A Seleção é Neymar e mais dez. E tanto faz quem serão os dez.

jun 27, 2015 by     6 Comentários    Postado em: Esportes

Ao fim deste jogo e apresentação para lá de bisonha, resta saber o que será da Seleção Brasileira daqui prá frente.

Sinceramente, não me lembro de um time tão ruim vestindo a camisa da Seleção.

O Acerto de Contas falou algumas vezes sobre o desempenho de Dunga como treinador da seleção no passado. Sua passagem pela Copa de 2010 foi ridícula, levando muitos pernas de pau em detrimento de quem realmente jogava bola.

A CBF resolveu trazer Dunga novamente, mas neste momento ele nem é o mais culpado. Sua passagem por qualquer time só é marcada pela sua “simpatia” nas entrevistas e gafes monumentais, como a desta semana, dizendo que acha que é afrodescendente, pois gosta de apanhar.

Apesar de Dunga, é preciso reconhecer que estamos numa crise de novos talentos impressionante.

A Seleção atualmente é Neymar e mais 10. Se ele joga mal ou não joga, a Seleção vira um time da Série B.

Quem seriam os 10?

Tanto faz, não fará a menor diferença. Pode colocar Fred, Miranda, Caça-Rato…tanto faz mesmo.

Somos como Portugal, que tem apenas Cristiano Ronaldo, ou mesmo a antiga Bulgária, com Histo Stoichkov.

Claro que trazer e colocar um tal de Everton Ribeiro, cuja carreira internacional se resume ao Al-Ahli, do Dubai, já é exagerar demais, mas para quem dizia que Julio Baptista como craque, tudo é esperado. Teve uma boa passagem pelo Cruzeiro, mas só. Bateu um dos piores pênaltis da história do futebol mundial.

Se comparada a seleções de outras épocas, aí realmente precisamos chorar. Esta seleção, à exceção de um ou outro, seria toda reserva em 2002. Até Neymar seria reserva de Rivaldo ou Ronaldo.

Cheguei a lembrar de Sebastião Lazaroni, mas aí me lembrei que naquela seleção jogava Bebeto, Muller e Romário.

Esta seleção ainda fará sofrer muito….e olhe que eu torço para o Santa Cruz.

Em relação a péssima partida de hoje, além do pênalti de calcanhar de Everton Ribeiro, só podemos rir da própria desgraça, com o pênalti ridículo cometido pelo badalado Tiago Silva. Aliás, pensei que o ex-capitão iria chorar quando acabou a partida, como fez antes da disputa por pênaltis contra o Chile na Copa passada.

O pior é que ficaremos fora da Copa das Confederações pela primeira vez….e ainda não assistiremos ao “tão aguardado” duelo Messi x Robinho na semifinal.

Bem vindos a Era Dunga 2.

6 Comentários + Add Comentário

  • Pierre,

    Deixei de acreditar na Seleçao Brasileira desde 1990 quando surgiu o tal do Lazzaroni com aquela conversa enrolona de Libero e o #@#@!#0 a quatro.

    Nao tenho mais idade pra me iludir com Seleçao nao.

  • O grande problema do futebol brasileiro atual é que poucos estão enxergando os verdadeiros problemas.
    1) Estamos medíocres na formação de jogadores. Há 15 anos esse Neymar seria apenas mais um.
    2) Não há homens na seleção. Apenas moleques mimados preocupados com corte de cabelo e que entram em desespero diante de qualquer dificuldade. Basta ver o choro do Tiago Silva nas oitavas de final da Copa no Brasil. Vocês já imaginaram um Romário, Marcio Santos , Rivaldo chorando porque o jogo foi para os pênaltis ?
    3) O amadorismo reina em todas as esferas. Seja nos ridículos campeonatos promovidos pela CBF. Seja na gestão dos clubes. Seja na formação de jogadores. Há algo mais chato que ver um jogo de campeonato brasileiro ? Prefiro ver os jogos da Major League Soccer.
    4) Qual treinador brasileiro vai focar na melhora contínua e visão de longo prazo se o cara perde três jogos e é demitido ,aqui no Brasil ? Resultado : Não temos um técnico que preste. Ah, tem o Tite. Fica no chinelo se comparado com técnicos da nossa vizinha argentina.

    Ou seja, enquanto acharem que o problema é só o técnico da seleção, virão novos 7 x 1.

    • Fora a ridícula mania de carregar a bola até o gol, em vez de dar chutão. Isso funcionava 20, 30 anos atrás, hoje está manjado. Parece que não aprenderam nada com a Alemanha.

      Por isso que curto automobilismo em vez de futebol.

  • Faltou o aparelhamento político das entidades de futebol e dos clubes, desvios de dinheiro e gestão nada transparente.

    E porque não falar também nos milhões em propina a cada convocação de um jogador para seleção? Direcionamento de determinados jogadores, apenas por lobby de seus empresários, onde verdadeiros craques não tem vez?

  • Falando em técnico, os quatro técnicos semifinalistas da Copa América são argentinos…

  • Outro fator importante é que dizem que quem escala os jogadores são os cartolas e patrocinadores. O técnico seria uma marionete que distribui camisas em campo. É mais um fator que também continua atrapalhando a seleção e pelo visto nem tão cedo acabará essa prática.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

outubro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).