A mágica do 2º grau em 15 dias

abr 26, 2012 by     54 Comentários    Postado em: Educação

supletivos

Nosso parceiro Leia Já publicou uma excelente reportagem sobre a escancarada enganação dos preparatórios para supletivos no Recife.

Funciona da seguinte forma: para se conseguir o segundo grau, basta fazer uma prova que comprove as habilidades necessárias. Isso serve para que pessoas que porventura tenham atrasado sua formação possam abreviar o segundo grau e entrar nas universidades. Conheço muita gente boa que ao invés de fazer o segundo grau, fez um cursinho para o vestibular, se preparando durante um ano, e aí optou pela prova de supletivo.

Mas o caso em questão fala dos cursinhos que teoricamente preparam o camarada em 15 dias. E segundo eles, com propaganda autorizada pelo MEC, o que se configura claramente como propaganda enganosa, já que o MEC não tem nada com isso. É atribuição das secretarias estaduais a aplicação das provas do supletivo.

Segue a matéria do leia Já.

Especialistas criticam preparatórios para o Supletivo

Por Alexandra Gappo e Nathan Santos, com a colaboração de Evelyne Cavalcanti

Já pensou em completar três anos de estudo em apenas um mês? Ou melhor, em 15 dias? Os cursos preparatórios ao exame de supletivo, com essas propostas “mágicas”, estão invadindo a cidade e atraindo, cada vez mais, jovens que não têm a oportunidade de terminar o 3° ano em escolas de ensino normal. A opção de ingressar em um programa que resume três anos em poucos meses ou dias é tentador. Mas será que vale a pena?

Diante de tantas propagandas e da grande quantidade de cursos oferecidos, existem alguns estabelecimentos que oferecem o serviço para ser concluído em apenas 15 dias, algo que alguns profissionais da área criticam radicalmente.  “O correto é realizar um supletivo em pelo menos dois meses. Tem curso que engana o público. É impossível formar alguém em 15 dias”, comenta o coordenador pedagógico de um do Centro de Concursos e Supletivos (CCS), Almir Mota.

Mas o próprio coordenador reconhece um erro de propaganda no seu próprio curso que, segundo ele, já está sendo providenciada a correção. “Nós temos algumas propagandas com informação de que o nosso preparatório pode ser concluído em menos de um mês, mas isso foi um erro gráfico, e já estou corrigindo tudo”, afirma Mota. Por semestre, são formadas turmas de 80 a 100 alunos no CCS.

Propaganda enganosa – Ao contrário do que se pode constatar em muitos outdoors, as escolas que oferecem supletivos não recebem autorização do Ministério da Educação. O MEC não responde pelos ensinos médio ou fundamental, que são de responsabilidade da Secretaria Estadual de Educação (SE) e do Conselho Regional de Educação (CRE). O MEC responde apenas pelo ensino superior. “Não há nenhuma autorização do MEC para esses cursos de supletivo que vemos por ai, pois simplesmente não é necessário”, afirma a chefe de unidade da Gerencia de Orientação e Normalização da Secretaria de Educação do Estado. Por isso, os supletivos são chamados de “cursos livres”. Mas o coordenador do CCS, Almir Mota, admite a existencia, de fato, das propagandas enganosas, como estratégia de marketing. “É tudo fantasia para dar mais moral aos cursos”, revela.

Vale ressaltar, ainda, que qualquer que seja o curso preparatório para o supletivo, ele não é pré-requisito para o candidato ao exame realizado pelo Centro Especial de Ensino Supletivo (CEESO). Qualquer pessoa, que tenha feito ou não um preparatório, pode solicitar o teste junto ao órgão. Faz-se necessário apenas que o estudante tenha, no mínimo, 15 anos para a prova de nível fundamental e 18 anos para de ensino médio.

Em Pernambuco, caso o estudante precise, em caráter de urgência, da ficha 19 ou do documento de comprovação de conclusão do ensino médio, para fins trabalhistas, ele poderá procurar o CEESO e solicitar a prova em caráter emergencial. “Esse exame é voltado para toda a população. Não precisa de curso e também não tem custo”, afirma a chefe da unidade da gerencia de orientação e normalização da Secretaria de Educação do Estado.

Na Paraíba, de acordo com o presidente do Conselho Estadual de Educação, José Francisco de Melo, a demanda é maior por exames. Muitas pessoas se deslocam para João Pessoa pela “pressa” de conseguir a documentação, já que na Paraíba, ao contrário do que acontece em Pernambuco, a oferta para a realização de exames ocorre de duas a três vezes por ano, já que escolas da rede privada também oferecem o serviço. “Aqui na Paraíba há as provas do setor público e as do setor privado”, declara José Melo. Todas são autorizadas pelo Conselho Estadual – a exemplo da Interativo Colégio e Curso Supletivo 2001, Escola Menino Jesus, no município de Queimadas e CA Patos, no município de Patos no interior do Estado.

Mercado de Trabalho -   A “facilidade” de adquirir a ficha 19, documento que comprova a conclusão de ensino médio, para finalmente ingressar em uma faculdade, alimenta a esperança de entrar rapidamente no mercado de trabalho. O estudante Emmanuel França, de 21 anos, acha que após o curso preparatório conseguirá várias oportunidades de trabalho. “Ainda estou no 2º ano do ensino médio e quero fazer logo o meu supletivo. Tenho certeza que terei espaço no mercado de trabalho após o curso”, afirma.

De acordo com Ana Teresa Almeida, sócia e gerente da empresa de RH, Fator Humano, as companhias não costumam pedir um comprovante de conclusão de ensino médio e levar em consideração onde o candidato estudou e em quanto tempo concluiu, como geralmente acontece com o ensino superior. Mas, considera que “uma pessoa que fez um ensino médio em 15 dias, não terá a mesma desenvoltura que outro candidato que concluiu normalmente os três anos de estudo. E isso vai se refletir no desempenho no trabalho do profissional”, declara.

De acordo com a profissional, especializada em recrutamento, nos dias de hoje as vagas para atendente de consultório médico e escritórios de advocacia, por exemplo, exigem que o candidato tenha, pelo menos, uma graduação e um curso de línguas ou técnico. A gerente de RH explica ainda, que as oportunidades que surgem para pessoas com apenas o ensino médio incompleto, são escassas. “A grande quantidade de vagas são para nível técnico e superior, mas quando aparecem para médio, são de menor complexidade. São atividades onde não é preciso usar o raciocínio”, ressalta.

Para a pedagoga e coordenadora do curso de pedagogia da Faculdade Joaquim Nabuco, Roberta de Assis (foto acima), os rápidos cursos preparativos não ajudam o aluno. Embora os exames supletivos sejam importantes na vida de qualquer jovem que precise de uma alternativa e uma esperança para ingressar no mercado de trabalho.  “Eu sou a favor de tudo que leva as pessoas para a educação. Se o indivíduo precisa de um supletivo para trabalhar, eu acho que ele deve sim fazer a prova. Isso depositar uma esperança na vida”, frisa.

54 Comentários + Add Comentário

  • Daí para um ‘”curso superior” de 2 anos nos “IBGM da vida” é um pulo. Com mais um ano já tem uma pós no CV.

    • É verdade, nem lembrava do IBGM. Hoje em dia até Universo e Mauricio de Nassau viraram luxo. Neguinho faz um curso de Administração de 2 anos no IBGM e pensa que é administrador!! ahuauhahuauau

      E aí, Pierre, que achas disso?

      • Em três anos o cara já é pós-graduado.

        E o coitado do sujeito que suou prestando vestibular e estudando na UFPE leva 5 anos somente para virar “bacharel” e mais duas para uma pós. Mas não se enganem, os empregadores não são tão bestas assim…

        • Vendo o outro lado da moeda, tem muito empregador besta que só porque o cara não tem
          “federal” já descarta indepentende do cara ter vários anos de mercado e uma experiência
          profissional consolidada.

        • *independente* ¬¬

      • Não conheço essa IBGM.
        Não vejo problemas em cursos técnicos de 2 anos. O cara sai melhor que entrou, de toda forma.

        • Até que me surpreende essa tua resposta Pierre. Eu pensava que você condenava o curso superior de 2 anos.

        • Nao condeno.
          Nao Concordo com médicos formados na Bolívia ou engenheiros civis formados em fofocas da vida.
          Do resto,deixa o mercado regular, já que não matam.

  • Brasil, o eterno rico país de terceiro mundo!!!!

  • A educação nesse país tá uma verdadeira ZONA, assim como o próprio país.

    Isso não é novidade para quem tem mais de um neurônio funcionando ou para quem não seja puta paga do governo.

  • Em educação, aqui no Brasil vale tudo mesmo.

  • Que besteira…. Pior nas escolas, onde aluno nao pode mais ser reprovado.
    Isso particular. Imagina escola publica onde a farra da bagunça é maior ainda.
    É um tal de professor criando nota, e corrigindo erros de provas de alunos.
    Isso sim é o futuro do Brasil… Bem sombrio!!

    • Concordo inteiramente! Não estamos lascados hoje… aguardem para ver a situação dentro de alguns anos, quando os alunos egressos da pedagogia da tapeação ocuparem postos de trabalho e produção. Mas os governos estão felizes da vida com a tapeação de hoje, pois as estatísticas enfeitadas para servir de firula retórica nas campanhas está garantida! Ah, e os belos índices devem estar servindo para tentar ludibriar também organismos internacionais que financiam projetos aqui, mas, francamente, será que estes números realmente enganam alguém quando os resultados dos desempenhos dos brasileiros são um fiasco em testes internacionais?

      • Não precisa esperar muito não, muitos gestores de Secretarias Estaduais e Municipais não tem o mínimo conhecimento do seu trabalho, do seu cargo. Eles geralmente, têm uma pessoa “braço direito” que resolve e faz tudo por ele. O gestor só faz assinar. Muito incompetentes em cargos de confiança ou indicados políticos.

        • ele e muito eburro esse seu filho

    • Você está enganado, Junior. Conheço alunos de escola particular, que foram reprovados no 3º Ano do Ensino Médio no ano de 2011. Digo-lhe isso com toda certeza, pois meu filho estava entre esses alunos que foram reprovados.

  • LeiaJá, o portal de Janguiê? Logo ele, que deve ser o que mais se beneficia com esse tipo de prática. Sim, porque qualquer analfabeto vira aluno daquela instituição, desde que tenha o $$$$. Eu mesmo conheço várias pessoas que, na minha época de colégio, repetiram de ano várias vezes, apelaram ao famoso supletivo e em menos de uma semana já estavam matriculados na tal “FACVLDADE”.

  • Pierre tá boicotando este vídeo. Vários veículos já postaram, menos o nosso amigo Pierre: http://vimeo.com/40913933

  • Mas hoje em dia, no mercado de trabalho privado, o diferencial não é o curso ou MBA que vc fez. E sim “onde” vc fez.
    Daí ainda a necessidade de boas faculdades e escolas.

    • Como se “onde” definisse quem é bom ou não é :)

      • Quem é “bom” faria um MBA na FGV, Ibmec, Dom Cabral ou na faculdade terceirizada da esquina?
        Sendo vc um gestor de RH, qual seria o “diferencial”?

    • Se o empregador visitar esse blog ele nunca mais contrata ninguem da federal.
      Não sai uma coisa boa sobre a universidade e ninguem falando bem.

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Você também pode fazê-lo em um dia.
    Se você tirar uma nota superior a 50% do Enem, a Secretaria de Educação é obrigada a conceder o certificado de conclusão no ensino médio.

  • Eu completei meu ensino médio com supletivo e depois conseguir entrar numa universidade pública.
    E antes do supletivo eu tinha parado na 7ª série.

    E aí???se bem que, convenhamos, meu supletivo foi um cursinho de 6 meses…
    Não chegou a ser 15 dias… hehehehe

  • Acontece que ninguém ta lembrando que antigamente o ensino fundamental era feito em apenas 3 anos, o médio em 2 naos, e o pessoal da época eram todos mais conhecedores que os de hoje cito por exemplo um dos maiores juristas como “Clóvis Beviláqua”. E hoje os anos de estudos aumentaram tanto no ensino fundamental como no médio e a educação só cai. Não entendo o porque se são mais tempo.

  • Taí o mestre no jeitinho. Depois reclamam dos supletivos de 15 dias.

    http://www.youtube.com/watch?v=XcxkbH7mIgw

  • Só não esqueçam que títulos e diplomas conquistados no jeitinho, causam situações como essa :

    http://www.youtube.com/watch?v=eAPmTQxLKwU

  • Segue uma matéria interessante:
    Será que aqui em Pernambuco os Professores estão sofrendo do mesmo mal?

    http://www.mp.go.gov.br/portalweb/1/noticia/8764a1835c7ac1491e21e8576d79f489.html

    27/04/2012 – 15h43
    Ação do MP questiona índice crescente de doenças mentais entre professores

    Vilanir Camapum requereu providências para frear ocorrência de doenças mentais

    O promotor de Justiça Vilanir de Alencar Camapum Júnior, da Promotoria da Saúde do Trabalhador, concedeu entrevista coletiva hoje pela manhã (27/4), para esclarecer os pedidos feitos em ação civil pública proposta contra o Estado de Goiás que requer providências para frear a ocorrência de índices crescente de doenças mentais entre professores da rede estadual de ensino.

    Conforme sustenta o promotor na ação, de janeiro a outubro de 2011, houve 1.310 afastamentos de professores na Secretaria Estadual de Educação somente por problemas de saúde mental, o que equivale a 26,13% do número total de afastamentos entre professores. Calculando-se uma média aproximada do ano, é obtida uma média de 4,3 professores afastados por dia só por transtornos mentais.

    Esse total de afastamentos gerou, segundo estudo da promotoria, a concessão de 49.304 dias de licença aos professores até outubro, aproximadamente 60 mil dias perdidos no ano de 2011. Dessa forma, além de consequências à saúde dos servidores da educação, o promotor destaca que o Estado pode ter perdido aproximadamente R$ 3 milhões naquele ano em prejuízos com afastamentos de professores por problemas mentais.

    A quantidade anual de aposentadorias por invalidez entre todos os servidores do Estado também aumentou da média anual de aproximadamente 150 (em 1999) para patamares acima de 200 (em 2002). De acordo com o promotor, a tendência é de agravamento deste quadro, já que o Estado ainda não adotou nenhuma política, projeto ou ação séria de efetiva prevenção desse adoecimento.

    Ausência de medidas
    Entre os aspectos apontados pelo promotor para a atual situação está a omissão do Estado em cumprir com o Decreto Estadual nº 5.757/2003, que prevê a implementação dos exames ocupacionais periódicos, para monitoramento da saúde dos servidores e realização de ações preventivas. Segundo observa Vilanir, apesar de o governo estadual ter apresentado ao MP, em 2003, a proposta de implantação de um Programa de Saúde no Serviço Público, a iniciativa não foi levada adiante.

    Também no âmbito da Secretaria Estadual de Educação não houve a implementação de um projeto de proteção da saúde mental dos professores com eficácia para impactar na redução dos índices de afastamento. Vilanir Camapum aponta ainda que o Estado tem se omitido quanto à investigação sobre a relação dos problemas mentais dos quais os professores têm sido vítimas e a atividade do magistério. “É inadmissível que a Gerência de Saúde e Prevenção da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan) não tenha uma equipe especializada e dedicada exclusivamente à identificação das causas desses afastamentos, pois, somente identificando causas é possível atuar na prevenção”, afirma.

    Os pedidos
    Com pedido de antecipação de tutela, o MP requer que seja determinado ao Estado de Goiás que, no prazo de 30 dias, dê início à realização dos exames ocupacionais periódicos nos professores da SEE lotados nesta capital e que comprove a conclusão desses exames no prazo de 90 dias. Em caso de descumprimento, é pedida a imposição de multa diária de R$ 1 mil.

    Já no prazo de 20 dias é requerido que seja determinado à Secretaria de Educação que apresente comprovantes de elaboração e implementação de um programa de saúde mental voltado para a identificação das causas e prevenção do adoecimento mental entre professores da secretaria, dotado de cronograma com prazos definidos para realização de cada etapa e apresentação de resultados, no período máximo de um ano.

    Vencido o prazo de 30 dias sem que tenha sido comprovado o início do programa de saúde mental e dos exames ocupacionais periódicos nos professores, o promotor requer na ação que seja garantido o direito dos professores de não trabalharem, posto que expostos a risco de dano iminente à sua saúde mental.

    Por fim, o promotor pede que seja determinado ao Estado de Goiás, por meio da Segplan, que dê início, imediatamente, à investigação sobre o nexo com o trabalho, por ocasião dos afastamentos dos servidores, nos casos em que há necessidade de perícia no local de atividade, para verificação sobre se ali há os fatores de risco que possam ter desencadeado a doença ou lesões que provocaram o afastamento, permitindo a adoção de medidas preventivas precoces. Clique aqui para ler a íntegra da ação.

    Na entrevista coletiva o promotor acrescentou dados recentes encaminhados pela Segplan, que apontam que no ano passado o registro total de licenças concedidas foi de 1.688, para um total de 62.834 dias de licença. Em relação às aposentadorias, foram registrados 11 casos em que o diagnóstico foi o de transtorno de humor e cinco de transtornos mentais. (Texto: Cristina Rosa – foto: João Sérgio / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

    • Aqui em Pernambuco a situação não é muito diferente não! E com o pior salário do país….

    • E ai Pierre, isso acontece na UFPE?

      • Boa pergunta! Na UFPE, nunca ouvi falar.

  • Sobre educação vale a pena ler a reportagem da edição nº 1015 da Revista Exame sobre o Economista Ricardo Paes de Barros do IPEA, considerado o maior especialista brasileiro em políticas públicas, trabalha na elaboração de um programa social voltado para crianças de até 5 anos (o futuro).

    O cara é bom !!!

  • .
    Nas nossas escolas públicas, o aluno passa 10 anos e não aprende nada??Pq n encurtar esse tempo?/ironic

  • tenho 17anos e falto concluir apenas o 2 e 3 ano do ensino medio,e eu gostaria de saber se posso concluir esse dois anos atraves do supletivo?e quanto custa,e aonde se localiza aqui em recife?obg.

  • Isso é o famoso “GEITINHO BRASILEIRO”…

  • como faço pra fazer um curso desse
    e quanto e o valor

    • gostaria de saber o preço do curso

  • gostaria de saber se essa prova para ficha 19 vale-ra para comcursos publicos aguardando resposta obg

  • Já estudei na IBGM, é muito pécima aquela faculdade, é uma fábrica de jogar maus profissionais no mrcado. Só aguentei ficar ali por 6 meses

    • estou vendo que você não aprendeu nada nessa IBGE, escrever “péCima” foi a maior das suas burrices…

  • Quero obter melhores informaçõe de curssos

  • Eu quero uma ajuda não consigo estudar não tenho tempo essa prova nesse supletivo seria minha salvação alguem me ajude jrcorumba.mj@gmail.com

  • hoje precisamos de uma educação eficaz, que dê oportunidades para todos. infelizmente os políticos só pensa em roubar e levar vantagens do cargo que assumem. os pobres não tem estudo e os ricos pensam que tem. cada dia que passa o ensino médio fica mais pobre nas salas de aula. essa é a verdade.

  • tem cara que chega na faculdade e não sabe nem escrever direito. e olhe que se formou em faculdade de respeito. passei quase duas semanas andando de farmácia em farmácia para descobrir o que o cara tinha receitado. ele trocou o S por Z, E ainda tivemos a dificuldade para entender a letra do cara. imagina a letra do tal doutor!!!!!.

  • como posso fazer as provas das materia como moro em minas gerais estas provas serao feitas a distancia ou sera enviada por gentiza .todo material e valor de todo ja faço pelo a nossa regiao aqui temos que seria para nos aqui e o cesec. estou faltando apenas as materia de fisica matematica e quimica sera possivel fazer somente estas k estou faltando e complementar tudo pelo MEC desde ja agradeço obrigado aguardo retorno e tambem valores dos mesmo e boa tarde nilson

  • gostariia de saber quando comesa o supletivo em joao pessoa e en que estituiçao va acontese e si pago algo, eu estou no caso da ficha 19 eu sofri um anputaçao e tenho de troca de categoria de mariheiro para enfermeiro so que pra min concluir o curso tecnico eu terei que tira o supletivo 2ªgraus eu gostaria de saber si aqui em joao pessoa tambem e de 15 dias agurdo sua resposta.

  • EM PRAZERES… HÁ CURSOS DE 15 DIAS PREPARATÓRIO PARA PROVAS DE SUPLETIVO NA PARAÍBA…. CONTUDO, DE UMA TURMA , SÓ PASSARAM DOIS…. DAI COMPROVA-SE O DITO ACIMA: “PROPAGANDA ENGANOSA!!” NINGUÉM APRENDE EM QUINZE DIAS MATÉRIAS DE TRÊS ANOS!!!!! NUNCA É TARDE PARA ESTUDAR!!!!

  • Bom eu estou no terceiro ano do ensino médio, estou precisando de um emprego, passei na prova fui selecionada para trabalhar mais tem que ter o 2grau completo, preciso da ficha 19 em um mês, n vou parar de estudar pretendo fazer faculdade tbm. mais tenho um filho e tenho q arruma um emprego. e nem por isso penso em deixar de estudar pq quero a ficha 19.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação às punições de corruptos...

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia


  • “O homem de bem é um cadáver mal informado. Não sabe que morreu.”
    Nelson Rodrigues.

ARQUIVO

abril 2014
S T Q Q S S D
« set    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).