmente.

    Em 2005, eu trabalhava em uma empresa nas graças e todas as sextas almoçavamos no Shopping Recife para jogar boliche e voltávamos com atraso de no máximo 20 minutos. Hoje? É bizarro fazer isso. Esse modelo estar por se exaurir.

    Só quero ver o que esse novo prefeito vai fazer. O legado dele é talvez o pior já deixado em toda a estória do Recife!

    • Casa Forte, um dos piores lugares do Recife pra se morar? Deixa disso!

      • Como disse, tem de tudo. Mas para quem mora lá e trabalha fora, a “acessibilidade” é uma varíavel que interfere no dia-a-dia do cidadão.

        Não é esse o desenvolvimento que gostaria para àquele bairro nem para o Recife: baseado em verticalização, especulação imobiliária e carros e mais carros!

        Ali era bom há 4 anos atrás. Mas depois da explosão da compra de carros pela classe média, verticalização da moradia e empreendimentos como Plaza (expansão)…o bairro não aguentou!

        Sou morador lá e se fosse escolher pra morar não escolheria nem recomendaria…

        • Mas no caso essa classe média não tem direito de ter carro??? Se ela agora tem poder aquisitivo e a cidade não lhe oferece outra opção, pq não o ter?? O rico tem o direito e ter e a classe média nao? Quanto a casa forte, é um dos melhores bairros do Recife, o que acontece ao seu redor não o torna ruim. Qual outro lugar melhor no Recife vc aponta ou recomendaria??? Não quer pegar transito por conta da nova classe média? vá de bicicleta, ou só saia às ruas nos horários de transito menor, eles existem.Em vários horários do dia, vc circula com seu carro livremente por Casa Forte.

      • já foi bom morar lá.FOI

      • Gosto de Casa Forte! Um bom lugar para morar. Tirando o trânsito, que infelizmente temos que enfrentar a Parnamirim e a Rui Barbosa.

    • Robson, a zona norte é uma bomba relogio.

      Claro que a zona sul tem problemas cronicos, mas tb ha mais espaço e opçoes de mudancas como a via mangue, canteiro central da dom ferreira, opcoes de vias expressas para coletivos, etc. Basta vontade.

      Vendo o caos da ZS ontem com a inauguracao do RioMar, fico imaginando como seria ficaria a ZN se tivessem continuado o projeto do Shopping Tamarineira.

      Tic tac tic tac

      • É…vem aí, ainda esse ano, o Home Center Ferreira Costa na Tamarineira e ainda diversos edifícios que estão construindo ao redor. O desenvolvimento naquela região é inevitável!

    • Perfeito Robson!
      Passei minha juventude lá. Era um excelente bairro.
      Depois fui para o Rosarinho. Que tb tá ficando engargalado.
      Deixei a capital faz 4 anos e não me arrependo.
      Perdi um pouco no salário, mas ganhei um muito em qualidade de vida.

  • Feliz q o Shopping abriu :)

  • Concordo com o texto inteiro sem tirar nem por. Alias, até já cantei essa bola nos comentários de outros artigos.

    Mas logo nos primeiros comentários daqui já começaram a aparecer os sinais de ideologização desse problema. É um habito triste que só prejudica o Recife.

  • Eu até concordo com o fato de precisarmos de ruas mais bonitas e seguras, isso é necessidade básica (infra estrutura deveria ocupar 50% dos planos de governo e os outros 50% ficaria com a fiscalização, o resto pode deixar na mão da iniciativa privada). Não vejo problema algum em um conglomerado de lojas com ar condicionado em seus corredores, transpirar eu prefiro deixar para outros momentos. Certamente nos países da Europa (nunca estive lá) o clima é mais ameno e quando não o é, a baixa umidade ajuda a suportar. Sou de Recife e me adaptei ao clima seco de Brasilia e me lasco quando vou visitar minha mãe em Belem. Gostei do termo encapsulamento, realmente mostra nossa necessidade de vivermos isolados e com medo da sociedade mas sou a favor da “refrescalização” sempre em conjunto é claro! Parabéns pelas palavras.

    • Numa das capitais menos arborizadas do Brasil, que constrói paredões a beira-mar, que lota o espaço público de carros com motores superaquecidos, não é a toa que todo mundo acha que aqui é o lugar mais quente do mundo.

      Não é mesmo. Se houvesse um pouco mais de uso racional do espaço público, planejamento urbano e consciência ambiental, seria uma das cidades com clima mais agradável pra se viver no mundo. Já quer raramente passa de 30ºC aqui:

      http://br.weather.com/weather/climatology/BRXX0195

  • Parabens Pierre pelo texto que retrata a triste realidade de uma cidade decadente.
    E vamos lá “no orgulho de ser nordestino”. E tome financiamento de campanha.
    Fulano de tal. Presente.

  • M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O! Há tempos não lia um texto que conseguisse expressar tudo o que eu estava pensando.

  • Pior é o silêncio dos blogs e de outros jornalistas sobre esse tema!

  • Gostei do texto, mas o autor errou a dizer que a cidade vive num estado de anarquia.

    “Anarquia significa ausência de coerção e não a ausência de ordem.” Anarquismo nao eh sinonimo de caos. Exite muitca coercao em Recife, mas muito pouca ordem. O que existe em Recife, e muitas outras cidades mundo afora, eh anomia.

    Uma pena, pois assim perdemos parte da nossa cultura e identidade.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Anarquismo

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Anomia

  • Sou tão contra os Shopings como o próximo mas o artigo é tendencioso. O autor usa meias verdades e mentiras para esforçar o seu ponto da vista… o primeiro: Bruxellas tem 26 Shoppings… Cidade na Europa não é cidade se não tem pelo menos 5 ou 6 Shoppings… Pena, o artigo até era bom se não tinha essas meias verdades todas, mas agora perdeu todo o direito de falar.

    • Shopping ou loja de departamento?

      Na franca e inglaterra so vi nos centros lojas de departamentos. Os unicos shoppings que vi eram afastados e estava em FRANCA DECADENCIA.

      Nos EUA é parecido, com os Malls enormes nos suburbios.. Mas decadentes tb.

  • Primeiramente, parabéns pelo excelente texto! =)
    Mas bora combinar que entre andar dentro de um shopping climatizado e TORRAR nas ruas de Recife fazendo compras, o shopping é muito melhor!
    Adorei a Europa também! Com suas lojas nas ruas e o clima friozinho. Mas aqui eu ME RECUSO sair pra comprar roupa no centro da cidade. Vc chega na loja p provar a roupa pingando de suor e com o pé suado p provar o sapato de tão grande que é o calor. Concordo com tudo oq você disse sobre infraestrutura. Quando vc anda pela Holanda, por exemplo, você percebe que tudo na cidade é projetado para o POVO. Lugares p passear com cachorro, p andar de bike, p carros, estacionamentos de bike e de carro e o principal: SEGURANÇA! É outra coisa vc poder andar pela rua sem ficar com medo de um pivete te rasgar com uma faca p levar a bolsa, pq não há crianças de rua lá. As leis contra qqr tipo de trabalho ilegal sendo bem cumpridas fazem a diferença tb, Não existe flanelinha e há lugares e dias específicos para feirinhas de rua. Ainda penso de vez em quando que se os holandeses tivessem ficado em Recife, a cidade seria mais bonita e mais organizada. Mas como a esperança é a última que morre, eu tenho fé que um dia esse lugar se ajeita.
    Beijokas.

    • Recife holandês desenvolvido? Suriname.

  • Magnífico texto, parabéns!!

  • concordo! o pessoal trabalha, ai viaja pra europa pra conhecer as ruas, monumentos e fazer passeios ao ar livre, mas quando é na própria cidade prefere ter um novo shopping!!
    NINGUEM VAI NA EUROPA VER UM SHOPPING!!
    eu preferiria novas ruas! calçadas utilizavéis, ciclovias, trânsito trafegavel, etc.

  • Parabéns Pierre, excelente análise.

    Comparada as cidades européias a organização das cidades Brasileiras são uma m… talvez o bairro do Leblon seja a exceção, devem existir outras, mas mesmo assim o Rio como um todo deixa muito a desejar. A maioria das cidades brasileiras tem a estrutura aglomerada das cidades européias, mas copiaram o modelo de transporte baseado em automóveis das cidades americanas. Claro que não iria dar certo.

    Um outro problema é que uma das grandes referências brasileiras é a cidade de São Paulo, que é um péssimo exemplo de organização urbana (apesar das calçadas melhores que aqui). Lá é o verdadeiro paraíso dos Shopping Centers e Condomínios Verticais. Chegando ao ápice de ter os dois no mesmo projeto, como no caso do Shopping Cidade Jardim.

    Ainda dá tempo de REPENSAR A NOSSA CIDADE. Porque não fazer isso por onde o RECIFE começou, o RECIFE ANTIGO e o CENTRO DO RECIFE. Porque não, ruas de pedestres feito as “ramblas” da Catalunha e cais do porto no estilo Puerto Madero? Ciclovia ao redor da ilha e priorização dos pedestres e do transporte público? Será que é tão difícil assim tirar um projeto destes do papel?

  • primeiramente, gostei muito do seu texto. sua análise é certeira. só fico com um porém, aquela comparação com bruxelas, que outros comentários já apontaram. não sou de recife, já visitei a cidade algumas vezes, como também já passei dias em bruxelas e outras cidades na europa, no canadá e nos eua. há sim um centro histórico com lojas comerciais em bruxelas, mas elas possuem galerias, que são, de alguma forma, centros comerciais. lá a lógica pode ser um pouco diferente da política para recife, mas bruxelas apresenta muitos problemas, como moradias muito precárias no centro para imigrantes, uma desigualdade que se percebe de maneira bem visível — que me incomodou como turista. gostaria somente de chamar a atenção para o fato de que há nuances quando devemos fazer comparações, e de que você levanta um problema que se reflete também em cidades da europa e da américa do norte, mesmo que em proporções diversas.

  • Nos estudos do Turismo os “shoppings center” são reconhecidos como NÃO LUGAR, ou seja : lugares que não trazem nenhum atrativo turístico. E ainda falam em discursos que nosso Estado tem potencial turístico. Ter tem porque a natureza foi pródiga e a nossa história é rica.
    Recife precisa de organização na beleza de suas ruas e suas praças e praias que esses sim são lugares!

  • ÓTIMO TEXTO! ME INCOMODOU TAMBÉM ESSA PUBLICIDADE ECOANTE, GRITANTE, AUTOFALANTE… UM SHOPPING!? VIVA A NATUREZA! NESSA HORA, NÃO QUERO SER INTELIGENTE, PREFIRO SER INTELIANIMAIS!

  • Achei interessante o ponto de vista de Pierre, afinal de contas nos faz refletir sobre como anda a nossa cidade e fazendo um debate como esse totalmente válido. Porém concordo plenamente com o texto da raquel lá em cima, isso é minha opinião! O problema não é só a causa, sabemos que tem muita coisa errada, porém achei generalista o ponto entregue por Pierre. E sim é a consequência de um problema na nossa sociedade e que envolve muitas outras coisas, não só política e economia, mas cultura e etc … Concordo que isso é uma maneira não planejada, sim, de progresso e desenvolvimento, mas a raiz desse problema já vem de tempos atras (planejamento do espaço urbano)… Enfim, parabéns pelo texto. Ótima reflexão!

  • Arretado o post e corajoso, até porque nunca vai ter um patrocinio do JCPM, eu tenho pena dos lojistas que são escravos do governo e do dono do shopping!
    Contrato social unilateral e com luvas para se atrasar o aluguel perdendo o ponto que comprou e ainda pagar mais se faturar mais, e se faturar menos nao paga menos e ainda paga aluguel dobrado em dezembro!

    Pierre desmembra uma cobrança mensal do shopping ao lojista!!!!

    Empreender é importante, inclusive Pierre que é professor de administração deseja sempre isso as pessoas, mas ninguem vai se isolar dentro de seus ap’s e shoppings, vai em algum momento se expor!

    Riqueza concentrada não é bom para ninguem! Recife está com toda sua população sufocada dentro dos seus ap’s e querendo ir para ruas! Só nas ferias que se pode viajar para algum lugar com cidade que se pode ir as ruas, mas não é onde voce mora, tem que voltar do sonho!

  • Pierre,

    Parabéns pelo excelente texto.

    Só destaco que (sem contrapor ou alterar nada na perfeita argumentação do texto):

    - O nosso atual, e pior de toda história recifense, prefeito apenas seguiu muito da cartilha do outro João, tanto que o centro da cidade é uma fossa e até o Recife Antigo foi desprezado

    - Sou fã de carteirinha de JCPM, um grande empresário. A PCR, os vereadores, nossos políticos, as organizações não políticas, as universidades, é que deveriam cobrar tudo mostrado no texto e inexistente aqui.

    - Repito o que tantas vezes já escrevi em outros comentários: não temos como falar em transporte público decente, ruas arborizadas e aprazíveis, etc, sem SEGURANÇA PÚBLICA. Num país onde até decisão do STF é contestada por conta dos condenados, falta muito para a gente imaginar sair de casa sem carro, voltar de madrugada de metrô e outros costumes tipicamente europeus.

  • Estive nos EUA e no Japão, país que me apaixonei pelo avanço da população.
    Nos 2 anos que morei no Japão, conheci uns 3 ou 4 shoppings, que eram pouco frequentados.
    Predomina lá centros turísticos e comerciais, cheios de lojas belíssimas mescladas com museus, cinemas, associações culturais e praças de eventos e entretenimento.
    As margens de rios eram muito bonitas e estruturadas, sendo frequentadas por praticadores de Yoga, Instrumentos musicais e até pessoas se exercitando.
    O povo vive com saúde e harmonia, não me lembro de ter ficado estressado durante o tempo que lá morei.
    Só usei bicicleta e trem, e vivi muito melhor do que vivo hoje no Brasil, mesmo tendo carro, moto e morando extremamente próximo à uma estação de trem.

    Acho que só quem realmente viveu (não só viajou) em outro país sabe a diferença.

  • Parabéns pelo artigo, meu projeto é poder realizar trabalhos como estes, estou me preparando para isso.

  • Pierre, já trabalhei em Bruxelas, não é das minhas cidades prediletas por conta do frio úmido e da chuva. Dias de sol são coisa rara. O clima, então, não me seria atrativo. É, no entanto, muito mais agradável que Recife, anda-se, descobre-se bons restaurantes na rua (ainda que, para um pernambucano como eu, isso se faça à custa de muito frio).

    Moro nos EUA. Logo na cidade que se tem como modelo para esse “desenvolvimento urbano” brasileiro: Miami. O que mais me chama atenção por aqui é que ela em nada se parece com esse modelo e, pior, os brasileiros que aqui vem nem percebem a estupenda cidade que é. Para começar, moro em downtown e o shopping mais próximo fica a 15 milhas de minha casa. Subúrbio mesmo. Dá para ir de metrô de superfície para um deles, mas confesso que não tenho interesse. Perto de casa tenho dois parques públicos, além do Museu Vizcaya com seus jardins abertos. Pelo menos 4 bons teatros na rua. O calor é comparável ao de Recife, mas a principal rua de comércio do condado, a Lincoln Road, é o que se queria que as ruas de calçadas do centro do Recife fossem. Vejo poucos brasileiros por lá por conta dos preços, bem mais altos do que os outlets que fazem a festa dos compatriotas. Não sabem o que perdem. Em suma, apesar de ter os maiores elevados para carro que já vi, a cidade é absolutamente habitável. É possível andar por ela. É possível, e bem mais prático, alugar bicicletas e ir para qualquer lugar em seu bairro. Pena que os que imaginam o Recife como uma Miami, amparam-se numa cidade que nem a própria Miami gostaria de ser vista como.

    Em suma, concordo com você. É absurdo como se está transformando uma cidade que tinha tudo para ser excelente em um amontoado de espaços privados e tudo isso querendo amparar-se em um modelo que jamais foi aplicado porque não é considerado correto. De minha parte, se não fosse pelos grandes amigos, Recife, hoje, seria uma cidade que evitaria.

  • arrasou na análise! :D

  • Eu escrevi mais embaixo, achando que tava comentando, mas, na verdade, acabei mandando um email.
    O elogio também foi válido, mas preciso deixar o comentário registrado publicamente.

    Pierre, parabéns pelo brilhante texto. Concordo que a cidade está mesmo doente, sem valores e deslumbrada com algo novo e vazio. É muito mais fácil acordar cedo pra fazer fila e ver a novidade do que pra bater na porta dos políticos, que são os verdadeiros capazes de trazer mudanças à nossa cidade.

    Perdoem-me a palavra, mas alguns comentários que li foram, decididamente, de pessoas alienadas, o que só corrobora com a tese defendida no texto.
    As pessoas estão doentes, alienadas, não pensam mais, não debatem, não defendem ideias, não lutam por melhoras, não vão atrás dos seus sonhos.
    E ainda se ofendem quando alguém, como você, tem a coragem de fazer uma crítica tão bem elaborada como esta do texto.

    Algumas pessoas foram “contra” suas comparações entre Brasil/Recife e Europa, de modo geral. Gente, sejam coerentes e entendam que a comparação é apenas ilustrativa, ele não tá querendo dizer que lá fora tudo é perfeito e não existem problemas.
    Em todo lugar do mundo tem coisa ruim, mas a diferença é a quantidade de incetivo às coisas boas.
    Aqui a gente tem o sentimento de abandono total, de insegurança, de impunidade. JCPM é um investidor, viu oportunidade de negócio e investiu. Não o culpo nem acho que foi errado, afinal, ele está fazendo o trabalho dele, que é investir pra lucrar.
    Mas e nós, estamos fazendo nosso trabalho de cidadãos?
    Independentemente das comparações com o exterior, o Brasil tem muito o que evoluir, Recife, nem se fala.
    Ninguém sai de Recife pra passear nos shoppings das outras cidades (seja da Paraíba, do Pará ou do Rio, ou da Europa ou da China).

    Claro que a gente vai ao shopping, justamente pela precariedade dos espaços públicos e, mais ainda, da segurança e transporte caótico. Mas frequentar o empreendimento não significa concordar com o abandono da cidade.

    Mais uma vez, parabéns pela redação, forma e conteúdo.

    • Rapaz, muita gente de João Pessoa ainda tem o hábito de passar o dia no Recife pra almoçar no shopping! É bizarro, mas é verdade!!!

      • Porque eles são mais provincianos que a gente.

  • Intersindical da Comunicação – INTERCOM iniciou, ontem à noite, uma série de atos públicos de protesto contra as empresas de comunicação de Pernambuco. Diretores do Sindicato dos Jornalistas e do Sindicato dos Gráficos compareceram à frente do shopping Rio Mar, onde recepcionaram convidados com faixas e carro-de-som. Durante quase duas horas sindicalistas resistiram a seguranças e até agentes da CTTU e PMs chamados para desmobilizar o protesto, que faz parte de um calendário que inclui uma assembléia geral conjunta de Gráficos e Jornalistas na quinta-feira, 01/11, e os radialistas, no próximo dia 06/11.

    Investindo no abuso do poder econômico, além de tentar usar a CTTU e a Polícia Militar o Grupo João Carlos Paes Mendonça (JCPM) investiu no discurso prepotente, de que a via pública que cerca o Rio Mar pertence ao centro de compras. Com isso, seus seguranças tentaram usar PMs para expulsar a Intercom e o carro-de-som da frente da entrada principal. Os sindicalistas resistiram com o argumento de que a cerca em volta do centro delimita sua área.

  • Porra, Pierre! Você disse tudo! Só discordei de uma coisa: apesar dos cinemas, livrarias, etc. EU NÃO IREI AO RIO MAR.

  • Nada contra o empresariado. Acredito muito no papel da iniciativa privada. O que acontece é que o autor desse texto se supõe um defensor de uma cidade melhor, mas ele só está enxergando os anseios da parcela mais abastada da cidade. Ele fala como se Recife se resumisse a Casa Forte, Graças e Boa Viagem. Ele esquece que essa faixa estreita da cidade é apenas uma porção ínfima da mesma e que a absurda maioria dos recifenses vive em morros, favelas, palafitas e em bairros que ngm sabe nem o nome. Esses daí não têm nem água e esgoto em casa e esse sujeito vem falar em calçadas largas como se isso fosse a urgência dessa cidade. Ele poderia ter utilizado exemplos melhores da cidade de Bruxelas para fazer essa comparação. Antes de sair às ruas para comprar, o povo lá VIVE com dignidade.

    Nunca vi texto mais elitista fantasiado de cidadão!

    • Ta maluco? A maioria dos recifenses nao é favelada nem mora em palafitas. A maioria mora em bairros de classe media baixa sim, mas passam longe de serem miseráveis. Aliás, esse pessoal também freqüenta shoppings igualzinho às “zelite”.

      Nunca vi texto mais demagógico travestido de defensor dos oprimidos.

    • Discordo, ele fala que a opção traçada pelos gestores prezam apenas pelo QUANTITATIVO. Quer dizer, mais “desenvolvimento” a partir de maiores número de empregos e de consumo. A questão da MAIOR parcela da população é outra vertente. Se vc ler melhor, verá que é um ponto de vista não abrangente e não exclui o seu necessariamente.

    • Igor, porque tanto rancor?

      O Brasil é o país dos extremos, Recife não é diferente… nós temos favelas e temos edifícios espelhados, temos ruas esburacadas e vamos ter uma arena de primeiro mundo, carros de 200K brigando com carroças por espaço nas ruas…

      Ema cidade mais voltada para o pedestre, com transporte público de qualidade e com mais áreas públicas irá beneficiar principalmente a população menos abastada.

      Além do mais dá para fazer as duas coisas ao mesmo tempo, essas atividades não são excludentes. Dá para cuidar da organização da cidade e levar saneamento básico e moradia para as áreas carentes. É só ter um pouco de vontade.

    • Além de não ser verdade, é possível fazer ambas as coisas: melhorar a vida dos miseráveis e melhorar o conforto urbano.

  • encapsulado <- vc foi no ponto!

    Esqueça os outros paises e qqer definicao de desenvolvido ou nao.
    Ainda assim seu artigo mostra um estilo de vida da classe media do Recife.
    Dificil de se perceber, mas facil das pessoas se idenficarem e isso se ve nas reaçoes aos post.

    Acredito que o que foi exposto nesse artigo eh uma visao do aculturamento pelo imediatismo.
    Ter opinioes e "brigar" por elas duvidando do outro eh um traço recifence notorio. O que se apagou nos ultimos 20 anos foi ha capacidade de discutir suas ideias com coesao e atençao ao outro. Caracteriatica essa que tornaram alguns pernambucanos ilustres nos ultimos 200anos.

    Nao, nao sou velha saudosista.
    Sim, sou recifence e adoro minha terra e as coisas do meu lugar.

    continuem escrevendo!

  • Tu es um babaca, Pierre! Um babaca da pior espécie!!

    • Obrigado Filipe, você também.
      Próximo…

    • E o Prêmio Jamildo do post vai para…. Filipe !

  • meu amigo se recife fizesse 20 graus ao meio dia durante o ano todo, andaria de onibus, caminharia pela cidade, iria para os lugares apé ou de bicicleta, e ainda apoiaria a ideia de todo o mercado de uma gigante metrópole ocupar espaço aberto na nossa capital que já falta espaço física para comportar somente moradia de forma confortavel.

    • Esse argumento não é válido, pois fazemos tudo isso no verão europeu (q é quente pra caramba) e nova iorquino

      • comparar o verão europeu, o quente pra caramba europeu com o de REcife já é um cumulo…. e olha que eu gostei do texto, mas aqui foi um nada a ver do caramba.

    • Nos lugares mais frios, as pessoas saem mais nos dias quentes para aproveitar. Aqui em Recife, o calor é desculpa pra tudo.

      Melhor lutarem por uma cidade mais arborizada e menos poluição – a sensação de calor cairá sensivelmente.

      • james , o inteligente.

      • Realmente, se fosse mais arborizada a sensação de andar na rua seria em mais agradável. pena que nenhum governante enxerga isso.

        • Perfeito. este é o ponto. A prefeitura destrói as árvores para tanger as pessoas para os shoppings.
          Caminhar sob as árvores é bem diferente de caminhas sobre o asfalto sem arborização alguma.

        • Isso sem falar dos assaltos….

  • JPCM + Construtoras e o Governo local, estão se lixando para a população!
    O dinheiro dos ¨bobos da corte¨ entrando, é o que interessa para os investidores privados.
    A cidade, o cidadão e sua qualidade de vida? É só “+” “um detalhe”.
    Achei legal quando você tocou no assunto da calçada: “Um Prefeito que chega ao cúmulo de fazer uma via pública de acesso ao centro de compras sem calçada, como se ninguém pudesse ir a pé. De bicicleta saindo do centro da cidade então, nem pensar.”
    -
    A obra, da via pública, foi fruto de um estudo que envolveu apenas e tão somente os interesses dos investidores e a Prefeitura, deixando de lado a qualidade de vida do recifense. Fizeram de tudo para construir a tal ligação, desalojando familias. Em defesa dirão: “Ah…nós desalojamos famílias que viviam em péssimas condições de vida, lhes demos moradias melhores.”
    -
    Triste do poder que não pode!

    -

  • Tudo isso tem um nome pobreza e subdesenvolvimento. Como em Londres do século XIX, o fato se repete com outras feições por estas terras do Brasil. Um dia ao sanar a pobreza e a miséria, como eles fizeram, quem sabe cheguemos a um patamar em que as palavras deste artigo serão meras referências históricas. Mas quem são os culpados? Não já vimos esse filme no passado? Podíamos queimar etapas. Em pleno século XXI, o que acontece, hoje, nas grandes cidades brasileiras, não nos conseguem envergonhar? Não demonizemos os grandes centros de compras. Eles sobrevivem nos Estados Unidos e Europa. Portanto, cuidemos do nosso povo e de nossas cidades como eles fizeram lá, e com isso, permitindo a sua co-existência , e as pessoas, democraticamente, escolham onde bem queiram ir. O clima e a insegurança não deixam de ser motivos para que tantos nordestinos prefiram o frescor e a aparente tranquilidade dos grandes centros de compras.O Recife não foge a esta realidade.

  • Brilhante!

  • É perda de tempo comparar nossa cultura com a de outros países. Temos outros costumes, outro clima, e outras formas de lazer.

    Sabe quel será o resumo disso tudo?? Todos estarão batendo ponto nos shoppings da cidade.

    Porém tenho uma solução pra quem critica, e põe em prática seu ponto de vista. Vão pra rua das calçadas.

    • Custo entender que se está defendendo uma mudança no modelo de cidade e não que as pessoas vão chafurdar na lama e buracos que é nossa cidade?!

      O que se quer é uma mudança do poder público que passe a planejar o espaço urbano e valorizar o espaço público, prioridade para pessoas. Quebrando este paradigma que “força” as pessoas a se refugiarem em shoppings.

      Deixem de vitimismo, tudo que se critica na internet, por mais abstrato ou geral que seja, as pessoas tomam como ofensa pessoal.

      A maioria das cidades grandes do mundo tem centros de compras, mas o estilo “shopping” (com tudo, completo e isolado do resto) é empurrado para fora dos centros urbanos, exatamente porque é um fator nocivo ao conceito de cidade inclusiva e humana. E as pessoas acham bom que seja assim. Aqui não, querem ter “passarela privativa” para o shopping – vai ver o brasileiro é o mais inteligente do mundo, afinal.

  • Ótimo artigo. Outro dia fui a Veneza com minha mulher e alguém daqui falou “eca, como vocês podem gostar de Veneza, com aqueles canais fedorentos e sujos”… Achamos super doentio o comentário, considerando que fomos algumas vezes a Veneza e nunca testemunhamos esse mal cheiro ou sujeira de seus canais. Ouvir isso de quem mora no Recife, com seus canais bizarros, verdadeiras fossas a céu aberto!?!?!? Os políticos que estavam no RioMar esqueceram de falar na recente campanha eleitoral sobre os canais de Recife. Na verdade estamos tão acostumados, acomodados, que a podridão da cidade já passa despercebida. Algo que acho curioso em Recife é a simpatia que o recifense tem por biroscas e barraquinhas que são instaladas todo dia em todos os bairros da cidade, à beira de bueiros e buracos de esgotos mal ceirosos. É incrível como as pessoas gostam de comer e beber sentindo o fedor de esgoto… Trabalho no centro da cidade e digo que é impraticável circular por ali a pé realmente. A tendência do recifense a fechar os olhos para os problemas daqui cria um ambiente favorável para os políticos, empresários ou flanelinhas que vivem desse tipo de cegueira já tão bem retratado por Saramago em seu Ensaio. “Reparar para reparar”.

  • Nao discordo de tudo q foi dito, mas o autor jorrou ignorancia. A Europa tem SIM varios shoppings fechados. Soh Helsinki tem pelo menos 3, e eh a cidade mais limpa e segura q vc possa imaginar. Franca tem tbm… Ate em MONACO (se alguem disser q Monaco eh subdesenvolvido merece levar um tiro) tem um. A California eh limpa e segura (comparada a Recife pelo menos), as pessoas caminham muito em parques abertos, inclusive parques selvagens, entao nao da pra jogar elas na foqueira soh pq gostam de conveniencia na hora de fazer compras. O autor tinha uma ideia interessante, infelizmente recheou o texto de besteira…

    • A diferença prinicpal é a localização em que estes centros de compras são autorizados a funcionar. E lembrando que loja de departamentos, grandes galerias NÃO SÃO shoppings.

      • Raquel, as cidades que você cita podem ter zilhões de shoppings ou galerias.
        Mais uma vez eu digo: a comparação que Pierre fez no texto não foi detalhista, ele não diz que o mundo inteiro é perfeito e só Recife tem problemas.
        Os shoppings existem, as grandes galerias existem, o consumismo existe. O que falta aqui na cidade é política pública, melhorar a segurança nas ruas e a estrutura dos caminhos percorridos diariamente por nós, cidadãos.
        Texto recheado de besteira são os diálogos que a gente vê nas novelas e as letras das músicas atuais.

  • Te texto lixo.

    “Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido.”

    hahahahahahahahahahah pensei em parar de ler aí, mas continuei lendo…

    ” temos uma população cujo sonho de consumo é refrescar os fundilhos em um ar-condicionado a qualquer custo.”

    Claro, só um louco como ele que gostaria de fazer compras ou passear debaixo de um sol de 40º 3 horas da tarde, que é o caso de mais da metade do Brasil.

    “O nosso padrão de sucesso hoje é morar em um prédio com um muro de 7 metros, descer por um elevador geladinho, entrar no carro e ir passear no shopping center.”

    E o padrão de sucesso deveria ser qual? Morar numa favela, comprar numa feira paraguaia e andar de jumento?

    “E esse fenômeno da encapsularização vem acontecendo em quase todas as metrópoles do Brasil. Não acontece na Europa ou em qualquer outro lugar desenvolvido”

    Quem disse que na Europa não tem Shopping? (Ah ele é humilde e não liga para as riquezas, não viaja para lugares desenvolvidos, pois se fosse não ia escrevar uma Burrice dessa) e quem disse que o país dos Shoppings (Estados Unidos) não é desenvolvido?

    “Esquecem que o lugar mais valorizado do Brasil, a Zona Sul carioca, se orgulha de ter suas principais lojas nas ruas. Em Ipanema as principais lojas estão todas pelas ruas, como H Stern, Puma, Richards, etc. Estão todas em calçadas bem cuidadas, apinhadas de gente, dando vida ao lugar. Até os cinemas são na ruas, assim como bons restaurantes.”

    E é lá na zona sul também que tem VÁRIOS shoppings inclusive um dos melhores da cidade que é o Rio-Sul. :P

    “O pior é que, de um lado temos a galera encapsularizada celebrando o “progresso” modernoso ao gosto do empresariado selvagem. De outro os defensores dos “fracos e oprimidos” camelôs e flanelinhas, que ajudaram na privatização da cidade. ”

    Que peninha, pois compra lá nos camelô pra ajudar eles e dê dinheiro aos Flanelinhas!

    • Compre uma bolha pra vc e sua familía neste natal…

    • Que comentário…lixo.

      • Eu estou abismada com a quantidade de gente dizendo “blá blá blá porque no mundo inteiro tem shoppings”…
        Vocês não sabem falar outra coisa?
        Antes de criticar o texto alheio, aprendam a ler e interpretar textos, pelo amor de deus, ninguém aqui tá dizendo que no mundo não há shoppings.
        Pierre fez apenas uma comparação genérica, para que pudéssemos enxergar um pouco além dos nossos umbigos.
        O texto não é um projeto anti-shoppings, é apenas um relato de um cidadão que está observando a cidade e a reação das pessoas perante uma nova construção.
        Parece mais que ele tá ofendendo a mãe dos outros, tamanhas são as babaquices que estão sendo postadas aqui.

    • Concorrente ao Premio Jamildo do post.. mas perdeu para o Filipe por questões de objetividade..

  • Seguranças de JCPM tentaram, então, junto à CTTU, o argumento de que o carro-de-som estava numa área de estacionamento proibido. Só não repondiam porque não tiravam antes todas as dezenas de outros veículos na mesma situação. Mas, atendendo pedido de agentes da CTTU, foi decidido que o carro-de-som não ficaria parado. Escoltado por uma viatura da CTTU e outra da PMPE, ele realizou o circuito do protesto com som aberto até poucos minutos antes de espocarem os fogos da inauguração do Rio Mar, inclusive denunciando que o cento comercial estava sendo inaugurado ainda co0m obras a concluir.

    A razão do protesto ter comparecido à inauguração do Rio Mar é o fato de que o centro comercial é do mesmo JCPM dono do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC), um dos sustentáculos da intransigência patronal na Campanha Salarial 2012. Aliado a empresas como as do AssociadosPE (AquiPE, Diario de Pernambuco, portal Pernambuco.com e rádios AM e FM e TV Clube/Record), à TV Globo e outras empresas como a as do sistema FolhaPE (Folha de Pernambuco e rádio Folha) do Grupo Eduardo Monteiro, TV Tribuna, do Grupo João Santos, alegam uma crise para negar melhorias salariais e o fim de abusos relacionados a jornada de trabalho.

  • Não devemos ser maniqueístas. Existem coisas positivas e negativas, mas não prefiro os shoopings.

    Apesar de só morar a pouco tempo (aproximadamente 3 anos) apreendi a gostar muito de BV, apesar da distância para o Centro. Onde moro, quando estou em casa, procuro ir fazer as coisas sempre a pé.
    Tenho farmácia, banca de revista e mercado atravesando apenas uma rua. Caso queira banco, lanchonete, restaurante ou padaria, basta andar um quarteirão. Chaveiro, costureira, academia de ginástica, praia ou o salão de minha mulher, tudo a no máximo 2 quarteirões.

    Para mim, qualidade de vida é isso, poder fazer as coisas sem pegar carro, é conhecer a minha vizinhança, é não precisar enfrentar trânsito e a mesmice dos shoppings!

    Porém, não sou contra os shoppings, mas gostaria muito que o comércio dos bairros fossem preservados e que as pessoas tivem a possibilidade de OPTAR para onde ir.

  • Parabéns Pierre pelo texto. Estou impressionada com essa mobilização por conta da inauguração de um shoping, realmente sinto uma inversão de valores, tornando nossa cultura extremamente consumista e bitolada em apenas uma atividade de lazer e entretenimento.

    • Shopping está virando religião pra muita gente.

  • Pierre, deixa de coisa, que não é só no Brasil que esse povo endoida não! EUA, Londres, Japãp, China, Espanha, Suiça, entre milhões de outros países da Europa, é assim … olha aí a inauguração da Apple Store em Londres! Um bando de doido, esperando a madrugada toda pra comprar seus brinquedinhos! http://www.essaseoutras.xpg.com.br/store-grand-central-inaugurada-em-dezembro-a-maior-loja-apple-do-mundo/ … Sim ainda tem as liquidações de verão e de inverno nos mesmos países da Europa! Fica tudo doido pra invadir as lojas e comprar!

    • Trata-se de reflexão interessante. Sou a favor dos shopping’s, mas devemos exigir do prefeito eleito do Recife soluções revolucionarias de reordenamento nos espaços públicos e gratuitos da cidade, a exemplo do centro da cidade, recife antigo, praças e parques, mercados públicos, calçadas, etc.

  • esqueceu de dizer que tal shopping ainda foi construído em cima do manguezal!

    • Na lateral basta ver na foto do proprio jornal de jcpm o quanto foi aterrado com tanta rapidez de aprovação pelo ibama, cprh, emlurb e etc!

      E agora descobriram que podem desapropriar o aeroclube, aproveitem e façam uma extensão de navegabilidade da regiao do jardim beira rio!

      Le parc ao rio mar via barcos como nos everglaids da florida! Agora cuidado para nao tirarem os clientes do shopping Recife! Aliás os dois shoppings tem uma distancia de pouco 5km entre eles, será que o jcpm que desvalorizar para comprar o resto das ações!

      Aliás Bviagem está uma bela copacabana!

  • A questão é o seguinte: quem vai dizer NÃO a um empresário poderoso no Brasil?

    Há uma relação de subserviência promíscua entre as autoridades e os empresários brasileiros.

    Nesse país, basta o empresário lançar mão daquele velho discurso de desenvolvimento e da geração de emprego pra fazer o que quiser. Daqui a pouco até os traficantes, cafetões e os “empresários” da pirataria vão usar esse discurso para protegerem seus negócios e conseguirem apoio do governo. Tudo hoje usa como desculpa a geração de emprego e renda. Nesse ritmo, o governo vai terminar legalizando o homicídio pra não desempregar os assassinos e proteger o chamado mercado da morte, que é um dos que mais crescem e geram “empregos” no Brasil.

    É um discurso bonito, com uma bela camuflagem social, o do desenvolvimento e da geração de renda. Isso é uma grande falácia. E empresário adora se esconder atrás desses discursos bonitos pra conseguir levar a cabo seus projetos. Se o governo estivesse realmente preocupado com esse pessoal que trabalha em shopping, investiria em educação e daria aos mais pobres condições reais de terem bons empregos e de terem educação.

    O que acontece é que o governo deixa o pobre eternamente na merda justamente para no futuro poder usar esse pessoal como massa de manobra, afinal se todo mundo tivesse uma educação decente quem iria aceitar trabalhar feito escravo para ricos e milionários? Se todo mundo tivesse uma educação que preste, quem trabalha em subemprego poderia ser cientista, professor, engenheiro e outras profissões que remunerem melhor. Mas, claro que o governo não quer isso, muito menos os verdadeiros patrões do governo, os empresários.

    Empresário quando fala em responsabilidade social e ambiental é só pra ficar bem na foto, por que no fundo está se lixando para esse negócio de responsabilidade social. Empresário só tá preocupado em faturar mais e explorar até a última gota a ignorância alheia (tanto de empregados quando dos clientes) e usam o governo para atingirem seus escusos objetivos (claro, quando o governo é formado por otários que se prostituem como os que temos à exaustão aqui no Brasil).

  • Turista vem conhecer Recife por causa de shoppings! Vamos mostrar o que para ele que dure mais de dois dias na cidade?

  • Pierre, deixe de ser recalcado. Você se acha o dono das verdades, vem com argumentos ridículos criticar um empreendimento caro. Gostaria de saber, se Izabel Urquiza fosse eleita, como você gastaria verbas públicas de uma eventual secretaria que assumisse. Gostaria de ver uma eventual gestão sua como reitor da UFPE, se não tivesse levado uma lavada. Será que os professores estariam satisfeitos ou mais insatisfeitos do que estão hoje?
    Deixe de ser “joga pra galera”. Você está se tornando medíocre. Ou ampliando sua mediocridade.

    • Medíocre é um povo que só consegue ser feliz dentro de um shopping.

      Isso sim é o ápice da mediocridade.

  • Realmente poderíamos ter um Recife melhor se não fosse os nossos políticos, os que colocamos lá em cima pra nos representar!!! Lamentável.

  • Excelente texto. Você está de parabéns!!! sintetizou tudo o que realmente está acontecendo!!!!

  • Sou Pernambucana, todos os anos vou a Recife e nada muda prá classe mais oprimida. Aliás, Recife se resume em Boa Viagem, bairro de clase média alta e ricos, bem iluminada, mais ou menos limpas porque os bambans so andam de carros de luxo. O centro é decepcionante, ruas imundas vididas a xixi e coco, esburacadas , sem calçadas prá pedestres, aliás; pedestre nessa capital não tem vez.Mas… a culpa é dos governantes, o povo tem que botar a boca no trambone e não se iludirem com tantas promessas falsas. A cidade de Recife pertence aos ricos, empresários e etc… a classe pobre não tem vez, por isso tem tantos assaltos e crimes. Acorda povo Pernambucano, põe seu bloco na rua.

    • boa viagem é bem ilumonada? acho q não.

      • Recife é mal iluminada! Dá medo andar pelo Recife à noite. Por exemplo, na saída do metrô às 18:00h , está tudo escuro nas proximidades. Não existe iluminação no local. Na questão iluminação do Centro do Recife, nota ZERO! Essa prefeitura conseguiu piorar o que já estava….passem pelas ruas próximas ao metrô do Centro do Recife para verificar o que eu estou dizendo.

  • Pierre,

    Brilhante texto. Só acho o termo “encapsulado” um pouco eufemista. Acho mais adequado “enclausurado”. O ruim de tudo isso é que a cidade fica cada dia mais sem VIDA. Ninguém viaja pra conhecer shopping.

    Sou recifense e há 3 anos moro em Brasília. Aqui cansei de ouvir gente dizer que foi a Porto de Galinhas e Carneiros, mas só passou em Recife no aeroporto. A cidade perdeu seus atrativos. A turma passa direto pras praias.

    Cada vez que volto, me espanto com a esculhambação e com o trânsito infernal. Em 15 minutos, eu ia lá de casa até o aeroporto, passando pela Avenida Recife. Hoje são no mínimo 40 minutos. Uma amiga daí me contou que levou 2 horas num ônibus da CDU até o Centro na semana passada. A cidade travou.

    Concordo que há que se revitalizar o Centro, mas acho que também deve se dar atenção ao comércio de bairros como Casa Amarela, Afogados, dentre outros. Nesses bairros, o que existe é o caos. Experimenta ir no Largo da Paz num final de tarde…

    • “A turma passa direto pras praias.”

      Seria estranho se não fosse assim.

      Os turistas tem razão. O que tem de interessante pra fazer em Recife? Ser assaltado por trombadinha ou extorquido por flanelinha?

      Sou recifense mas tenho que reconhecer que a cidade está uma bagunça. Nada de bom aqui atrai turistas, exceto as praias.

      Se Recife está insuportável para os moradores, imagine para os turistas. E esses shoppings e prédios construídos em toda esquina só infernizam ainda mais a situação.

      Está cada dia pior viver aqui, infelizmente.

    • Ano passado estava eu voltando de Campinas/SP. No avião, nas poltronas do meu lado, um jovem casal que tinha se casado na noite anterior. Estavam indo pra Porto de Galinhas. Super animados, perguntando como era lá, o que tinha pra fazer. Perguntei se eles tinham planos de passear por Recife (iriam passar 7 dias em muro alto), eles disseram que ninguém na operadora de viagem falou nada de Recife, e aí me perguntaram o que teria pra ver aqui. Eu disse: nada. Até pelas praias, é melhor ficar em porto. E eu nem gosto de Porto de Galinhas. Essa conversa vai fazer um ano. Ainda responderia a mesma coisa.

  • Admito que Recife é uma cidade de clima tropical, sentimos necessidade de conforto, porém a nossa felicidade não está em Lojas climatizadas vendendo Marcas. A educação do povo de Bruxelas é outra e o clima ajuda também. Pena, não conheço O Rio de Janeiro, mas o comentário fala das Lojas na Zona Sul ( cujo Público é seleto, onde o pobre não tem acesso ). Graças a Deus João C.Paes Mendoça teve a oportunidade de seu Pai ter um pequeno comércio,onde o ensinou a dar Valor ao Trabalho e a partir dele, ir em busca de novos modos de vida.
    Espero que o Projeto do Prefeito Geraldo Júlio, inclua não somente a revitalização das Ruas do Recife, como também Revitalização da Educação de Professores ( Valores e motivação para repassar aos alunos, e alguns deles também tenham seus grandes projetos para a cidade ou mesmo o País ), quem sabe daqui há uns 100 anos, teremos outra geração que admire a vida fora de um quadrado de vidro onde, hoje, temos a ilusão de segurança.

    A cidade de Aracaju tem suas dificuldades, mas vi Parques onde as pessoas fazem Pic Nic

    • ….quem viver….rsrsrs…..

  • Pela quantidade de comentários criticando o post, acabei de ter a certeza que a nossa cidade está realmente doente.

    A afirmação abaixo, diz muito do que queremos para a nossa cidades:
    “Quando se comemora a abertura de um shopping como se fosse um parque público, é sinal de que a cidade está doente. Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido. (Americano é subdesenvolvido com dinheiro).”

    Realmente muita gente vem a Recife para fazer compras nos nossos shoppings e um dos grandes programas das famílias recifenses nos fins-de-semana é passear nos shoppings.

    Nada contra os shoppings… o problema, ou seja “a doença”, é quando essa é uma das poucas opções que a cidade oferece. Enquanto acharmos que isso é o normal nada irá mudar.

  • Ótimo texto ! Parabéns, só acho que a utilização ou não deste empreendimento cabe a nós mesmo! Eu ainda curto bastante as poucas áreas publicas de nossa cidade. Recife antigo tenho fé que venha a melhorar nesses próximos anos, praça de casa forte, parque da jaqueira, poço da panela, em Olinda … Enfim, lugares que pelo menos uma vez no fds procuro ir com minha esposa. Não me encomodo com o shopping, cada um escolhe para onde quer ir ! eu particulamente odeio ! mas respeito e é notório que nosso povão esta feliz ! e a felicidade de qualquer cidadão não me deixa envergonhado !

  • Cabe debate. Lendo a matéria, lembrei dos meus tempos de criança no inicio dos anos 60 quando ainda tinhamos as Ruas, Nova, Da Imperatriz, Palma, Av Guararapes, etc como nosso principal centro de compras. Não sou contra os shoppings mas temos de convir que o que estão fazendo com nossa cidade extrapola os limites da cegueira politico administrativa. Pergunto: se um só empresário consegue um empreendimento daqueles ( Rio Mar), porque os que fazem as ruas do centro do Recife junto com o poder público não conseguem recuperar o nosso centro da cidade? O centro do Recife ainda é uma excelente oportunidade de negócio. Cabe debate.

  • UMA COISA NÃO TEM NADA A VER COM A OUTRA, MEU CARO.

    Shoppings “grandiosos” não impedem ruas com comércio.

    Vide o exemplo do próprio autor. Na ZS do Rio temos ruas com comércios organizados e bem frequentados. Na Zona Oeste do Rio, por outro lado, temos um grande Shopping e muitos outros espalhados pela cidade.

    Você pode meter o pau no governo e eu concordo. As ruas estão fétidas, escuras, sem estacionamento e inseguras. Mas essa é outra questão. Você pode escrever sobre isso sem a necessidade querer parecer um socialista que usa Holister/Armani/Lacoste.

    • [2]

      Shoppings “grandiosos” não impedem ruas com comércio.
      Vide o exemplo do próprio autor. Na ZS do Rio temos ruas com comércios organizados e bem frequentados. Na Zona Oeste do Rio, por outro lado, temos um grande Shopping e muitos outros espalhados pela cidade.

  • e o friozinho… tem aqui????

  • Pierre,

    Um dos melhores textos já publicados no Acerto. Parabéns !!!

  • Excelente texto, muitos exemplos e formas de observar o contexto, e mesmo assim bem conciso !! O melhor que já li aqui !!

    Isso devia ser publicado nos jornais impressos, trata-se até de uma questão educativa !! Aposto que o JC iria adorar a ideia =D

    • O JC, que é do dono do shopping? KKKK

  • Pierre, excelente seu texto que reflete bem a angústia com esse ar doentio que toma conta da cidade.
    Sim, a cidade está morrendo.
    Boa parcela disso, obviamente, se deve à ausência de políticas públicas que primem pela qualidade de vida na comunidade.
    Mas o que são os governos se não o reflexo da própria sociedade que os elege democraticamente?
    A cidade está doente e seus moradores também.
    Estive na Alemanha recentemente. A impressão que tinha era de ter morrido e ido pro céu. O Estado cuidando efetivamente da cidade com planejamento e prevenção de problemas. As pessoas extremamente educadas e com um forte senso de viver em comunidade, onde bem-estar do outro está ligado também àquilo que eu fizer pela cidade.

    Lindos e limpos parques, transporte público de qualidade, segurança para passear a qualquer hora do dia, enfim, tudo aquilo que a mentalidade provinciana dos recifenses tende a não valorizar e lutar.

    Gostaria de ser otimista.

  • Esse texto é um dos mais idiotas que eu já tive a infelicidade de ler. Parabéns para as 3 ou 4 pessoas que também tiveram a capacidade de enxergar isso.

    É engraçado como a população em geral não valoriza os empreendedores. Parem e pensem: quem gera riqueza são eles!

    Infelizmente vivemos em uma cidade mal cuidada, quente, com um trânsito infernal e estacionamentos públicos tomados por flanelinhas. Isso é culpa de JCPM? NÃO! Se é para culpar alguém devemos culpar esta bosta de poder público, que rouba 40% das nossas riquezas e não faz nada.

    JCPM viu que a cidade não presta para passear e fazer compras e decidiu abrir mais um Shopping. Vocês acham que ele está errado? Qual é a lógica disso? Ele está nos oferecendo mais uma opção de compras e lazer.

    Quem são vocês para ditar o que as outras pessoas devem gostar de fazer? Eu gosto de ir ao cinema e jogar boliche, mas não tenho a mínima vontade de andar a pé pelo centro da cidade.

    Concordo que a cidade seria muito mais agradável se as ruas fossem restauradas, os flanelinhas fossem banidos e mais árvores fossem plantadas, mas enquanto o setor público continua demorando séculos para nos oferecer isso, o setor privado agiu rapidamente e acabou de nos dar mais uma opção.

    • Idiota foi a sua leitura, e parece, pelo que vc diz, a de mais uns 3 ou 4, também.

      Ele não falou mal em momento algum do empresariado. Pelo contrário, falou justamente das mazelas às quais você se referiu.

      E onde você leu que ele está ditando como as pessoas devem viver ou o que devem fazer??

      O blog é dela e o texto é uma opinião pessoal. Jamais uma tentativa de impor uma forma de se portar.

      Você reclama do texto, mas se prestasse atenção, está concordando com a maior parte dele.

      O pierre até fala que irá, sim, frequentar o shopping.

      Agora, pelo visto, emitir opinião contrária aos shoppings virou crime. Valha-me Deus e nossa senhora ¬¬.

    • “Vamos combinar outra coisa: JCPM é empresário e faz o que bem entender com seus investimentos, e a abertura de um shopping é apenas a percepção perspicaz de uma falha de mercado que pode se tornar uma grande oportunidade de negócio”.

      Você leu o texto direito?

      • Eu repito o que já falei numa resposta anterior: pessoal, aprendam a ler e interpretar antes de sair criticando e falando mal.
        Em nenhum momento Pierre fala mal de JCPM, ao revés, defende que o cara é investidor e faz o que quer com o dinheiro dele.
        E claro que ele tá gerando emprego e blá blá blá. Observou uma falha e investiu nela pra ganhar dinheiro.

        A crítica do texto se refere à falta de política pública em nossa cidade, à falta de cuidado, à falta de investimentos por parte dos políticos que colocamos no poder.
        Antes de jogar palavras ao vento, é bom prestar atenção no que se lê e no que se diz. Você concordou com tudo que o texto trouxe sem ter nem reparado.

    • Você acabou de resumir o texto.

    • pena…

  • Parabéns pelo texto excelente concordo plenamente. Meus amigos estrangeiros quando estão na cidade valorizam o nosso mercado de São José, uma loja de malte que existe há vários anos la no Recife antigo, com fotos antigas, enfim. Parabéns!

  • Parabéns Pierre, excelente texto, sem agressões e baixarias, mas que relata com conhecimento uma profunda análise urbana.

  • Perfeito o texto. Parabéns. Sem contar que grande área verde foi destruida para isso.

    Enfim. Os “verdes”, as bicicletas, é que estão errados. Certos estão os que convivem diariamente e ajudam a manter a cidade da forma como está.

    Morar em BV é sinônimo de riqueza??? de paciência deve ser tb. Levei uma hora pra chegar até o fim da domingos ferreira (lá no antigo laçador). E olha que sai de casa eram 17:00. Imagina às 18h.

    Enfim, mais um shopping para os pobres mortais irem de busão, passear, passear, passear e, antes de irem embora, tomar um casquinho misto na cabinezinha da mcdonalds ou da bobs. Pronto: R$ 2,50 da casquinha + passagem ida e volta = FELICIDADE TOTAL.

    Pena e vergonha, alheias.

  • Ridículo este texto, comparar uma cidade do tamanho de João Pessoa, que ainda assim é a maior do pais, com as grandes cidades americanas e brasileiras. Sem contar que desafio este professor a ir fazer compras na Rua da Imperatriz sob um sol escaldante como o nosso. Os centros de compras são uma excelente opção, mas isto não quer dizer que não devamos ter excelentes opções nas ruas organizadas, limpas e seguras. Mas é outra cultura, outro clima a comparação deixa a desejar.

  • Parabéns pelo excelente texto, Pierre!

  • Achei as analogias interessantes, mas não concordo com a pouca importância que se deu ao fator calor, que pra mim é o principal motivo das pessoas se enclausurarem em Recife. A cidade é quente de janeiro a dezembro. Não há cristão no mundo que ache confortável fazer compra debaixo do sol dessa cidade. Acho que uma comparação com Dubai seria mais adequada. Lá as pessoas vivem mais em recintos fechados do que aqui. Vai dizer que lá também o motivo é buraco nas ruas?

    • João, acredito que o problema do calor de Recife é a sensação térmica, resultado dos inúmeros problemas
      urbanos que temos. Poluição, os espigões de concreto que dificultam a dissipação do calor…

    • João, pelamordedeus!!!!! e pq será q no Rio no calor danado as pessoas vão pra rua? pq no Rio existem espaços públicos! daqui a pouco vão mandar São Pedro colocar um split pra vê se os shoppings fecham né? era só o que faltava…

  • recife ta uma m$%¨*& e não tem jeito.

  • a foto do post me lembra um bando de porcos loucos por comida.

    • kkkkkkkkkkk

  • Adorei o texto, excelente para reflexão.

    Só a questão do prefeito sem moral, discordo ser particular ao nosso prefeito(apesar de considerá-lo fraco), na conjuntura política brasileira atual, nenhum prefeito brasileiro teria coragem e condições de posicionar algum comportamento de restrição as ambições do grupo JCPM, vide aos outros shoppings no moldes RIOMAR implantados e em construção no país

  • Isso é preconceito bobo de um pseudo intelectual.
    Cidades densamente povoadas + entreterimento novo = filas e frisson.
    Acha-se patetico fila pra um shopping novo, mas normal pra pagar R$ 400 por 2 horas de Chico ou para iPhone novo.
    Vi fila gigante em Londres na loja da Apple, China e EUA então nem se fala.
    É tudo entreterimento: shopping, museu, teatro, Chico, Led Zeppelin ou iPhone.
    Todo mundo já enfrentou fila pro que gosta, futebol por exemplo.
    Esses recifenses de hoje gostam de shopping tão somente
    O resto é preconceito bobo

    • A melhor análise do texto que li até agora. Parabéns !!!!

      • É incrível… mas tem gente que nem se dá ao trabalho de ler o texto e já vai postando comentário, somente pela foto. Sei não…

        • Fernandes nao discuto se Recife está inchada ou enclausurada.

          Critico sim relacionar o frisson de um novo shopping com isto.

          Sofisma puro.

          E bobinhos caíram….

        • Na minha interpretação o objetivo do texto não é explorar o fato de ter fila ou não na inauguração do shopping, e sim mostrar uma reflexão sobre a importância que os shoppings centers têm para a nossa cidade.

          E desta reflexão podemos tirar algumas conclusões:
          - Recife oferece pouquíssimas opções legais de lazer para os seus moradores e turistas.
          - O shoppings são sem dúvida as melhores opções de lazer que nós temos.

          Para mim este é o ponto principal do texto. E como frequentador/consumidor assíduo dos shoppings é frustante constatar que é verdade, principalmente porque Recife tem potencial para oferecer muito mais.

        • Concordo Fernando!

  • Muito bom o texto, traduziu o que eu sentia em palavras.
    Foi citado aí o Rio de Janeiro e eu citarei exemplos daqui: a construção da ciclovia da praia de Boa Viagem. Uma obra que “retirou” uma das faixas dos carros para destinar às bicicletas, e no começo foi muito criticada, porém agora, está sempre cheia de ciclistas e funciona bem. Outro exemplo que funciona e me alegra muito é o parque Dona Lindu, a população local realmente se apoderou deste espaço público e é uma otima opção de descapsularizar, como colocado pelo autor, as pessoas (adultos e crianças), e relembrando que foi também criticado antes de sair do papel. Infelizmente, nao temos muito do que se orgulhar com essa questao de respeito aos espaços públicos, mas o pouco que temos podemos ver e sentir que a população se apodera! E não necessitamos ir muito longe para comprovar isso. Tenho esperanças de que pouco a pouco tenhamos mais e mais exemplos de obras que realmente melhorem a nossa cidade.

    • “Tenho esperanças de que pouco a pouco tenhamos mais e mais exemplos de obras que realmente melhorem a nossa cidade.” [2]

  • “Por outro lado, temos uma população cujo sonho de consumo é refrescar os fundilhos em um ar-condicionado a qualquer custo.”

    Essa foi melhor parte!

    Bom texto Pierre.

  • Considerando que, em 2007, na Holanda havia 446 metros quadrados de área bruta locável (ABL) por mil habitantes e no Brasil, em 2008, havia 45 metros quadrados de ABL por mil habitantes, além disso, em 2009 29% dos shoppings na Holanda estavam na fase de construção ou planejamento, dá para perceber que a cidade pode estar doente, mas nunca, em canto algum do mundo, shopping não é um sintoma disso.

    Só mais alguns dados, de ABL (em metros quadrados) por 1000 habitantes: Suécia 702, Noruega 638, UK 435, Áustria 354, Dinamarca 288.

  • Vamos ver mais alguns dados:

    Porcentagem dos shoppings nas vendas do varejo em 2008: Canadá: 65,7%, EUA: 57,5%, Austrália: 51,3%, França: 25,9% e Brasil: 17,2%.

    Canadá possui um clima muito severo, compreensível as pessoas buscarem um espaço com ambiente controlado. Também é compreensível em cidades muito quente, por exemplo Cuiabá, Manaus, Teresina …

    • Júlio, eu não posso falar pelo Canadá todo, mas Montreal, pelo que eu me lembro e conheça, só tem dois “shopping nos moldes de shopping brasileiro”, que é o Carrefour Angrignon eo Marché Central, afastados das zonas de maiores movimentações (o Marché Central, apesar do nome não fica no centro da cidade e é até um pouco diferente de nossos shoppings, mas dá para ser enquadrado como shopping à brasileira).

      É verdade que o centro de Montreal é cheio de lojas subterrâneas, conectadas por corredores e denominadas de galerias ou até de shoppings, mesmo. Mas a característica dessas galerias subterrâneas é distinta do que a gente entende como shopping. Em várias delas, a estação de metrô é interconectada e em outras há a entrada de prédios, inclusive do prédio em que se situa o consulado brasileiro. E qual a diferença dessas lojas para um shopping? É que elas são integradas na cidade e não são circundadas por estacionamentos; Ou seja, não são projetadas para serem alcançadas apenas de carro. Aliás, elas nem estacionamento têm e muitas lojas aparecem em cima da rua e embaixo.

      No entorno de Montreal há diversos shoppings, mas sempre em áreas afastadas e fora da cidade, como o que eu acho que é o maior deles, o Boulevard Dix-30, que fica em Brossard, há uns 20 km de Montreal.

      Em Amsterdã é a mesma coisa. No centro até existe um shopping, mas com cara de galeria, como Daniella (às 19h35 de hoje falou)). Algo mais com cara de shopping eu vi anexo à Arena do Ajax, mas bem distante do centro de Amsterdã. Na França é até proibido construir supermercados nas áreas mais centrais das cidades.

      Como Bruno Abreu falou às 15h49 de hoje, o shopping mais próximo do centro de Miami fica a quase 25 km de distância do centro da cidade. Então, é preciso tomar muito cuidado quando se olha os números de área bruta locável de cada país.

      • Assim como não se pode generalizar e dizer que o shopping é um sintoma de que cidade é precária. Uberlândia, Ribeirão Preto, Curitiba, Londrina, Maringá, Belo Horizonte, Teresina, Natal, Porto Alegre e Goiânia, entre as que conheci, são cidades com excelente infraestrutura urbana e possuem grandes shoppings.

  • recife continua sendo uma grande cidade pequena.. pequena pq a mentalidade da maioria das pessoas daqui é muito pequena mesmo.. fui a cidade de Blumenau em santa catarina esse mes … me hospedei em um hotel do centro para ver os desfiles da oktorberfest… o centro de la é um brinco… a oktoberfest é o carnaval deles e é superorganizado é um programa super familia e super bem policiado…Chega dar gosto de andar por la… Os governantes deveriam imitar as iniciativas e estrategias de la para desenvolver a economia e o turismo de Recife .. uma cidade que tem muita Historia mas que fica esquecida no esburacado e sujo centro do recife… Centro do Recife que é muito lindo mas precisa ser revitalizado…

    • Ser primeiro ou terceiro mundo não é questão de dinheiro. É questão de mentalidade.

  • Quando leio um artigo como esse, sinto-me menos estranho, percebo que não sou tão maluco assim em desejar uma cidade diferente.

    • Pois é. Tive a mesma impressão também.

  • “E isso nada tem a ver com questão ideológica ou coisa do tipo. Apenas falo isso porque para um centro de compras neste formato dar certo, é preciso que a cidade esteja uma porcaria, que é exatamente o caso de Recife.” palavras de um cidadão com pensamentos fúteis e desvalorizados . Esse blog acerto de contas está desvalorizando pernambuco e principalmente a cidade do RECIFE , queria que você que está escrevendo essa “merda” de blog tente botar coisas que não desvalorize a cidade dos outros porque o seu pode está na mesma situação ou até pior .

    • É, Pierre. Recife não tem problemas. É uma cidade perfeita. Você que inventa essas coisas. :P

      • kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Pierre, esse foi o seu melhor texto. Parabéns.

    Só acrescentaria uma coisa: a prefeitura em conluio com as construtoras desmatam o que restou de verde na nossa cidade. E pior, ninguém diz nada. Absolutamente nada. Nem o candidato a prefeito pintado de verde falou algo a respeito. Ah, às vezes aparece um barnabé dizendo, com toda pompa, que para cada árvore adulta de 100 anos cortada no Recife deve ser plantada 3 sementes a 50km de distância. Que merda!! Seria como dizer a uma mulher grávida de trigêmeos, mas que já tem um filhinho de 12 anos, que ela pode matar seu filho mais velho, pois carrega três bebês em seu ventre.

    É uma lástima. Nossos decisores, políticos e barnabés, agem como uma irresponsabilidade doentia quando estimulam o ar refrigerado em detrimento da natureza.

    É isso. Ainda nem li os comentários, mas aposto que os alienados idolatras de shopping estão reclamando.

  • Eu não entendi. É falha do mercado que os espaços PÚBLICOS são esculhambados?

    Eu diria que é falha da mentalidade pública e caso típico das tragédias dos comuns, onde não há um dono, proprietário para por ordem.

    O Shopping é um empreendimento para atender uma demanda, e atende muito bem. O mercado está fazendo a parte dele, o poder público que não.

    • Exato!!! Concordo!!!

  • Parabéns, Pierre, por esta acertada reflexão. Um texto claro e sensível sobre os problemas da nossa cidade, que infelizmente se encontra num estado de assustadora decadência resultante de um evidente processo de desumanização.

  • Ah, e não se pode esquecer a questão do clima, Recife é uma cidade quente e muito úmida, é inevitável suar bastante em qualquer dia que não esteja bem chuvoso. Logo é natural um maior desejo por ambiente climatizado.

    • Recife era (em alguns poucos trechos ainda é) uma cidade com uma brisa constante. Havendo árvores, o clima era bastante agradável. E apesar de não ter a mesma brisa que já teve outrora, experimente andar pelas ruas do Espinheiro, que ainda é um bairro relativamente arborizado, a qualquer hora do dia, que você vai ver que não é uma experiência tão ruim, não.

      Ah, e para quem fala de clima como desculpa para nossos shoppings, nos arredores de Montreal boa parte dos shoppings são ruas e estacionamentos ao redor das lojas, mas não há ligação interna entre elas. Se você quer ir de uma loja para a outra, é preciso sair da loja pro meio da rua, andar pela calçada (ou pegar o carro, já que há shoppings bastante grandes) e ir até a outra loja que se deseja ir.

  • Muito lúcido o comentário. So discordo da surpresa pela presença do prefeito, governador, etc. Fazendo um paralelo, é tão natural quanto um Presidente da República e seus Ministros prestigiarem a inauguração de uma montadora de automóveis por exemplo.

  • Lembro também que em Nova York as lojas todas são nas ruas. Não existe nem supermercado, ao menos nunca vi, e sim aquelas simpáticas lojinhas de conveniência onde se pode comprar o mínimo. As calçadas são um luxo. A cidade é antiga, em alguns lugares ela é velha, está em decadência mas sempre renasce em outros. Não compreendo o que aconteceu ao Recife. Uma das cidades mais bonitas do mundo degradou-se a um ponto intolerável.

  • daqui a pouco vao azuleijar a areia da praia de boa viagem.

    • kkkkkkkkk

  • tem muito dono de construtora q se fode no transico caotico q ajudou a criar na cidade vertical, o transito ruim não perdoa nem o pobre nem o rico, vejo todos os dias ricos em seus utilitarios estressados no transito se trocando com taxista. a maior riqueza de um povo é o proprio povo, a nossa cidade é retrato do nosso povo, brasileiro nunca foi muito organizado.

  • Acho uma decadência que as pessoas celebrem isso aí. Precisamos de espaços urbanos criados para uma melhor qualidade de vida, não de shopping para o consumo voraz de uma cidade a beira do caos

    • “Acho uma decadência que as pessoas celebrem isso aí. Precisamos de espaços urbanos criados para uma melhor qualidade de vida, não de shopping para o consumo voraz de uma cidade a beira do caos” [2]

  • Só uma correção na excelente análise: o shopping Leblon não é nada, nada, mais barato que as lojas e rua do Leblon ou de Ipanema. Pelo contrário, para não “perturbar” o bairro com a “invasão”, as lojas são de mais alto luxo, a ponto de ser um shopping vazio, como o Fashion Mall, em São Conrado, ou o shopping da Gávea, em que circulam “celebridades”. É um shopping excludente. O Rio Sul, em Botafogo, zona sul do Rio, fez uma “limpeza” no seu público, tirando de lá a C&A e colocando lojas mais caras. Os shoppings da zona sul do Rio, guardadas as proporções, praticam uma política de exclusão pelos preços que praticam. Aqui quase em todo bairro se tem um shopping. No subúrbio, menos, e de perfis mais populares.

  • A verdade é que os shopping’s center’s são igrejas (muito) bem sucedidas

    … atraindo todos os dias, milhares de fiéis

  • Sabe o que é pior, isto não é um processo novo, que deva-se à prefeitura do PT exatamente. A degradação do centro da cidade do Recife data de muito antes. A falta de segurança, as dificuldades em circular no centro da cidade, a falta de estacionamentos, falta de um transporte público de qualidade mínima, o fim dos cinemas, ruas de qualidade péssima, prostituição, mendicância, lixo são todos problemas de décadas que só fizeram piorar após os anos 90 do século passado, transformando o centro da cidade no último lugar a se visitar, quando não se procura locais específicos como a Rua da Aurora.

    O centro do Recife é de dar nojo e pena. Esses dias estive em Fortaleza, e vi como o centro e os bairros centrais da cidade são tratados de forma diferente. Limpos, sem animais nas ruas, com uma qualidade mínima de trânsito, que não resolve os engarrafamentos, mas que os alivia. Um centro de eventos ativo, ao contrário do Recife que fora a parte antiga só tem inferninhos a oferecer a quem deseja se divertir. Enfim, a situação é triste e lamentável, tanto quanto ter esse número absurdo de shopping centers.

    Realmente estamos numa cidade doente.

  • Traduziu meu sentimento: Recife é uma cidade linda e nós, prisioneiros dos medos e impotentes nas lutas contra assaltantes, pedintes e flanelinhas, deixamos de andar nas calçadas e nos encapsularizamos!

    • Infelizmente, Recife está jogado às baratas.

  • [...] mais fica a frase do texto do blog Acerto de Contas sobre o assunto e que se aplica perfeitamente a todo o Brasil: “Temos uma população cujo sonho de consumo [...]

  • Somos reféns de uma cidade onde o poder público a torna inviável a pedestres e ciclistas e facilitam para os empresários fazerem o que bem entendem!

  • Olá. Nunca ouvi falar desse blog, mas o título do texto me chamou atenção. E cada palavra escrita conseguiu prender meus olhos. Parabéns pelo excelente texto, ele seria um ótimo instrumento para gerar uma discussão em escolas e faculdades. Parabéns, mais uma vez.

  • Parabens…suas percepção de mercado…social e cultural é excelente !!!
    Blog muito bom…primeira vez aqui e ja me sinto feliz por ter encontrado !!!

  • O modelo de shopping nada mais é do que a reprodução das antigas muralhas que protegiam as cidades e os comércios na era medieval, do ataque de salteadores. Não há nada de novo.
    Estamos reproduzindo o mesmo modelo, para os mesmos problemas: falta de segurança, ruas fétidas, emburacadas;a devastação do meio ambiente, com a derrubada de árvores, o que eleva as temperaturas na cidade (NÃO ESQUECER QUE ACABAMOS DE ASSISTIR CALADOS À DERRUBADA DE ÁRVORES CENTENÁRIAS NA AV. CAXANGÁ!).
    O shopping nada mais é do que um oásis no deserto, lá os problemas não entram. Lá esquecemos do trânsito, do calor, da insegurança, dos flanelinhas (muito embora se pague caríssimo pelo estacionamento), etc…

    • E por falar em Av Caxangá, tem uma área na Avenida, abandonada há anos. Nenhum prefeito procurou mudar a cara da avenda. Que avenida feia, cheia de áreas abandonadas….e agora….com VLT no centro da avenida….em nome do “progresso”…kkkkk

      • VLT?? É Busão mesmo!!!

        • kkkkk…não cara…kkk…eu quis dizer que derrubaram as árvores para a construção do VLT, e já está em andamento….kkkkk E por falar em ônibus, pense numa loucura está o trânsito pela manhã e à noite lá.

  • Fantástico seu comentario. Parabéns.

  • Do texto, o que só foi útil foi a crítica à falta de investimento público nas ruas da cidade, em razão de ingerência pública, no mais, só falaram “vento” aqui.

  • Genial o texto, mostra a mediocridade da socidade Recifense… Tudo que eu pensava você escreveu de forma magnífica! Infelizmente ainda tem gente que vai continuar defendendo o shopping sem fazer uma análise crítica da situação lamentável em que o Recife entrou…

  • A questão não é a existência do Shopping em si. A questão é como nossa sociedade se comporta. Se no lugar do Rio Mar estivesse a maior biblioteca das américas acho haveria 50 gatos pingados. O problema é que a maioria dos Recifenses acha que inclusão social é igual a consumo de apetrechos. Por isso a euforia com um mero shopping. Mais um lugar para se endividarem. E só. Resultado = um povo burro, que se limita consultar o primeiro texto do google e acha que sabe tudo. Adoro discutir com a “nova classe média”. Um bando de animais, cheio de frescura, metidos a ricos que destratam seus semlhantes, quando na posição de comprador, mas que não entendem de porra nenhuma do que acham que entende. Essa é a nova sociedade Homer Simpson que está em ascensão no Brasil!!

  • Moro em Bruxelas.

    Engraçado que na segunda foto do post, da Rue Neuve em Bruxelas, existe um shopping center chamado City 2. Interessante porém, é que nessa rua, 95% das lojas são de roupas, e no shopping, 95% não são de roupas. :)

    O City 2 é o MAIOR shopping center da Bélgica, e é do tamanho do Shopping Paço da Alfândega (~50.000m2 de area construida) e tem 103 lojas. Ou seja, bem “pequeno” para o padrão Brasileiro. Um outro comentário disse ter 26 shoppings na Bélgica, só se for em outra Bélgica.

    Aqui não se tem a cultura de ir ao Shopping. Não se fala em passar o dia no shopping. Cinema só na “rua”, nao tem shopping com cinema, e a praça de alimentação é relativamente pequena, sem tantas opções!

  • A sensação é de que Recife vem se tornando uma cidade péssima para se viver por conta dessa desumanização. Péssima mesma.

  • Antes de qualquer analise, temos que considerar a IDADE DO NOSSO PAÍS, VALÔRES AGREGADOS PELOS NOSSOS COLONIZADORES

  • Impressionante… enquanto isso a orla fantasma de Boa Viagem não atraem turistas, nem transeuntes, nem ninguém… e os artesãos sequer teem espaço para escoar seus produtos, qual artesão teria condições de colocar uma loja no Rio Mar, ou em qualquer outro shopping? A Feirinha do Bom Jesus, no Recife Antigo é um empreendimento falido em que uma empresa particular aluga um espaço precário a um artesão de pernambuco, num logradouro público… o Centro do artesanato de Pernambuco é mais um atravessador em nossos caminhos que, além de não atender a todos ainda limita quantidade de peças a serem expostas, ganhando porcentagem para sequer o artesão ser visto pelo visitante do lugar e, fique de queixo caído, lá não existe rampa para cadeirantes, “ainda não” segundo me informou a recepcionista quando mostrei com meu bocão o sacrifício de um cadeirante e um idoso ao descer aquele enorme degrau e enquanto a prefeitura abre mão de 200 mil para ser realizada uma feira com grandes marcas importadas no Chevrolet Hall, e o centro da cidade se enche de chinês, ficamos, nós artesãos, sofrendo pra sermos vistos, produzindo sem ter aonde escoar nossos produtos… enquanto isso tenho encomendas grandes no Paraná e em Brasília, será que o pernambucano não me compra tanto quando o sulista porque não gostam do que faço?

  • já tem um vídeo no youtube com a confusão e até desmaios durante a subida da escada rolante…

    http://www.youtube.com/watch?v=67McPgPV-Cw

    • Mundiça do c@ralho!!!! Parece boiada indo pro abate. Povo totalmente sem noção. Na boa, eu teria vergonha de protagonizar uma palhaçada dessas. É muita falta de uma ocupação decente na vida.

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • HAHAHAHAHAHA!!!! Ri demais, rapaz. Muito bom o vídeo. Parece filme de zumbi.

      O povão sempre proporcionando bons momentos de diversão.

  • Me cansa textos assim, mas só um comentário: “Por outro lado, temos uma população cujo sonho de consumo é refrescar os fundilhos em um ar-condicionado a qualquer custo.”. Colega, a culpa disso tudo é do clima… fala com São Pedro pra mudar o clima que com certeza teremos mais cidadãos andando pelas ruas do nosso Recife, a pé ou de bike…. eu rezo por isso todos os dias, mas moro no Nordeste e o preço a se pagar por morar nesse “verão o ano inteiro” é esse… viver a mercê do ar condicionado! Sorry!

    • Exato Janaína!

    • Isso, isso, isso!

  • melhor comentario foi o Eduardo Queiroz:

    “Cidades densamente povoadas + entreterimento novo = filas e frisson.
    Acha-se patetico fila pra um shopping novo, mas normal pra pagar R$ 400 por 2 horas de Chico ou para iPhone novo.
    Vi fila gigante em Londres na loja da Apple, China e EUA então nem se fala.
    É tudo entreterimento: shopping, museu, teatro, Chico, Led Zeppelin ou iPhone.
    Todo mundo já enfrentou fila pro que gosta, futebol por exemplo.
    Esses recifenses de hoje gostam de shopping tão somente
    O resto é preconceito bobo”

    “nao discuto se Recife está inchada ou enclausurada.
    Critico sim relacionar o frisson de um novo shopping com isto.
    Sofisma puro.
    E bobinhos caíram….”

    ta ai para alguem aprender…

  • Pfff. Se muda lá pra Europa. Com todo esse conhecimento sociológico e político, não devem faltar oportunidades de emprego.

  • Excelente texto, Pierre!

  • Ah, e alguém veio de falar de legalidade… o que é legítimo? trabalho escravo é legal? destruir mangue com um EIA/RIMA ridículo é legal? aff, enfim…

  • “Na outra ponta, costuma-se dizer: “Ah…mas aqui em Recife quem manda é o seu grupo e meia dúzia de construtoras.”

    Isso não é verdade, quem manda na cidade é qualquer um que queira. Seja ele um construtor, um camelô, um empresário, ou mesmo um flanelinha.”

    Vamos combinar que é simplificar demais a questão. Qualquer um que queira? Não é bem assim. Uns mandam mais, outros menos e uma grande parte simplesmente obedece e vai na inércia. Até que comecem a se organizar para desmandar, claro.

    Ademais, um ótimo texto.

  • Já não moro aí há quase 10 anos e descobri agora que a inauguração desse empreendimento está mexendo com a cidade.

    - O artigo é interessante, mas parece pecar em alguns pontos e acaba fazendo uma análise bem utópica, apesar da boa intenção.

    Vendo de fora e visitando aí periodicamente, percebo várias outras coisas:

    - A primeira é que a economia daí mudou muito, o poder aquisitivo aumentou, as pessoas (o povão) têm mais dinheiro pra comprar e a cidade podia receber mais um shopping. Ou seja, existia uma oportunidade efetiva de negócio e eu fico muito feliz que o empreendimento tenha sido realizado. Palmas!

    - Mas a democracia é linda, e a classe média? Hoje ela é a classe C e D. E o subúrbio quer frequentar o shopping e não mais o “centrão”.

    - Acho linda essa idéia utópica de Recife querer ser européia (ou novaiorquina), com lojas nas ruas, todos andando felizes pelas “amplas calçadas” e aproveitando a “beleza” da cidade.
    - Mas esquecem que:
    i) a cidade está muitíssimo mal tratada e tem muito pouco a se apreciar que não seja olhando pro mar ou pros rios se cortando no Centro (percebam que as partes bonitas são “fotos”, vc fica apreciando como se elas estivesses imóveis, se olhar pro lado, vc volta à realidade brutal da decadência e do descuido);
    ii) fede horrores (apenas 30% do esgoto é tratado e ainda tem canal a céu aberto por toda a cidade);
    iii) faz um calor infernal;
    iv) o comércio de rua é muito pouco concentrado, muito popular, sem muitas opções, nem atrações (restaurantes, cinemas, etc); e
    v) a cidade é extremamente perigosa.

    - Qual a fórmula mágica?? Criar calçadões no “centrão” como em Ipanema, que é um bairro nobre e fica muito próximo da praia, onde muitas pessoas (RICAS) moram, saem a pé de casa pra ir à praia e, efetivamente circulam??

    - É só pensar de maneira mais ampla e perceber que a solução do Rio não se encaixa aí.

    - Falam dos Shoppings daqui de São Paulo, mas temos bairros em que se faz tudo a pé.

    - Ou seja, dá pra se conviver com as duas soluções (shopping e lojas de rua), mas Recife está muitíssimo longe dessa realidade pelo que já comentei lá em cima.

    -Enfim…

  • Rapaz, a foto do aglomerado de pessoas à espera da abertura dos portões me lembrou uma cena do filme “A Madrugada dos Mortos”, quando os zumbis invadem um shopping center. A alegoria do apocalipse zumbi nunca fez tanto sentido. Hehehehehehehe!

    • kkkkkkkkkkkkkk…nunca ri tanto……

  • Perfeitos os comentários de Pierre. Não é o empreendimento em si que é criticado, mas a necessidade dele. Não é questão de ser Europa ou não, mas de necessidades básicas de qualquer cidadão em qualquer lugar. Cidade que precisa de shopping center para oferecer conforto aos cidadãos é sinal de que não é lugar bom para se viver.

  • Concordo com a análise quanto ao provincianismo, caracterizada pela cidade parada com o trânsito caótico causado pela inauguração e pelo funcionamento de um empreendimento. Não é só no Recife. Só para citar um exemplo, em São Paulo, recentemente, na inauguração do shopping JK Iguatemi também houve dificuldade no trânsito. Discordo, entretanto, dessa e de outras análises em relação à importãncia do shopping para o desenvolvimento da cidade. Gera emprego e renda. É até atração turística. Fato. E shopping nao é tendência americana (do norte ou do sul). Londres acaba de inaugurar o Westfield, um mega shopping que não afetou as lojas de ruas. Lisboa tem vários shoppings. Cidades menores têm shoppings. E cidades que não tem a cultura dos shoppings tem grandes magazines na rua: Galeries Lafayette em Paris, KaDeWe em Berlim e assim por diante. São, de afto, um shopping, como se encontra em Bruxelas, Helsinque ou qualquer outra grande capital

  • Oportuno texto. Parabéns

  • Não tenho por shoppings a menor simpatia. O que me chateia é que logo, logo, se eu quiser tomar uma birita em algum barzinho bucólico, não vou encontrar mais nenhum. Só vai ter as malditas praças de alimentação, com aquela paisagem antihumana, apesar de cheias de gente…Deixo de beber, mas não frequento essas porras!

    • Oxente! Relaxe o bigode e vá tomar uma no Cordel Botequim.
      Peça uma linguiça matuta temperada na cachaça.
      Mas vá logo, antes que o bar suma do mapa, como muitos bons que apareceram e se evaporaram.

  • Vijemaria! As ruas da capital parecem um mercado público, do estilo Afogados, Nova Descoberta, Areias, etc.
    Se ao menos fossem do tipo Mercado da Boa Vista, Encruzilhada, Cordeiro ou Madalena, valeria à pena andar.
    É uma bagunça só! Camelôs ocupando cada centímetro de espaço.

    Eu se divirto é no shopim, sem medo de pisar na mercadoria de alguém ou meter a canela numa banquinha ou carro de mão.

    Em tempo: lugar de comprar cama é em loja multimarca especializada. Esta semana fui em várias “grandes” lojas do centro e fiquei coisado com o atendimento e falta de preparo dos vendedores.
    As perguntas que fazia, eram respondidas com frases do tipo: é boa. vende muito. sei não. deve ser. num conheço. Isso quando aparecia alguém pra atender.

    Eu se divirto nesse comércio de mascates da capital.

  • Quem quizer que compre em shoppings, só não que é que isso vire meio compulsório…por falta de opção

  • e onde fica o Cordel Botequim? Olha que gostei do nome…

    • Fica no finalzinho da Rua da Hora.
      Já chegando na Rosa e Silva.
      Dá uma zapeada na web que tu vai achar muita resenha de lá. É bar novo.
      Cerva mais barata que nos espetinhos e tira-gosto arretado!

      Mas vai logo, antes que acabe e transformem em um self service hehehe

  • -Excelente texto Pierre, é bom para refletir sobre a vida urbana onde se valorizar os carros e as grandes construções!

  • Parabéns! Enfim alguém sensato. Eu tb preferia mil vezes poder ir ao cinema, compras, teatro, ficar de bobeira pelas ruas da linda cidade que (ainda) temos. Mas infelizmente tenho que ser extorquida por flanelinhas, pisar em fossa e não ter onde estacionar ou pegar ônibus lotado. Além de todos os seus argumentos ainda teve o impacto social. A comunidade pobre do Pina perdeu ruas, acessos e subsistência. Além do shopping ter sido erguido onde foi o Rei Dudu Campos ainda vai construir dentro da área do aeroclube. Afinal, pra que serve estuário mesmo se temos aquários não é?

  • Prezado, concordo com você que Recife precisa de uma nova gestão, uma gestão que possibilite uma melhor qualidade de vida aos recifenses e aos que por ali passam. Mas diferente de você vejo q a criação de um empreendimento tão grande quanto esse é importante, sim, para Recife. Atualmente estou morando na Europa, e posso dizer seguramente que a população daqui vai sim, a vários Shoppings, e os Shoppings daqui são muito pomposos com cascata e tudo mais, Quando viajamos a passeio, geralmente não vamos visitar e nem conhecer shoppings, isso é fato. Mas, a população que aqui vive, compra, e muito, em shoppings, o fato de ter várias lojas de “marca” nas ruas não significa absolutamente nada de mais. E o q você falou, em relação as ruas de Recife serem cheias de camelôs e etc. Isso acontece, E MUITO, em todos os Países que já visitei, algumas ruas de MADRID, por exemplo, achei muito parecidas com as do Recife, em relação a ambulantes e camelôs ocupando as ruas; em Lisboa há uma Praça enorme cheio deles. Mas como disse anteriormente, não acredito que devas fazer algumas considerações levando em conta um olhar de turista, porque quando viajamos, procuramos apenas aquilo que CONVÉM a maioria. De modo geral seu blog é bom. Mas acho q você deveria ser menos hostil com as opiniões alheias, fica a dica.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!

      Meu irmão, a galera ainda vai tirar muita onda com essas cenas bizarras da inauguração.

      Foi comédia demais o povão um por cima do outro caindo na escada. Não tem como não rir com a avacalhação que a turma fez na escada rolante.

      Quem esteve lá já dá pra dizer que viu o primeiro filme de comédia exibido no shopping!!!!

      É zoação demais!!!! Espero que a galera continue fazendo outros filmes sobre a inauguração tipo “Melô da inauguração” ou “Funk da inauguração”, por que tá muito engraçado isso.

  • Na minha opinião, os dois espaços podem muito bem coexistir. Ainda que seja verdade que a péssima gestão seja grande culpada pela falta de interesse dos cidadão em andar pela cidade, as pessoas também tem culpa, ao jogarem seus saquinhos de pipoca ou sei-lá-o-que das janelas de onibus e de carros, o que dá uma sensação de sujeira na cidade, quando essas mesmas pessoas seriam incapazes de repetir esse ato num shopping center.

    O calor em si não é desculpa. Isso tudo se resolveria com uma cidade mais arborizada, como disseram lá em cima. Mas o “novo” planejamento de Recife nem prevê uma maior arborização da cidade. As vezes, andando a noite pelo centro da cidade fico pensando em como Recife seria linda pra andar de vez em quando se fosse tratado com um mínimo de zelo.

    Por fim, nos EUA, diferentemente da análise de Pierre, acho que existe uma coexistência. Existem grandes shoppings, mas também existem muitas ruas de vocação comercial, como a Rodeo Drive, em LA, e a Times Square e a 5th Avenue, em NY.

  • Nem numa inauguração de shopping os babuínos tupiniquins conseguem se comportar. Se abrissem o shopping pro zoológico, os bichos se comportariam melhor.

    Ô povinho marginalizado…

    As pessoas não conseguem sequer se organizar numa fila como gente civilizada para subir uma escada. Tudo aqui tem que ser na base da arruaça e do tumulto.

    Quero ver essa esculhambação na copa como é que vai ser. A maloqueirada vai destruir o estádio antes mesmo de começar o jogo.

    Depois o brasileiro reclama quando outros povos mais organizados e disciplinados falam do Brasil. Queria o que? Que elogiassem nossa capacidade de organização e civilidade?

    • Eu fico puto quando argentinos e uruguaios chamam brasileiros de macaquitos em solidariedade aos macacos. Eles não merecem isso!

  • Eu concordo com tudo. Inclusive fiz um comentário um dia atrás de inaugurar o Shopping. É triste ver que os investimentos que era pra ser na cultura, nas ruas e pontos turísticos do Recife, estão sendo depositados em Shoppings, onde o povo vive enfurnado. Tenho pavor a Shopping. Quando vou, é pra comprar algo e logo vou embora. Apenas duas coisa me deixa feliz em ir ao shopping, ir ao cinema e ir na livraria saraiva, onde tudo se separa do enfurnamento e consumismo do shopping. Eu morei no Canadá, em Toronto, mais especificamente, e conheci cidades como Ottawa, Quebec, Montreal, Niagara Falls, entre outras e a gente sente a diferença nas ruas, nos pontos turísticos, o povo não vive em Shopping(Mesmo tendo os famosos ‘Malls’), coisa de país desenvolvido. É um pena ver que Recife e RMR, estão sem ponto turístico e lugar pro povo se divertir, trocando por Shoppings Centers.

  • No shopping não há ruas esburacadas.
    Mais há escada rolante com problemas ou que não suporte uma grande quantidade de ‘consumidores’ iludidos.

  • Sou de Manaus, mas o seu texto se aplica perfeitamente à situação que vive minha cidade. Vivi na Rússia e lá rico, pobre, classe média, mendigo e diabo andam todos em uma rede de metrô que funciona perfeitamente. “Mas nós não somos a Europa”. Talvez sejamos um shopping center.

  • Por que Pierre não conta aos seus leitores que há quatro anos trabalhou na campanha do “prefeito sem moral” e pediu votos para a construção de “uma cidade sem planejamento algum”? Daqui quatro anos, se Geraldo não tiver uma boa gestão, você repetindo um discurso hipócrita como se nada tivesse a ver com isso.

    • Eu? Trabalhei para João da Costa?
      Rapaz…alguém pode responder a esta pessoa?

      • Pierre trabalhou pra JC?
        Vai que esse é outro que não compreende bem textos “kkk”

      • Pierre trabalhou no Governo do Estado, na sempre falida Secretaria de Educação. Viu que aquilo era uma bomba e saiu a tempo.

  • Até parece que essa porcaria chamada Rio Mar vai ser o exílio da felicidade consumistas dos pobres! Casas Bahia é uma loja que é pior quer um banco… Tenho compaixão dos coitados mal informados, que não consegue realizar as quatro operações… “No momento tudo é flores..!” Mas até as flores murcham… Deixa passar o fuzuê, a empolgação, para você assistir entre um dos banquinhos do shopping quem são as pessoas que vão ter condições de consumir nesse tal mega empreendimento. Admiro vocês se vangloriar de algo que vai fazer as classes com pouco poder aquisitivo, morrer de trabalhar, suar para poder comprar algo nesse massa de concreto encarecida. Vamos refletir! Parem de serem idiotas achando que isso vai resolver os vários problemas do Recife. O que só estamos fazendo, é só dando as costas para cidade, se recolhendo num local… Vamos acordar! Vai criar empregos?! Vai! que bom… Mas empregos escravos… De cargas horárias abusivas, e para quem vai ser esses empregos?! Infelizmente para aquela mulher que se FUDEU MESES, para comprar uma TV com ainda 50% de desconto… Vocês me dão nojo… Bando de imperialista disfarçados..!

    • Tow com Pierre

      • Pois é, eta texto pobre de Jamildo. Distorceu toda a argumentação de Pierre.
        Mas o blog dele é do JC, não é? Então dá pra entender…

        • Deu pena do Jamildo! Partiu para o pessoal! Quem não tem argumentos, parte para o pessoal. Isso é antigo!

        • kkkk..é verdade…ninguém nem comenta mais no blog de Jamildo…kkkk

        • parte do q jamildo falou é verdade, esperar q os empresarios sejam os maiores interessados em aspectos sociais é demais mesmo, além disso quem gosta de miseria é intelectual.

        • como será o acesso de pedestres e usuários de onibus ao riomar?

        • Coitado do Jamildo. É o trabalho dele ser súdito de JCPM. Ele está vendendo areia no deserto, pois como trabalhador tem que fazer o que o patrão manda, senão…

          Bom mesmo é ser livre para dizer a verdade…

        • Jamildo tá querendo é garantir o dele bajulando o patrão.

    • Ou ele mete o pau no acerto de contas e comentaristas ou perde a bolacha!

      • Aliás tenho evitado comprar o jc! Que aliás porque este contrato com o governo do estado que compra jornal do comercio para os professores?
        Outro dado interessante, fora do assunto, como será os alunos das escolas públicas municipais que terão que fazer o segundo grau nas escolas publicas do estado, se nao tem em todos os bairros e faltam vagas?

        As diretoras das escolas integrais vivem sob pressão para melhorar os índices de aprovação!

        • Só lembrando: o JC não é Jamildo não, hein?

        • E estão dizendo que Dudu malvadeza vai tirar o secretário de educação, o prof Anderson Gomes, do cargo no final do ano. A verdade é que o governador nunca foi simpático com esse secretário, apenas o aturou pois foi colocado no cargo por indicação de partido. Estão faltando vagas para novas matrículas no Estado. As matrículas pelo 0800 começaram, mas faltam vagas…. o governo sempre enganando o povão, na questão educação…..

  • Aplausos! Belo texto, meu caro.

  • O texto de Pierre está impecável e traz reflexões que merecem atenção. Que tipo de cidade estamos construindo? Recife está indo por um caminho que fará dela uma cidade mais agradável ou apenas enriquecerá ainda mais aqueles que já estão podres de rico à custa da exploração e escravização dos mais humildes e deseducados? Será que o consumismo e o endividamento da população será a solução para todos os nossos problemas? Quem realmente se beneficia com a construção de shoppings pela cidade? Será que é certo um pequeno grupo de oligarcas mandarem e desmandarem nas autoridades e passarem por cima da vontade da coletividade ignorando as reais necessidades da população? Será que o mega-enriquecimento de uns poucos e o brutal empobrecimento de outros que se eternizam em sub-empregos apenas não piorará a já dramática situação da desigualdade sócio-econômica? Por que será que lugares mais desenvolvidos, prósperos e civilizados não seguiram esse caminho que Recife está seguindo? Foquei aqui mais na questão sócio-econômica, não quis nem entrar no mérito ecológico/ambiental do debate, que é outra coisa muito séria a ser debatida, já que projetos como o deste shopping agravam ainda mais a situação do desgaste ambiental numa cidade já tão quente, intransitável e urbanizada como Recife.

  • Se o governo fosse menos escroto e menos ladrão e investisse mais na educação e na qualificação das pessoas, ninguém precisava depender de sub emprego porcaria de shopping.

    Essa conversa bonita de geração de emprego só serve pra mascarar a ambição e a ganância desmedida desses empresários que só estão preocupados é em usar os pobres como burro de carga.

    A Coréia do Sul está formando uma geração prolífica de cientistas, educadores, médicos, engenheiros e intelectuais. Daqui a pouco eles terão uma NASA e um programa de tecnologia de ponta melhor do que a americana e farão ameaça à grandalhões como a China e aos EUA. E a Coréia do Sul é um país pequeno localizado numa península e já prosperou tanto. Enquanto isso o Brasil ainda tá nessa de sub-emprego, bolsa-família, bolsa isso, bolsa aquilo, cotas e esmolas de todo tipo. A desigualdade só aumentando, o rico cada vez mais rico e o pobre cada vez mais sufocado em dívidas e sem perspectivas REAIS de melhora de QUALIDADE de vida.

    • E o que é que a iniciativa privada tem a ver com a incompetência do governo?

  • Parabéns pela visão inteligente! És um ser sábio, poucos têm esta visão ampla, esta capacidade de fazer ligações dos decodificados gestores públicos com os grandes empresários e ainda com o apoio dos representantes religiosos. Formando assim um lindo quadro para ser adorado pela maioria da sociedade, seres não pensantes, estes são mais fáceis de serem adestrados.

  • Shopping é uma excelente forma de distribuição de riqueza. Para os donos.

    O povão, como sempre, só faz se lascar. Os clientes se atolam em dívidas e acham que estão ficando chiques e melhorando de vida.

    Os empregados do shopping vão trabalhar debaixo de chicote e ganhar uma miséria de salário que vão torrar no próprio shopping (ou seja, os empregados do shopping são duplamente explorados).

    Tem problema não. Dudu ganha voto dizendo que PE é melhor que a China, o dono do shopping multiplica seus bilhões e ainda posa de filantropo, o povão faz a festa nas Casas Bahia, a cidade fica abarrotada de shoppings, o trânsito pára e todo mundo fica feliz fazendo compras no shopping.

  • Concordo quando diz que as ruas da cidade precisam de mais atenção por parte do poder publico. Concordo quando diz que o centro está jogado às moscas, na pratica privatizado por qualquer um que chegar primeiro.
    Mas dizer que Recife não tem comercio de rua? E as dezenas de centrinhos comerciais, as chamadas galerias, espalhados pela cidade? E as ruas de comercio, em especial na Zona Norte?
    Aparentemente quem não sai da bolha não é a sempre apedrejada classe média que sonha em refrescar o butico no ar condicionado.
    Ignorar que shoppings são lugares gregários também demonstra que há mais ressentimento que razão no texto. É muito mais fácil encontrar uma “perua” na mesa ao lado de um operário da praça de alimentação de um shopping que no Leblon.
    E por ultimo, há shoppings (no mesmo modelo dos malls americanos, os quais usamos como referencia) em Estocolmo, Florença, Lisboa, Londres, Paris, Frankfurt e Berlim. Esses que eu sei. Mas acredito que haja também em outras capitais “desenvolvidas” com ou sem dinheiro.

  • Alguns comentarios aqui demonstram o que já desconfiava, o povo da zona norte é muito recalcado, fala mal de shopping pq não tem nenhum decente perto de casa.

  • A culpa do recife ter chegado onde chegou é da pseudo classe media e alta da cidade, essa pessoas so se lembraram agora q organização importante. essas pessoas passaram anos indo a estabelecimentos comerciais que não tinham estacionamento, restaurantes , bares , estadios de futebol, escolas, ai os empresarios e gestores publicos perceberam q não precisavam pautar seus atos em planejamento e organização para conquistar clientes e eleitores, agora estes , querem organização pq a coisa estrangulou, so q ja é tarde. Se o brasileiro fizesse questao de organização e o minimo de conforto , ocorrecia a seleção natural semelhante a teoria de Darwin. mas não os manes vao pra shows e jogos de futebol sem o minimo de estrutura , pagando ingressos caros. Infelizmente pessoas como eu , q sempre priozaram estabelecimentos com estacionamento tb estao sendo penalizadas, fazer o quê, quem mandou não nascer na alemanha.

    • Hum….

      Antes de sair de casa para ir a qualquer lugar que eu precise ir de carro eu penso: será que tem estacionamento?

      Se não tiver, tchau.

      • E toda página de facebook comercial eu digo: CADÊ O ESTACIONAMENTO?

        O Zen não respondeu.

        A livraria cultura fingiu que ia responder… (aquele estacionamento do paço é uma facada..)

  • Texto idiota! JCPM fez mais pra felicidade e dignidade das famílias do que esses comunistas de meia tijela! Esse shopping representa emprego para muitas famílias, imbecil!!!! Pessoas pobres que agora tem oportunidade!

    • liga não , isso é coisa de dublê de intelectual.

    • Antes de comentar, lê o texto por favor.

    • Concordo com Antônio na questão dos empregos…são 9.000 empregos gerados….isso é importante. Tem gente que não sabe o que ficar desempregado….”filhinhos de papai” …kkkk

    • Realmente. Tiveram a oportunidade de se comportarem de forma animalesca para subir uma simples escada. É JCPM dando oportunidade para os animais mostrarem o que têm de melhor!!

  • Só digo uma coisa: ainda vem muito mais por aí. Petrolina, Vitória (aqui perto) e pelo menos mais umas 3 unidades no Recife (uma de pequeno porte, no atacadão do centro da cidade; uma de grande porte, em apipucos; e outra de grande porte, ainda sem local definido).

    A tendência é piorar. Sempre é.

  • Essas bostas de empresários só querem saber de grana e fodem a cidade toda com merdas de shoppings que só servem pro povo se atolar em dívida.

    Recife já tá uma bosta em trânsito, clima, ainda vão fazer mais shoppings pra esculhambar a cidade ainda mais.

  • A cidade não está “doente” de hoje. Já faz muito tempo. Esse não é o primeiro nem será o último shopping do Recife. Nossa cidade está do jeito que está pelos mesmos motivos que se aplicam à maioria das metrópoles brasileiras, crescimento descontrolado e sem nenhum planejamento. Vc pega uma cidade como New York, por exemplo, o plano de urbanização (com as ruas e avenidas perpendiculares) é de 1811. O Central Park tambem é do século XIX e foi preservado até hoje. O Recife na década de 50 tinha muita área verde ainda, bastava aos governantes da época preservar áreas, criar parques, evitar os arranha-céus da Av. Boa Viagem, etc.Isso sem contar o péssimo sistema de distribuição de energia eletrica através de postes (no primeiro mundo é subterraneo, poste é só para iluminação), as calçadas que não tem manutenção, sistema de transporte público, que deixaram nas mãos dos donos de empresas de onibus.

    O mesmo descaso veio em relação às ruas do centro, que já foram muito frequentadas, na época que ainda havia segurança e a mobilidade urbana não estava tão estrangulada. Morei até os 17 anos na Rua do Hosício e lembro de ir na da Imperatriz, meus pais só compravam roupa na Ele e Ela, até os vendedores ja eram conhecidos. Shopping Recife era apenas a passeio uma vez perdida.

    No entanto, acho hipocrita essa condenação da cultura de shopping. Primeiro porque o modelo de shopping existe em todo lugar do mundo. A diferença é que, por exemplo nos EUA, os shoppings e grandes supermercados ficam em áreas distantes dos centros urbanos, em estradas. Mas há shoppings enormes. Tenho inclusive um familiar que mora pertíssimo do maior shopping dos EUA (King of Prussia Mall), que dá uns 3x o tamanho do RioMar.

    O objetivo do shopping (em outros países) é reunir várias lojas no mesmo local. Ocorre que, no Brasil, a cultura do shopping ganhou contornos proprios por conta de nossos problemas, que vao desde a falta de segurança, calçadas e ruas esburacadas, transito insuportavel, transporte publico ineficiente, etc, o que gerou esse modelo dito “encapsulado”. Não acho justo culparem os empresários por algo que é fruto da inércia do poder público.

    Mais uma vez de volta à questão da urbanização. Enquanto no primeiro mundo, as classes mais altas vão para os suburbios, até porque o poder publico disciplinou a ocupação no centro das cidades, aqui não. Simplesmente foram construindo prédios loucamente na orla de Boa Viagem e demolindo as mansões do Espinheiro, Graças, Casa Forte, etc também para erguer prédios, enquanto a populacao de baixa renda migrou para a área periférica. Para nao ficar longe dos clientes, os empresarios fizeram seus hipermercados e shoppings dentro da cidade (algo inconcebivel la fora, onde o espaço dentro da cidade eh vital e deve ser bem distribuido). E o poder publico permitiu! Enfim, é a mesmo coisa da questão da educação de base, tem que começar pela raiz. Enquanto os problemas urbanos (calçadas, postes, segurança, mobilidade, transporte publico) nao forem resolvidos, os empresarios vao continuar a investir nesse modelo de shopping porque atualmente é o que se revela mais lucrativo.

    Quanto ao frisson, foi exagerado, mas teve grande repercussão por conta da localização do shopping, em área de tráfego intenso e, tambem, pela novidade, pois ha 14 anos nao aparece um shopping novo (pernambucano eh tudo provinciano mesmo e adora uma novidade dessa). Acredito que muitas daquelas pessoas estavam atrás das promoçoes de inauguração das Casas Bahia, Eletroshopping e afins, que ficaram o fim de semana passada o dia inteiro fazendo propaganda e chamando clientes na TV aberta. Sinceramente, já vi cenas mais bizarras que as ontem no youtube. Basta procurar. Essa histeria é comum em inauguração de lojas de eletro, quando há promoções. Já vi um video desses em que os portoes da loja nao resistiram, o povo arrombou mesmo.

    Quanto às autoridades, é algo normal para um estabalecimento do porte do Rio Mar, com investimento da ordem de 1 bilhao de reais (600 de JCPM e 350 milhoes dos lojistas). É equivalente a uma industria de grande porte, talvez até mais importe que uma industria, pois se trata do setor de serviços e mercadorias, cujos impostos estão vinculados ao Estado e ao municipio (industria rende mais à Uniao, via IPI). Sem contar que a construção do shopping foi essencial para fazer o Prefeito “tirar a bunda da cadeira” e começar pra valer as obras da Via Mangue.

    • Boa analise Danilo.

      Mas fico muito triste em saber que essa ZONA começou há apenas 50 anos…

    • Danilo, concordo com basicamente tudo o que você disse, mas o texto de Pierre também é nesse sentido. Aliás, o que me parece é que muita gente ou tem preguiça de ler (o que é ruim) ou lê e não entende (o que é pior) e começa a retrucar com base em ideias do que acha que o texto deve estar falando, e não no que o texto está falando.

      De qualquer forma, em qualquer lugar do mundo, a cultura de shopping é lastimável. O que é muito diferente de shoppings são lastimáveis. Shoppings são práticos, concentram várias lojas no mesmo local e facilitam a vida do consumidor (bom, no centro da cidade isso também pode acontecer, mas este fato não teria o lado bom dos shoppings). O ruim é a cultura, é as pessoas verem o shopping como uma área de lazer e atribuir à existência ou tamanho dos shoppings algum indicativo do valor da cidade.

      E, claro, por serem práticos e confortáveis, os shoppings induzem a uma degradação do centro da cidade (fenômeno que ocorre em todo lugar do mundo). E, claro, também, que a função maior de se preocupar com isso não é do empresário, mas do poder público. Outro ponto, que no meu entendimento, Pierre deixou mais do que claro no artigo dele.

      E, justamente por causarem uma degradação dos centros das cidades, é que os shoppings não devem ser comemorados por quem se preocupa com a cidade.

      Resumindo, seu texto (é tão grande que fica difícil chamá-lo de comentário) é legal e tem o mesmo sentido do de Pierre. O único porém que eu faço a ele é um certo tom de crítica ao texto original, que, no meu entender, é descabida.

      • Eu discordo do texto do Pierre porque ele passa a ideia de que “shopping é coisa de lugar subdesenvolvido”. Isto me parece uma visão muito superficial e preconceituosa do tema. Por isso que resolvi escrever meu texto, que não apela para essa ideia simplista. Ademais, ele também fe uma série de comparações desasatrosas ao longo do texto. Apesar de ter isentado JCPM e ressaltado a culpa do poder público, ainda dá pra perceber um certo rancor ao longo do texto. Vc deve saber muito bem do histórico dos posts deste blog em relação ao grupo JCPM… Aliás, este blog adora criticar empresários pernambucanos, menos um certo magnata do setor da educação, que já se apossou de todo o bairro das Graças e anda construindo monstrengos cor-de-rosa na Av. Guararapes. Aquele sim, é santo!!!

    • Parabéns. Finalmente uma análise inteligente.

  • Poder público nesse bordel de país é uma putinha barata que se vende ao primeiro empresário rico que aparecer.

  • Talvez o melhor texto que escreveste em termos de reflexões que desperta desde que acompanho o AC, Pierre. Muito bom, parabéns.

    Sempre achei isso uma diferença crucial de Recife e outras cidades brasileiras para as congêneres europeias. O grande frisson dessas últimas é no centro e nos monumentos, shoppings nunca são grandes atrações. E isso se repete em cidades de portes variados e de culturas e países diferentes, a exemplo de Paris, Praga, Budapeste, Viena, Berlin, Munique, Zurique, Roma, Veneza e muitas outras. Em todas essas, é gostoso andar no centro da cidade e lá tem tudo o que um shopping teria com a vantagem de estarmos ao lado de grandes atrações histórico-culturais.

    Para mim, falta principalmente poder público, embora a sociedade provinciana e passiva tenha também sua parcela de culpa. É natural para um empresário querer lucrar e investir onde esse lucro seja mais provável, não se pode demonizar o empresário por isso. Cabe entretanto ao poder público exatamente regular os espaços e ordenar a cidade para que ela seja um lugar agradável de se residir, circular, visitar, comprar e trabalhar. E isso há muito não temos no Recife e piorou muito na atual gestão municipal, a pior de que tenho notícia desde que me entendo por gente.

    Espero que o Prefeito eleito faça algo diferente, considerando sua fama de planejador e gestor.

    Um abraço

    • Muito bom o que voce falou, Bruno, ensina a jamildo!

  • Tenho certeza de que se abrissem uma ‘Casas Bahias’ na Imperatriz, ninguém ia nem lembrar do RioMar kkkkkkkkk

    • Vão abrir uma na Rua do Hospício em breve.

      A loja do RioMar foi aberta primeiro de propósito, justamente para causar maior frisson… Marketing!

    • Essa história de que se tivesse Casas Bahia na Imperatriz é besteira, pois tem loja da Insinuante e Eletroshopping no Centro do Recife e muita gente prefere comprar nos Shoppings Tacaruna e Shopping Recife. Grande coisa a Rua da Imperatriz….

  • TURISTAS VEM CONHECER O SHOPPING RIOMAR, GRANDE PROGRAMA PARA CVC VENDER!

  • Boa noite!

    Achei o texto bem simples e sem argumentos fortes para convencer o que é ruim e o que é bom para a nossa cidade. É muito fácil falar que o comercio nas ruas da Europa é o melhor modelo quando esse continente tem sol apenas 3 meses por ano e os outros 9 meses a temperatura é bem amena. Outra coisa é passar 12 meses com sol a pino na cabeça como é o caso de Recife. Não consegui identificar o porque do modelo europeu é bom e o americano é ruim. Não seria mais fácil deixar as pessoas escolherem o que é bom pra si? Quem quer conforto e comodidade vai a um shopping, quem quer viver as ruas da cidade que vá para o centro da cidade. O importante é que tenhamos opções para todos os públicos.

    Um empreendimento como o Rio Mar engrandece muito uma cidade como a nossa, assim como um projeto urbanístico e de mobilidade, e como vivemos hoje num mundo onde as organizações privadas tem o mesmo poder econômico que os governos, porque nao uma parceria para resolver a maioria dos nossos problemas em Recife? Temos que acabar com esse pensamento que os problemas do mundo são de responsabilidade do governo. Muito se fala da sujeira em nossa cidade, mas uma grande parte do lixo nas ruas se dá pela falta de educação das pessoas. A imensa maioria das pessoas sabem que jogar lixo na rua não é correto, mas mesmo assim o fazem, mesmo tendo um lixeiro por perto, e como o estado pode ser responsável por isso?

    • Pois é. Tem gente que diz: “no verão europeu faz 35 graus, no Recife faz 30″. Aliás, quem adora dizer isso são os “cicloativistas”. O problema é que no Recife faz entre 27 e 30 graus O ANO INTEIRO enquanto que no Hemisfério Norte só faz calor por 2, no máximo 3 meses. Uma coisa é viver lugar que tem as quatro estações bem definidas. É claro que as pessoas querem sair de casa no verão!! Outra coisa é você viver eternamente no verão!!

      Ah, teve alguém lá em cima que falou da impropriedade que existe em comparar Ipanema – bairro residencial (em que as pessoas vão a pé porque moram lá mesmo) de classe alta e com boa infra-estrutura urbana – com o centro do Recife. Nem com o centro do Rio dá pra comparar, pois este tem várias avenidas largas e tem o METRÔ que passa nos pontos principais e que apesar de não ser de qualidade europeia, funciona muito bem. Realmente, é complicado… Nem Boa Viagem dá pra comparar com o Ipanema/Leblon!!

      • É mais agradável andar no centro do Recife ou no centro do Rio de Janeiro ? Precisa responder?

        • A melhor pergunta seria: por que a prefeitura faz questão de cortar as árvores da cidade?
          Convenhamos, caminhar sobre asfalto quente é muito diferente que fazer uma saudável caminhada sobre uma rua arborizada.

    • Rapaz, vá por mim, é muito melhor andar no “calor” de 30 graus do Recife que no frio de -15ºC do Canadá ou da Suécia. Ah, e sem falar na camada de gelo que cobre a calçada, quando a temperatura está em amenos 0ºC. É quase como andar numa pista de patinação. Uma maravilha.

      Em Amsterdã chove praticamente todos os dias (e não passa três dias sem chover), e com uma temperatura normalmente abaixo dos 15ºC, isso é tão bom, mesmo.

      Nosso problema é essa mania de desculpas: ah, nosso clima não presta (presta sim); ah, temos pouco tempo de história (nada disso, Canadá e Austrália são bem mais novos que a gente); ah, o problema é nossa colonização portuguesa (se fosse alemã, quem sabe a gente não era igual a Ruanda; se fosse belga, República Democrática do Congo – antigo Zaire; se fosse inglesa, Uganda; e se fosse francesa, Argélia).

      • comentio muito infeliz, dizer q a colonização aqui seria igual a paises africanos não é cabivel. Frio , a pessoa ameniza com muita roupa, calor não, nem ficando pelado a coisa fica boa. Além da incidencia do sol q fode a pele, e não tem pobre q consiga comprar filtro solar q é muito caro.

    • e o pior é q são pessoas q tiveram acesso a educação escolar, mas , na verdade, não tiveram educação em casa.

  • http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2012/10/31/recife_e_uma_cidade_doente_kkk_140898.php

    O link acima do BLOG DO JAMILDO mostra uma outra análise dos fatos, VEJAM!

    • Análise? Você tá de brincadeira…

      • O nível de texto do Jamildo é muito baixo.

        Mas tudo bem, não defender seu patrão (JCPM) é que seria estranho.

  • Concordo plenamente com o autor do artigo . A a inauguração de um shopping tornar-se motivo de comoção e forte interesse do povo .Como se fosse uma conquista na vida de um cidadão .E a situação ficando cada vez pior a qualidade de vida e o acesso do transporte público nas cidades grandes. Se fosse a melhoria geral :…. transformando as ruas , alargando as calçadas ,pavimentando com bons pisos e ajardinando , o poder público fazendo o saneamento , arborizando e construindo praças para as pessoas caminharem e respirarem o ar menos poluído…tudo bem !Mas , lugares fechados e shoppings desse porte encontramos em todos os países do mundo , iguais ,no mesmo padrão ,sem nehuma diferença.
    Ilusão do consumo e vida artificial em detrimento
    a natureza tão linda e esquecida que possuímos na região.

  • Coômico foi ver um vídeo da mundiça se matando na escada rolante. Qualquer bando se comportaria melhor!t

  • Como tem analfabeto funcional aqui, meu deus do céu. Não é à toa que o Brasil só toma pisa nos testes PISA.

    • Sugestão para o Pierre: pega os comentários daqui, calcula a proporção dos que não entenderam o artigo, e faz um outro post falando sobre a situação da interpretação de texto no Brasil.

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Concordo em gênero, número e gráu com as palavras sensatas e de uma realidade latente como a do Nelson acima. Jogar a culpa dos desmandos, não somente da nossa querida Recife, mas de quase todas as cidades do mundo onde a prioridade absoluta, não seja a educação, nos empresários, é no mínimo uma atitude bastante simplista.
    Ora, meus amigos vivemos em um país onde os princípios absolutos como honestidade, lealdade, caráter e muitos outros passaram a serem relativos. Nós somos mais ou menos honestos, mais ou menos leais,de caráter e etc… O país da corrupção, do mensalão e de outros ãos cujos principais governantes são os nossos maiores algozes, que podemos esperar? Viva os empreendedoristas, empresários ou não mas que atendem a alguns dos anseios da sociedade como mais empregabilidade, queiram ou não, mais inclusão social e mais opções de divertimento e laser com conforto e segurança.
    Que a nossa Recife precisa de ações urgentes para melhorar a qualidade de vida do nosso povo e dos que aqui residem ou nos visitam, não é novidade para ninguém e aí cabe a cada um de nós fazermos, no mínimo o nosso dever de cidadãos, cobrando daqueles em que depositamos a nossa confiança através do voto e não ficar lançando a culpa nos empresários e no governo. E pelo amor de Deus, vamos parar de ficar fazendo comparações com outros países de cultura completamente diferente da nossa. Vamos viver nossa realidade atual, sem passividade, com visão futurista, mas também sem ideologias baratas.

  • Nunca vi tal concentração de besteira por metro quadrado. HELP!!!

  • Tem um ditado popular que diz ” Gosto não se discute’” então , tem gente que gosta fazer lazer e compras só em shoppings, outros preferem o centro comercial e ás vezes tb visitam os shoppings, e por aí vai o trem.

    Agora, uma coisa é certa, ou o novo Prefeito eleito Geraldo Julio,faz uma boa administração visando principalmente restaurar por completo todo o centro do Recife, ou então o mesmo vai falir de vez, ficando na memória de um centro de cidade, mal iluminada, ruas esburacadas, fedentina geral, parte comercial falida, trombadinhas e assaltos, transito precário, e etc, etc, etc.

    Mãos a obra Geraldo e cobrança rígida na sua principal equipe (secretários) de trabalho no cumprimento das metas estabelecidas já a partir de janeiro/2013.

    É o que todo Recifense espera.!

  • É verdade que Recife – e outras capitais – estão entregues à própria sorte. O poder público já perdeu o controle da cidade há muito, se é que teve em algum tempo. Mas não concordo com duas coisas: primeiro,de atribuir a mesma responsabilidade pelos caos a empresários e camelôs, pois estes são vítimas de um sistema cruel que não adianta tratar aqui; segundo, de comparar a cidade do Recife ou qualquer outra do Brasil com capitais e cidades da Europa e dos EUA, ou seja, exatamente com os colonizadores. Estive recentemente em Lisboa e, por acaso, fui ao parque das nações; lá visitei, involuntariamente o shopping vasco da gama, ora, pá, uma grande porcaria, pior que os riosmares, tacarunas, recifes, etc. . O problema, talvez, resida em nossa profunda ignorância, falta de cultura, e aqui vale pra todos, de empresários a camelôs. Na verdade quem se encontra encapsulado – por interesse, medo ou egoísmo mesmo – são exatamente os que têm cultura, educação, com o julgometro a todo vapor. Temos que assumir somos uma merda mesmo: nossa cidade, nossa música, nossos costumes, nossa educação, enfim, nossas calçadas são uma porcaria igualzinha a porcaria que somos. Ou não?…

  • Vou resumir seu texto a duas frases:

    “Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido.”
    “Não acontece na Europa ou em qualquer outro lugar desenvolvido justamente pelo que coloquei acima.”

    Desconheço correlação entre país subdesenvolvido e shopping center. Paris é uma cidade com um comércio de rua bem ativo e nem por isso deixa de existir shoppings centers, principalmente no meio da cidade. Só no google achei alguns:
    - Galeries Lafayette (só em Paris tem umas 5, sendo uma com quase 10 andares),
    - Printemps (puta shopping luxuoso)
    - Forum Les Halles (um monstrego de 5 andares subterrâneos)
    Olha a quantidade de shoppings em Paris (http://www.parisdigest.com/shopping/shopping.htm)

    Um dos primeiros shopping centers do mundo foi criado aqui em Recife. O quartel do Derby é criação de Delmiro Gouveia em 1898 e abrigava todo tipo de lojas e serviços bem no centro da cidade. Era chamado de mercado moderno. Alguém já entrou ali? Aquela estrutura vai muito além de um mercado comum, tal como Mercado São José. Infelizmente, foi criminosamente incendiado por opositores (Delmiro Gouveia e Rosa e Silva eram inimigos). Estariam vocês querendo tocar fogo no RioMar?

    E olha só, segundo o Google, Bruxellas tem um shopping top de linha.

    Para mim são soluções que coexistem muito bem em qualquer lugar do mundo. Shopping center é muito mais agradável do que na rua em qualquer lugar do mundo. Lá fora, em tempo de inverno ninguém anda na rua e nem por isso deixa de comprar. Por aqui, jamais instalarão um ar condicionado central na cidade.

    Do seu texto só concordo com o trânsito, embora esteja bem escrito.

    Um abraço e boas compras!

    • Como você conhece o GOOGLE! Conhece como ninguém!

    • Mais um que não sabe diferenciar entre shopping e loja de departamentos. Já deve ser o vigésimo.

      Desses que você citou o único que é de fato um shopping é o Forum des Halles (não Les como você escreveu). As outras duas são lojas de departamentos. Ainda assim, o Forum tem uma proposta completamente diferente de um shopping à brasileira. Use o Google de maneira correta (ele não substitui o conhecimento prático, aliás) e veja as fotos de lá.

      • Podemos chamar de “espaço com milhares de metros quadrados no qual se pode comprar quase tudo em ambiente fechado e agradável”. Ficou melhor assim?
        Explica pra mim o seu conhecimento prático em shopping centers. Aposto que vai no Riomar só para aumentar o seu conhecimento nessa área.

        • Não tente emendar que é pior. Uma loja de departamentos está longe de oferecer todos os serviços de um shopping center. Até foi irônico você citar a Printemps, porque ela fica exatamente no meio de uma área de comércio de rua de Paris, tal e qual nosso bairro de São José. Você poderia compará-la com a falecida Mesbla, talvez.

          A diferença é que lá em Paris você desce na Gare de Saint-Lazare (pertinho da Printemps) e anda por ruas limpas, bem conservadas e seguras. Aqui você desce na estação Recife (ou não, já que o metrô não passa pelos bairros mais populosos) e antes de pisar na calçada já está sentindo o cheiro de urina nativo da cidade.

    • Me poupe. não tem argumento fala coro a Jamildo. Próximo…

    • Putz!!

      Gallerie Lafayette e Printemps??

      São lojas de departamento !!!! (e que vivem cheias de TURISTAS, como os brasileiros).

  • Eita Pierre! O pit bull do patrão pegou ar! Cuidado pra ele não morder tua canela.

    • Que horror! O pit bull do patrãozinho pegou ar! Cuidado com a canela Pierre, pra ele não morder!

      • Que nada. Esse “pit bull” tá mais pra poodle ou chihuahua.

  • Estacionamentos dos shoppings, aumentaram 10% = 5,50reais x 700.000carros/mês =
    3.850.000,00 reais, será que é bom negócio, inclusive para prefeitura =192.500,00reais de inss! Agora x7shoppings = 26.950.000,00 reais x5% para prefeitura= 1.347.000,00reais/mês! Esta operação por cada mês, agora multiplica x12 =323.400.000,00/ano, para prefeitura = 16.170.000,00reais/ano!
    Será que algum dia vai ser cortesia o estacionamento dos shoppings do grande Recife?

    Existe interesse de melhorar a qualidade das calçadas, arborizar a cidade, ter segurança para andar nas ruas, parque e praças de qualidade?

    No mes de dezembro tudo é dobrado em shoppings, aluguel e faturamento dos estacionamentos, acrescenta mais 26.950.00,00 no total acima!

    • De ISS!

  • Lendo o depoimento de uma popular reproduzido lá no texto Jamildo, percebi que realmente a loja de Samuel Klein contribuiu e muito para esse frisson.

    Há anos que vemos comerciais na TV de uma rede que não existia aqui. Eu sempre me perguntava o porque das propagandas nacionais de uma rede que possui lojas apenas em alguns Estados. Como não sou publicitário, fiquei nessa ingenuidade por anos… Agora vejo que a propaganda massiva em rede nacional das Casas Bahia servia para fortalecer a marca e a torná-la conhecida muito antes da inauguração. Isso, além de facilitar a divulgação (todo mundo já conhece), gera grande curiosidade e expectativa por parte da população e, portanto alavanca os lucros.

    Além do fato de ser uma rede nova (porém não desconhecida) para o recifense, ainda aproveitaram o lançamento de um shopping, coisa que não se via há 14 anos. Depois da abertura arrasadora, vão abrir mais três lojas em PE daqui pra 2013: uma em Petrolina, uma no Centro e uma na Imbiribeira. Ah, e se tiver promoção, com certeza, vai rolar horda de zumbis de novo (independentemente de ser em shopping ou não).

    Estratégia de mercado muito bem feita.

  • Adorei o texto, ele retrata bem a forma ridícula em que estamos caminhando para o desenvolvimento.

    E algumas pessoas ainda defendem esse sistema que nos torna socialmente “cegos”

    • Desenvolvimento entre aspas, por sinal. Ter na sociedade uma dita classe C, ignorante de pai e mãe, composta de analfas funcionais e que se acha elite porque pode comprar bugigangas em 20X não é desenvolvimento. Por sinal, me divirto com a burrice da classe C.É essa classe que acha que um plano de saúde de 60 reais é viável. Dá dinheiro para plano vagabundo para ter um atendimento pior que o do SUS e adoram encher a boca para dizer que tem um plano. Fazem o mesmo quando se trata de educação dos filhos. O me é lamentável em nosso país, é temos potencial para sermos 1° mundo mas optamos por ficar no 3°!!

  • Muito bom!!!! Um texto bem escrito, que leva a refletir…

  • Gente, não se preocupem… Se a “mãe natureza” não gostar dos impactos ambientais o RIOMAR será o primeiro a “vazar” em caso de tsunami ou algo do tipo…

  • Este texto confirma seu complexo de vira-lata assim como vários brasileiros neste país.
    Acho uma grande hipocrisia toda essa crítica contra uma simples inauguração de um Shopping.
    Sim, em Bruxelas, em Londres, em Paris, Nova Iorque, em todas essas cidades vc tem a maravilhosa oportunidade de fazer compras ao ar livre em ruas lindas e limpas e até sentir friozinho como vc diz. Mas aqui não é assim, infelizmente. Nosso único grande centro de compras orgazinado é um shopping e todas essas cidades aí também tem shopping (melhor falando MALL). Então, não venha insinuar q um Shopping seria o resultado de um fracasso da cidade. É claro que a classe média brasileira praticamente só sabe consumir em shopping porque como falei, infelizmente nossas cidades são deficientes de uma boa infraestrutura. Mas, com certeza o outro lado dessa inauguração vc não percebeu. Cerca de 90% do público que estava no RioMar dia 30/10 para inauguração eram classe C e D. Aquela classe que possivelmente vc não se enquadra. Mas essa classe é a grande consumidora do novo Brasil que estamos vivendo. Aquelas pessoas fazendo fila pra entrar e caindo na escada estavam ávidas por consumir os bens que em outros momentos nunca tiveram oportunidade.
    É muito fácil achar feio o povão correndo no shopping com a TV LCD na mão, mas é assim que a economia roda, my dear!
    Nos EUA a baixaria também é GRANDE quando o assunto é SALE (liquidação), mas quando vc ver a reportagem na TV Globo sentado em seu sofá confortável, vc acha no mínimo engraçado, mas duvido q vc vá chamar o americano médio de povão.
    Sabemos dos problemas de nossa cidade, mas vamos ser menos hipócritas ao criticar.

    • Aliás, há uns meses, rolaram uns “peladões” em um a rede de supermercados… Lembram? E não foi no Brasil. Graças a Deus

    • Vanessa, povão existe em todo canto e nos EUA é que tem mesmo, e aumentou muito com a imigração, já que a maioria dos imigrantes termina engrossando essa classe do “povão”.

      O povão americano é formado basicamente por centro-americanos, sul-americanos (brasileiros incluídos) e asiáticos.

      Como a maioria desses imigrantes não consegue realizar o famigerado “sonho americano”, terminam ficando à margem da sociedade em sub-empregos e formando o “povão”, já que esse sonho americano para muitos não passa de um sonho mesmo, alimentado por belas propaganda e, sobretudo, por filmes.

      Sendo assim, a coisa nos EUA não é tão diferente do Brasil. Esses “zumbis” que invadem lojas tem em todo canto. Basta uma promoção mais tentadora pro povão invadir geral.

    • Não acho que o objetivo do texto seja criticar a inauguração do shopping, e sim constatar que Recife é uma cidade que oferece pouquíssimas opções de lazer aos seus moradores, e que isso é um problema. Este é o ponto principal do texto que infelizmente está corretíssimo.

    • Vanessa, mas a crítica é ter o Shopping (MALL, pra quem confunde com loja de departamento) como QUASE-ÚNICA-FORMA de lazer do povo, ou pior: ser o centro ativo das mudanças de uma cidade, como aconteceu com Recife e a via mangue, por ex.

      Me desculpa, mas eu ainda não vejo motivo para a classe C e D frequentar um shopping (dito) de LUXO a não ser para lazer, o que já é uma contradição sua – afinal – fica feliz em ver pessoas que vão a um lugar de consumo (função do shopping) mas que o usam de outra forma simplesmente por não ter condições financeiras de fazê-lo.

      Ou seja, troca-se espaços públicos (que tem função de lazer) por espaços privados simplesmente porque não há outra opção na cidade.

      É no mínimo estranho.

  • Pierre acertou em cheio quando disse: “Americano é subdesenvolvido com dinheiro”. É exatamente isso.

    Daria até pra comparar Recife com os EUA no quesito shopping. O brasileiro está virando um americano típico, numa versão mais empobrecida. A vida do americano se resume basicamente a passar a vida trocando de carro, de celular e de computador. Essa cultura do consumismo porra-louca que está tomando conta do Brasil é praticamente uma invenção americana. Aliás, americano faz tudo em excesso. Compra demais e come demais. É por isso que são os mais obesos e doentes do planeta. Os EUA é a terra do câncer, da diabetes, do AVC, da depressão e do infarto.

    Ninguém devia se gabar por imitar americano. Pelo contrário. O fato de estarmos ficando parecidos com os americanos devia ser um grande motivo de preocupação.

    A obsessão dos americanos por destruir a natureza é uma coisa patológica. Como já destruiram todo o território americano, agora querem destruir o resto do mundo pra construir posto de gasolina, shoppings, outlets e malls. Isso se não liquidarem o mundo antes com alguma das 5.113 ogivas nucleares que possuem.

    • Perfeito Rogério, o cidadão americano típico não deveria ser modelo para ninguém. Não estou criticando o país que possuí muitas cidades e atrações legais. Estou criticando o modelo americano de consumo desenfreado, que infelizmente está sendo copiado aqui no Brasil.

  • Sua análise é perfeita. Eu conheço algumas cidades europeias, inclusive Bruxelas, e é muito prazeroso andar por suas ruas. Moro em Santos e aqui não é diferente de Recife. Transformaram nossa cidade numa droga. Esburacada, insegura, sem acessibilidade e cheia de torres e shoppings.

  • Muito bom, o texto de Pierre Lucena. Como ouvi Fidel Castro dizer, em 2003, em Havana, nós importamos o lixo cultural dos EUA. E implantamos um modelo que é versão tosca, sem galmour, do original. Aqui mesmo, nas décadas de 1930-1960, as ruas Imperatriz e Nova eram charmosas, com footing elegante. Mesmo a Duque de Caxias, a Livramento, a área do Mercado de São José pareciam atraentes (meu shopping preferido no Recife, apesar de já ter estado em 66 países, é o Mercado de São José). Pessoas de menor poder aquisitivo compareciam ao centro recifense bem vestidas, elegantes. O clima tropical faz parte de nossa vida. No Recife, há uma brisa excelente. Não é nenhum desgraça o calor natural que sentimos. Quando houver um racionamento de energia — algo possível de acontecer –, como iremos sobreviver sem ar-condicionado? Shoppiong fechado nos priva do sol, da chuva, do vento, do luar. Em Campina (SP)s, há um, o Galeria, bem agradável, que é aberto. Pierre Lucena está totalmente certo em sua análise. O novo shopping do Recife é uma desgraça humana e ecológica.

    • rsrsrsrs

      “O novo shopping do Recife é uma desgraça humana e ecológica.”

      xiitismo barato.

  • E ainda teve gente que não entendeu o texto.

  • E pra quem perdeu as cenas maravilhosas …divirtam-se…kkkkk
    http://www.youtube.com/watch?v=D0-ULmUuJGs

  • Pierre, você despertou a ira dos adeptos do “compro logo existo”. Ou seria: “consumo logo existo”. É muita alienação em pleno século 21. “Comprar, comprar, comprar…”. Eles apenas seguem uma ordem: “compre, compre, compre!!!”. Ou então a máxima: “Ou você compra ou você não é nada!!”

    E assim caminha a nossa cultura de gado servil. Eu já vi de tudo. Capitulando os padrões de crença:

    Crente burocrata – Aquele que acredita que o mundo foi criado por uma sentença judicial. Neste Blog tem, pelo menos, um. Sua bíblia sagrada e imutável são as Leis interpretadas pelos 11 deuses do STF. Pelo visto, trata-se de uma religião politeísta.

    Crente petista – Aquele que não pode ver uma camiseta vermelha que diz amém.

    Crente aluno – Trata-se apenas de uma criatura que é a imagem e semelhança do professor.

    Crente de Igreja – Se alguém gritar perto com uma Bíblia aberta, ele diz beeeerrrrrr. Fala um dialeto tipicamente brasileiro chamado ovelhês. Na verdade são comandos. Um grita e uma centena obedece.

    Crente da língua portuguesa – Decorou todas a regras desta língua e acha que isso é a coisa mais importante do mundo. Aí daquele que blasfemar contra as regras. É averso completamente a outro idioma, pois assim sua decoreba seria inócua.

    Crente da imprensa – Acredita piamente no que sai de uma caixinha chamada televisão. A TV é uma espécie de Deus. Eles pensam assim: “assisto logo existo”.

    Crente concurseiro – É um decorador nato. Não é capaz de formular uma única ideia. “Decoro logo existo” é a sua máxima sagrada. Aqui neste Blog existe pelo menos dois. Ah, a definição de estudar, para eles, é decorar. Jamais se atrevem a produzir algo ou algum conhecimento. Na ausência de uma teta pública, eles ficam desnorteados. Se houver alguma catástrofe no mundo algum dia, acabando com a organização estatal, eles entrarão em parafuso, pois fora do Estado não há salvação.

    E por fim. Só para terminar o texto mesmo, pois a lista é interminável. Temos o crente de shopping – São aqueles que só se sentem seguros dentro de uma gaiola com ar condicionado chamada Shopping Center. Só pensam em comprar, comprar, comprar… Vivem endividados, mas são muito felizes comprando coisa que não precisam. A maior blasfêmia contra esta religião é falar mal de um shopping. Ah, dentro desta Fé, os fies acreditam que os shopping são auto-suficiente. Lá tudo se cria: oxigênio refrigerado, alimentos saudáveis brotam sem parar, uma fonte inesgotável de água potável, felicidade, sonhos, lazer, diversão. É isso: o shopping é um paraíso sagrado e auto-suficiente. Portanto, os homens nasceram para um único fim, qual seja: COMPRAR.

    • Poupo, logo existo…

    • Verdade, Carlos.

  • Quem é de Recife já notou que entre tantas ruas fedentinas no centro, chama a atenção aquele vazamento de esgoto a céu aberto há meses na rua do hospício ao lado das Lojas Americas, e pasmem, não sei como determinadas pessoas fazem diariámente refeições nas várias lanchonetes existente na travessa ao lado deste esgoto entupido/fedorento, que dá acesso a rua 07 de setembro.

    E aí Prefeitura e Compesa, de quem é esta responsabilidade ?

  • O pior de tudo é que fora a aberração que é a construção desse shopping, o cidadão ainda vai ser ASSALTADO pelos preços absurdos cobrados lá dentro.

  • BRASILEIRO NÃO É ORGANIZADO, SO QDO A COISA TA RUIM É Q ELES LEBRAM DISSO. TEMOS QUALIDADES MAS NOSSAS CIDADES SÃO RETRATOS DO INTERIOR DAS CASAS DO BRASILEIROS, UMA BAGUNÇA. O BRASILEIRO SO LEMBRA DE FAZER UMA ARRUMAÇÃO QDO A COISA TA MUITO FEIA NA CASA DELE.

  • 90% DAS PESSOAS SÃO RETRATOS DA EDUCAÇÃO QUE RECEBERAM DOS PAIS, e brasileiro tbm é assim, brasileiros foram educados por portugueses e herdaram a falta de organização que estes tinham.

  • Só discordo de que “Essa cidade vive um clima de anarquia completa”. A anarquia está longe de ser essa bagunça generalizada! Antes estivéssemos vivendo em um sistema anárquico!

  • Perfeita sua matéria. Eu diria mais, o consumo exagerado de “shoppings” em uma cidade indica que não só faltam espaço de lazer e lugares aprazíveis e seguros, mas também representa mais uma etapa da idiotização das pessoas , juntamente com as idiotices já existentes como alguns ” sucessos da internet”, o lixo de música que se toca e o lixo de programas que se assiste na TV.

  • “Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido”

    “vou frequentar o Shopping porque ali estão os cinemas, restaurantes”

    Você vai ao shopping porque ali estão os restaurantes?

    ihihihihihihihihihih

    nao entendi, me ajuda ai pessoal…

  • Este texto de Pierre é gorduroso inconsistente como a maioria dos outros textos que ele escreveu. Dizer que os americanos são subdesenvolvidos com dinheiro é apenas mais uma das jóias que podem ser encontradas nesta pletora de tolices. É inegável que Recife tem necessidade de espaços públicos, limpeza urbana, calçadas e etc. Mas encontrar uma antinomia entre esta necessidade e a construção de um novo shopping, assim como, a reação histérica dos consumidores ao adentrarem nesta nova “fortaleza do consumismo” é um exagero. As ruas de um centro urbano que possui quase quatro milhões de pessoas vivem abarrotadas de consumidores. As ruas das cidades do grande Recife idem. Basta uma caminhada por Casa Amarela, Peixinhos, Paulista e Jaboatão para entender do que eu falo. Para mim o momento mais irritante deste texto é quando Pierre Lucena vomita seu preconceito e complexo de vira-latas ao citar Bruxelas, é típico de parte de nossa classe média fazer viagens curtas ao “exterior” e ficar encantada, da mesma forma que aqueles que irão consumir no Rio Mar, com a “organização”, limpeza e provavelmente beleza e inteligência destas criaturas superiores que habitam solo Europeu. Não sabe a nossa patética classe média que se permanecessem mais tempo no lugar iriam encontrar os “dissabores consumistas” das organizadas ruas de Bruxelas ou de qualquer outro país incrustados no continente europeu. No entanto, como em tempos de Google a estupidez humana assim como a farsa informativa se esvai tão rápido quanto questiúnculas de campanário, trago para o nosso “pascácio viajante” por terras européias, a triste informação de que em Bruxelas existem shopping centers, e pior mais de um!

    link:http://www.city2.be/en/home-accueil.html?IDC=9&IDD=21&LANG=en

    • texto perfeito

  • O texto de Pierre só não é mais interessante, do que a “resposta” desaforada do Playboy Balsaquiano(o tal bloggeiro chapa branca do sistema JC), Vc magou o cara Pierre!!!!!!!!!! Parabéns pela análise objetiva deste fenômeno silencioso, e, imperceptível… O fim do mundo já chegou!!!!

  • Texto muito bom, inclusive hoje conheci o centro de compras tão falado…, percebi muitas coisas: a beleza, a grandeza e outros brilhos mais. Tudo muito lotado, as pessoas pareciam inseridas a uma falsa ilusão de mundo perfeito, um mundo exterior sem problemas.
    Mesmo dentro de um ambiente frenético – o tempo parecia ter parado diante de tantas novidades “VELHAS”.
    As VELHAS novidades correspondem às mesmas dicotomias de sempre, por exemplo: paradas de ônibus – com “léguas” de distância separando o consumidor/ trabalhador pedestre – do consumidor automobilístico – estes “possuem” mais dinheiro kkkkkk .
    Pois é o contraste do belo versos o feio, mal cuidado, FÉTIDO realmente.
    Basta sair deste castelo de sonhos e nos deparamos até com um sinal vermelho em meia embreagem – dentro do túnel com acesso à cidade.
    É preciso que realmente reflitamos ao que estamos nos acostumando em aplaudir.
    Fiz minha retirada sem nada comprar – não por falta de dinheiro, mas por falta de vontade mesmo de financiar um momento de desespero desenfreado em deixar dinheiro no Rio Mar.
    Fiquei mais triste ainda ao terminar meu percurso na estação de metrô AFOGADOS – ao contrário do Rio Mar – passei por um mercado público sem estrutura nenhuma – ali havia muita gente também – porém a dignidade de um ambiente estava bem perto – do outro lado do Rio.

    • mas se voce recebesse um salario minimo e estivesse precisando de uma geladeira, voce iria comprar a geladeira mais cara fora do shopping ou voce iria nas casas bahia dentro do shopping (rsssssssssssss) comprar ela bem mais em conta?

  • Caro Pierre,

    O Sr. está ficando cada vez mais ranzinza e rabujento; sendo contra tudo e todos e vendo defeitos em tudo o que os outros fazem.

    Está praticamente um reformador do mundo… quase um Michel Zaidan do CCSA.

    Neste mundo só existem 2 possibilidades: Ou se tem razão ou se é feliz… não há mais nada o que fazer, ok? É apenas ser levado pela correnteza e rezar para tudo acabar bem. A alienação venceu, e as pessoas, ou a grande maioria delas, não acreditam mais em ideologias ou querem se desgastar (perder a tarde sagrada no shopping) lutando pelos seus direitos.

    Desista da humanidade, do Brasil, de Pernambuco e do Recife… a guerra acabou.

    Seja feliz com sua família e aproveite a vida e, acredite, não serás um covarde.

    Quem leu Admirável Mundo Novo, vai reconhecer que aqueles tempos estão chegando e graças a Deus se chegará! Foram dadas todas as oportunidades para a sociedade se autorganizar e o que foi feito? Só desordem.

    Está mais que na hora de uma estrutura comandar tudo, assumir as resposabilidades e decisões, deixando as pessoas apenas serem felizes, porém, completamente alienadas.

    É a única forma de conseguir organizar 7 bilhões de pessoa particamente, em um lugar projetado para suportar 1 bilhão.

    E não se iludam… Embora redes sociais, blogs e todo o meio interativo sejam excelentes espaços para debater e além disso possam realmente realizar micromudanças no cenário político e econômico… nunca esperem mais do que isso! (Quantas mobilizações contra o valor do estacionamento do Shopping Recife foram feitas sem resultado?).

    Em suma: Deixem de mimimi intelectualóide e militância de computador enquanto comem Ruffles… no final, como Pierre mesmo assumiu, dentro de pouco tempo TODOS AQUI, ABSOLUTAMENTE TODOS estarão frequentando o RIOMAR! (aí se lembrarão que não adianta lutar).

  • Pessoal,
    me ajuda ai..to sem entender…

    “Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido”

    “vou frequentar o Shopping porque ali estão os cinemas, restaurantes”

    Você vai ao shopping porque ali estão os restaurantes?

    ihihihihihihihihihih

    • Desculpa de amarelo é comer barro!

  • Lembrei daquele filme de zumbis ao redor do shopping.

    A perfeita alegoria à sociedade de consumo.

    De repente descobrimos q Recife não passa de uma cidadezinha americana do estado de Wisconsin rsrs

    • é companheiro..
      as pessoas não podem mais sair de casa para comprar o que necessitam, por um preço mais baixo, nas casa bahia que ja são comparadas com zumbis…

      • Os zumbis são mais organizados!

    • quem dêra aqui fosse wisconsin,

  • kkkkkkk… é verdade….kkkkkk…. fizeram inúmeras críticas aos shoppings anteriores e os que criticaram, no intervalo do trabalho íam jogar boliche e fazer um “rango” na praça de alimentação.rsrsrs essas críticas passam….daqui a poucos todos estarão atrás das promoções das Casas Bahia. kkkkkkkkkk

    • É por aí mesmo… O mesmos que criticam o lucro Brasil são os mesmos que compram camisas da Dudalina por R$ 400,00 e os mesmos que criticam o Shopping RioMar serão os mesmos que sentarão naquela praça de alimentação para admirar a vista (diga-se de passagem bela!) enquanto tomam café expresso de R$ 6,00 a xícara imaginando estarem nas boulevard de Paris.

      É a famosa “militância interneteira mamãe sou mestrando”!

      É melhor assumir logo:

      “Oba adorei o Shopping novo! Tenho mais um lugar para passear com as crianças e ganhar mais algumas milhagens no meu cartão de crédito!”

      Seria muito mais honesto!

      • parabens pelo comentario.

        • ZZZZZzzzzzZZZzZZZzZZzzZZzz

      • Muito bem Demétrius!

      • Nem todos os que criticam a cultura do shopping à moda recifense (que fique claro) são esquerdistas coca-cola, amigo.

  • Era bom que toda semana inaugurassem um shopping no nordeste. A região iria ficar uma bosta pior do que já está, mas seria diversão garantida.

    Podiam até transmitir ao vivo as inaugurações pela internet, uma espécie de reality show, sei lá, um BBB da inauguração. Uma boa idéia seria colocar também umas putas dançando de fio dental nos corredores do shopping, enquanto a maloqueirada fazia o arrastão, pra aumentar ainda mais a audiência.

    Aí no dia e na hora certa era só acessar o site da transmissão, preparar a pipoca, o refrigerante e se preparar pra rir até não poder mais com os primatas se estapeando, quebrando as escadas rolantes e os portões, e as quengas fazendo strip nos corredores. Colocava uma música eletrônica, uma luz negra e o resto do show ficava por conta da mundiça.

    • danosse, imagina se for alguma parente tua dançando no corredor….ai sim ia ser engraçado e todo mundo rindo sem parar…

    • Roberto, para isso não precisa inaugurar um shopping semanalmente. Quer se divertir com os primatas ? Senta de camarote num terminal de integração em horário de pico. Ou num hospital do SUS.. Ainda tem o trânsito recifense, onde os animais são incapazes de executarem uma rotatória, param fila tripla e etc.
      Em shows ou jogos de futebol. Não se fica sem um show de primitivismo tosco. E tudo de graça.

      • kkkkkkkkkkkkkkkk É verdade o povo de Recife é muito mal educado. Mas não somente pobre não, dia desses pegaram uma granfina roubando com classe numa joalheria no Shopping Plaza. Abafaram…. se fosse um pobre, saía debaixo de cacete. kkkkkk

  • “Vamos combinar uma coisa: shopping center é coisa de lugar subdesenvolvido. (Americano é subdesenvolvido com dinheiro)”. Ou: se o meu raciocínio não se adapta aos fatos, mude os fatos.

    • Queria eu ser tão “subdesenvolvido com dinheiro” a ponto de ter um PIB de 15 trilhões de dólares… “kkk”(para evocar Jamildo).

  • q inveja das cidades americanas, eles moram em casas, predios so no centro comercial, carro é barato, qualquer um tem.

  • tem muito revoltado de boutique aqui.

  • O que sei mesmo, é que foi o Geraldo quem fez o Rio Mar, kkkk.
    Nossa cidade tem espaco para tudo, basta organizar. Voto com o relator.
    Quando a Rua da Imperatriz, penso que seria melhor chamar de Latrina da Imperatriz, fede pra caramba, como uma boa parte da cidade, governada por um prefeitinho mequetrefe e dominado.

    • Recife é uma latrina! A vista aérea de Recife mostra uma imensa favela com bolsões de riqueza!

  • Mais de 400 comentários !!!

    Fantastico

  • Pierre, parabéns pelo belo texto e pelo debate por ele suscitado, Seria excelente a continuidade do debate sobre que modelo de cidade queremos (e a diferença entre o que estamos construindo) em um fórum mais amplo.

  • Bem, diante do texto crítico do Pierre, das nuances dos comentários a favor ou contra ao shopping, acredito que a população brasileira em geral ainda tem muito a evoluir. Enquanto, continuarem se vendendo na hora de fazer valer seus direitos políticos, será disso a pior.

  • Já esta´em fase de construção o shopping Riomar de Fortaleza, previsto para inaugurar em 2014 com um custo de $ 600 milhões + 300 milhões no investimento para de lojas..

    E o grupo JCPM rindo a toa cheio dos $$$$$$$$$$$$$$$$$$…!

  • Concordo plenamente com a ideia, porém acho difícil que qualquer gestão política venha implementar de maneira definitiva.
    É só lembrarmos da R. do BOM JESUS, algo tão pequeno, fácil de fazer como foi feito, mas que depois caiu em desuso. (infelizmente)
    Temo que o projeto dos armazéns do cais sofra do mesmo mal.
    Acredito que um dos problemas de não vingar, seja o preço… Para se elitizar, e afugentar as classes menos favorecidas, cobram-se preços mais elevados que, a classe “média” suporta por pouco tempo e a rica (minoria), vai por pouco tempo, mas enjoa e procura outras diversões.
    Vc pode me perguntar porque nos shoppings não acontece isso?

    A minha resposta é que lá, existem lojas que suportam o POVÃO, com preços baratinhos, como C&A, Americanas, RENNER, BOMPREÇO, RIACHUELO, etc… E todas num único lugar e com conforto.

    Existe também o fator temperatura, o clima das ruas de Bruxelas dispensa AR-CONDICIONADO.

    INFELIZMENTE, MUITO DIFÍCIL TRANSFORMAR NOSSA RECIFE EM UMA BRUXELAS.

    • Tire o Bompreço dessa lista!

    • Pra mim sai da lista, o Bompreço e a Riachuelo.

  • Aventuras na História Outubro/2012
    “Os primeiros centros de compra do Ocidente surgiram no século 18. O Oxford Covered Market, inaugurado em setembro de 1774, funciona até hoje na Inglaterra. O maior shopping do mundo, o South China Mall, tem 1 milhão de m². Pois, o Grande Bazar, em Istambul, tem 3 vezes esse tamanho – e foi construído entre 1455 e 1461.”

    Seria a China subdesenvolvida e o Grande Bazar uma falha de mercado?

    Ah, outro detalhe, existe sim shopping em Bruxelas.
    http://www.brussels.info/shopping-malls/

    • “Seria a China subdesenvolvida…” Óbvio meu caro, óbvio…

    • “Seria a China subdesenvolvida ? ”

      Mais um que não sabe a diferença entre crescimento econômico e desenvolvimento.
      Por isso políticos populistas pintam e bordam nesse país.

    • Mas é claro que a China é subdesenvolvida. Tá difícil viu?

      Sinceramente, todo post do AdC que vai parar no Facebook acaba virando um festival de bobagens.

  • A cidade está doente por que as pessoas estão doentes.

    Essa cenas dantescas que aconteceram no shopping Rio Mar e em outros mostra como estamos adoecidos. É uma doença que se revela por vários e conhecidos sintomas: falta de educação e de respeito, desespero, insignificância ante o mundo, aflição, frustração, carência, sofrimento, fobias diversas, angústia, profunda insatisfação, depressão, ansiedade e aquele inaplacável sentimento de vazio e de desprovimento de sentido que as pessoas acham que podem preencher com consumo desenfreado (e/ou mitigá-lo com superdosagem de fármacos pesados).

    O resultado é essa sociedade brutalizada, amoral, insegura, corrompida, anética, deturpada, irracional, vilanizada, prostituída, banalizada, monetarizada, futilizada, acrítica, superficializada, “coisificada” e um tanto anárquica, que canibalizou os valores e princípios mais nobres e elevados da existência humana, carcomendo, dessa forma, a si mesma.

    • Assino onde, cara?

      O povo brasileiro – apesar de tentar passar a imagem de “bom selvagem” feliz aos gringos (especialmente no Carnaval) – é um povo embrutecido e infeliz pelos motivos muito bem citados por você acima.

      • acho q vcs não conhecem o povo brasileiro. ele é desorganizado mas feliz, principalmente os pobres , já parte da classe media e ricos vivem chorando. acho q vcs nunca entraram em uma favela, eles dao uma lição do q é ser feliz com pouco.

    • Pois é. Na Europa há centros comerciais mas será que o europeu se comporta como um brasileiro diante de um deles ? O problema é que o brasileiro tem carência do básico e tenta compensar isso em novelas, BBB, carnaval, jogos de futebol e centros comerciais.

  • Meus amigos, a turma tá botando pra quebrar em Jamildo, por ter criticado este post do Acerto de Contas. Jamildo está desacreditado, desmoralizado, ……quem mandou escrever besteiras! http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2012/10/31/recife_e_uma_cidade_doente_kkk_140898.php#formulario

    • Ele e o patrão são dois analfas funcionais. Se a elite financeira e a supostamente intelectual não sabem interpretar um texto, o que esperar desse país ? Brasil, o eterno rico país de terceiro mundo!

      • Isso mesmo, Alexsandro, é o que penso também.

        Se a elite político-financeira é a primeira a avacalhar a região, o que esperar dos coitados que nem uma escola decente tem pra estudar?

        • E por falar em escola decente para estudar, começaram as inscrições para o 1º ano do ensino médio pelo 0800. E nem todos serão atendidos pois não há vagas suficientes para todos. O governo mente e gasta uma nota em propagandas para enganar o povo. Muita gente se inscrevendo e não tem vagas suficientes nas escolas públicas do estado. E escolas de referência, nem pensar, não há vagas, falo das escolas pebas, que o professor ganha 900 contos. Se o Pierre colocar um post sobre isso, poucas pessoas comentarão pois a desgraça alheia não interessa, principalmente educação. O Shopping é mais importante. kkkk

  • mais UM AViao CAI NO AEROCLUBE, E TEM GENTE Q ACHA Q O AEROCLUBE DEVE FICAR ONDE ESTA, LUGAR DE AEROCLUBE É LONGE DAQUI, ESPERO Q FAÇAM UMA PRAÇA NO LUGAR DELE.

    • Se for muito espaçoso, podem até fazer um shopping, que não nos escute JCPM. kkkkkkkkkk Provavelmente em breve construa outro shopping. Estaremos novamente todos aqui para trocarmos idéia. Na ocasião iriam defender que seria melhor o aeroclube. kkkkk

  • Parabens Pierre. Mais luz e reflexões oportunas e lúcidas sobre o Recife. Destaco o projeto arquitetônico do RIOMAR que para muitos esteticamente é pobre e pouco criativo. Lamentável. A beleza arquitetônica poderia ser um atrativo forte, quem diria aara visitantes de outras cidades. Aagora veja o es tacionamento jpara 6.200 carros (mais que o Estádio da Copa que é de 3.200), cobrando essa “venda casada ” obrigatória de aluguel de espaço para um consumidor desvalido aatrrído e a quem se oferta outras coisas. Ou seja, eletrodomésticos, roupas, joias, eletrônicos, cinemas, etc. Onde está o Código do Consumidor que proibe isto. Cadê o PROCON ou o Min. Público? Ademais o custo sdo estacionamento do RIOMAR é bem superior aos dos demais similares.

    • qto é o estacionamento?

      • no RioMar vai ser grátis por um mês…

        no shopping recife aumentou pra R$5,50!

  • Meus pais foram conhecer esse shopping hoje e desistiram no meio do caminho. Segundo eles, estava tudo parado. De quebra, ainda viram uns trombadinhas assaltando no trânsito da Agamenon. Eu acho é graça…

    Eu mesmo continuarei frequentando apenas o Plaza pelo cinema (dá pra ir a pé), e comprando qualquer coisa que me interesse pela internet, que oferece preços melhores, variedade maior, frete grátis, etc, etc, etc.

    • Trombadinhas ? Pensei que era uma espécie em extinção no reino encantado de Dudu e Geraldo Júlio!

      • Trombadinhas?….kkk…É o que mais tem no Recife. Tem gente que faz anos que não anda no Recife. Na Cde da Boa Vista, na Guararapes e Dantas Barreto é o que mais tem. Tem muita gente que tá sonhando com um Recife que não existe. E digo mais, são perigosos….sobem pelas janelas dos ônibus….vixe…uma desgraça só. Tem muita gente fora da realidade. Valeu a lembrança Alexandro. kkkkkk

        • mar, eu ando quase todo dia pela Conde da Boa Vista e passo de vez em quando pela Guararapes e pela Dantas Barreto e, sinceramente, não vejo nenhum trombadinha, não.

        • Concordo com o mar.

          Quem não vê trombadinha em Recife está por fora da realidade da cidade.

          Eu vejo muitos diariamente e rezo muito também para não ser alvo de assaltos, já que a ousadia é cada vez maior devido a crescente impunidade.

        • Márcio Cabral, como você mesmo disse, você passa vez em quando. Eu trabalho na Av. Guararapes e passo diariamente na Cde da Boa Vista, nas proximidades das Lojas Americanas, é o que mais tem. Fiquem em frente a parada de ônibus B da Fafire, que sempre aparece, ou em frente ao Bradesco da Cde da Boa Vista. Todo cidadão que pega ônibus diariamente nesta região está cansado de ver trombadinhas no Centro. Meu irmão é policial e está cansado de prendê-los na região. Só você não vê trombadinhas.

        • Só vivendo no “maravilhoso mundo de Dudu” para dizer que não existe trombadinha no Recife. Esse aí deve ser comissionado do governo do Estado.

        • Leitor, não sou comissionado de Dudu, aliás, falo muito mal do governo dele.
          Quanto ao passar eventualmente, isso é na Guararapes. Todo dia eu pego ônibus na Conde da Boa Vista, ou, então, desço ela toda andando (geralmente faço isso uma vez por semana). De fato, não pego ônibus na imediação da Fafire, mas sempre numa das paradas mais próximas da Rua da Aurora.
          E olha que eu sou meio traumatizado com trombadinhas, pois já fui assaltado por eles umas 7 vezes na minha vida – todas na década de 80, quando realmente havia muito trombadinha pelo Recife.

        • tem gente q vive em um universo paralelo.

        • Acredito que Márcio Cabral esteja querendo tirar onda conosco. Qualquer Recifense lúcido sabe que tem muito trombainha no Recife. Nem vale a pena falar mais sobre isso. Está querendo polemizar algo que não vale a pena. O Recife tem bastante traombadinhas.

        • digo: trombadinhas

  • CORONEL DUDU QUER COBRAR PEDAGIO NAS ESTRADAS DE PERNAMBUCO. O IPVA VAI ACABAR?

    • Pois eu quero é que cobre mesmo! O povo que se prostre a seu imperador!

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      • kkkkkkkkkkkkkkkk

    • IPVA é um imposto de caráter universal. Não é vinculado a uma atuação estatal específica.

      • muito legalismo e pouco interesse público.kkkkk

  • A ideia foi interessante com exceção das comparações inconsistentes e do bairrismo. Certamente Pierre deve conhecer um Rio de janeiro idealizado pela rede Globo. Pierre também não deve ter ido às lojas nas ruas do centro do Recife (Rua da imperatriz, rua nova…). Aliás, o Rio de Janeiro possui shoppings enormes aos moldes RIOMAR implantados em todo país. A construção de empreendimentos desse porte é reflexo do crescimento desgovernado, da falta de planejamento urbano, de uma sociedade capitalista sedenta pelo consumo e temente a sensação de insegurança pública. Aliás, esse último é requisito para escolha do aeroporto de um viajante ou cidadão carioca, que queira se deslocar para a capital na tentativa de driblar a zona de perigo: linha amarela, vermelha, azul… “o arco Iris da cidade maravilhosa”. Com exceção dessa última, cores primárias, assim, como o conformismo da impunidade e a desigualdade social em qualquer estado brasileiro. Todo lugar tem seus templos do consumismo, que serve pra segregar as camadas sociais. Mas consumismo é um problema mundial. Aqui falta sim mais aproveitamento dos espaços públicos e mais investimento na revitalização de centros históricos e outras opções culturais que celebrem todos os gostos e público. O problema não está em mais um shopping, mas no investimento monotemático.
    Pierre foi contraditório. Falar de segregação, desigualdade e consumismo e supervaloriza uma cidade através de lojas como Hstern, Puma, Richards em área “nobre” só porque ficam ao ar livre? HAHAHA…Como assim? Bares em ruas e cinemas não é “privilégio” da zona Sul carioca. A Av. Boa Viagem é recheada de lojas e bares além das que citei acima. Já o cinema, temos o histórico cinema São Luiz na Rua da Aurora em pleno funcionamento. Qual vantagem mostrar que um determinado ponto da cidade “funcione” para uma minoria? Gostaria de ver se essas lojas fossem implantadas na linha amarela, na Av. Brasil ou em São Gonçalo se haveria público. Haveria sim, um público feroz, marginalizado e invisível que nem deixaria sobrar o letreiro. Cidade doente? País doente. Não me importa se o consumismo é celebrado em locais ao ar livre ou em espaços encapsularizados, o que precisamos é de espaços públicos para coisas que realmente favoreçam a população local e promova a cultura e a educação.
    A máxima de comparar o Recife com Bruxelas nem merece comentários.

    • Eu não conheci um Rio de Janeiro idealizado pela Rede Globo, eu MOREI 4 anos no Zrio.
      E ao contrario do que você insinua, de que não vou nas ruas do Centro, eu MORO no centro do Recife, na Boa Vista.

      • Acho que os 4 anos que você viveu no Rio foi encapsulado na zona Sul. Dadas às devidas proporções, o centro do Rio é tão decadente quanto o do Recife, de Salvador, de Fortaleza e de tantos outros centros urbanos. Ou você não acompanhou as notícias sobre o crime organizado, a explosão de bueiros e a pacificação de favelas? Aliás, através de tropas nacionais, já que o governo estadual não consegue fazê-la sozinho. Quem morou no Rio e tem uma visão universal saberia que é uma cidade de contrastes. Você medir cidades culturalmente, geograficamente, historicamente, socialmente diferentes é escorregadio e limitado. Comparar bairros nobres do Rio e a capital da Bélgica com bairros pobres do Recife é querer comparar Davi e Golias.
        O Rio possui herança da capital federal mesmo depois de deixar de ser a sede do império e da República. Tem uma relação estreita com o governo federal e através disso grande parte da administração federal ainda está no Rio de janeiro. Tem a maior emissora do país que manipula a opinião pública e faz uma propaganda esmagadora da cidade e consegue benefícios para o próprio estado. Enquanto isso, Pernambuco é um estado empobrecido e historicamente explorado, só recentemente após décadas de estagnação econômica, conseguimos implantar o complexo industrial de Suape, recursos para a ferrovia trans nordestina, obras de transposição do Rio São Francisco, a implantação de empresas de grande porte entre elas a fábrica da FIAT, o estaleiro, a Hemobrás entres outras que tem feito com que o estado tenha um crescimento superior a do próprio país. Ao que tudo indica após muito tempo de concentração econômica na região Sudeste, o governo federal tem percebido a potencialidade de outras regiões. Estamos muito mais próximos da Europa, dos EUA, das Antilhas e de grande parte do continente Africano. Se atualmente o Recife ainda está decadente isso se deve a todo esse período de omissão. Como consequência, problemas sociais advindos desse crescimento fugaz. O que precisamos no Recife e em todo estado pernambucano é de pessoas criativas e engajadas para transformar a nossa realidade.

        • Você está assistindo muito Prison Break e Além do Cidadão Kane.

    • é q tem muito dublê de intelectual aqui em recife.

      • E você, contrariamente a que se espera de um doutor em finanças: Friends, Amaury Jr. e Mulheres ricas.

    • Aline Meneses, como assim, “a Av. Boa Viagem é recheada de lojas e bares”?
      Praticamente não tem nenhum bar na Av. Boa Viagem, e, pelo que eu me lembro, não tem nenhuma loja.
      Você poderia citar pelo menos 8 bares e 8 lojas da Av. Boa Viagem? E olha, que com 8, teríamos a incrível média de 1 bar e 1 loja a cada quilômetro de avenida, o que é muito pouco para se falar em “recheado”, né?

      • Marcio Cabral de Moura, eu quis me referir ao bairro de Boa Viagem. Existem muitos bares, restaurantes, lojas e algumas casas noturnas, embora não foi o meu foco. Citei por cima apenas para retrucar comparações que empobrecem qualquer discurso. Se você quiser, veja no Guia Abrasel de PE ou online ou impresso adquirido em qualquer ponto de apoio ao turista. O Recife é o terceiro polo gastronômico do PAÍS. Possuímos circuitos de chopp, botecos e restaurantes, além do bem sucedido Recife sabor e arte. Temos muitos problemas, acho que já disse anteriormente, mas vamos dar a César o que é de César.

  • A ideia foi interessante com exceção das comparações inconsistentes e do bairrismo. Certamente Pierre deve conhecer um Rio de janeiro idealizado pela rede Globo. Pierre também não deve ter ido às lojas nas ruas do centro do Recife (Rua da imperatriz, rua nova…). Aliás, o Rio de Janeiro possui shoppings enormes aos moldes RIOMAR implantados em todo país. A construção de empreendimentos desse porte é reflexo do crescimento desgovernado, da falta de planejamento urbano, de uma sociedade capitalista sedenta pelo consumo e temente a sensação de insegurança pública. Aliás, esse último é requisito para escolha do aeroporto de um viajante ou cidadão carioca, que queira se deslocar para a capital na tentativa de driblar a zona de perigo: linha amarela, vermelha, azul… “o arco Iris da cidade maravilhosa”. Com exceção dessa última, cores primárias, assim, como o conformismo da impunidade e a desigualdade social em qualquer estado brasileiro. Todo lugar tem seus templos do consumismo, que serve pra segregar as camadas sociais. Mas consumismo é um problema mundial. Aqui falta sim mais aproveitamento dos espaços públicos e mais investimento na revitalização de centros históricos e outras opções culturais que celebrem todos os gostos e público. O problema não está em mais um shopping, mas no investimento monotemático.
    Pierre foi contraditório. Falar de segregação, desigualdade e consumismo e supervalorizar uma cidade através de lojas como Hstern, Puma, Richards em área “nobre” só porque ficam ao ar livre? HAHAHA…Como assim? Bares em ruas e cinemas não é “privilégio” da zona Sul carioca. A Av. Boa Viagem é recheada de lojas e bares além das que citei acima. Já o cinema, temos o histórico cinema São Luiz na Rua da Aurora em pleno funcionamento. Qual vantagem mostrar que um determinado ponto da cidade “funcione” para uma minoria? Gostaria de ver se essas lojas fossem implantadas na linha amarela, na Av. Brasil ou em São Gonçalo se haveria público. Haveria sim, um público feroz, marginalizado e invisível que nem deixaria sobrar o letreiro. Cidade doente? País doente. Não me importa se o consumismo é celebrado em locais ao ar livre ou em espaços encapsularizados, o que precisamos é de espaços públicos para coisas que realmente favoreçam a população local e promova a cultura e a educação.
    A máxima de comparar o Recife com Bruxelas nem merece comentários.

  • Existe muita gente defendendo a criação de 9mil empregos, situação imediatista, para falhas públicas que jcpm, está aproveitando e ficando mais rico e os políticos escondendo debaixo do tapete, as reais necessidades! As pessoas que trabalham na faixa de 1 à 4 salários mínimos, trabalham por necessidade, não por opção, tem razão para defender novos shoppings devido a realidade brasileira! Os lojistas de pequeno e médio portes, também não tem muito a comemorar, faturamento só compensa em larga escala, se atrasar o aluguel, o shopping abate a compra do ponto pelo lojista, depois despeja e geralmente fica um passivo complicado para se liquidar! 13o aluguel e 13o salário, é complicado para se pagar e se faturar menos não se reduz o aluguel, mas se faturar mais paga-se mais aluguel!

    Shopping tem que ser uma das várias opções de compra e lazer de uma cidade de qualidade! Exemplo porque nunca se fecha um shopping, a população encontrará sempre outro lugar mais agradável para gastar menos!

    • Qual é o lugar no Recife mais agradável para se comprar?

      • No caso do lazer , existe lugares melhores, para compra fica díficil com a falta de planejamento da prefeitura e acomodação do CDL!

        • Beleza! Valeu! É vero!

  • Assim com a construção do shopping Rio Mangue, outras construções inescrupulosas em áreas que deveriam ser de preservação ambiental em nossa cidade, expressam o acordo sem limites existente entre JCPM, Prefeitura do Recife e o Governo do Estado. O discurso de “criação” e alguns postos de trabalho exploratório supera o da saúde de todos. Será que nenhu orgão goveramental foi de encontro a esse desastra ambiental provocado pela ânsia de acúmulo econômico de JCPM, e as lamihas financeiras destinadas aos que permitiram esse absurdo de construção. UMA VIOLÊNCIA AOS NOSSOS OLHOS! Não é à tôa que a CPRH e secretaria municipal de Meio Ambiente são colocadas como orgãos governamentais que passam por constante enfraquecimento político. Não há nomeação dos aprovados, a estrutura de trabalho está cada vez mais degradante. Teremos que conviver com esse absurdo, resultante de uma política higienizante e pautada apenas no interesse e um falso desenvolvimento? Eu não. Os contrastes sócio-econômicos da cidade do Recife estão sendo colocados para debaixo do tapete, isolando essas pessoas em verdadeiros desertos comunitários, e um dia isso vai explodir, e creio que nem Sérgio Xaiver (com o seu PV que não tem NADA de verde), nem o prefeito do Recife, muito menos Dudu Malvadesa têm o caráter de assumir as causas e consequências dessa detonação ambiental.

  • Recife perde a oportunidade de não começar errado, como fizeram outras cidades que depois tiveram todo o trabalho se se livrar do modelo shopping cêntrico para poder ter uma cidade de verdade. Não precisa ser na Europa, o RIo é um ótimo exemplo, Casa Forte quase é um bom exemplo, e o Recife Antigo começa a querer ser um bom exemplo.

  • RECIFE TEM A MAIOR QUANTIDADE DE REVOLTADO DE BOUTIQUE POR METRO QUADRADO DO PAI, GENTE Q GOSTA DE LOS HERMANOS, WOOD ALLEN E COMPRA ROUPA NA RICHARDS.

    • você tem 14 anos?

      • não. e vc compra na richards?

  • Caro Pierre, você está completamente enganado quanto ao caso do Rio, especialmente o Shopping Leblon.

  • Muito bem observado, Pierre! Boa a comparação com Bruxelas e a reforma recente no Rio.

    Essa cidade tá precisando de um novo ‘eletrochoque’ como citado no manifesto Mangue, só que não de forma socialmente segmentada. Vejo que o Recife, que influencia o estado, necessita de um movimento a favor da cidadania e do espaço público.
    Acho interessante o que Kleber Mendonça Filho vem discutindo no seu novo filme, que vai bem contra esse silêncio ensurdecedor.

    Mas infelizmente as pessoas compraram esses engodos ideologizados e sectários, muito enraizados pelo PT e com a conivência do PSB. Assim se ganha mais dinheiro e votos também!

  • É lendo comentários como muitos dos que foram postados aqui que entendo o porquê do Recife estar desse jeito. Discutir se o que tem na Europa são shoppings ou lojas de departamentos não leva a lugar nenhum. Achar que esse processo de (des) urbanização que o Recife vive hoje é inevitável tampouco. A cidade precisa de pessoas que pensem nela como suas próprias casas, não de pessoas que usam suas casas como refúgio para as mazelas que a cidade enfrenta hoje.

  • :-) :-):-):-):-):-):-):-):-):-):-):-)

    Pierre, tô achando massa ficar entrando no blog e ficar lendo os comentários deste artigo. Cada presepeiro que Deus me livre comentando por aqui.

    Li no seu Facebook uma cidadã achando que CULTURA se mede pela quantidade de Mega Stores como Saraiva e Livraria Cultura instaladas na cidade. Esta figura deu a entender que no interior, por não haver livrarias como esta, simplesmente não há manifestações culturais. Quanta ignorância !!!

    Vamos em frente !!!

    Deixe por mais alguns dias na primeira página.

    Abs e bom fds.

  • kkkkkk. É muito onda os comentários, sempre tem os que culpam os ricos por toda desgraça do país e esquece que o mesmo votou nos políticos que fazem os mesmos serem ricos. Dizem que a culpa dos engarrafamentos são dos ricos por possuírem carros, mas tem carro do mesmo jeito e os usas, ou seja, em vez de se olhar como parte do problema se olha como pobre oprimido porque está no seu carro no engarrafamento. O brasileiro em si sempre joga as culpa pro outros, sempre tenta se livrar da responsabilidade que é de todos e não alguns. Alguns falam que 9 mil empregos não é nada ma pergunta para qualquer um dos trabalhadores que lá estão, o salário pode ser baixo, mas é um começo, tem gente que acha que os empresários deviam pagar salários altíssimos para profissões não especializadas, ou que empresário é um ser do mal que vive para explorar seus empregados, e que enriquece a custas do povo, e o mesmo esquece que são poucos os ricos no Brasil e que a maioria dos empresários são pequenos, e que ganham a mesma coisa do que um funcionário público de ensino superior só que trabalhando muito mais sem fim de semana e férias. Em relação aos shopping realmente não é o ideal, mas na nossa atual situação é difícil ão resistir ao shopping, a questão de segurança pesa muito, que infelizmente no nosso país está longe de resolver, depois vem a falta de infraestrutura, com ônibus sucateado, calçadas tomadas pelos camelôs, ruas sujas e mal cuidadas. Alguns afirmam que shopping segrega e divide mas o que vejo são tanto ricos ou pobres no mesmo espaço sem nenhum problema, lógico que há lojas onde pessoas sem poder aquisitivo não conseguem comprar.

  • Fred3 disse:

    “Existe muita gente defendendo a criação de 9mil empregos, situação imediatista, para falhas públicas que jcpm, está aproveitando e ficando mais rico”

    Como é que uma pessoa acha que a criação de 9 mil empregos é ruim para a cidade !!!!!!!!! Considerando que esses 9 mil empregos estão ajudando 9 mil famílias , e que cada família tenha em média 4 pessoas, esses 9 mil empregos podem ser o sustento de 36 mil pessoas !!!!!

    Fred3 disse:

    “As pessoas que trabalham na faixa de 1 à 4 salários mínimos, trabalham por necessidade, não por opção, tem razão para defender novos shoppings devido a realidade brasileira”

    Quer dizer que quem ganha R$ 4.000,00 ou mais não trabalha por necessidade, é por lazer, é hobby, putz !!!!!!!!!! Quer dizer também que não existe ninguém no riomar ganhando mais de 4 salários mínimos. Talvez você esteja fazendo confusão com trabalhar por necessidade com gostar do que se faz !!!!
    Talvez muitos de nós, a maioria, trabalha por necessidade, independente do salário, e muitos gostam do trabalho, independente do salário !!!!!!!!

    Fred3 disse:

    “Os lojistas de pequeno e médio portes, também não tem muito a comemorar, faturamento só compensa em larga escala, se atrasar o aluguel, o shopping abate a compra do ponto pelo lojista, depois despeja e geralmente fica um passivo complicado para se liquidar! 13o aluguel e 13o salário, é complicado para se pagar e se faturar menos não se reduz o aluguel, mas se faturar mais paga-se mais aluguel!”

    O bom administrador não abre um negócio sem antes ter feito uma boa análise do negócio. O riomar não é para amadores nem iniciantes, quem está lá sabe muito bem se vai ou não ganhar dinheiro. Faturamento só compensa em larga escala ??? depende dos custos e do preço de venda. Se uma boutique vende só 3 vestidos por dia cada um por R$ 5.000,00, sabendo que o custo de cada um foi R$ 500,00, mostra que o negócio é altamente rentável.

    Fred3 disse:

    “Shopping tem que ser uma das várias opções de compra e lazer de uma cidade de qualidade! Exemplo porque nunca se fecha um shopping, a população encontrará sempre outro lugar mais agradável para gastar menos!”

    Óbvio ululante. Por acaso Recife é diferente da afirmação acima ????????????

    Eu não entendo o por que de tanta confusão por causa de um shopping. Em toda Região metropolitana temos no máximo 7 shoppings grandes sem contar as galerias, me corrijam se errei na quantidade, a maior parte do comércio de Recife é na rua como em “Bruxelas”. O grande problema do centro da cidade ou da cidade toda , para mim, é sujeira !!! se houvesse um grande multirão de limpeza, as ruas do centro limpas e cheirosas iriam melhorar muito, inclusive a mobilidade dos pedestres, e seria um grande avanço. Repito só limpeza seria um enorme avanço !!!!!! e isso não depende só de Prefeitura, é educação básica !!!!

    • Foi em cima da ausencia do poder publico, que perdemos a oportunidade de termos muito mais qualidade de vida da cidade!

      • Paulo , plano de negócio ou planejamento estrategico, nem sempre funciona e os contratos para a abertura de lojas sempre são predadores, embora se queira abrir uma loja no shopping, porque nao se tem apoio do poder publico para se abrir fora dele, voce paga duas vezes tudo quando estar no shopping, os impostos aos governos e ao segundo dono do seu negócio o shopping! Principalmente quando se é pequeno ou médio, os shoppings tem mais deste porte, porque é mais fácil controlar e a quebra de muitos, gerando rotatividade é um grande negócio para os shoppings, como os quiosques que pagam em média 12 mil ou mais reais por aluguel mensal e são realocados, quando o shopping deseja mexer até na decoração, que se voce sabia , tudo que se faz é pago pelo lojistas com taxas extras, taxas de promoçao, A FALHA DO PODER PÚBLICO OU AUSENCIA DO MESMO , VEM GERANDO CONCENTRAÇÃO DE RENDA E ACABANDO COM A CLASSE MÉDIA! A classe C chegou a ter poder de compra, mas está ficando endividada e travando a geraçao de renda!

    • A ausencia do poder público, seria importante que fosse reduzido os impostos em todas as instâncias, eles são vinculados a fins sociais!

    • Se voce fizer uma pesquisa no país que se criou os shoppings, está acontecendo a volta das lojas para as ruas, o modelo shopping,está se esgotando, devido a escravidão que gera para os lojistas! E precisamos fazer o controle social dos governos municipais para exigirmos uma cidade que merecemos e pagamos muito caro!

      O empresário é sempre bem vindo, até porque arrisca seu capital, para empreender, agora concentrar renda com ajuda do poder e dinheiro público nao é saúdavel até para o riomar, que não foi fácil vender todas as lojas, por isso do compromisso de abrir dia 30, para gerar confiança aos lojistas e não está estória de ser o aniversário de D. Auxiliadora e de ser seu presente a abertura nesta data!

      4 salários mínimos= 2.488,00, isso é um padrão que gera rotatividade de admissão e demissão, se tem menos compromisso com o emprego e gera sempre muito passivo trabalhista e altos custos para qualquer tamanho de empreendimento, e os pequenos não fazem poupança para estes custos, faturamento não aguenta!

    • Se voce fizer uma pesquisa no país que se criou os shoppings, está acontecendo a volta das lojas para as ruas, o modelo shopping,está se esgotando, devido a escravidão que gera para os lojistas! E precisamos fazer o controle social dos governos municipais para exigirmos uma cidade que merecemos e pagamos muito caro!

      O empresário é sempre bem vindo, até porque arrisca seu capital, para empreender, agora concentrar renda com ajuda do poder e dinheiro público nao é saúdavel até para o riomar, que não foi fácil vender todas as lojas, por isso do compromisso de abrir dia 30, para gerar confiança aos lojistas e não está estória de ser o aniversário de D. Auxiliadora e de ser seu presente a abertura nesta data!

      4 salários mínimos= 2.488,00, isso é um padrão que gera rotatividade de admissão e demissão, se tem menos compromisso com o emprego e gera sempre muito passivo trabalhista e altos custos para qualquer tamanho de empreendimento, e os pequenos não fazem poupança para estes custos, faturamento não aguenta!

      O bom administrador nao pode prever a falta de respeitos dos contratos , que os governos do Brasil , nunca tiveram o devido respeito!

      Esses empregos são importantes ,Paulo, mas nao geram riquezas para o coletivo, como os de suape!

  • Paulo o custo de m2(Aluguel só tem desta forma, fora a compra do ponto!) de um shopping em média é igual a Av Faria Lima, maior centro empresarial do Brasil, fica em torno de 500reais para cima! É muita concentração de dinheiro não é saudavel! Jcpm é oportunista como Eike, são, mas é bom para o coletivo, e para eles que nao podem ir tomar um banho de mar, sozinhos?

    Paulo voce anda com sua mercedes AMG, tranquilo nas ruas de Recife e RMR?

    • Fredinho eu ando de carro popular, com ar condicionado !!!!!!!!!!!!Parece que gostar de frescura é crime !!!!!!!!!!!!! E não sou neurótico, sou cuidadoso e teria o cuidado que eu tenho em Recife em qualquer lugar do mundo, porque malandro, meu filho, pode existir em qualquer esquina.

  • A abertura do shopping, um empreendimento arrojado, que demonstra que não existe nada errado. É sinal de que a cidade está crescendo e não existe nenhuma doença em Recife, existem deficiências como em vários grandes centros do mundo.

    Americano não é subdesenvolvido com dinheiro.Que absurdo !!!!!! A pessoa diz certas coisas só para ter razão !!!!

    Recife tem suas deficências , mas dizer que está uma porcaria é outro exagero. Eu prefiro Recife hoje do que a Recife, por exemplo, da década de 90.Existem sim muitas opções de lazer e trabalho na Recife de 2012.

    O sucesso de um shopping não está diretamente relacionado a uma falha de mercado. Ele não cobre nem deve cobrir todos os aspectos que o Poder Público não consegue atender, poder público deve basicamente cuidar de saúde , educação e segurança. Quando o poder público começar a cuidar disso, principalmente educação, como consequência, vários outros problemas da cidade acabarão.

    “Por outro lado, temos uma população cujo sonho de consumo é refrescar os fundilhos em um ar-condicionado a qualquer custo.” Claro !!!!! calor nos fundilhos dá hemorróidas. Qual o problema do cara refrescar o fundilho ???

    “O nosso padrão de sucesso hoje é morar em um prédio com um muro de 7 metros, descer por um elevador geladinho, entrar no carro e ir passear no shopping center”. Outra percepção equivocada. Conheço muita gente que quer morar em casa. Isso não é padrão de sucesso, é necessidade, todos nós precisamos de uma casa ou um apartamento, e já que precisamos não custa nada sonhar com o melhor..

    “É a completa encapsularização do cidadão.” é muito exagero !!!!!!!!!!!!!!!!!!! vai dar uma olhada nas praias agora, sábado pela manhã, para ver quanta gente encapsularizada !!!! eu tô encapsularizado em casa agora escrevendo isso, o arcondicionado está desligado e a janela aberta, mas vou dar uma saídinha, vou conhecer o riomar hihihihihihihihi

    “O indivíduo bem sucedido por aqui é aquele que compra um apartamento na praia e vislumbra o mar de um esteira ergométrica de 15 mil reais, pois não se dá nem ao trabalho de ir passear no calçadão da avenida Boa Viagem. Na casa deste cidadão toma-se banho quente com o ar-condicionado do banheiro ligado. Ar puro só é respirado em alguns poucos momentos.” Com essa afirmação você quis atingir alguém não vou nem entrar no mérito. Essa , com certeza, não é a vontade da maioria dos que moram em Recife. Até poque quem tem padrão de vida para isso e não gosta do calor de Recife já teria se mudado para Bruxelas.

    E as argumentações a contra o riomar são as mais pobres possíveis, como Recife não é “Bruxelas”.

    “Ora, os empregos seriam gerados da mesma forma se as lojas fossem nas ruas.” .Nunca na mesma proporção vamos ser sinceros professor !!!

    “E não nego que, apesar de não gostar, vou frequentar o Shopping porque ali estão os cinemas, restaurantes, etc. É como tentar proibir de frequentar o estádio de futebol adversário.” Eu não vou no chiqueiro da coisa nem a pau Juvenal, o lixão da ilha do retiro.

    Ainda não entendi o motivo de tamanha revolta contra o shopping.

    • Muitas opções de lazer e trabalho em Recife? Onde? Quais?… enumere algumas….Recife tá uma merda! Não sei se pior hoje ou na década de 90. Onde você vive cara? Que bairro você vive? Você conhece o centro do Recife? Sabe da quantidade de desempregados no Recife? Vá à agência do trabalho na segunda-feira, para ver. Você é funcionário de João da Costa? Concordo que não ha nada de errado em construir um shopping. Só faltam dizer que a culpa do Recife está sem manutenção é do povo! Paciência! Poder público tem grande responsabilidade sim.

      • http://www.pernambuco.com/divirtase/capa_divirtase/

        Dá uma olhada nas opções de lazer no site pernambuco.com ( link acima)Temos ainda Instituto Ricardo Brennand, o shopping do artesanato no porto do recife, a feirinha do recife antigo, as praias, parque dona Lindu (com evento sobre o circo), parque da jaqueira, cinemas, livraria cultura (fora do shopping para quem tem fobia a shopping), os shoppings (para quem não tem fobia a shopping). Para quem gosta de natureza recomendo aparaua ver site http://www.aparaua.com.br é um pouco distante (antes de ponta de pedra mas vale a pena), jogar conversa fora com a família e amigos (talvez a melhor opção de todas), ler um bom livro, enfim , existem sim muitas opções é só procurar…

        Em relação a emprego, a não ser que você só tenha o 2º grau, temos sim muitas opções para quem tem curso técnico ou superior e se mantém qualificado, ou seja, já ouviu falar de empregabilidade…

        E veja só eu nem levei a conversa para o lado político. Não sou funcionário de João da Costa.

        • Ponta de Pedra não é Recife. Empregabilidade é conversa fiada, conheço bem isso. As opções de lazer citadas já estão saturadas. Moro em frente ao Parque da Jaqueira, conheço bem o Parque. Inclusive a Nestlê está cuidando muito mal do Parque.

  • O maior conflito,nao e o de avaliarmos shoppings ou lojas de rua,a maior dificuldade que enfrentamos ,é o valor demasiado a cultura do consumo.Para sermos alguem,precisamos de um carro novo,apto em frente ao mar,viagens mil,frequentar os mais caros restaurantes,usarmos a roupa com marca da moda,e o tenis com 35 molas.Este nao e uma dificuldade exclusiva de recifenses,e global,e cabe-nos valorizar o que de fato tem valor!Dificil em um Pais,onde a educacao mao e valorizada!

    • O problema é que as pessoas descontam suas frustrações e fraquezas em sapatos, bolsas, roupas, celulares, carros, jóias, etc.

      Quanto mais frustrada a pessoa é, maior a necessidade de descontar as frustrações em bens materiais. É por isso que um shopping vem bem a calhar pra esse tipo de gente que resume a vida a shopping center. Pra muita gente, a equação certa é a seguinte: shopping + rivotril + lexotan = vida “feliz” e “tranquila”. Claro que é uma vida de fachada, de fantasia, mas enquanto durar a fachada, tá tudo bem. Quando a realidade começar a aparecer, é só aplicar a fórmula de novo, e assim vai levando a vida.

      Os empresários percebem essa tendência e percebem também que a cidade é uma esculhambação sem dono, constroem shoppings e ganham muito dinheiro. O consumo sempre fala mais alto e é a razão de viver do povo.

  • RECIFE: A MUMBAI DO SÉCULO XXI
    A adoção de políticas públicas submissas ao pretenso determinismo da globalização define o Estado de forma gerencial, abdicando de seu papel na determinação dos fins. Abandona,assim, a Cidade/Estado, oferecendo-os aos pedaços a investimentos privados. E faz melhor, monta eficiente, infraestrutura,malha logística de corredores, ruas, viadutos e transporte público a serviço de “regiões de planejamento” amorfas. Essa natureza ambígua de abordagem espacial, que combina crescimento econômico e desigualdades sociais ressalta a negligência no trato articulado das questões urbanas, sociais e ambientais e assinala que a lógica maior dos projetos do Governo do Estado e Municipal é tratar o espaço apenas como suporte de atividades econômicas, em especial de grandes grupos privados.Não considerando que o processo de urbanização deve apontar para a reprodução social em sua totalidade

    • Recife tá mais pra Etiópia do SÉCULO XXI.

  • O Brasil está ficando tão doente quanto os EUA.

    Como os EUA estão à beira da falência, daqui a uns anos o Brasil estará mais doente (até entrar em processo de falência também).

    Geralmente, essas graves doenças sociais são a ante-sala da decadência total. Com o maior império de que se tem notícia, Roma, foi a mesma coisa. Roma é talvez a maior evidência história que prova cabalmente que nenhum império se perpetua. Com os EUA não seria diferente.

    • EUA à beira da falência? Vai sonhando.

      • O maior símbolo do capitalismo, a General Motors, bateu na porta do governo implorando ajuda. Obama, claro, não iria deixar a empresa quebrar e desempregar milhões de famílias pelo mundo todo. Se a GM quebrasse, levaria junto pro buraco várias seguradoras e outras empresas, inclusive muitas siderúrgicas que fornecem aço para a GM e talvez até pequenos bancos. Seria o começo do fim do império americano. O governo injetou bilhões na GM que, do alto de sua arrogância, teve que aceitar para não quebrar de vez.

        Em 2011, 90 bancos americanos fecharam as portas em razão da crise, dentre eles os poderosos Polk Couty Bank, de Iowa, o Central Progressive Bank, de Louisiana e o Lehman Brothers, de Nova York.

        Saldo da crise: seguradoras falidas, empresas de crédito quebraram (Fannie Mae e Freddie Mac), bancos faliram e empresas automobilísticas praticamente quebraram.

        Ou seja, o coração da economia americana (bancos, creditícias e automobilísticas) foi gravemente atingido pela crise hipotecária iniciada em 2008.

        Os EUA nunca mais será o mesmo, o que abre espaços para novas e futuras potências como a China (provável próximo líder da economia mundial) e a Índia (mais futuramente, disputando o segundo lugar).

        Ah, e essa conversinha de que o Brasil ocupará o lugar deixado pelos EUA só se for nos livros de contos de fadas do PT que os ALFs da vida leêm antes de dormir.

        • Putz… se você tá impressionado com essa crise de 2008, é porque não estava vivo para ver a crise de estagflação + alta dos preços do petróleo que teve lá nos anos 70.

          Ali sim houve sério risco de quebradeira geral. Essa de hoje não é nada… em 4 ou 5 anos a economia americana se recupera.

        • Temos que analisar o contexto.

          Nos anos 70 não havia uma China ameaçando os EUA. A multipolariadade de poder hoje é muito maior que há 40 anos.

          Nos anos 70 não havia distribuição de poder entre emergentes como há hoje, os EUA concentravam, de longe, o maior poderio militar, econômico, comercial do planeta.

          Uma crise hoje (com o atual desenho geopolítico do mundo) terá efeitos muito mais profundos e duradouros sobre os EUA, justamente por que os EUA não gozam mais da onipotência do passado. É a mesma coisa de uma pessoa quando contrai uma doença quando é jovem e quando é velha. As chances de se curar na juventude são bem maiores, pois tudo favorece. Na velhice há mais vieses complicadores, são fases diferentes da vida.

          As condições internas e externas dos organismos (inclusive de nações) mudam ao longo do tempo, o que termina por influir na capacidade de sobrevivência e adaptação ao meio.

          A relação dos EUA com o mundo mudou muito nos últimos anos e isso teve impactos significativos em sua política de relações internacionais.

          Provavelmente, se a crise de 1929 se repetisse hoje, adeus EUA. Naquela época, no entanto, os EUA eram os maiores vendedores de armas para o mundo, estavam muito bem economicamente e conseguiram se reerguer rapidamente, mesmo recém-saídos de uma grande Guerra Mundial (aliás, onde foram os protagonistas justamente pelo domínio bélico).

          A resposta a uma grave crise nos dias de hoje poderia não ser tão rápida nem tão efetiva dadas as condições em que se encontram o mundo e o próprio EUA.

        • Cara, olha os absurdos que você tá falando. Não havia a China? Pois é, não havia, mas havia uma outra potência muito mais ameaçadora do que a China atual.

          Aí diz que nações velhas têm problemas… dois parágrafos depois de dizer que a China é ameaçadora.

          E completa dizendo que a “resposta a uma grave crise nos dias de hoje poderia não ser tão rpaida” quando na verdade foi a rápida resposta dos EUA e UE que amainaram a crise, ao contrário de 1929.

          Sua análise é muito falha. Vamos deixar isso pra lá.

        • Eriberto, pelo amor de Deus, vá estudar ou se informar mais..

        • “quando na verdade foi a rápida resposta dos EUA e UE que amainaram a crise, ao contrário de 1929.”

          Bom saber que a atual crise está amainada.

          Graças a Deus. Pensei que ainda havia crise no mundo.

        • PG, dá uma lida nisso. Desemprego nos EUA batendo recorde, EUA tem o maior número de pobres em 52 anos:

          http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/09/eua-tem-maior-numero-de-pobres-em-52-anos-mostra-governo.html

          A taxa de americanos abaixo da linha da pobreza bate recorde histórico.

          A crise está amainada? O tema da campanha presidencial é o emprego, o empobrecimento dos americanos e a crise no sistema de saúde.

          Depois eu sou o maluco. Vão ler pra depois atirar pedra nos outros.

        • Vejam como a crise está amainada:

          Pobreza nos EUA pode chegar ao patamar mais alto desde 1960

          Expectativa é que o desemprego chegue ao maior nível desde 1965

          http://exame.abril.com.br/economia/noticias/pobreza-nos-eua-pode-chegar-ao-patamar-mais-alto-desde-1960

        • Sim, a crise está amainada. Você não sabe nem a diferença entre amainar e extinguir…

          Se não tivessem ocorrido os “bailouts” nos EUA, estaríamos em situação muito pior agora.

          E de novo você tá fazendo uma análise falha… pegar UM indicador (que nem tá tão ruim assim) e por ele sozinho decretar a falência dos EUA é muita inocência.

          Deixa isso pra lá, cara.

        • É, vou deixar pra lá, afinal, a coisa “nem tá tão ruim assim”.

          Relendo as reportagens, até cheguei à conclusão que a situação está bem demais.

          E a Europa então, nem se fala.

  • Faltou completar o padrão de sucesso: … juntar dinheiro para ir para passar 20 dias na Europa, ter um blog e usar a viagem da Europa como referência no próprio blog. #FAIL.

  • Temos censura agora ? meu comentário está aguardando moderação ???

  • O shopping deveria filtrar melhor os seus clientes, ontem presenciei uma cena no mínimo inusitada.
    Um rapaz chegou na praça de alimentação do shopping aos gritos de cabra safado e acusou todos os que estavam sentados nas mesas proximas ao Burguer king de canalhas que gostam de bater em mulher, eu estava com minha mulher e meu filho de 8 anos e ficamos assistindo aquela cena, até aparecerem 4 seguranças do shopping e conterem o rapaz que estava emocionalmente abalado, não sei o que aconteceu, mas foi uma cena bem estranha, já pensou se ele parte pra cima das pessoas e resolve brigar com todos.

    No Riomar realmente tem de tudo, bem que a minha mulher falou.

    • doido tem em todo canto…

    • Provavelmente o surtado gastou lá dentro. Pro “xopim” ,é isso que importa!

      • Exatamente.

        Se o doido gastar muito pode até dar a bunda no meio da praça que não tem problema.

        Agora, se não gastar nada, é arrastado pro estacionamento e leva uma surra dos seguranças.

  • É por isso que tem certos países que tratam essas aglomerações de gente na porrada.

    Sempre quando junta muita gente assim a probabilidade de bagunça é grande.

  • tem muito dublê de intelectual em recife.kkkkkkk

  • Não concordo com o texto em sua integra, Pierre Lucena tem uma visão de mundo muito particular, mas nesse tocante nesse trecho ele traduz bem o que é Recife hoje! E é por esse motivo que não moro ai.

    “Por aqui é exatamente o contrário. As ruas são fétidas, inseguras e com as calçadas esculhambadas. Para piorar, como o deslocamento da classe média é todo feito de carro, ainda falta estacionamento privado perto dos locais de compra. Na verdade o espaço público está totalmente privatizado, seja por camelôs, construtores que espalham metralha nas calçadas, ou ainda pelos famigerados donos das ruas, chamados aqui de flanelinhas, que hoje são os verdadeiros representantes da esculhambação que se tornou o Recife”.

    • Mesmo quem discorda de alguns aspectos do texto tem que reconhecer que uma coisa é fato: Recife está uma verdadeira zona, com o poder público completamente comprado por empresários que mais parecem os antigos senhores de engenho que mandavam em tudo e em todos.

      Quem acha o Recife uma cidade organizada tem que procurar o hospício mais próximo e se internar imediatamente.

  • Resumo da ópera:

    “Blá blá blá”

    “Blá…”

    “Blábou”

    “Pierre e Jamildo frequentarão o novo Shopping…”

    “Fim!”

  • Blog do Jamildo: 161 comentários -quase todos contra. Acerto de Contas: 533 comentários, a maioria a favor. Jamildo tá desmoralizado…

  • Depois de todos esses comentários, não podemos esquecer que nós moradores do Recife, votamos e elegemos 39 vereadores que não fazem nada, a não ser fazer projetos para pôr nomes de ruas e para homenagear artistas, dá títulos de cidadão. É uma vergonha, esses problemas do Centro do Recife os vereadores deveriam intervir junto a prefeitura. Os vereadores não fazem nada na grande maioria do tempo.

  • Ontem uma vizinha me falou que as Casas Bahia vendeu muitos produtos sem ter no estoque, e que ontem tinha uma fila enorme de gente para fazer estorno no cartão de crédito. kkkkkkk

    • Essa galera da fila deve ser a mesma que fez aquela palhaçada na inauguração.

  • O que vejo aqui é um texto comparativo, provocativo e perspicaz, pena que a maioria dos leitores não conseguiram interpretar. Li a maioria dos comentários e só encontrei justificativas construídas em cima de argumentos fracos e que não condizem com o que o texto quis trazer. Parabéns, Pierre Lucena, prefiro, assim como você, estar no meio destes espremidos como recheio de sanduíche, mas que ainda imploram por uma cidade melhor e mais humana, com melhor transporte coletivo, com mais bicicletas andando em segurança, com as ruas cheias de pedestres em calçadas amplas e bem cuidadas, do que fazer parte dessa massa manipulada pela mídia.

  • Bernardo Barbosa
    há 5 horas próximo a Recife ·

    Pensei bastante antes de publicar isso, não gosto de expor minha vida assim, mas neste caso, senti a necessidade.
    O último sábado (03.11.12) eu perdi o meu pai, meu grande amigo, está sendo um choque para a nossa família, iremos superar, tenho certeza, mas o que nos deixou indignados foi o fato de como ocorreu isso.

    Sábado meu pai foi com a minha mãe e mais duas tias para o shopping Rio Mar. Chegando lá eles se separaram e combinaram um horário de encontro (19:40), meu pai ficou só e minha mãe com as minhas tias. Antes desse encontro, meu pai estava na loja Le Biscuit, onde passou mal e caiu. Nesse momento tinha uma família, a qual agradeço imensamente, que viu o fato e tentou socorrer. Uma das pessoas era técnica de enfermagem e tentou fazer os primeiros socorros da maneira que podia. Neste momento, outro membro da própria família, solicitou socorro aos funcionários da Le Biscuit, mas além de quererem “abafar” o caso, tentaram tomar o celular do meu pai que estava na mão dele, nesse momento o coração do meu pai ainda batia.

    Depois de 20 minutos chegaram os bombeiros, sem nenhum equipamento e sem saber fazer os procedimentos corretos, só depois de mais algum tempo conseguiram um desfibrilador, mas não sabiam exatamente como usar.

    Agora vem a parte da triste coincidência, eu estava no térreo do Rio Mar, próximo a saída, com uns amigos, quando vejo os bombeiros passando com uma pessoa, era o meu pai, até esse momento eu não sabia nem que meu pai estava no shopping, corri acompanhando ele até a saída para levarem até a ambulância, mas que ambulância? O carro do socorro era uma Hilux da segurança do shopping, eu vi o momento em que colocaram o meu pai na caçamba e arrancaram com o carro, detalhe: ele quase cai da caçamba, por sorte alguém segurou a maca quando estava caindo, pararam o carro e seguiram.
    Corri até meu carro para ir ao hospital, tentei ligar inúmeras vezes para minha mãe, mas o sinal do celular dentro do shopping é péssimo, meus amigos tiveram que anunciar o nome dela no shopping. Quando eu tento sair do shopping, depois de muita luta contra o engarrafamento, vejo uma ambulância do SAMU tentando sair do Rio Mar (meu pai não estava lá), mas a ambulância não conseguiu sair porque era mais alta do que o teto da saída do shopping, tiveram que seguir para outra saída mais distante.

    Infelizmente quando eu cheguei ao Hospital Português, recebi a triste notícia de que ele havia falecido.
    A história poderia ter sido diferente, se tivesse um socorro adequado, digno de um shopping do porte do Rio Mar. Deixo esse fato público não só pensando na minha família, mas em outras milhares que frequentam o Rio Mar, para que fatalidades como esta não aconteçam outra vez.

    http://www.facebook.com/bernabarbosa/posts/10152229834650057

    outra fonte :http://oestagiariosocial1.blogspot.com.br/2012/11/fatalidade-no-riomar.html

    • todas as operadoras de celular, se não me engano, tem que pagar mais de 20 mil reais para colocar uma transmissor ou amplificador de sinal, dentro do shopping, exigencia do proprietário/ diretoria financeira!
      Sem isso nao tem sinal das operadoras dentro do shopping!

      Aboul , pessoalmente, meus pêsames, e voce deveria contratar um advogado e juntar provas, depois que passar esta fase, processe o estado e o shopping e seu presidente!

      • 20mil reais/mês!

      • Aboul desculpe não foi com voce,foi o Bernardo e meus pêsames para ele!

    • Os bombeiros do Shopping Rio Mar, são civis ou militares? Olha, dia desses vi a atuação dos bombeiros civis no Shopping Tacaruna. Senti que não são bem preparados como os bombeiros militares. Fico triste com esse fato, pode acontecer com qualquer um de nós. Alguém tem que ser responsabilizado.

  • Concordo em vários pontos: acho que algo está errado na cidade do Recife. Não há como entender essa febre louca que leva uma multidão a um shopping. Por que? para quê? É quase um vexame nacional. Logo Recife, uma capital tão rica em cultura, tão própria e cheia de conceitos. Discordo em outros pontos. Um deles é que americano seja um subdesenvolvido com dinheiro. Se vc for atualmente nos USA verá que, em alguns lugares, vc nem precisa mais usar seu inglês. Tem mais brasileiro que qualquer outra nacionalidade lá.. e não pense que é atrás de trabalho. é comprando!!!! Conversei com diversos aamericanos que dizem agradecer a presença dos compradores de outars nacionalidades, inclusive os brasileiros, por lá. Vamos parar com essa idéia de que americano é o topo do mundo. Tem gente que ainda acredita nisso e divulga. Não acredito tb

  • …não acredito tb que este conceito de cidade morta consiga atingir o Recife. Esta cidade é super rica em cultura e não se deixará influenciar por um simples shopping, por mais grandioso e glamouroso que ele possa ser!

  • Gostei do texto. Acho que o poder público precisa sim cuidar da cidade, das calçadas, é a obrigação deles, mas não gostei do padrão estabelecido. Sair de um padrão de shopping para ir para padrões europeus, nada contra as lojas nas ruas mas falo em relação aos padrões. Nós brasileiros somos contaminados com padrões, aff!

  • A encapsularização de uma cidade doente _ Qualquer semelhança ….. vejam e tirem suas conclusões. http://t.co/DI6zNAky via @youtube

  • Criticar por criticar. Apresente uma solução plausivel para nossos problemas das cidades brasileiras. Deixe de lado es criticas generalistas e pobres de argumentos concretos. Facil é falar generalidades, parecendo conversa de bar. Não leva a nada a não ser a satisfação de um “ego” que em muitas vezes está sem nada a realizar,
    Um empresario da região que resolve investir em sua cidade e é criticado, somente uma mente em conflitos é capaz deste feito. Oxigene-se pobre mortal.

  • c

  • Que monte de comentário babaca…não dá pra ficar calado diante de tanta baboseira.
    De repente todo mundo virou especialista em gestão urbana e econômica kkkkkkkkkkk
    Primeiro estuda-se e depois, se houver algo a acrescentar, manifesta-se. Expressar os sentimentos saudosistas e antiquados aos olhos de nossos próprios anseios é inoportuno e sem sentido visto não sermos referências para o mundo. Gosto pessoal manifesta-se em sites de relacionamento!!! Se gostam de shoppings ou ruas é gosto pessoal, como torcer pelos times de Recife e ter que escolher entre os piores. Tanto os shoppings como as ruas abertas como a Imperatriz são realidades nossas atuais…boas ou ruins…o Brasil ta cheio desses tipos de comércio e, felizmente, podemos escolher onde gastar nosso dinheiro e tempo.
    Se gosto de derreter na Imperatriz é problema meu, ao mesmo tempo que também é meu problema preferir o conforto dos shoppings, mas isso não torna minha preferência a certa. Cada um tem seu estilo!!!
    O que é inaceitável é vestir casaco de pele e sair protestando contra a matança de animais ou lamentar o aumento do efeito estufa enquanto acelera-se, sozinho, seu SUV.
    Recife é show, tem de tudo, saiba escolher seu estilo…

  • Pessoalmente, não me chamem para passear em um shopping, isso é programa para consumistas compulsivos em fase terminal. Se preciso comprar algo e a loja é em algum shopping vou até lá compro o que preciso e tchau!
    Todo esse investimento deveria ser aplicado nas lojas das nossas ruas, estacionamentos, áreas de lazer como os parques que estão abandonados, cinemas, praças e não desapropriar uma área de riqueza natural para construção de uma torre de Babel que provoca mais males do que bens.

  • Perfeito!

  • Excelente artigo. Sintetiza muioto bem a selva que se tornou o Recife.
    Parabéns!

  • Pra falar essa besteira imensa que americano é “subdesenvolvido” ou nunca morou nos EUA, ou morou num gueto horrível. Em ambos os casos, o autor demonstrou que simplesmente não conhece a realidade americana, e, num senso mais amplo, não consegue enxergar outros modelos de desenvolvimento diferentes do predileto (europeu).

    Só para colocar um pouco de realidade nessa eurolatria toda: a Europa está afundando no lixo. Meninos de rua em Londres, portugueses passando fome na Suíça, Espanhóis despejados se matando. Os EUA são uma ilha de prosperidade perto da Europa atual.

  • [...] Blog Acerto de Contas Posted in: Opinião [...]

  • [...] do texto original: http://acertodecontas.blog.br/atualidades/a-encapsularizacao-de-uma-cidade-doente/ Posted in Fotos « [...]

  • Discordo em grau e gênero desse narrativa referente ao Recife relacionado ao shopping Riomar. O povo de Recife está mais estruturado para ter mais conforto e comodidade.Temos que investir fortemente no turismo. O turista tem que chegar em Recife e encontrar opções e diversificações em várias áreas. Lamento informar que os problemas de adaptação de algumas pessoas, como não dizer resistência, ao sucesso, as mudanças são sempre grandes, mas o desenvolvimento tem que vir independente de quem quer que seja. Um caso isolado não pode derrubar o que temos de mais maravilhoso como estrutura e desenvolvimento que qualifica o turismo em Recife.

  • Recife é uma piada, é um verdadeiro cabaré! Viajo muito pelo Brasil e as vezes pelo exterior. Nem vou falar dos paises europeus. Mas com sinceridade nunca vi cidade mais desorganizada, barulhenta, fedorenta, mal estruturada, feia suja e mal educada como Recife. As vezes nos chateamos com o preconceito dos brasileiros do Sul e Sudeste. Mas façam uma experiência, passem um tempo em Curitiba, Porto Alegre, Goiânia, Belo horizonte, São Paulo ou até mesmo em Natal, João Pessoa, Fortaleza. Quando você voltar para o Recife vai ter a sensação que chegou a uma cidade sem líder administrativo, sem a cultura da higiene e tudo mais. Das cidades que conheço do Nordeste, Recife é de longe a mais suja e com o povo mais mal educado.
    A cidade é cortada por esgotos, fossas estouradas em tudo o que é canto exalando mal cheiro e sujeira (não é a toa que a principal avenida da cidade é cortada por um canal), matos altos nas estradas, placas envergadas, destruídas, pixadas ou sujas (ou ausentes), iluminação precária, buracos e remendos por tudo o que é vias e estradas (além de perigosas pela falta de sinalização), crescimento desenfreado, falta de espaço, transporte público precário, lento e ineficiente, praias sujas e perigosas (por conta do alto índice de assalto e ataques de tubarões), violência acima do normal, trânsito caótico (o pior do Brasil e um dos piores do mundo), enfim, pela minha experiência Recife é umas das piores cidades de se viver do Brasil e na minha concepção o Rio Mar veio para meio que “tapar o Sol com a peneira”, porque não existe nada a se fazer nessa cidade se não ir a um Shopping.

  • Parabéns aos escritores! Artigo moderno, realista, corajoso e muito bem escrito! É necessário escancarar a realidade brasileira, mostrar as deficiências politicas dessa nação, exibir os anseios e revoltas que acredito eu que deve ser o desejo da maioria que acredita que podemos SIM mudar pra melhor. E enquanto o desejo não torna-se realidade vamos nos permitir a fazer uso do nosso direito de livre expressão!

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).