36 anos sem Josué de Castro

set 24, 2009 by     9 Comentários    Postado em: Economia

josuedecastro-acervodocentro

O Brasil demorou muitas décadas para se debruçar sobre o problema da fome. Apenas agora, as coisas parecem começar a mudar de rumo com resultados significativos. Nos idos da década de 1930, no entanto, Josué de Castro já se dedicava com afinco ao problema crônico da fome nas classes operárias do Recife.

Em seus estudos sobre as dietas dos operários, pesquisa intitulada “As condições de vida das classes operárias do Recife“, ele aplicou milhares de  questionários para analisar a dieta das famílias desses operários.

A dieta básica que resultou da pesquisa era composta por feijão, farinha, charque, pão, café e açúcar (tudo em pequenas quantidades). Frutas e verduras não constavam do cardápio. “Só há uma maneira de alimentar-se pior do que esta: é não comer nada“, dizia Josué.

Ele concluiu o seguinte na pesquisa:

“Qualquer pessoa que possua noções gerais de dietética e diante de um regime desta ordem, só tem uma pergunta a formular: ‘Como se pode comer assim e não morrer de fome?’. E só há uma resposta a dar, se bem que um tanto desconcertante: ‘Como? Morrendo de fome”.

Esta semana, a Fundação Getúlio Vargas publicou os resultados de um estudo que teve como base os números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), apresentada na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A FGV mostrou que cerca de 31 milhões de brasileiros subiram de classe social no governo Lula. Entre eles, 19,4 milhões deixaram a classe E, que traça a linha da pobreza no país, tendo a renda domiciliar inferior a R$ 768; e outros 1,5 milhão saíram da classe D (de R$ 768 a 1.114,00).

O resultado foi uma queda acumulada de 43% no grupo dos mais pobres neste período. Ao mesmo tempo, a classe AB, que representa o grupo com renda domiciliar mais elevada (superior a R$ 4.807,00), ganhou 6 milhões de pessoas. A classe C (renda familiar entre R$ 1.115,00 e 4.807,00) é a maioria da população e recebeu 25,9 milhões de brasileiros nos últimos cinco anos.

Esses resultados certamente seriam comemorados por Josué de Castro, falecido há exatos 36 anos, durante o exílio imposto pela ditadura militar brasileira.

Quem desejar, pode ler uma resenha sobre o livro do jornalista Vandeck Santiago, escrita por mim e publicada aqui no blog, em dezembro do ano passado.

“Sobre o livro “Josué de Castro: o gênio silenciado”

9 Comentários + Add Comentário

  • Infelizmente no modelo atual de ensino, pouco ou quase nada sobre Josué e sua obra é comentado… ;(

    Mas não há duvidas sobra a sua importância, além de livros técnicos, ele escreveu um romance bom e ”leve” que é o “homens e caranguejos!”

    Este romance seria um bom introdutório nas escolas para os jovens aprenderem um pouco da nossa realidade. E para aqueles que mesmo não sendo mais colegial, deveriam ler este livro.

    • Pois é: eu não lembro desse “Homens e Caranguejos”. Este é um país muito pobre na área cultural. O Ministério da Cultura tem verbas exíguas e o livro nem entra nas cogitações do Ministério. Josué de Castro foi um dos autores mais vendidos décadas atrás. Seu livro “Geografia da Fome” aparecia em todas as livrarias, ao lado de “Formação Econômica do Brasil”, de Celso Furtado, “As razões da Independência”, de Nelson Werneck Sodré, “Os quatro gigantes da alma”, de Myra e Lopes, “O homem medíocre”, de Jose Ingenieros, etc. Não sei onde foram parar esses livros, já que ninguém mais os edita.

      • O livro ”Homens e caranguejos” pode ser comprado ainda com certa tranquilidade…eu mesmo comprei o meu ano passado.

        fica a dica!

  • Chico Science prestou sua homenagem ao Josue de Castro citando-o em sua musica – Da lama aos caos:
    ” Ô Josué, eu nunca ví tamanha desgraça
    Quanto mais miséria tem, mais urubu ameaça”

  • é triste que muito não seja lembrado desse genial estudioso pra ser aplicado na vida do povo de hoje.

    mas, se não fosse o Chico Science, muitos nem saberiam quem era esse tal de Josué.

    Raboni, belo texto.

  • Sem dúvida, se vivo estivesse, Josué de Castro comemoraria os resultados do governo Lula.

  • Grande homem, precisamos debate-lo e estuda-lo sempre, está atualizadíssimo!!!

  • pow to fazendo um trabalho sobre ele e estou achando muito interessante

  • Vamos comentar mais , esticar essa conversa sobre o grande geÓgrafo médico , filósófo e historiador JOSUÉ DE CASTRO ABÇ a tds NIVALDO

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

setembro 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).