Fora de negociação

mai 5, 2010 by     Sem Comentários    Postado em: Economia

por Renata Lo Prete
da Folha de S.Paulo
painel@uol.com.br

Assim como Dilma Rousseff não terá o PMDB se o PT insistir em lançar candidatura própria em Minas, José Serra perderá qualquer chance de atrair o PP e seu minuto e meio de televisão se o PSDB não aceitar a coligação com esse partido no Rio Grande do Sul tanto na chapa majoritária, dando-lhe o posto de vice de Yeda Crusius, como na proporcional, vitaminando as chances de seus candidatos a deputado.

No segundo ponto reside o problema. A cúpula tucana chegou a anunciar que estava tudo resolvido, apenas para ser desmentida, horas depois, pela seção local do partido, que teme ver sua bancada na Câmara desidratada pelo desempenho eleitoral dos pepistas.

E então? O PP exige a coligação proporcional porque a bancada gaúcha é de longe a mais forte do partido. “Sem isso, pode esquecer Dornelles vice de Serra”, resume um dirigente nacional. O candidato tucano, que está no Rio Grande do Sul, discutiria o assunto ontem à noite com Yeda.

No papel 1. “A proposta nacional do PMDB: um caminho para o Brasil”, primeira versão do programa de governo da sigla, prega o financiamento público de campanha para “tirar o Estado da sombra corruptora do dinheiro”.

No papel 2. O texto propõe que o governo se comprometa a elevar gastos públicos num patamar 2% inferior ao crescimento do PIB. E defende articulação das esferas nacional, estadual e municipal no combate ao crime.

Segura a onda. O PMDB, que pretendia apresentar a versão final do documento no próximo dia 15, num ato que também aclamaria Michel Temer como vice de Dilma, avalia agora a possibilidade de deixar tudo para 12 de junho, data da convenção nacional.

Fases. Do ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais), defendendo o desempenho de Dilma no primeiro mês de campanha: “Jogamos de um jeito nas eliminatórias. Quando chegar a Copa, é claro que será diferente”.

Resta um. Uma sucessão de vetos fez de Ricardo Flores o nome mais cotado para assumir a presidência da Previ.

Falou, ouviu. Ao final de entrevista ontem em Cuiabá, um assessor aconselhou Marina Silva (PV): “Você precisa ser mais objetiva nas respostas”. E a candidata: “Com perguntas mais simples, dou respostas mais curtas”.

Ado-a-ado. Do presidente da Força Sindical, Paulinho, aliado ao PT em São Paulo, sobre o fato de haver na central uma ala pró-Alckmin: “Em eleição a gente não briga. Cada um cuida do seu”.

Mapa da guerra. O grupo de deputados contrário ao projeto que exige “ficha limpa” dos candidatos chega à votação do tema, prevista para hoje, dividido em duas alas: a que trabalha para derrotar o texto em plenário e a que prefere tentar segurar a votação, impedindo qualquer desfecho definitivo até as eleições.

Equipe. A campanha de Serra terá novo coordenador de imprensa: o jornalista Marcio Aith, que vinha trabalhando na Folha como repórter especial.

Visitas à Folha. Candido Botelho Bracher, presidente do Banco Itaú BBA, visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava com Jean-Marc Etlin, vice-presidente-executivo, Marcos Caetano, diretor de Comunicação Corporativa, e Marcelo Mota, assessor de Comunicação.

Paulo Skaf (PSB), presidente da Fiesp e pré-candidato ao governo de São Paulo, visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Ricardo Viveiros, assessor de imprensa.

Ernesto Tzirulnik, presidente do IBDS (Instituto Brasileiro de Direito do Seguro), visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Rui Santos, assessor de imprensa.

Tiroteio

Finalmente o PSDB reconhece que a verdadeira candidata do pós-Lula é Dilma.
Do deputado estadual RUI FALCÃO (PT-SP), integrante do comando da campanha da ex-ministra, sobre a representação dos tucanos contra o pronunciamento do presidente na antevéspera do 1º de Maio; segundo o texto apresentado à Justiça Eleitoral, Lula defendeu “um sequenciamento dos feitos de seu governo, o que, em tese, somente será alcançado com a eleição daquele pré-candidato” por ele apoioado.

Contraponto

Ficha muito suja

Manifestantes favoráveis ao projeto da “ficha limpa”, que barra a candidatura de condenados pela Justiça, faziam ontem uma “faxina” simbólica em frente à rampa do Congresso, com vassouras e baldes, quando perceberam que não tinham levado água para enxaguar o local.
O grupo se pôs então a encher os baldes com água do lago artificial situado na entrada do Legislativo, até que um dos jovens “faxineiros” observou:
-Ih, esta água está mais suja do que a rampa!
E, dirigindo-se aos poucos deputados que aderiram à manifestação, alertou:
-Se essa água respingar aí em vocês…

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

agosto 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).