O inacreditável protesto dos condutores de cinquentinhas | Acerto de Contas

O inacreditável protesto dos condutores de cinquentinhas

ago 27, 2015 by     24 Comentários    Postado em: Atualidades

Parece piada, mas não é. Não é notícia do Diário Pernambucano.

Tivemos hoje um protesto dos condutores de cinquentinhas no Centro do Recife, que não estão querendo emplacar suas motos, e consequentemente pagar o que é devido. Pararam a Cruz Cabugá até a Conde da Boa Vista.

Isso porque eles sequer pagarão IPVA, o que já é um absurdo pois carros, ônibus e motos já pagam. Mesmo quem anda de transporte coletivo acaba pagando indiretamente, ou alguém tem dúvidas que é repassado para o preço das passagens?

Eles precisarão pagar o emplacamento (R$ 128) e o seguro do DPVAT (R$ 292). No caso do seguro é caro pois o número de acidentes é altíssimo.

E também terão que portar habilitação para pilotar a moto. Mas isso parece ser pedir demais.

Este protesto mostra que o Governo Federal acertou em regulamentar.

Ah…e ainda vai ter que usar capacete.

Um protesto ridículo como esse pode parecer coisa de outro mundo, mas não é. Já tivemos protesto por prisão de traficante no Pina e até protesto de piramideiros da Telexfree.

24 Comentários + Add Comentário

  • Kkkkk
    A moda de protesto pegou mesmo… #VemPraRua…

  • Num país onde preso utiliza facebook dentro do presídio para contratar prostituta, NADA é de se estranhar.

  • Telexfree tinha virado praticamente uma religião. Os maiores retardados mentais do Brasil (provavelmente as mesmas mulas que votam no PT) aderiram ao telexfree. Era muito divertido entrar aqui no blog e ler aqueles analfabetos escrevendo “voa telexfree”.

    • kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Inacreditável por quê? Isso é democracia. Por mais que eu odeie a displicência da maioria dos condutores de cinquentinhas, eles estão vendo o governo impondo um aumento de impostos e estão usando o mesmo artifício empregado pelos sindicatos para fazer suas reivindicações. Se todos protestassem as avacalhações tributárias do governo, talvez seriam menos irresponsáveis com o erário público.

  • Nada è piada quando as pessoas sabem o que è certo e querem lutar por seus direitos. Piadas são as pessoas que fazem comentários sem escrúpulos, sem respeito ao proximo

  • E agora com o desemprego em massa, a solução é liberar esses “bicos” e serviços informais para permitir que o povão ganhe algum dinheiro e não deixar essa maré de pessoas sem perspectivas migrar para a criminalidade como forma de sobrevivência.

  • A bronca p/ eles é que vão ter uma série de custos para se adequarem. Muitos não possuem nem a carteira de habilitação, que por sinal é cara e burocrática.

    • Não deixei a minha opinião na postagem de cima, mas eu como quase todo mundo sou a favor do emplacamento nessas cinquentinhas.

  • Não entendo os esquerdistas : Vivem a vender a ideia de que os mais pobres só têm direitos. Dever zero. Logo, nada mais previsível esse tipo de “protesto”. Vide o caso do Alemão, após a pacificação. Onde alguns começaram a chorar quando as garras do Papai Estado adentrou no complexo!! Agora estão perplexos ? Me poupem!

  • O protesto é válido , é um absurdo querer emplacar cinquentinhas. A maioria dos que usam são pais de família que utilizam como meio de se locomover ao trabalho. Não é pra fazer turismo. Se acontece muitos acidentes se deve aos donos do carros que se acham donos da rua e sai fazendo barbaridades no trânsito. Deveria era aumentar o ipva e dpvat dos carros de passeios. Isso sim.. Tem pessoas que colocam um carro na via só pra fazer graça.

    • É piada dizer que a culpa dos acidentes com cinquentinhas é dos donos de carro. O que se vê é o pessoal das cinquentinhas desrespeitando reiteradamente as leis de trânsito (sem capacete, furando sinal, cortando os carros, sendo utilizada por 3 pessoas etc.). Se eu fosse relacionar aqui, não ia ter espaço para escrever.

      • Pegando esse gancho, quero registrar o espanto que tive quando fui a Bonito. Não é tão longe assim esse interior, mas é interior, então… me surpreendeu que ninguém usa cinto de segurança simplesmente porque não há fiscalização.

        Nasci e me criei na capital. Não sou nenhum exemplo de cidadão cumpridor de todas as leis ao pé da letra, mas vi meu pai usar cinto desde antes de se tornar obrigatório. Acho natural entrar no carro e já colocá-lo. Não para evitar uma multa, mas pra me sentir seguro mesmo. E aí vi isso em Bonito, o povo tem cinto só de enfeite…

        Deve ser mais ou menos o pensamento de alguns 50teiros. Se não é obrigado usar capacete, dane-se essa porcaria, não vou usar e pronto. Onde não há lei, parece que o bom senso falta. E isso vale para alguns ciclistas também. Esses que pedalam na calçada e furam sinal vermelho.

  • Uma onda de protestos está invadindo o Recife, só hoje tive conhecimento que foram 4 protestos, quantos protestos teremos amanhã? Uma zona! Além das barberagens, esses condutores cinquentinhas ainda causam acidentes, aumentando os custos pro Estado, na já falida saúde pública. https://www.youtube.com/watch?v=EWkYRnq7Yi8

    • Quantos protestos teremos amanhã?

      Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta.

      • Kkkkkkkkk

  • Como sempre a reivindicação do pobre “parece piada”.

    Antes gostaria de dizer que este blog é bipolar:

    É contra o inchaço da máquina pública, mas fornece o espaço para uma aprovado na SEFAZ clamar seu lugar ao sol.

    Ataca a elevada carga tributária, mas sorri quando o taxam as cinquentinhas.

    É bom procurar tratamento!

    Mas vamos lá, para Pierre, que acha motos de baixa cilindrada (e o Tuk Tuk também) como uma solução indiana para o problema da locomoção, eu gostaria de lembrá-lo que 95% da população brasileira não pode morar aonde quer. Ao contrário de você né? Que se mudou para ficar mais próximo do trabalho e não usar nem carro nem ônibus.

    Pois bem, você não sabe o quanto uma moto dessas (baixo preço, sem emplacamento, rodando 60Km com um litro e etc…) melhorou a vida de muitas pessoas!

    Se a solução é indiana ou brasileira, não sei, mas a fome (e o aperto e demora nos ônibus) é imediata e foi resolvida pela Shineray e as demais.

    Agora se tu tem raiva dos maloqueiros que fazem as barbaridades… aí é outra coisa!

    Eu no máximo sou a favor de limitar a idade de condução… de resto, deveria deixar como está!

    • Concordo com você, só acrescentaria o uso obrigatório do capacete entre outras coisas.

  • Boa tarde. Os dois responsáveis pelo blog são ricos e não sabem a dificuldade dos pais de família que não tem outra coisa a não ser essas motos para se locomoverem. Se o Estado está preocupado com o número de acidentes, poderia emplacar e legalizar as “cinquentinhas” sem custo algum. Assim ele teriam placas e receberiam multas como os outros veículos. Tirariam a habilitação específica para as motos de 50cc gratuitamente. Isso legalizaria os veículos e os condutores. Mas como o estado está precisando de dinheiro extra, vão tirar de quem não tem. Quanto aos “blogueiros”, um jornalista e o outro doutor em finanças, reivindicar direitos, não é piada, faz parte da democracia. Como jornalista, postar uma noticia é uma coisa. Outra coisa é ridicularizar a noticia.

    • O governo tem 17 programas assistencialistas, até cnh gratis tem, vc acha pouco ? ta bom de começar a pagar nem q seja 1 real de imposto por ano.

  • O argumento é sempre de vitimização.
    Claro que as cinquentinhas tem seu lado positivo e ajudaram, muito, alguns trabalhadores.
    Porem, não ha como fiscalizar sem que haja o emplacamento e isso trás as “boas” taxas e cobranças.
    Se eu me esforço para pagar as do meu carro, mesmo usando ônibus ou metrô na maioria dos dias para locomoção ao trabalho, por que as cinquentinhas que usam e abusam no trânsito caótico de Recife devem ficar sem fiscalização?
    E uma coisa é uma carga tributária sobre produtos e serviços como a que temos, outra é emplacar e cobrar as taxas das cinquentinhas.
    Mas como tudo, haja vitimização.

  • Só acho que essas “regras” teriam que ser criadas antes da liberação das vendas desse transporte, assim quando a pessoa resolvesse adquirir saberia o ônus de possuir, ou ninguém percebe que foi exatamente essa falta de taxas e de regulamentação que atrairam esses compradores? Mas aqui no Brasil tudo é feito “depois” e aí pega de surpresa o cara que entrou nessa achando que nunca pagaria o que querem cobrar hoje, por isso a revolta deles. Na minha humilde opinião esse veículo deveria ter sua venda suspensa.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

agosto 2018
S T Q Q S S D
« mai    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).