Salário de Professor Adjunto 1 por R$ 12.197,45 na particular

jun 21, 2012 by     120 Comentários    Postado em: Educação

salario

Tenho falado bastante sobre a desvalorização salarial dos professores nas universidades federais. inclusive apresentei um estudo mostrando que hoje um professor com doutorado recebe inicialmente menos do que no ano de 1998, durante o Governo FHC.

De lá para cá, as carreiras foram progressivamente se recolocando no Governo Federal, à exceção dos professores universitários.

Para termos uma ideia, um pesquisador do IPEA com doutorado entrava ganhando R$ 300 a menos que um Professor Federal, e hoje entra ganhando R$ 5 mil a mais.

Será que essa desvalorização do conhecimento é geral na carreira de professor?

Em outras palavras, será que na inicitiva privada se pagaria menos que isso?

Para começar, é difícil falar em iniciativa privada nestes casos porque praticamente não há pós-graduações e pesquisa em instituições privadas. Apenas alguns poucos casos.

Podemos citar 4 deles: a PUC-Rio, a FGV, o Insper (antigo Ibmec-SP) e a Mackenzie-SP.

Falar da PUC-Rio é até covardia, porque tem hoje a melhor nota média das pós-graduações no Brasil. A FGV ainda consegue pagar melhor. O Insper também poderia ser um caso à parte, já que tem uma lógica muito própria de mercado. Mas nos três casos o menor salário pago a um Doutor em 40 horas semanais é de R$ 15 mil, incluindo aí alguns ganhos com pós-graduações pagas.

Vamos falar especificamente da Mackenzie, que é uma instituição que possui graduação e pós-graduação, tem como meta melhorar sua imagem com publicações, em situação bastante semelhante a uma Universidade Federal de razoável reputação. A Mackenzie não tem fama de ser pagadora de salários altos. Tem uma pós-graduação com nota 5 na Capes (igual a UFPE) na área de Administração.

Está aberta uma seleção para Professor na minha área (Finanças), exigindo-se o Doutorado, para ser Professor Adjunto.

Salário inicial? R$ 12.197,45

Só para efeitos de comparação, nas Ifes é de R$ 7.333,00.

Você pode pensar…nas federais se trabalha muito menos, já que o professor apenas faz pesquisa e pega duas ou três turmas turmas, além de participar de algumas outras atividades.

Vejamos o que diz o Item 1 da Seleção da Mackenzie, sobre as condições de trabalho.

O candidato aprovado será contratado  en regime de 40 horas semanais, na categoria de  Professor Adjunto I, para dedicar-se a tarefas de docência na Graduação (4 horas) e na Pós-Graduação Strito Sensu (4 horas), às atividades de orientação, pesquisa vinculada ao núcleo de pesquisa da respectiva linha, extensão, trabalhos administrativos eventuais e à participação de reuniões colegiadas.

Isso mesmo, já especificam que ele vai dar uma turma de graduação, uma de pós, e fazer pesquisa. Algo muito parecido com os contratos das Ifes.

E sem Dedicação Exclusiva. nada impede que o professor faça uma pesquisa externa ou mesmo uma consultoria.

Pode-se pensar que nas federais outros benefícios seriam oferecidos, como a aposentadoria integral, mas isso já acabou. Os que entrarem agora entrarão em um serviço de previdência complementar.

Mas aí o Item 3 fala disso:

Os professores selecionados serão contratados com base na CLT, como Professor Adjunto I, com o salário de R$ 12.197,45. Além do salário e benefícios usuais o funcionário pode optar  por uma previdência privada. Para suporte à pesquisa a Instituição conta com o apoio financeiro do Fundo Mackenzie de Pesquisa.

A Instituição está também pagando uma previdência complementar e o principal: ajuda com apoio financeiro a pesquisa. Isso proporciona ao pesquisador se incluir em grupos internacionais, ao dispor de recursos para passagens e outras despesas. Estes recursos são ridicularmente distribuídos nas Ifes. No caso da UFPE, a última vez que pedi dinheiro para apresentar um trabalho no exterior me deram R$ 300,00 que me neguei a receber.

Na PUC-Rio, onde estudei, paga-se ao Professor até R$ 10 mil por um trabalho publicado em uma revista no Brasil. O valor é maior se for no exterior. Nos últimos anos publiquei aproximadamente 30 artigos, muitos apresentados no exterior, e o máximo que a UFPE me ofereceu foram os R$ 300,00. Como estudante de Doutorado da PUC-Rio apresentei trabalho na Rússia, Suécia, EUA e Chile, financiados pela Universidade carioca, que tinha em mente que isso era importante para sua imagem.

Por que não tento ir para lá ou para a Mackenzie?

Já me perguntei isso várias vezes e a única resposta que encontrei é porque gosto da UFPE e do Recife, onde estão minha família e amigos.

E se você pensa que esta seleção da Mackenzie será concorridíssima, está enganado. Não tem muita gente disponível nessa área. No Brasil não passa de 100 pessoas com Doutorado que publicam em finanças. Muitos foram para os bancos (os meus amigos de Doutorado).

Isso tudo foi apenas para mostrar como a defasagem salarial do professor universitário é real.

E olha que lá na Mackenzie (foto acima) não vou precisar cuidar de burocracia para progressão, e muito menos ouvir meus alunos reclamarem que nem papel higiênico há no banheiro.

120 Comentários + Add Comentário

  • Infelizmente a matéria não me surpreendeu, o pior é escutar pessoas falando que professor universitário não faz nada (já escutei isso no tribunal!!!)

    • Tá achando ruim,então pede exoneração da federal e vai trabalhar numa universidade particular.

      • E tu acha que essa galera quer perder a “estabilidade”?

        • OI seu “Zé” ruela !!!
          Vc deve ser esses que vivem de bolsa do governo federal né vai pescar seu improdutivo nao vem querer viver do meus impostoso nao seu inutil improdutivo….

      • hj em diaas pessoas nao sabem oq falar e oq deixam de falar ne eu pretendo seguir a docencia universitaria pois em certas regioes do mundo o professor pode ate nao ser valorizado pelo aluno mas pode ser valorizado pela remuneração salarial pois quanto mais investimento maior seria a remuneraçao de profs que qrem um opurtunidade de salario melhor ou seja se houvesse disputas justiça eu aposto que vc passaria pra mais no seu lerite

        • Aconselho aprender a escrever primeiro!

        • Para seguir carreira acadêmica sugiro aprender coisas do fundamental, a principio Ortografia e Gramatica Portuguesa. Abraços!!!

        • Pra quem pretende seguir a “docência universitária” você ainda tem muito o que aprender…começa pela gramatica, acredite vai te fazer bem e independente do que você resolva ser, um bom vocabulário será necessário. ah só pra lembrar, tanto a correta grafia como o bom expressar você conseguirá com além da tua boa vontade, com um ótimo professor, porque teu caso de ignorância é grave kkkkk

  • Vai “timbora” e visita sempre o Recife.

    Se nao der certo, a UFPE vai estar de braços abertos pra te receber… custa nada tentar…

    Pior é ficar dando murro em ponta de faca achando que vai melhorar alguma coisa na federal.

    • Num país que não valoriza o estudo (pelo contrário,tenta desqualificar quem estuda de fato) a tendencia é piorar!!!!

    • O cara estuda mercado, e não cai na real. Profissional valorizado deve ganhar mais. E se alguém paga, pe porque precisa. Simples assim.
      Pelo menos em uma esfera o poder público não paga milhares a mais que a privada. Infelizmente, é a do professor.

    • tem total razão, Raphael.
      Ou então continue a enxugar gelo.

    • É “universidade pública, ame-a ou deixe-a” agora?

      • Se dependesse de certos comentaristas a revolução industrial nunca teria acontecido.
        A luta por direitos nunca haveria existido.

        E as mulheres deles ainda seriam propriedades que eles entregariam na primeira noite ao senhor feudal.

  • Com a diferença do salário acho que dava pra vir no Recife umas duas vezes por mês, não? rsrsrs

  • Pierre, fica por aqui porque um dia tudo isso vai melhorar! Esse negócio de salário, remuneração é muito relativo, pois nunca na estória desse país se investiu tanto em educação, os companheiros do PT daqui a pouco vão dobrar o sálario dos professores…. agora ACORDAA! Sai desse lixo aqui e vai pra lugares que valorizem teu trabalho, se não gostar volta.

  • O mais engraçado de uma nota como essa não é a trágica comparação entre as grandes instituições privadas do sucedeste com a realidade das Universidades Federais, mas sim o fato desse assunto ser publicado em um veículo cujo dono é também gestor de um dos maiores grupos particulares de educação do Nordeste e cuja remuneração é uma das mais baixas do mercado….

  • Caro Sr. Pierre,
    Estais reclamando no lugar certo? Reclamando do salário defasado da UFPE no site de um senhor que é dono de uma das faculdade com menor remunração para os seus professores?! Janguiê gasta mais com o banho e tosa dos seus animais de estimação (não que nao mereça bons tratos) do que com os salarios de seus professores. Boa sorte!

  • Pierre, prepara o seu curriculo e felicidades para você.

    Sugiro procurar casa na região da Vila Madalena, muito boa de se morar e dá para ir de Metrô até a Mackenzie.

  • Complementando, Pierre, quanto aos R$ 300,00 que você negou a aceitar, seria bom você repensar.

    Tem o Lar do Neném, Abrigos, Hospital do Câncer, Imip, inúmeras instituições onde estes R$ 300,00 que você esnobou iria fazer uma graaaaaaaaaaaaaaaaaaaaande diferença.

    Reflita.

    Felicidades para ti, seja amargurado, vivendo em Recife liso, perto da UFPE que você gosta e dos seus familiares, ou com R$R$R$R$R$R$R$R$R$ na sua conta do Santander e abrindo a cabeça e expandindo seus horizontes para o futuro.

    Abraços,

    Dalto

    • Sem tem um lugar onde esses 300 não fariam falta seria o IMIP.

      • O fato de os R$ 300,00 fazerem falta em algum lugar não quer dizer que Pierre poderia pegá-lo para doar. É dinheiro público e deve cumprir a destinação que justificou seu dispêndio.

        • Ok, então ele poderia reverter para a própria UFPE comprando livros para a Biblioteca Central, que tal ?

  • Como eu já havia falado antes, na outra reportagem “minha vida, minha greve”, se quer um melhor salário, que vá para a iniciativa privada. Cada um sabe o que é melhor para si, o problema de grande parte das pessoas do Brasil é que a maioria não tem qualificação e nem atitude para buscar um bom emprego na iniciativa privada, por isso sonham com um emprego público.

    • Porque chegar em um emprego público é fácil, não é?

      Agora, pela opinião de alguns, parece que o povo esta saindo da escola sem ter tido uma aulinha de história sequer…

  • A pergunta que não quer calar: o que estas esperando ?
    Falando sério, os professores nas federais, com rarissimas excecoes, são péssimos educadores, algo intolerável nas particulares! Os federais são pernósticos e soberbos, protegendo sua casta, a despeito da verdadeira educação. Felizmente, temos uma presidente q privilegia o setor produtivo, com resultados efetivos! Ganhar dinheiro sem trabalhar, e por trabalho não entenda comparecer, tem outro nome.

    • Em tempo , em que outro lugar um professor pode enviar seus filhos pra fazer mestrado e doutorado no exterior com bolsa do governo e ainda voltar e ser aprovado num “concurso” isento feito sob medida? Onde?Onde? Fora outras mamatas q prefiro calar, pq tenho mais vergonha dos que la estao. Desafio os prof. a colocarem os cargos a disposicao, como fizeram os medicos, por causa desse ultrajante salario de 7mil. ..sem gratificacoes.

      • Dulce, não se pode generalizar assim. Nem todos os professores federais tem os privilégios de alguns poucos. E isso, acredite também ocorre em alguns empregos privados:-(((

        • Sem contar que a presidente não privilegia produção porra nenhuma. Fosse assim não encheria seus ministérios de parasitas que estão lá por politicagem.

    • Existem 4 Universidades Particulares Tops que pagam bons salários, parece até brincadeira dizer que cerca de 60 universidades federais (as quais possuem um ensino terrível, pense numa decepção que são a maioria dos professores) devem pagar o mesmo que 4 tops! Fora o fato de que no outro dia o professor da particular pode ta na rua, ja o da UFPE, falta uma vez na semana, só passa seminário e trabalho, da 20h das 60h e ainda reclama do salário! O jeito de se melhorar o ensino nas Federais não é pagando mais, é pagando menos para quem não merce. OK, bons professores como Pierre acabam prejudicados, mas é uma minoria tão grande que a gente se pergunta o que ainda fazem na UFPE, a estabilidade no emprego realmente é um fator diferencial para muita gente).

      • Então, meu caro, seguindo seu raciocínio é melhor fechar todas as universidades federais.
        E deixar desamparados muitos carentes esforçados que lá estudam.

    • Se os professores da Federal fossem tão ruins as BOAS particulares não estariam atrás deles qdo eles se aposentam… Repetem tanto q os professores d aFederal são ruins q algumas pessoas acabam acreditando..será q repetindo q a Federal é ruim o vestibular passa a ser menos concorrido?

      • O vestibular da federal é mais concorrido não porque ela é boa, mas porque ela é gratuita !!!

  • Nao é que o UFPE está pagando pouco, sao os outros estao pagamendo muito. 5.000 mil é um bom salário. Muitos profissionais com metrado nao ganham isso em varias áreas.

  • “Você está publicando comentários rápido demais. Mais devagar.” O que é isso ! Essa mensagem aparece quando eu tento “postar” alguma coisa.

  • Se voce nao quer tentar, é porque não precisa.

  • Vá ensinar em uma universidade particular, meu caro. Simples!

    Nesse mesmo blog já se defendeu que o serviço público paga demais e que tira “talentos” da iniciativa privada, que é mais produtiva e eficiente. Que “mentes brilhantes” são perdidas por causa dessa “discrepância”. Seguindo este mesmo raciocínio, o mercado está do jeito ideal – serviço público pagando mal, pior que a iniciativa privada. Ah, mas como é o bolso do próprio autor que esta em questão, o pensamento pode ser esquizofrênico, seletivo.

    Que tal, como fazem por aí, fazer uma média com salários de todos os professores das particulares para provar que a IFES pagam bem demais!? E olhe que nem estou sugerindo fazer como já vi por aí, por exemplo, uma média misturando todos os professores do país pra se conseguir um número ainda mais escandaloso, mostrando o “absurdo” que é o salário no serviço público.

    • Eu também gostaria que o Professor fizesse o seu comentário considerando isto. Ele está na UFPE, no Nordeste, e se pauta em três ou quatro grandes universidades particulares do Sudeste para fazer as suas comparações! Me desculpe Professor, mas o seu texto é tosco e sem fundamento nenhum, haja vista não considerar a realidade geral!

  • Pierre cita uma ou outra universidade particular de ponta pra querer nos convencer que as universidades federais pagam menos do que as particulares.

    Ele quer transformar as poucas exceções em regra.

    A verdade é uma só: na imensa maioria dos casos, as IFES pagam bem melhor do que as particulares.

  • Pierre, na boa, DUVIDO que vais largar a UFPE pra ir pra São Paulo.

    Apesar da esculhambação, aqui tem a vantagem da estabilidade. É aquela história: é uma merda mas pelo menos é garantido. Essa é a mentalidade de 99% dos servidores públicos brasileiros. Dá pra passar o resto da vida coçando saco sem se preocupar com demissão, como todo bom servidor adora fazer.

    O pessoal do serviço público fica falando que a iniciativa privada é melhor, que é isso, que é aquilo, mas NINGUÉM quer largar a moleza. Até o presidente do STF já meteu o pau no salário “injusto” de juízes federais mas ele mesmo não larga a mamata. Se ele é tão competente e tá achando o STF tão ruim, por que não pede demissão e monta um escritório de advocacia? Garanto que com a competência dele vai ser fácil ganhar milhões por mês.

    Como dizia meu avô: a melhor coisa que tem é reclamar da árvore mas não querer largar o galho.

    As oportunidades estão aí. Se tá achando que o serviço público o trata mal, pule fora. Lembre-se que o Brasil hoje é uma mega potência e que as oportunidades aqui estão melhores do que na Europa e nos EUA.

    • +1 procê!
      É assim que penso tb.

  • Vamos admitir, Pierre: você não quer ir pra Mackenzie ou pra PUC porque lá você pode ser demitido se o bicho pegar.

    E porque daqui a uns aninhos seu salário de professor de IFES vai pular pra mais de R$ 11 mil como professor associado.

    • Não, Martins.

      Pierre quer um cargo comissionado na gestão de Raul Henry na Prefeitura, caso o filhote de Jarbas seja eleito.

    • Martins
      Para a Mackenzie não porque não voltaria a morar em SP.

      • E pra PUC-RJ?

        • Essa eu penso, quando abrir vaga para minha área.

        • Então já vá estudando, Pierre.

        • Quando entrar na PUC, lembre de manter o blog em funcionamento!!!

  • Salvo rarísssimas exceções, os professores da federal gostam mesmo é de moleza. Muitos odeiam dar aula e orientar os alunos. E muitos nem lá vão, só se preocupam com suas atividades fora da universidade que são muito mais rentáveis. Compromisso ZERO. Isso pra não falar da habitual soberba, prepotência, arrogância e esnobismo dos tais. E os que são famosos são piores ainda. Se acham verdadeiros galãs da novela das 8 da globo. Praticamente não pisam no chão. Muitos ali não apenas se acham, mas tem certeza que são Deuses. Dá até pra considerar a UFPE um verdadeiro Olimpo dos Deuses.

    E isso vale para os servidores públicos em geral que gostam é de um balançar de rede. Trabalho pesado que é bom, NADA. E a sociedade que pague o preço com muito suor.

    Aí depois esse pessoal vem reclamar que fulano da iniciativa privada ganha R$ 1 milhão por mês. Ora, quer ganhar isso também? Siga os passos de fulano. Ninguém está prendendo o servidor ao órgão. Peça demissão e vá seguir os passos de fulano da iniciativa privada. Vá trabalhar 18 horas por dia e deixe de lado esse vício de querer “trabalhar” só 3 horas diárias (quando muito) numa repartição do governo. Simples assim. O que não dá é pra sociedade tá bancando sonho de princesa de servidor.

    Servidor precisa aprender a parar de reclamar e trabalhar mais. Tem muitos que passam o dia pensando num “jeitinho” de fugir do trabalho e tirar férias. Tem criatura por aí que, se brincar, prefere ficar doente em cima de uma cama a ter que trabalhar. Pelo menos dá pra tirar uma licença e poder ficar em casa vendo Ana Maria Braga fazendo bolo de manhã. É o cúmulo do comodismo e da preguiça. Aí depois vem um sujeito desses querendo fazer greve pra ganhar fortunas e ficar rico às custas do Estado.

    E esse comportamento só piora a já desgastada imagem do servidor perante a sociedade que trabalha duro e paga 5 meses por ano de imposto pra manter essa casta nababesca de barnabés e marajás.

    A turma só quer pegar o lado bom das coisas: os altos salários de executivos e altos empresários da iniciativa privada com as intermináveis regalias, folgas e malandragens do setor público.

    E o pior de tudo é que essa visão acomodada do serviço público está dominando a cabeça dos mais jovens que, por recomendação dos pais que já conhecem o riscado, procuram o caminho mais fácil e que dê menos trabalho. Isso, inclusive, já foi até tema de um excelente post de Pierre aqui no blog.

    Cada vez mais essa história de “trabalhar pouco (ou quase nada) e ganhar fortunas nas costas da sociedade” tá virando moda no país e ganhando a cabeça das pessoas.

    Uma geração que poderia estar produzindo está pensando em como diminuir o ritmo e buscando formas de trabalhar o mínimo possível e maximizar os ganhos. E o pior de tudo: com a sociedade bancando a festa.

    • Brilhante texto Helio. falou tudo que tinha que falar.

    • Desde quando R$ 5400 líquido é fortuna? Que incentivo as pessoas mais capacitadas terão pra enfrentar anos de dedicação fazendo graduação+mestrado+doutorado? Ótimo então, vamos deixar as universidades como as escolas públicas estaduais e municipais. Brasil mostra tua cara!

    • Perfeito, Hélio. Tem gente que acha que o título de doutor pendurado na parede, por si só, já trabalha pelo camarada enquanto ele está deitado na rede…

  • “Por que não tento ir para lá ou para a Mackenzie?

    Já me perguntei isso várias vezes e a única resposta que encontrei é porque gosto da UFPE e do Recife, onde estão minha família e amigos.”

    Não Pierre, o motivo é você ser masoquista mesmo! Como toda mulher de malandro apanha, sofre mas gosta.

  • [...] Salário de Professor Adjunto 1 por R$ 12.197,45 na particular [...]

  • Pierre, pede lincença sem vencimentos e vai embora…

  • Acho que saúde e educação deveriam fugir da lógica de mercado : lucro acima de tudo. Os que estão aqui defendo educação privada, são os primeiros a dar piti na escola quando o filho incompetente (pela lógica do setor privado) leva bomba (até porque, se o professor for ficar parando aula para explicar a produção dele cai) ou , num serviço de saúde privada, quando o atendimento leva 30 segundos. Oras, o médico está produzindo. Se sua consulta durar 5 minutos a produção dele cai, ao final do dia.

    Por outro lado, a UFPE e outras federais tem uma estrutura semelhante a um feudo, com muitos “deuses” privatizando departamentos em benefício próprio. Mas isso é problema de gestão.

  • Pessoal, vamos ter mais consciência. Onde o país vai parar assim? Achar que ganhar algo em torno de R$5400 líquido depois de tanta dedicação e privações fazendo graduação+mestrado+doutorado (uns 11 anos de estudo) é muito? Depois reclamam da educação no país. Sei não viu..

    • Bruno, o Brasil é um país que não valoriza mérito e estudo. Quer ganhar dinheiro no Brasil ? Entre num partido político, vire funkeiro, jogador de futebol, traficante e etc. É disso que o povo gosta. Esses aí ganham muito mais, não fazem nada de relevante em prol da população, mas a população, como uma putinha vendida, se prostra a esses. É como digo : É por isso que não pena quando tomam no rabo em corredor de hospital ,quando se fodem porque não há vaga em hospital ou quando escola cai na cabeça. Tão pouco condeno professor que ministra aula bunda ou médico que atende em 20 segundos. Nosso povinho arcaico de terceiro mundo merece isso mesmo!!!

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Sabem o quê há nesse link abaixo? Uma universidade privada dentro de uma pública, usando dessa o nome, corpo docente, a turma faturando milhões e pública ganhando… nada. Pior: esses mesmos fazem de tudo para que a graduação seja a mais reles possível para depois vender especialização aod formados.

    ===============

    http://www.mbaufpe.com.br/

  • Paga a tabela do ANDES, nas seguintes condições:
    a) Todo tem que cumprir a carga mínima de 12h/aulas na graduação;
    b) não se paga mais um centavo por cargo administrativo e o o tempo que ocupar nisso será descontada da aposentadoria como docente/
    c) acabar com todo tipo de curso pago ministrado docente DE de pública.

  • Essa estratégia de discurso saturou, professor Pierre.

    Aliás, sua argumentação justifica porque você está abaixo da curva de rendimentos: “quero ficar, mesmo ganhando pouco”, ou eu e meio blog entendeu errado?

    Prum blog de política comentada e economia traduzida, os textos estão começando a ficar menos propositivos e mais sentimentais.

  • eu quero fazer concurso pra ganhar 7 mil e depois, fazer greve para ganhar mais!

    e outra coisa, já muito se sabe que não é uma minoria que faz corpo mole naquela universidade, são praticamente todos os professores. eu disse todos.

    todo mundo diz para não tirar a maioria por conta de um pequeno grupo. Favor, façam as contas e comparem: quantos professores bons vcs tiveram?

    • Os professores que eu achava excelentes porque pegavam pesado, eram os carrascos dos demais alunos que só queriam moleza… daí ser bom professor pra maioria burra é ser condescendente…

      Pra mim uns 10% são excelentes, uns 30% são bons, 40% são ruins e 20% são péssimos…

  • E o melhor de tudo é a lógica ultracapitalista da maioria da galëre que comenta.

    Muito massa. Aceite seu salário desvalorizado ou vá simbora pra uma IES privada. Nem invente de lutar ou pelo menos opinar contra isso.
    Aliás, que desvalorizado o quê? Acha ruim receber um salário que é uma fração daquilo que a turma do MCTI ganha? Um salário que exige malabarismos pra um professor doutor de Lattes comprido viver bem?

    É a grande solução que a galëre dá pros professores: aceitar ou deixar de ser professor.

    Jeniau.

    • E esqueci de dizer: pra mesma galëre, a única coisa que importa no exercício da profissão é o dinheiro. Que se dane vocação, gostar de trabalhar naquilo, gostar do lugar de onde mora, não poder se separar de família e amig@s… O melhor não é lutar pela dignificação da profissão docente, e sim cada um dar seu jeitinho, ora deixando as pessoas e lugares queridos pra trás e trabalhando a 2000km de todos, ora dando uma banana à vocação e aceitando um trabalho que pode torná-lo infeliz por toda a vida apesar da remuneração.

      • Pois é, parece que ninguém estudou história e acha que não estar sendo açoitado no serviço foi produto de mágica.

  • Pierre, é impressão minha, bug do blog ou meu coment caiu na caixa de spam?

  • A HISTÓRIA QUE QUASE NENHUM DOCENTE DE PÚBLICA CONTA. EM ALGUNS CASOS, SE CONTAR SERÁ PERSEGUIDO IMPLACAVELMENTE E O QUE SÓ TIROU DIPLOMA POR PROCESSOS SAFADOS NUNCA SOUBE

    Quando custa uma universidade pública? Cerca de 15 bilhões. R$ 5 bi é com infraestrutura:tudo da aluno carente precisa (alojamento, comida livro e bolsa), residencial para docente e funcionários, biblioteca de qualidade,etc. Os outros R$ 10 bi é para ser aplicado na rede básica para produzir o que universidade prescinde para ter o mínimo de qualidade, e disso nem preciso dizer que a maior parte é para pagar salário docente.

    As nossas universidades públicas começaram com JK, o qual fundou 10. Quanto gastou por isso? PRATICAMENTE NADA. O que fez foi juntar alguns núcleos cursos isolados num pacote e se deu o nome de universidade. E na maioria dos casos, designou terreno conseguido por doação (coisa que até turma de construtora entrou alegremente) para ser o campus. Obviamente todos os terrenos ¨doados¨ exigiram gastos fabulosos só com fundações, como a história mostra. E enquanto não, continuariam funcionando nos mesmos prédios de sempre e em alguns casos em espaço cedido da rede pública. E tudo SEM GASTAR UM CENTAVO A MAIS COM REDE PÚBLICA DE ENSINO BÁSICO.

    Por que a classe docente superior deixou tudo isso acontecer sem um suspiro de protesto? Em tais criação de universidade tinha um presente maravilhosos para todos: os cargos administrativos seriam ocupados por esses ganhando extra. Porquanto, deixaria sala de aula, espaço lúgubre, mal cheiroso e cheio de aluno com as piores deficiências, sem perder um centavo e as benesses da carreira docente, mais extras com possibilidade de ir até ao infinito. Fora os ganhos políticos dos mais importantes.
    (Cont)

    Veio a ditadura e precisa atuar nesse quadro por haver um inimigo feroz: estudante de nível superior. Era preciso levantar bilhões para fazer os campi universitários. E nem isso queriam, as construtoras com sempre estavam na jogada, mas que fosse cidade universitária: Tinha que ser coisa tão inóspita para pobre que mesmo que fosse só para ir uma aula para seguinte precisaria ter carro.
    A turma delfiniana entrou em campo para conseguir fábulas via empréstimos internacionais MEC/USAID. Como há certas coisas que provocam vergonhas mesmo em facínoras, precisar explicar como gastar bilhões com curso superior sem ensino básico, educação para o povo. Eis que entra em cena o MOBRAL. E ficou assim: dos bilhões vindo se gasta centavos com educação para o pouco e os demais com construtoras para fazer cidades universitárias.

    Construída essas cidades universitárias, uma enormidade de problemas surgiram e um era gritantes: como conseguir docente para tanto, havendo dois subtraendo: mais cargos administrativos e.. alguns indesejáveis que precisavam perseguir e demitir. A grosso modo resolveram isso delegando ao general que cuidada da universidade pública (toda essa tinha gabinete comando por gente do serviço de informação, sendo reitor apenas boneco de figuração) . Esse passou nomear como docente tudo quanto era escória social e com mais gosto quanto mais escória fosse (O CONCURSO ERA FAJUTICE, SALVO EXCEÇÕES, MAS ESSAS O GENERAL TENTAVA POR TODOS OS MEIOS EVITAR A NOMEAÇÃO ). Precisava até que o sujeito se fingisse de esquerda para fazer relato e denunciar ao general e não só, aluno, como todo e qualquer. Alguns aproveitaram, já que desejava que general nomeasse esposa/amante, parente, amigo, etc para vaga, para delatar docente. E alguns casos, para o sujeito tomar fugir, bastava esse colocar bilhetinho por baixo da porta do gabinete do docente, dizendo-se amigo anônimo e que estava sabendo que o general desconfiava que esse era comunista.

    Veio do tempo dito de redemocratização: a primeira providência foi tocarem fogo em todos os arquivos do general, alguns foram pelo fato do general cumprir o prometido, e com um prêmio: EFETIVAÇÃO DE TODOS SEM CONCURSO. E um dado: a quantidade de cargos administrativos estava estagnada. Para tanto, criaram a figura dos campi para o interior, na imensa maioria nada além de escola pública cedida pelos municípios. Esse precisava ter curso superior para diplomar docente que prestasse e tendo sem prestar, de onde viria aluno para fazer curso superior? Como o que interessa mesmo era o cargos administrativos, isso era questão para safado colocar.

    O governo Lula fez tal qual JK, com alguns adendos próprios e com algumas atualizações exigidas pelo tempo e nada mais.

  • Dilma, coloca os salários dos barnabés na internet!!! Ah, Dilma, coloca também quanto nós gastamos para formar cada um deles. Ah, coloca também a produção de cada um, comparando, se possível, com os professores das universidades privadas top.

    Deve ganhar bem quem produz muito. Produzir muito não é encher linguiça!!!

    • O que é produzir na educação e na saúde ??? Na saúde seria consulta médica de 30 segundos para o médico ter 200 atendimentos na planilha para mostrar a direção ao fim do expediente e assim ganhar mais com sua produção ???? Na educação seria ensinar 30 turmas em um dia, com aulas mecânicas ou seria produção de piplomas em escala para analfabetos funcionais, como ocorre na maioria das faculdades particulares ????
      É preciso tomar cuidado quando se fala em “produção” nessas áreas. O futuro do brasil depende disso.
      Ou incrementamos QUALIDADE (e isso inclui, obviamente, punir os professores voadores das federais) na saúde e educação PUBLICAS ou nunca sairemos do terceiro mundo.

      • Alexsandro, tem que ser definido indicadores de modo que possamos aferir a produtividade em qualquer área. O que não pode é deixar solto… Se deixarmos os barnabés soltos, sem controle externo o resultado já é conhecido: o Brasil!!!

  • O seu texto mostra justamente que o professor universitário no Brasil não é tão mal pago. É só perceber que você teve que ir para fora do Recife. Elegeu as quatro principais faculdades da sua área. E mesmo assim uma oportunidade com diferença salarial não era suficiente para lhe fazer tomar uma decisão. O problema maior é que tem carreiras privilegiadas no serviço público brasileiro que facilitam as comparações grotescas. Mas também é importante fazer a comparação com o Piso Nacional da Categoria, por exemplo. Não adianta ficar falando dos marajás.

    • Auditor fiscal do trabalho – nível superior (não exige nenhuma pós-graduação) – salário inicial de R$13.904,00.

      Daí você tira suas conclusões.

      • Auditor lida com milhões de reais e com responsabilidades MUITO maiores. Quem quer salário para auditor estuda para passar para auditor, o qual por sinal é um concurso infinitamente mais difícil.

        • Bem, se tua visão de responsabilidade é essa, então tem razão de o Brasil ter o nível de educação tão baixo…

        • Ser auditor nunca foi nem nunca será mais difícil do que ser professor universitário com doutorado, claro, se o concurso para ambos não tiver panelinha ou fraude…

          E essa visão de responsabilidade e ou honestidade está um tanto distorcida…

        • Tenho muitas dúvidas quanto obter um doutorado hoje em dia ser mais difícil que passar para auditor federal. Principalmente em ciências sociais aplicadas.

        • Auditor Fiscal gera renda direta para o Estado.

        • Aposto que o médico que está operando um baleado nesse momento recebe bem menos que o auditor.
          Vai dizer que a função de auditor é mais importante ???

        • Meus amigos, um camarada que passa 3 anos decorando e indo assiduamente a cursinhos para decorar mais ainda, após a aprovação no concurso DECOREBA não se torna automaticamente um gẽnio. Vamos ter sobriedade.

          Da mesma forma que um doutorando, logo após defender sua tese não se torna automaticamente um gênio. Neste caso, a chance de uma seleção fraudada para selecionar no mestrado e doutorado é até maior, pois todos sabemos do caráter patrimonialista das federais, sobretudo nos concursos para professores. Mas, há quem acredite que o título de doutor, por si só, se materializa e trabalha e produz.

          Portanto, a grosso modo, não dá para afirmar nada, aqui, em terras brasileiras, pois é um dos poucos lugares no mundo onde não se valoriza o TRABALHO. Pelo contrário, se valoriza a burocracia, a politicagem, o patrimonialismo, o filhotismo, a vitalicidade nas tetas públicas. Ou seja, ainda somos o paraíso dos barnabés com sua burocracia cega cheia de formalismos.

  • E como usou uma exceçao para exemplificar que paga ruim, vou usar uma quase outra para provar que paga muito além do merecido.
    ===========

    ENTIDADE FAZ CURSO COM CONDENADO POR PLÁGIO
    http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=78939
    http://www.rc.unesp.br/ib/dta/Portarias2008/Pt025-2008.doc

    http://cienciabrasil.blogspot.com/2011/07/um-recado-que-acabo-de-receber-de-um.html

  • Se estão insatisfeitos devem ir procurar outro emprego!!!!

    Afinal, desde quando este país quer ter bons professores na universidade?? Desde quando educação é importante no Brasil???

  • Pois é Pierre, parece que muitos comentaristas não entenderam o que você quis problematizar… A questão não é deixar o serviço público, estamos falando de uma profissão que para a maioria é um sacerdócio (assim como o médico, e o professorado em geral), mas da disparidade absurda de remuneração. Conheço pessoas na entidade que trabalho que não sabem tirar sequer um cópia numa máquina reprográfica e ganham quase o que um Prof. Doutor ganha. Por mais que haja professores que não honram seu título de “servidor público”, não há motivo para que uma carreira tão importante para o país ganhe BEM menos que um auditor ou um gestor público, por exemplo.

  • Particulamente acho ridiculo ks argumentos extremistas. O professor ganha pouco?? GANHA! Foi escolha dele? FOI! Se quiser ser rico nao srja prof universitario. Mas ao mesmo tempo eu cncordo q oq reclamamos (tb sou prof) nao é somente o salario baixo mas o não acompanhamento do aumento do mesmo comparado aos demais. Eu sempre acho q no setor publico deveria existir a politica de incentivos como no privado. Seu salario é X , mas pode aumentar com a produção. Ai sim iriamos diferenciar os bons dos “moles”.

  • O que acho desse seu post?
    Mais um exemplo da arrogância da pseudo-elite-dita-classe-média nacional.
    Pontos principais:

    1. O Brasil é um país desigual. Um dado levantado (posso passar a referência depois do livro, não tenho de cabeça), mostrava que a diferença salarial entre o 20% mais ricos e os 20% mais pobres é de 5 vezes na Europa, 15 vezes nos EEUU e 25 vezes no Brasil. Sabo que isso quer dizer caro Pierre? Se você trabalhasse em um país com justiça social, você (professor-doutor universitário) ganharia 10.000 e sua empregada doméstica 2.000. Mas aí você não poderia pagar empregada doméstica! Ah, e um professor de escola primária ganharia uns 4.000, e pelo custo que seria a escola o seu filho teria que estudar em uma escola pública (já imagino que você vai dizer “se a escola pública fosse boa” … podemos retomar essa parte depois).

    2. O serviço público e impostos não servem para promover desigualdade e sim para prover IGUALDADE DE OPORTUNIDADES. Só colocando, isso não é socialismo e sim liberalismo. Dê uma olhada learnliberty.org. Um das aulas defende claramente programas como o bolsa-família ou de educação pública. Isso leva a igualdade de oportunidades. E como mais pessoas com oportunidades mais apareceram pessoas para se sobresair! Logo, não acho correto meus impostos promoverem desigualdade (“Eu” pagar para você 13.000 e pagar 600 para alguém da limpeza e achar isso normal). Em um ambiente de igualdade de oportunidades os melhores irão se destacar no setor privado, e não serem submetidos a subempregos devido a uma alta carga tributária recolhida (deixando mais dinheiro gerenciado pelo estado e menos pelas pessoas/empresas) e esse dinheiro levar à promoção da desigualdade social.

    3. Minha única preocupação é porque Dilma pensa igual a mim. Toma atitudes com esse princípios. Mas são atitudes pontuias e não reformas estruturais de uma “verdadeira líder” o que está levanda a população (você inclusive) a não entenderem o que é esse novo projeto de Brasil!

    Manoel

  • Um bando de jacarés da UFPA acabam de virar bolsa. Para os pobres há greve, mas para docente ganhar extra e até presentear amante com bolsa de couro de jacaré do alabama, greve nunca houve.
    ========

    Parfor dá início a mais uma etapa de atividades
    http://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=6285

  • Rapaz, dizer que o professor da PUC-RIo como doutorado ganha no mínimo 15 mil é uma tremenda mentira. O bruto é menos da metade disto!!!!
    Abraço

  • Sim meu amigo então vou largar a medicina e cursar biblioteconomia e arquivologia e fazer mestrado e doutorado assim ganharei mais do que ganho em um PSF que é pouco mais que 6 mil, existem burros funcionais que se formam em merdas de graduações e fazem doutorados de merda criando teses inúteis e ganham mais que médicos, BRASIL MOSTRA A TUA CARA!

    • Deprimente, muito deprimente seu comentário.

  • Quantas pessoas no país conseguem atingir no final de sua vida profissional salários como estes? Quase ninguém!! Esta história de não se transferir para uma faculdade particular por gostar da UFPE não cola. O que não querem é perder os benefícios…..

  • Quem disse que os salários são iguais para todas as áreas? Melhor se informar!

  • Salário inicial de um doutor na PUC/RJ, metade do que foi comentado no texto acima…

    http://economia.ig.com.br/carreiras/pucrio+abre+duas+vagas+para+professordoutor+em+fisica/n1300084916986.html

  • Pelos comentários dá para ver como o brasileiro “valoriza” a educação: Sem salários competitivos não temos bons professores, sem bons professores não existem bons profissionais, sem bons profissionais não existe competitividade, sem competitividade adeus mercado, adeus renda, emprego….

    Diferente de algumas ilhas de excelência limitadas a São Paulo, Rio e alguma coisa em Brasília, fora dos muros das universidades federais o resto do Brasil se limita a um monte de faculdades particulares de 3ª linha, que pouco contribuem para a ciência e desenvolvimento do mercado. Por exemplo, quem confia em um médico formado por uma dessas instituições?

    Sem valorizar nossos professores (e seu direito de greve) não iremos para frente.

    Que os professores continuem na greve e consigam seu pleito, tenho certeza que meus impostos serão bem pagos com esse aumento.

  • Antes de apoiar um aumento para profissionais que ganham cerca de 13 salários mínimos e querem ganhar mais, pensamos em quem paga esses salários. São os impostos de uma população que segundo o último censo tem uma renda mensal média de R$1202,00, sendo que os mais ricos ficam com mais da metade da renda total do país.
    Professores. Será que vocês já não estão entre esses mais ricos?

  • Ah cara toma ti vergonha e para de chorar na teta do gorverno!! o ensino público está assim por que existe uns merdas como você. Vc quer ganhar dinheiro por artigo publicado??? vai se mancar na vida maneh!!!

  • perai e R$ 12 mil é pouco???? Sou Gerente Comercial rodo MG, SP e GO, para ganhar 7 mil? isto quando cumpro minhas metas… e neguinho que não tem risco nenhum reclama por ganhar quase o dobro meu??? e olha que tenho dois bacharelados no curriculo(Contabilidade e Administração) e 2 pós-graduação.

  • vai tentar fazer outra coisa na iniciativa privada pra ver se consegue salário perto disto ai, vai, pago para ver…

  • NAO ESTAO SATISFEITOS , PECAM P SAIR , A GREVE TEM QUE SER PROIBIDO PARA FUNC PUBLICOS, ISSO E UMA VERGONHA , EU COMO PUBLICO E VCS MEUS FUNCIONARIOS SE CONSIDEREM NA RUA, SALARIO MEDIO DA POPULACAO QUE PAGA SEUS SALARIOS 1.600 REAIS.BANDO DE MERCENARIOS E SANGUE SUGAS.

  • Algumas considerações de um economista…

    1. No Brasil temos uma meta de inflação com teto máximo de 6,5% ao ano (4,5% + 2%);
    2. Tradicionalmente a Inflação fica perto do teto máximo (ano passado ficou no fio da navalha com exatos 6,50%);
    3. Não sei se alguém já teve aulas básicas de economia, mas a inflação é o aumento dos preços, e diminui o poder de compra dos salários;
    4. No caso brasileiro 5 anos de inflação “come” quase metade do salário caso não haja ajuste (aumento);
    5. Funcionários Públicos diferentes de outra categoria não tem data-base, tem que ganhar a reposição da inflação (que a imprensa chama de aumento) no grito;
    6. Quando a situação chega em uma situação limite, a única alternativa que resta aos funcionários públicos é a greve, que é um direito constitucional.

    • E o que causa a inflação, hum, hum?

  • E para relativizar o que as particulares pagam… nas melhores universidades estaduais norte-americanas, o salário inicial de professor de finanças está entre U$180 e 200 mil dólares por 9 meses, mais adicional de uns 20% no verão, para uma carga de 3 cursos por ano. Enquanto isso, MBA recém formado ganha mais no Brasil que nos EUA. E nem falamos no ensino básico, onde professores de escola pública nos EUA chegam a ganhar mais de U$100 mil por ano. Só vou me convencer que educação se tornou realmente uma prioridade no Brasil quando esse cenário mudar.

  • Acho interessante ver gente afirmando que um salário de 5 mil é um bom salário, que um professor doutorado não deveria reclamar.
    Trabalho em TI, não tenho nenhuma gradução e estou acima deste valor já fazem alguns anos, e posso afirmar, é um salário baixo (percebam, não é miserável, mas é ilusão achar que isso é salário alto).
    Logo alguém aparece com uma estatística dizendo que a maioria vive com salário minimo.
    Mas não é porque a maioria do país vive com um salário de miserável que tenho que achar que o meu salário é alto, se não é.
    A elite do país não recebe salários de 5 ou 15 mil, eles tem rendimentos muito superiores a 30 mil no mês.
    Então reconhecer um doutor com rendimentos compatíveis a seu estudo e investimento não vai aumentar a desigualdade como li alguém afirmando acima, mas será um início de um acerto de contas.
    Repito, estou na área de TI com um salário acima de muito doutor deste país, e não é que eu estou ganhando muito, são os doutores que ganham pouco.
    É claro que um Governo populista vai afirmar ao contrário, mas os mesmos políticos que afirmam que um doutor ganha bem com um salário desses possuem rendimentos que superam os 70 mil no mês.
    As pessoas se acostumam com a miséria, a ponto que não percebem a situação que vivem.

  • O que vou dizer não é para nenhum comentarista em específico mas cabe a vários de vocês. Sabem o que é pior de tudo isso? sabem?? tem gente que gosta de estudar o que estuda, do curso que faz, que passou fins de semana e feriados estudando e trabalhando na universidade e saindo de lá tarde da noite, tudo isso para fazer AQUELE curriculo, e quando termina o curso e sente o ‘frio’ da verdade (Você pagou um preço alto mas não vai ter o retorno financeiro que merece) e tem que escolher entre o ruim (Subir a longa escada mestrado-doutorado pra ‘aumentar’ salario) e o pior (jogar tudo ou quase tudo que aprendeu fora e recomeçar do zero a estudar pra um concurso publico desses que começa ganhando bem mais que um professor com doutorado). Que vida é essa? é claro que parece sábia escolha ir para a 2ª opção, mas jogar 5 anos da vida fora?! Agora estou na ‘fase’em que venho procurar saber se ainda vale a pena essa carreira docente e nao tenho achado motivos pra ficar. Voces pode até dizer que há vantagens em ser prof nas federais, não nego nehuma delas. Mas nehuma delas é suficiente pra compensar todos os anos de estudo investidos por um prof doutor, e quem discorda, pra mim é minoria.

  • Parabéns pelo texto, infelizmente vemos que tudo isso é verdade, sou filho de professora PEB I, se universidades estão assim, imagine as escolas preparatórias para a vida!!

  • NOOOOSSA!!!! PARTICULARES PAGANDO TUDO ISSO???? COMO OS PROFS DAS FEDERAIS, COMO UFRJ, UFF E UERJ, QUE FORMAM OS DA PUC-RJ NÃO SAEM E VÃO PARA LÁ???? E FORA A MACKENZIE E A PUC???? O QUE SOBRA DE PARTICULARES????? UM MONTE DE LIXO!!!!
    ACHO QUE ALGUÉM ERROU NESSA REALIDADE AÍ…E ERROU FEIO….
    OUTRA COISA: OS CONCURSOS PARA PROFESSORES SÃO PLENOS DE FAVORITISMO SIM. MAS É DIFÍCIL PARA CARAMBA! É MUITO MAIS DIFÍCIL DO QUE O DE AUDITOR. ALÉM DISSO É MUITO DIFERENTE! NEM SE COMPARA…
    ACHO QUE QUEM FAZ ESSAS COMPARAÇÕES NUNCA PASSOU PERTO DO QUE SEJA UMA PROVA DESSAS.
    EU, INFELIZMENTE, JÁ FIZ VÁRIOS E SEI A DIFICULDADE QUE É! JÁ PASSEI NO DA USP, MAS BATI NA TRAVE…
    TAMBÉM ACHO A MAIOR BOBAGEM O TIPO DE COMPARAÇÃO QUE VOCÊS ESTÃO TRAÇANDO ENTRE CARREIRAS. NÃO ESQUEÇAM DE QUE O MÉDICO SE FORMA COM UM DOUTOR EM MEDICINA! E ESSE CARA TEM DE SER BEM REMUNERADO! TEM DE SER RESPEITADO!
    OUTRO COMENTÁRIO: O CARA QUE NÃO SABE O QUE É PRODUÇÃO UNIVERSITÁRIA NUNCA SENTOU NUMA BANCADA PARA DESENVOLVER INICIAÇÃO CIENTÍFICA…É , ISSO EXISTE NO BRASIL E DELA SAEM EXCELENTES TRABALHOS! INFELIZMENTE, A MAIORIA QUE ESTUDA EM PARTICULAR PASSA LONGE DISSO…NEM SABE O QUE É…
    ENFIM, UMA COISA É COMUM A NÓS TODOS: A UNIVERSIDADE PRECISA SE MOSTRAR MAIS À SOCIEDADE PARA QUE SEJA CONHECIDA E RECONHECIDA! FIQUEI ESPANTADA COM TANTO DESCONHECIMENTO. REALMENTE ACHO QUE AS FEDERAIS SE ESCONDEM DA POPULAÇÃO, QUANDO DEVERIA SER O CONTRÁRIO DISSO!!!!!

  • NÃO CONCORDO COM O COMENTÁRIO QUE PROF. UNIVERSITÁRIO RECEBE MAL, SEI QUE TODOS DEVEM TER UM AUMENTO DE SALÁRIO UMA VEZ OU OUTRA MAS OBSERVO DENTRO DA UNIVERSIDADE DE RECIFE QUE A MAIORIA DOS PROF. QUEREM RECEBER MAIS DINHEIRO SEM UMA MÃO DE OBRA QUALIFICADA, NA MAIORIA DAS VEZES SÃO IGUINORANTES QUANDO UM ALUNO PERGUNTA SOBRE ALGO, CHEGAM NA SALA DE AULA SEM PLANEJAMENTO,, SEM DIDÁTICA, SEM RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS COM OS ALUNOS MESMO ELES TENTANDO RESOLVE-LOS, FICAM COLOCANDO AS RESPONSABILIDADES DO ENSINAR NA MÃO DE ESTÁGIO…É VERDADE QUE O ESTÁGIO AJUDA MAS A UNIVERSIDADE DEVE DAR SUPORTE E BASE PARA TODOS ENCAREM O MERCADO DE TRABALHO INDEPENDENTE DE ESTÁGIO…CONCLUSÃO: PROFESSOR UNIVERSITÁRIO GANHA MUITO BEM NO BRASIL PARA QUEM ENSINA MAL!

  • É bom saber desse tipo de desvalorização do profissional da educação superior pois essa é a carreira que quero seguir. Sou doutorando e achava quer o contrário, as federais pagando melhor que as particulares, ao saber disso passo a sentir mais pena desse país.
    É um tipo de sucateamento da educação superior, mas é mais sutil do que o sucateamento de tempos anteriores.

  • E todos os professores de federais trabalham 40 horas? rsrsrsr
    Na UFRJ fiz 4 matérias sem nunca ter visto o vagabundo!
    Meritocracia é oq falta nessas públicas!
    Na PUC-RJ é pé na bunda se não produzir.
    A massa pensante do Brasil quer concurso público!!!

    VIVA O PONTO FACULTATIVO!

  • Caros, sou professor titular em uma IES privada de ponta em São Paulo em PPG minha produção trienal (2010-212) bateu quase os 800 pontos Qualis em minha área.
    Quanto entrei na IES por edital de processo seletivo, estava escrito lá que era para ser professor do PPG com atividades de apoio à graduação ou no máximo 8 horas-aula por lá. A cada semestre vão nos empurrando mais aulas na graduação. No próximo semestre (2014.1) vamos ter que ministrar 3 noites em graduação + orientação em IC + orientação de TCC + 2 dias de aulas matinais: ou seja as 8 horas iniciais do edital de contratação já estão se transformando em 32 horas na graduação (aos poucos, como o sapo na fervura) e 8 só para o PPG. onde tenho 7 orientandos (máximo 8), dou duas disciplinas, tenho projeto de pesquisa e ainda tenho que produzir (ah, e sou editor de periódico Qualis B2 na minha área).
    Então meus caros: não se iludam com a IES de ponta de SP: elas com o tempo vão te colocar no prumo ou então você “roda”. Então, fique onde está.

  • Fui bolsista na Universidade Federal Fluminense e em meados de dezembro os professores sumiam,em janeiro era uma luta para alguém aparecer e assinar o ponto, fevereiro nem pensar em julho a mesma coisa. A maioria tinha bolsa do CNPQ que quem estava nos laboratórios eram os estudantes, só ficavam desesperados em ultima hora que o CNPQ cobrava a papelada para enviar. Reclamam de barriga cheia.Tão insatisfeitos então entram na Petrobras e vão cheirar todo tipo de produto cancerígeno, trabalhar a noite e sofrer todo tipo de risco que se possa imaginar para ganhar a metade disso. Professor de faculdade particular talvez seje explorado mas de Federal, ganham muito pelo que não fazem.

  • É sem dúvida uma das discussões mais importantes a que se trava nesse blog: remuneração ou, melhor, distribuição de renda pelo trabalho. Lamento abrir os olhos daqueles que ainda não entenderam. Nessa sociedade pós burguesa o que tem valor é vender. O ensino é ato de amor e auto-realização. Para dar um testemunho: tenho 16 anos como empregado privado recebendo mais que juiz do STF. Em contrapartida não vejo meu filho que mora em outra cidade durante a semana – e não é porque sou separado. Tenho certeza que se ficar trabalhando mais 5 anos no ritmo que trabalho vou ter um AVC. Isso é geral nas multinacionais. 12/14hs de trabalho dia. Então tem de fazer escolhas. Mas ganhar muito bem, trabalhar pouco e morar na praia com sol 85% dos dias do ano é ilusão. Faça escolhas, tome sua decisão. E não responsabilize ninguém e nenhuma empresa ou governo por seu sucesso ou fracasso. Você esta onde quer estar e não adianta vir com esse discurso achando que alguém do governo vai mandar aumentar salários depois de ler a sua bem-escrita resenha.

    • Tem gente que vem aqui, depois de 2 anos de publicada a resenha, só para falar de escolhas, que ganhar mais do que o juiz do STF, e por aí vai. Não é esse o ponto aqui, e não sou eu quem vai lhe dizer qual é.

  • Gostaria que essa mesma avaliação fosse feita com os professores das particulares da cidade do Recife. Recife é uma capital onde paga péssimo aos professores das particulares. Um professor com doutorado ganha na maior particular (Nassau) em torno de 600 reais por turma. Que salário é esse ??? um vendedor de churrasco na praia ganha bem mais que isso. Vamos fazer comparações com a realidade do nosso estado ??? é muito fácil fazer comparações com realidades totalmente diferentes.

    • Rodrigo: nao sei se voce leu, mas este artigo explica claramente o motivo de terem feito a comparacao com essas particulares de Sao Paulo: “Vamos falar especificamente da Mackenzie, que é uma instituição que possui graduação e pós-graduação, tem como meta melhorar sua imagem com publicações, em situação bastante semelhante a uma Universidade Federal de razoável reputação. A Mackenzie não tem fama de ser pagadora de salários altos. Tem uma pós-graduação com nota 5 na Capes (igual a UFPE) na área de Administração.”

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação às punições de corruptos...

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia


  • “O homem de bem é um cadáver mal informado. Não sabe que morreu.”
    Nelson Rodrigues.

ARQUIVO

julho 2014
S T Q Q S S D
« set    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).