Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2)

jan 22, 2008 by     1 Comentário     Postado em: Artigos e Análises, Economia

(Foto de João Felipe C.S. retirada do Wikimedia Commons)

por José Carlos Cavalcanti 

Começamos a defender, no artigo da semana passada, o argumento de que a partir do governo FHC (marcadamente com a implantação do Plano Real) ocorreu uma radical mudança cultural no modo como as empresas passaram a fazer seus negócios, e que esta mudança cultural decorreu de dois determinantes centrais: a) Primeiramente, o Sistema Financeiro Nacional- SFN foi radicalmente transformado; e, b) O Mercado de Capitais teve que se ajustar radicalmente a um novo contexto de uma forte abertura da economia, tanto em termos de comércio externo quanto em termos do fluxo de capitais.

Tratemos brevemente do primeiro determinante!

Como constantemente transmito aos meus alunos, o SFN é um sistema bastante amplo, complexo, e muito bem desenvolvido (não devemos a nenhum país do chamado mundo desenvolvido, tanto em organização das instituições, quanto em tecnologia). Para que o leitor tenha uma idéia, mesmo que bastante superficial da sua organização, basta que observe a Figura 1 a seguir (retirada do livro “Mercado Financeiro: Produtos e Serviços“, de Eduardo Fortuna, Editora Qualitymark, 16ª. Edição, 2005).

jcc-figura-11.jpg
Clique na imagem para ampliar

Para aqueles mais interessados nos detalhes das várias modificações que foram promovidas no SFN a partir do Plano Real, sugiro uma leitura atenta ao artigo “Sistema Financeiro Brasileiro: Reestruturação Recente, Comparações Internacionais e Vulnerabilidade à Crise Cambial”, publicado em 1999, por Fernando Pimentel Puga, economista do BNDES, que você pode acessar aqui. Como principais itens destas mudanças, podemos destacar aquelas ocorridas na legislação das Instituições Financeiras, fundamentalmente as que visavam adequação às normas internacionais propugnadas pelo Acordo de Basiléia, a criação do Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional -PROER e do Programa de Incentivo à Redução do Setor Público Estadual – PROES, e as mudanças na legislação sobre o capital estrangeiro.

O reflexo destas mudanças se fez sentir na racionalização/eficientização do SFN, que evoluiu, desde o Plano Real, conforme está retratado na Figura 2 à frente. De modo mais visível, diminuiu o número de bancos múltiplos e bancos comerciais, as sociedades corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários, sociedades de arrendamento mercantil. Em compensação, cresceram as cooperativas de crédito, e surgiram, de modo crescente, as sociedades de crédito ao micro-empreendedor.

jcc-figura-2.jpg
Clique na imagem para ampliar

Esta racionalização/eficientização, por seu turno, forçou o sistema financeiro/bancário a depender cada vez menos dos lucros inflacionários, e a procurar se valer do seu produto mais importante, que é o crédito, como pode ser visto na Figura 3 à frente. O grande beneficiário deste processo foi o empresariado do setor real da economia, e, em segundo lugar, as pessoas físicas.

jcc-figura-3.jpg
Clique na imagem para ampliar

Semana que vem trataremos do outro determinante, ou seja, o Mercado de Capitais!

José Carlos Cavalcanti é professor de Economia da UFPE, ex-secretário executivo de Tecnologia, Inovação e Ensino Superior de Pernambuco (http://jccavalcanti.wordpress.com)

1 Comentário + Add Comentário

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

julho 2020
S T Q Q S S D
« mai    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).