Mais uma vez sem ônibus, e a culpa não é dos rodoviários

ago 3, 2015 by     25 Comentários    Postado em: Atualidades

E hoje a Região Metropolitana do Recife amanheceu novamente sem ônibus.

Apesar do absurdo de não terem avisado previamente, os rodoviários têm razão na paralisação.

Pelo segundo ano consecutivo, uma decisão/acordo no tribunal local é revogado pelo Tribunal Superior do Trabalho, reduzindo o reajuste dos funcionários. Simplesmente decidiram sem nem ao menos debater localmente o assunto.

Quem precisa responder por isso é a Urbana, que é o sindicato patronal das empresas de ônibus. Apesar de estarem no direito de brigarem judicialmente, são concessionários de um serviço público e precisam responder, inclusive financeiramente, com os prejuízos que causam com a falta de prestação de serviços.

E o prejuízo mais uma vez é imenso. E logo no dia da volta às aulas.

25 Comentários + Add Comentário

  • Apesar dos transtornos, temos que lembrar que o TST deu aumento menor que o ofertado pela URBANA aqui em recife. A URBANA aqui no TRT ofereceu 9,5% e o TRT em sua liminar deu 9.0%

  • Pierre, permita-me discordar.

    Pode-se concordar ou discordar do mérito da decisão do TST, mas é prerrogativa do Tribunal decidir a questão da forma que melhor a entenda. O sindicato dos rodoviários teve a devida oportunidade processual (contrarrazões ao recurso ordinário) para rebater os argumentos expendidos pelo sindicato patronal. Se o TST acatou parcialmente o recurso da Urbana-PE, paciência. Isso não dá o direito, de maneira totalmente ao arrepio da CF e das leis, de paralisação sem avisar com o período de antecedência prescrito na lei de greve (72 horas), surpreendendo o usuário (absolutamente inocente na situação) e causando o caos na cidade.

    Sobre a questão do transporte público no contexto mais amplo, evidencia-se cada vez mais a completa falência do modelo concessionário, o qual deve ser substituído pelo autorizatário com a maior urgência possível.

    • Lucas,
      Foi uma liminar.
      “O sindicato dos rodoviários teve a devida oportunidade processual
      (contrarrazões ao recurso ordinário) para rebater os argumentos
      expendidos pelo sindicato patronal.”
      Foi uma liminar.

      • Marcela, não tinha constando na notícia que li que era uma decisão liminar. De fato foi e não houve o direito de contra-argumentação dos rodoviários, mas isso não lhes dá o direito agirem como fizeram hoje. Paralisaram de sopetão, às escondidas na madrugada, sem avisar à população, prejudicando enormemente milhares de pessoas que dependem de transporte coletivo. Houve uma decisão dois anos atrás do presidente do TST suspendendo um reajuste dado pelo TRT (aliás, até mais draconiana, pois suspendeu todo o aumento em vez de só parte como nessa decisão) e os rodoviários a reverteram usando os legítimos meios cabíveis em Direito. Devem fazer o mesmo no processo atual.

        Se os rodoviários queriam paralisar, eles tinham a obrigação de avisar a população no prazo justo – e previsto em lei – de 72 horas para que ela pudesse se planejar.

  • O serviço da Urbana é péssimo, de fato, mas quem faz a cidade inteira de refém não são senão os rodoviários. A culpa é deles, sim, e digo mais: inteiramente deles. Serviço público não deveria nunca ter paralisação. A única razão pela qual eles param, inclusive, é que eles sabem o quanto a cidade precisa deles, já que não há alternativa privada para a mobilidade.

  • O povão sempre se fode.

    A saúde é um lixo, a educação é um lixo, a infraestrutura é um lixo, a segurança é um lixo, o transporte é um lixo, o governo é um lixo, enfim…

    o brasil é um LIXO.

  • Agora pronto. Segundo os comentaristas do blog, nem greve o motorista pode fazer. Tá serto.

  • Pior do que capitalismo e socialismo, é esse negócio esquisito de ‘privado que o governo ajuda’. Tosco demais.

  • Não entendo dos meandros jurídicos, mas não é no mínimo estranho que haja entendimentos tão diferentes entre a instância local e superior? Fica parecendo até coisa orquestrada. O TRT dá o aumento que o trabalhador deseja (acima de qualquer expectativas até), encerra-se assim a greve e mais na frente vem o TST e coloca as coisas “no devido lugar”.

    Alguma das decisões foi muito incoerente. Não é à toa a revolta dos rodoviários. Já não basta a imprensa jogando a população contra o movimento (dia desses a manchete do NETV 2ª edição foi algo na linha de: “Rodoviários decidem atrapalhar o trânsito”, como se os caras fizessem protesto por diversão), ter a Justiça jogando contra também é dose.

  • A “maravilhosa” solução para os transportes seria o governo subsidiar a produção dos tuk tuks no Brasil.

    Dilma podia criar o programa “Meu tuk tuk, minha vida”, assim, o cidadão brasileiro poderia se locomover pela cidade usando esse moderno, confortável e seguro meio de transporte que representa o que há de mais avançado em termos de engenharia automotiva.

    Pode ser até que a Noruega, a Alemanha e o Japão copiem a ideia.

    • Fiz uma pesquisa e constatei que não é adequado para as nossas condições. O passageiro e o motorista ficam muito expostos a ataques e nos dias de chuva seria um desastre. Melhor furgão mesmo.

  • É sempre assim, um aprova e outro desaprova, e volta tudo como era antes. O que falta ? Competência ou incompetência de ambas as partes (empresários x sindicato) para finalizar este impasse ? O povo espera mesmo é a solução, e não de mi,mi,mi.

  • Como se não bastasse a BOSTA que é o transporte público brasileiro, o cidadão ainda tem que rezar para não ser alvo da bandidagem e dos maloqueiros que aterrorizam nos ônibus, principalmente em dia de jogo. Viver neste país está cada dia mais complicado.

  • É comodo apoiar a paralisação quando não se precisa do transporte publico….

    • Eu uso transporte público e apoio integralmente a paralisação.

      • Eu uso transporte público e apoio integralmente a paralisação.(2)

        • Mais um que apoia. Até por usar é que temos motivos pra apoiar.

    • Eu uso transporte público e apoio integralmente a paralisação. (3)

    • Eu uso transporte público e apoio integralmente a paralisação.

  • Vida do povão: se fuder pra acordar cedo no barraco da favela, pegar vários ônibus sucateados pra chegar no trabalho, trabalhar feito condenado e ainda ter que aguentar a violência nas ruas. Quando precisa de hospital, vai ser mal atendido por médico cubano em corredor de hospital caindo aos pedaços.

    Vida de Dilma: anda de carro blindado escoltado por batedores, nas horas de lazer passeia de bicicleta nas áreas mais nobres de Brasília escoltada por seguranças e quando adoece vai para o Sírio Libanês ser atendida com exclusividade e preferência. Tem acesso aos melhores maquiadores, cabeleireiros e estilistas do país. Quando viaja para a Europa ou para os EUA, se hospeda nas suítes mais luxuosas, caras e sofisticadas, come nos melhores restaurantes e costuma frequentar os mais famosos espetáculos públicos como óperas e concertos. Tudo isso pago com dinheiro PÚBLICO.

    Eu pergunto: o Brasil é ou não é um modelo perfeito de justiça social?

    • Tem um livro sobre esse assunto: Pare de acreditar no governo.

  • Empresa de ônibus em Recife (e com certeza no Brasil todo) é algo que se escavar, faz a máfia italiana parecer patota de maloqueiro.

    Desde que me entendo de gente: Borborema, Metropolitana, Vera Cruz, e etc… estão “prestando” os serviços de transporte de ônibus. Ninguém mexe! A concessão é vitalícia, e não há demônio que desfaça!

    Eu não sei quem aqui anda de ônibus, mas a situação atual é uma situação germânica! Só que nos temos do nazismo!

    Os ônibus parecem mais aqueles trens de Hitler que levavam os judeus para as câmaras de gás!

    Tem gente que acha vantagem, outros desvantagem… mas a capacidade do brasileiro de aguentar pressão beira o infinito!

  • Algumas pessoas não devem saber, mais um dos lideres desse movimento de paralisação
    São pré candidatos a cargos políticos. Usam a massa sindical para beneficio próprio.

    • O que dizer dos donos de algumas empresas, que JÁ são políticos? A família Chaves, do deputado José Chaves (PTB), comandava a CRT, Metropolitana, Caxangá e agora chefia a Mobibrasil, que opera no corredor Leste-Oeste. A Globo, que entrou no no Consórcio Capibaribe, é de Carlos Gueiros, eterno vereador.

      Ou seja, só quem pode ter cargo público são os patrões? Se há alguma chance desse panorama mudar é dentro da política, não fora. Os empresários já perceberam há muito tempo.

      • Continuo achando tosco esse negócio de ‘privado que o governo ajuda’. Coisa esquisita…com gente dos dois lados.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

agosto 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).