Justiça cancela venda do Estelita. Mas é melhor esperar antes de comemorar.

nov 28, 2015 by     20 Comentários    Postado em: Atualidades

Estou em viagem e fico sabendo da decisão do Juiz Roberto Wanderley, cancelando a venda do Cais José Estelita.

A sentença corajosa do juiz federal faz voltar à tona todos os problemas que foram (e estão sendo) gerados com este projeto, já detalhada e esbugalhado no Acerto de Contas.

Vi muitos amigos comemorando a decisão do juiz (e merece comemoração por expor toda a situação), mas cabe cautela.

Cautela porque vi algo bem parecido ocorrer com a mesma empresa. A primeira instância da justiça do trabalho condenou a empresa por fraudar o leilão, e esta decisão foi revertida na segunda instância.

E olha que neste caso das duas torres o negócio era flagrante. O leilão estava marcado para as 12:30h., ocorreu às 9 da manhã e ficou por isso mesmo.

O certo é que será preciso muita mobilização para expor tudo isso, para ver se com holofotes ligados a justiça manterá a decisão de primeira instância. O melhor mesmo é a mobilização e a abertura do debate em torno da área, que é a última chance de recuperação econômica do Bairro de São José. E não será com um condomínio sem vida que isto ocorrerá.

E quem leu a sentença de Roberto Wanderley pode constatar uma aula de bom senso histórico e de cidadania.

Esperemos cenas dos próximos capítulos.

20 Comentários + Add Comentário

  • Que sumiço! Aconteceu tanta coisa no Brasil e vcs não fizeram um único post.

  • A decisão foi acertada do ponto de vista técnico, como geralmente ocorre em juízos singulares de 1o grau. Todavia, o que pode prevalecer é a política, vista comumente em juízos recursais de 2o e 3o grau. Espero que o interesse público prevaleça, o qual, de maneira alguma, se coaduna com o interesse das empreiteiras ou do ocupe estelita, dois extremos de uma mesma moeda.

  • Olha, o projeto teve modificações e me parecia tolerável. O que percebo é que no lugar do empreendimento que iria gerar muitos empregos nessa época de crise, continuam os esqueletos de alguns armazéns e, além disso, os governos estão falidos,, sem recursos para criar e manter um parque.

    O parque Dona Pitú foi feito de concreto e acabou custando caro e sem necessidade.

    O 13 de Maio não tem segurança e é um maconhódromo.

    Mas tem um monte de gente do Ocupe Estelita que é defende a maconha numa época em que o cigarro comum é perseguido e praticamente banido dos lugares públicos.

    Bem, melhor aguardar a decisão do TRF antes de festejar e me pergunto como devolverão o dinheiro com as devidas correções e os eventuais custo com projetos, etc. Acho que a prefeitura, a RFFSA, o governo estadual e federal não querem que a decisão do Dr Roberto seja mantida.

    Mais do que qualquer coisa, a manutenção daquele monte de escombros do jeito que está, é o pior para a cidade.

    • Para quem até agora ainda não entendeu: A luta do #OcupaEstelita nunca foi para deixar abandonado e em ruínas. Essa briga toda continua sendo para que o processo seja LEGAL com propostas de projetos apresentadas e debatidas com a sociedade, com os devidos estudos de impactos e não apenas impactos no trânsito, precisa ser considerado paisagem, impactos na iluminação natural, sombreamento, reflexos (prédios com vidros espelhados), ventilação esgotamento sanitário, entre outros.
      Como é em qualquer cidade desenvolvida do mundo mas aqui só querem decisões de gabinetes e a população que aceite e arque com as consequências.
      Também é bom saber que se tem alguém a restituir algo é este consórcio aos cofres públicos já que compraram abaixo do preço em um leilão (que é uma modalidade de licitação) fraudulento
      “Leilão só teve um concorrente e foi subfaturado em R$ 10 milhões, diz PF. São investigados Consórcio, Moura Dubeux e empresa ligada à Caixa.”

  • Tudo muito bom, tudo muito lindo.
    Agora, me digam como uma prefeitura que mal paga os salários vai bancar um parque “super moderno, inclusivo e com lazer para todas as classes sociais?
    No fim, ninguém vai bancar esses projetos do ocupe e, com muita sorte, isso ai terá o mesmo uso do memorial arcoverde: Circos esporádicos e muito vagabundo.

    • Não tem grana para nada! Nem prefeitura, nem governo do estado e nem federal. A Via Mangue, depois de 12 anos, continua sendo tocada a passos de cágado.

      Entendo o pessoal do Ocupe mas há certo exagero e utopia nas pretensões

      Central Park Recifense? Seria legal. Mas por que não se fez isso no Caiara ou em Salgadinho???

      E a grana paga pelo consórcio terá que ser devolvida, sim! E corrigida.

      O que me parece é que o projeto passou por várias adaptações e estava razoável, preservando uma parte e usando o restante de forma menos concentrada.

      E agora? Mais 10 anos com aquele monte de escombros abandonado?

      O Ocupe vai fazer um mutirão de limpeza e, depois, outro de jardinagem?

      E vai impedir que o seus membros fumem maconha durante as tarefas?

      Seria uma boa solução enquanto a briga segue e com risco da decisão mudar na segunda instância.

      Se decidirem limpar uma parte da área e improvisar uma praça, serei voluntária.

  • Eu sinceramente nem sei o que pensar.

    De um lado, uma cambada de empreiteiros filhos da puta disputando pra ver quem estupra mais a cidade.

    De outro, um cambada de vagabundos querendo fazer daquele espaço um habitat natural de maconheiros.

    Esse país tá uma ZIKA só. Depois que o PT entrou no poder, o diabo assumiu o comando. Tem que exorcizar esse cabaré.

  • Eu acho que deveriam usar o terreno para fazer um memorial ao Foro de São Paulo e às FARC.

    O nome do lugar poderia ser Parque Che Guevara. Aos domingos, o governo poderia fazer distribuição gratuita de crack, maconha, cocaína e heroína.

    Grandes nomes como Lula, Zé Dirceu, Dilma, Cesare Battisti e mais uma centena de terroristas, assaltantes de banco, ditadores, genocidas e traficantes teriam suas nobres vidas homenageadas neste importante espaço para o povo brasileiro.

    E, como de costume, a obra seria totalmente fraudada e superfaturada, orçada em alguns bilhões de dólares tirados do BNDES. Parte deste dinheiro seria desviado para ajudar grandes democracias como Cuba, Angola, Venezuela, e Coreia do Norte.

  • Eu sou a favor de construir um prostíbulo. O Brasil está carente de grandes puteiros e bordéis.

  • Com essa quantidade de lágrimas, dava pra encher o reservatório de Sobradinho.

    • O ex-presidente Lula se recupera de infarto no hospital Sírio-Libanês, ele conta detalhes do episódio: “Ontem a Mariza resolveu fazer uma surpresa lá em casa e pediu um sushi. Eu desmaiei quando o porteiro avisou que o JAPONÊS TINHA CHEGADO””.

    • Eu estava atrasado e peguei um taxi no Hotel Mercure até o Teatro Municipal, no Rio, um percurso de aproximadamente 1km. Não notei que o cara não acionou o taximetro e, 1 minuto depois bveio a conta: R$30 !!!

      Por essas e outras é que uso, gosto e recomendo o Uber.

      Falhas e problemas ainda existem e devem ser corrigidos.

      O que não se pode admitir é isso:

      http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-11-30/passageiros-do-uber-sao-agredidos-por-taxistas-com-chave-de-roda-em-sp.html

      • Não podemos aceitar “erros” de um lado mas “falhas e problemas” do outro?
        Dois pesos e duas medidas.

        Brasileiro reclama da corrupção, mas quando é para seu beneficio quer que um serviço seja prestado sem regulamentação e pagamento de impostos..

        Que nome estranho Uber fã.

        Será que é um nome mesmo ou alguém que tem rabo preso e esta comedo de ser desmascarado?

        • Também sou fã do Uber. A sociedade, infelizmente, não confia em taxista. O Uber é um modelo livre, seguro e ético. O taxímetro é coisa do passa. Só os dinossauros não conseguem ver.

  • Pierre, sobre o tema do post: nós já conhecemos o desfecho!!! Como sempre o poder econômico vence. Que vence sem simulacros. ehehhehe O feio é a simulação do poder judiciário.

  • Eu gosto do Uber

    Eu não sou contra taxistas

    Eu apenas quero poder usar o Uber

    Eu quero poder escolher o que usar e na hora em que me for mais conveniente

    Ponto!

  • Não conheço ninguem que seja contra o Uber, exceto taxistas. Mas da maneira que ele chegou nos outros estados não pode não.Tem que ter regulação e pagar impostos como todos nós.
    Há exceto os corruptos e seus seguidores.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

março 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).