O Santander e seus produtos “maravilhosos”

dez 8, 2009 by     34 Comentários    Postado em: Finanças

Há três semanas, seduzido pela promoção da Peugeot, resolvi trocar meu carro, depois de 4 anos. Convencido que estava na hora, me dirigi à Concessionária, que me ofereceu o carro com um desconto, e ainda me deu taxa zero de juros.

Claro que embutiram a famosa Taxa de Contrato, que fiz questão de não pagar. No final de tudo, disse que só levaria o carro se me pagassem a famigerada taxa, no que fui atendido. Era preciso dar pelo menos a metade do valor do carro de entrada.

Ainda estou convencido que fiz um bom negócio, afinal subsidiaram a taxa de juros para mim, e o carro era o que queria há tempos.

Hoje de manhã recebi o carnê com a primeira parcela, sem problemas. Mas eis que logo depois recebo um telefonema do Banco Peugeot, me oferecendo alguns “serviços” adicionais.

Em resumo, queriam me oferecer um seguro para o pagamento das parcelas. O diálogo foi o seguinte:

- Senhor Pierre, queremos lhe oferecer um seguro para suas prestações?
- Como assim um seguro? O risco é de vocês, não meu.
- Se o senhor perder seu emprego ou ficar inválido, por exemplo.
- Não obrigado, eu sou funcionário público estável. Não perco o emprego e ainda recebo o salário em caso de invalidez.
- Mas e se o senhor morrer?
- Bom, se eu morrer, não vou precisar mesmo do carro, não é? E quem ficar com ele que trate de pagar as prestações, se é que precisa pagar.

Me despedi do funcionário, e fiquei pensando cá com meus botões: que diabos de produto bancário é esse?

Me lembrei logo do belíssimo produto do Banco Real, que promete quitar seu saldo devedor do cheque especial com metade dos juros. Isso mesmo, metade dos juros.

Tudo seria ótimo se a taxa de juros do cheque especial não fosse 180% ao ano, e metade significa 90% ao ano. E no mesmo banco tem um Crédito ao Consumidor por 44% ao ano.

Essa proposta magnífica está sendo oferecida aos clientes desde que o Santander, banco líder em reclamações no Banco Central, comprou o Banco Real no Brasil.

Aí fui verificar a origem do Banco Peugeot, e adivinhem…também é do Santander.

34 Comentários + Add Comentário

  • Eu ri…

    VAMO QUEBRA ESSA POHA!!! ENDIVIDA TUDO!

    auhuhauhauhauha

    Eu sou cliente preferencial santander, e mesmo sem “renda” tenho cheque, cartão… tu com limites estravagantes para um estudante universitáio…

  • extra.!

  • É por isso que o Banco Real está cada vez pior. Péssimo atendimento e uma tonelada de caixas quebrados. Ontem mesmo no Hiper Casa Forte, os dois estavam sem serviço. Na Guararapes são duas agências e lotadas para saque e terminais quebrados, e pertinho na Dantas Barreto também super lotado e alguns terminais quebrados, o terminal da Secretaria da Educação nem se fala, há dias quebrado. E todo o funcionalismo público é atendido por esse banco, imaginem o tamanho do problema……

    • Está uma droga mesmo! Piorou muito com a compra pelo Santander!

    • QUEM MANDOU DEIXAREM PRIVATIZAR O BANDEPE, EM PRIMEIRO LUGAR? AGORA AGUENTEM…

  • E agora, Raboni e Pierre vão comentar a lista de campeões divulgada pela CBF, atualizada com título de 2009 do Flamengo e com o Sport como campeão de 1987?

    http://www.cbf.com.br/php/campeoes.php?ct=1

    • Ih, o hexa do flamengo realmente doeu!

  • Hilário, ótimo senso de humor…

    mas o que mais me admira é que nossa requintada vida capitalista produziu a sociedade mais criativa da história: seguro para prestações…essa é boa!

  • Pierre, amigo, você não tem jeito. É carne de pescoço mesmo…

    Mudando de assunto, você viu a nota de um cartola, metido a brabo, da ilha-da-fantasia endereçada a um cidadão que faleceu em 1925??? O que o Hexacampeonato do Flamengo não faz, não é?

    Um abraço, Fernando Arruda.

  • O mesmo Santander é o banco que utilizava artistas para fazer campanhas de agiotagem jogando baixo, bem baixo…

    http://rodolfo.typepad.com/no_posso_evitar/2009/10/celebridades-em-campanha-pro-agiotagem.html

    Abraços, Rodolfo.

  • Pierre,

    esse seguro não é exclusividade do Santander. Na verdade, é oferecido por quase todos os bancos e/ou seguradoras ligadas a bancos. É conhecido como seguro prestamista e vende que nem água, principalmente pro pessoal de baixa renda.

    abs.

  • Pierre, entrou numa de seu lunga!!!

  • Pierre…relaxa meu querido…ta´de carrão novo….então tá td beleza…pior somos nós….andando de buzão !!!

  • Pierre esta correto. Nao e questao de ser chato, e sim de nao fazer papel de otario.

    • E estar no direito de não encher o bolso de banqueiro e executivo de banco fd# de BÔNUS, enquanto pra todo o resto ficam os ÔNUS de contrato, cooptação de parte da polícia e da justiça(!!!) para execução em caso de falhas no pagamento, etc. etc. etc.

  • Uma mulher vai aos correios para postar uma correspondencia e é indagada pelo atendente da seguinte maneira:
    atendedor: Sra., gostaria de fazer um seguro em caso de quebra da sua correspondência?

    mulher: não obrigado, o que tem aqui não é quebrável

    atendente: Sra., nos somos profissionais. Podemos quebrar tudo!

    • UAHHUAHUAHUAUHauhAUHHUAUHA
      ahhahahaah
      fantastico!

  • “No final de tudo, disse que só levaria o carro se me pagassem a famigerada taxa, no que fui atendido.”

    É isso mesmo?!

    Com relação ao seguro, foi o que Bruno Moura falou. Esse setor vem crescendo que é uma beleza…

    Esse teu texto me fez lembrar do OTTO:

    “Vou trocar o meu carro
    Vou trocar numa Renault
    Ou se não
    Ou senão num Peugeot”

  • Todos os bancos tem as suas artimanhas para seduzir os clientes e com isso ganhar mais $$$$$$$$$$$$$$, isto faz parte do jogo do sistema financeiro.
    É bom sempre estar atento como foi no caso do Pierre.

  • Quando li o tópico do texto de Pierre, logo pensei que o Santander estaria querendo concorrer ao “Premio Nelsinho Piquet de Responsabilidade Social”.

    Pierre, sobre financiamento de veículos seria bom se possível fazer um breve texto sobre qual a melhor forma de financiar um véiculo, se pelo Banco da Concessionária ou pelo Banco onde o interessado é correntista. Eu sei que tem um monte de “taxinha” no rodapé dos contratos (TAC, IOF, o raio que o parta), que termina sendo diluida nas prestações a perder de vista.

    Sobre estes “produtos bancários”, todo dia tem gente que se lasca nessa ondinha de seguro desemprego, seguro morte, assistencia domiciliar, etc … De centavo em centavo as instituiçoes financeiras saem no lucro. Até a Riachuelo tem essa onda agora.
    Quanto ao Banco Real, há anos deixei de ser cliente deles. Sou compulsoriamente cliente do HSBC, por causa da conta salário, que, pelo menos no Recife, a rede de agencias é super limitada, um caos.

  • Nossa muito boa a”conversa” no telefone… tento ser criativa assim, mas não consigo.

  • até compando carro Pierre tem problemas! Ohhhhhhh Cara sem sorte!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Corrigindo: comprando

  • Bicho deixa de ser chato. O banco te ofereceu um produto. Se não quer, agradece e desliga o telefone e pronto. BB chorão!!! Só quer chamar a atenção. Tolinho alesado de carro novo. Todo boçal. . . . vixe Maria!!!!!!!!!!

  • Voce cometeu duas loucuras, comprar um Peugeot e financiar pelo Santander. A isto eu chamo de um novo casamento civil.
    Passem pelo Real do Parque Amorim e vejam o caos.

  • Caro Pierre, sou funcionário da rede volkswagen, e mesmo trabalhando para rede não tenho veiculo volks, pois mesmo tendo desconto da fabrica souobrigado a usar o banco volks,sem opção mesmo, então fiz financiamneo pelo HSBC, e todo mês pago a taxa de carnê, quando reclamei e pedi que deduzissem da prestação a resposta foi essa: o senhor paga o carnê normalmente e quando terminar a ultima(60),nós abriremos uma conta corrente.(valor da taxa por folha=4,55).
    e digo mais viva ao banco central…

    • Na realidade, seria mais viável ingressar com uma ação no juizado especial cível para repetição do indébito, por que a taxa de emissão do boleto é ilegal; e, conforme o CDC, toda cobrança indevida é passível de ressarcimento em dobro. Acho que seria melhor você procurar um advogado….

  • Acho que o contrato de Pierre com o banco não teve embutido o famigerado seguro. É bom que verifique isso.

    Falo da venda casada praticada por todos os bancos, principalmente nos empréstimos consignados em folha (aqueles para os quais os funcionários públicos acabam apelando para saldarem suas dívidas. E acabam mais endividados).

    O interessante é que tudo isso tem o aval do governo estadual e das prefeituras, pois, por exemplo, no portal do servidor estadual, é possível fazer a simulação do empréstimo. E quem está lá, escondidinho, mas nem tanto, da silva? O seguro, claro!

    Quem precisa fazer negócio com banco, pode ter certeza, ficará mais pobre. É só ver quanto pagou ou pagará de juros; e o banco, que não tem nenhum inocente, mais rico. É a lei da selva capitalista.

  • Legal a tática do blog para iludir os visitantes a acessá-lo, colocando aquelas informações no começo da página para iludir o robô do Google.

    Como você espera que uma Peugeot, com concorrentes tão agressivos, se porte passiva simplesmente para não tentar vender produtos que outros concorrentes devem estar vendendo, se a lei no Brasil é levar vantagem sempre? Não é o que a técnica de fazer alguém que está procurando um assunto, cair por engano neste blog, está fazendo?

    Meu avô já dizia: Não pregue moral de cuecas.

    Ah, e faça como as empresas que você reclama, não publique este comentário nem responda-o.

  • Caro Pierre,

    Considere que nem todos tem condições financeiras de pagar uma entrada tão robusta quanto a que você pagou…(os mortais, geralmente, financiam 100% e por um prazo a perder de vista)… e nem todo mundo é servidor público, que ganha salários (pagos pelo povo) muito avantajados (bem mais do que o justo para o péssimo serviço que presta… quando trabalham…) e que podem fazer a maior cagada do mundo que não correm o risco de perder seu “emprego”… nem todos tiveram a oportunidade de estudar na PUC-Rio, uma das universidades mais caras do país… Pois bem, Sr Pierre, “seguro de parcelas” é para os não-abastados… geralmente, para autônomos, pessoas comuns que representam uma grande parcela da população brasileira… Que correm o risco de não conseguir arcar com o comprometimento mensal, mas não desejam entregar o tão sonhado carrinho que conseguiu adquirir com tanto custo e sacrifício…

    Bom, de fato, o problema não está no produto oferecido, mas a quem foi oferecido… A funcionária tem sim que conhecer o perfil do cliente antes para oferecer o produto adequado a sua necessidade.. Desta forma, ela teria uma abordagem mais precisa e teria tido mais assertividade…

    Ahhhh… já ia me esquecendo de informá-lo: Quando alguém falece, a dívida fica para os herdeiros legais… pois, quando vem na certidão de óbito a declaração “Deixou bens”, significa que o defunto não deixou apenas casa, carro, investimentos… mas tb suas dívidas… isso tudo é analisado no processo de inventário…

    Mas tudo bem, né, Doutor?

  • Sr. Pierre boa noite,
    Faço minhas as palavras da Sra Michele. Parabéns a ela por ter conseguido expressar de maneira clara, simples, o outro lado da reclamação.
    Abraço

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

março 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).