Por dentro do Twitter

ago 31, 2009 by     2 Comentários    Postado em: Cultura, Finanças

twitter1_thumb.jpg

Na sexta-feira passada, Pierre Lucena divulgou aqui no blog nossos endereços no Twitter, para os leitores que desejassem nos adicionar. Como deu pra perceber na seção dos comentários, alguns leitores ainda não têm muita afinidade com o danado.

Pois bem. Nesta mesma seção de comentários, nosso webmaster Anízio Silva (Twitter: http://twitter.com/anizio) divulgou um material bem interessante sobre o Twitter. Como não sei se a maior parte dos leitores chegou a ver o link, coloco ele aqui novamente para quem tem curiosidade em ampliar seus conhecimentos sobre o assunto.

Para baixar o e-livro Tudo o que você pretende saber sobre o Twitter, cliquem no link abaixo:

http://www.talk2.com.br/geral/versao-atualizada-do-guia-do-twitter-sem-cadastro/

Ontem, o jornal francês Le Monde publicou uma matéria interessante sobre o Twitter. A matéria foi traduzida pelo Uol, e como muitos aqui não são assinantes, reproduzo logo abaixo, para quem estiver interessado em ler.

Entre outras coisas, a matéria fala sobre o seu caráter utilitário e a sua importância para a diplomacia política. Num trecho, diz o seguinte:

“Entretanto, o Twitter decidiu interromper seu serviço durante uma noite (horário da Califórnia) para efetuar uma operação de manutenção. Ao receber a notícia, um responsável do departamento de Estado norte-americano pediu para que o serviço adiasse a operação, para que os manifestantes iranianos não ficassem desligados do mundo em pleno dia – hora de Teerã.”

Quem desejar ler a íntegra da matéria, intitulada Os hackers e os diplomatas, é só clicar abaixo.

“Os hackers e os diplomatas

por Yves Eudes
do Le Monde
Tradução de Eloise De Vylder

Na internet, o Twitter surgiu como uma nova rede de dimensão planetária, com um poder inigualável. Na vida real, é uma start-up jovem que ainda não encontrou um modelo de negócios. Ela ocupa meio andar de um depósito organizado em lofts, no coração de São Francisco: ao todo, são cerca de sessenta funcionários, todos jovens e amontoados, que trabalham em grupos, sentados no chão sobre almofadas multicoloridas. O hall central, um espaço luminoso com decoração minimalista, é repleto de bicicletas e consoles de videogame. Tudo parece feito para lembrar o fato de que o Twitter foi pensado e criado, antes de mais nada, para ser um instrumento de diversão leve e fútil.

O Twitter é um serviço de “microblogging”, instantâneo, que funciona ao mesmo tempo na internet e nos telefones celulares. As pessoas podem entrar e publicar gratuitamente pequenos textos (com no máximo 140 caracteres) com a freqüência que desejarem, para contar um pouco da vida, compartilhar os pensamentos do momento, dar seus avisos sobre não importa o quê. Os “autores” são lidos em tempo real por todos aqueles que decidiram os “seguir”, ou seja, que se inscrevem para receber seu fluxo pessoal de mensagens. Quanto mais somos conhecidos – no Twitter ou no mundo real -, mais temos “seguidores”. As celebridades conseguiram criar para si mesmas fã-clubes com milhões de pessoas.

O Twitter tem também um papel utilitário. As ONGs o usam para suas campanhas de sensibilização, as empresas para fidelizar sua clientela, os políticos para tentar falar com os jovens. Por outro lado, o microblogging começa a se impor como um novo meio de informação. Todos os dias, nos Estados Unidos, pessoas que presenciam algum acontecimento espetacular ou dramático (crime, manifestação, acidente) usam seu telefone celular para divulgar testemunhos pelo Twitter.

Biz Stone, cofundador e diretor de criação da empresa, lembra que, já em 2008, o Twitter foi o primeiro a anunciar o ataque terrorista em Mumbai: “Nós furamos todo mundo, com informações vindas do coração do evento, enviadas por pessoas que estavam vivendo os acontecimentos. Nós demos um poder imenso ao que antes era a mídia mais fraca, o SMS.”

Para ele, não resta dúvidas quanto ao vencedor da batalha que se anuncia entre aos meios de comunicação tradicionais e as “pessoas de verdade”. “Neste inverno, houve um pequeno tremor de terra na Califórnia. Nove minutos depois, a agência Associated Press publicou uma nota de 57 palavras sobre o assunto. Mas durante esses nove minutos, o Twitter já tinha publicado 3.800 mensagens, totalizando dezenas de milhares de palavras, que contavam tudo em detalhes. Nós mudamos o ritmo e o conteúdo da informação.”

Os meios de comunicação tradicionais tentam utilizar o Twitter em seu benefício. Inúmeros jornais abriram contas para enviar pequenas notícias a seus leitores e os incitar a entrarem em seus sites.

A partir da primavera de 2009, o Twitter avançou sobre o cenário diplomático. Em abril, constatando que os estudantes da Moldova estavam usando o Twitter para relatar sua revolta contra o governo neocomunista, os veículos de informação norte-americanos não hesitaram em batizar o movimento de “revolução Twitter” – mesmo que, no local, a revolução não tenha de fato acontecido.

A notoriedade do Twitter atingiu um novo status em junho por causa da crise que agitou o Irã depois da reeleição contestada do presidente Mahmoud Ahmadinejad. Novamente, para manter o resto do mundo a par dos acontecimentos, alguns jovens manifestantes iranianos contrários ao regime islâmico usaram o Twitter.

Entretanto, o Twitter decidiu interromper seu serviço durante uma noite (horário da Califórnia) para efetuar uma operação de manutenção. Ao receber a notícia, um responsável do departamento de Estado norte-americano pediu para que o serviço adiasse a operação, para que os manifestantes iranianos não ficassem desligados do mundo em pleno dia – hora de Teerã.

Depois, em 16 de junho, a secretária de Estado Hillary Clinton em pessoa apoiou esse pedido. Durante uma coletiva de imprensa, ela confessou sem meias palavras que não sabia muito bem o que era o Twitter, mas disse estar consciente de seu poder: “Enquanto meio de livre expressão, o Twitter se tornou muito importante, não só para o povo iraniano, mas cada vez mais para os povos do mundo inteiro. (…) É preciso manter aberta esta via de comunicação, e permitir que as pessoas compartilhem a informação, sobretudo num período onde não há muitas outras fontes de informação.”

Logo em seguida, o governo iraniano protestou contra essa ingerência sobre seus assuntos interiores, o que provocou uma nova declaração de um porta-voz do governo norte-americano: “O Twitter é uma ferramenta que permite a todos os iranianos se comunicarem. Ele não diz respeito a este ou aquele grupo. De fato, (…) parece que o próprio governo iraniano utiliza o Twitter.”

Desde então, o Twitter mudou de status aos olhos do mundo. O preço da fama: em 6 de agosto, ele sofreu um ataque de hackers que bloqueou seus servidores e interrompeu seu serviço durante duas horas. Foi uma operação do tipo “DDOS” (Distributed Denial of Service), que constitui em enviar para um servidor da internet milhões de pedidos simultaneamente durante horas a fio, o que satura completamente o servidor e impede que os usuários legítimos se conectem.

Em um primeiro momento, os hackers precisam tomar o controle de milhares de computadores espalhados pelo mundo inteiro. Eles enviam por e-mail, ou colocam em sites da internet, um vírus que se instala sorrateiramente nos computadores sem que os usuários percebam. Assim, os hackers se colocam à frente de uma rede de “máquinas zumbis” que podem ativar quando desejarem. No dia D, eles ordenaram que todos os computadores infectados enviassem pedidos continuamente para seu alvo. Para a vítima, a agressão parece vir de toda parte de uma só vez. Por isso, os investigadores têm muita dificuldade de localizar os culpados, protegidos por uma multidão de zumbis e repetidores.

Dessa vez, os especialistas em segurança pareceram concordar pelo menos sobre um ponto. O ataque visava de fato apenas um usuário, um georgiano que usava o pseudônimo de Cyxymu (em caracteres cirílicos, Shoukoumi, a capital da Abkhásia, província separatista da Geórgia ocupada pelo exército russo). Os hackers, que não foram identificados, estavam sem dúvida na Rússia. Eles lançaram uma grande quantidade de e-mails falsos em inglês, como se fossem enviados por Cyxymu, e convidaram os internautas do mundo inteiro a visitar suas diferentes páginas pessoais no Twitter, Facebook e LiveJournal. Muitos internautas teriam clicado sobre o link enviado, e esse fluxo de conexões teriam saturado os servidores do Twitter. Isso não foi muito difícil, uma vez que a arquitetura técnica do serviço ainda é muito centralizada e sem dúvida mal equipada em sistemas de segurança.

Cyxymu se chama na verdade George Jakhaia, é um professor de economia de 34 anos, morador de Tbilisi, capital da Geórgia, mas originário da Abkhásia. Depois da guerra entre a Rússia e a Geórgia, em 2008, ele passou a utilizar a internet para promover a causa da Geórgia e denunciar as agressões vindas da Rússia. Seus sites, escritos em russo, atraíam pouquíssimas pessoas.

Desde o dia seguinte do ataque virtual, ele decidiu se valer ao máximo dessa celebridade recém-adquirida. Ele multiplicou as entrevistas e, sem fornecer provas, acusa os serviços de segurança russos de terem fomentado o ataque. Os meios de comunicação ocidentais repercutiram sua versão dos fatos, e muitos especialistas europeus e norte-americanos observaram que esse tipo de ataque muito básico está ao alcance de qualquer bando de adolescentes, pois não são necessários os recursos do Estado para isso. Se o objetivo dos hackers era silenciar Cyxymu, eles fracassaram. Seus sites são muito mais freqüentados hoje do que no passado. Alguns de seus textos foram traduzidos para o inglês e sua conta no Twitter possui milhares de seguidores.

O governo da Abkházia (apoiado pela Rússia) soube evitar a armadilha ao publicar na internet um comunicado condenando o ataque contra Cyxymu, em nome da liberdade de expressão. Por sua vez, os donos do Twitter recusaram-se a entrar no terreno das acusações e especulações geoestratégicas. Depois do ataque, Biz Stone reafirmou que Twitter tinha por vocação continuar sendo um instrumento de diversão e promoção comercial.

O Twitter não se livrou dos hackers. Em 14 de agosto, a sociedade de segurança Arbor Networks publicou um alerta: hackers estavam se preparando para usar o Twitter como vetor para dirigir ataques contra outros sites. Em 16 de julho, o Twitter já havia sofrido um primeiro ataque, menos divulgado pela mídia. Um hacker havia conseguido penetrar em um servidor da internet normalmente utilizado pelos donos do Twitter, e roubado mais de 300 documentos confidenciais sobre a vida da empresa, o estado de suas finanças, suas estratégias de desenvolvimento e suas negociações secretas com outras empresas de internet.

Depois o pirata transmitiu todo o dossiê à revista de informática na internet TechCrunch, da Califórnia. Depois de negociações árduas com o Twitter, a TechCrunch publicou apenas uma pequena parte dos documentos – que foi suficiente para deixar clara a extrema ambição dos dirigentes do Twitter. Eles esperam um dia chegar a um bilhão de usuários, o que fará do Twitter o “pulso do planeta”.

2 Comentários + Add Comentário

  • O que está acontecendo com o twitter é o mesmo que aconteceu nos blogs, porém com uma velocidade impressionante!
    No que os blogs levaram de 5 anos, o twitter em menos de 2 já passou de ferramenta boba, e inútil (dos comentarios” fui fazer compras” etc), para uma ferramenta que está na vanguarda da comunicação. Coincidencia, ou não, o criador do twitter é o mesmo criador da plataforma Blogger.

    Pra quem ainda não acredita nele, basta ver quem ja está utilizando, e de formas espetaculares. A mais nova noticia é da FOX, que vai transmitir reprises de dois seriados e colocar no ar os tweets que estão acontecendo, em tempo real. Parece algo bobo, mas é uma das maiores emissoras americanas apostando no serviço.

  • O twitter é revolucionário, sobre suas características mais técnicas, como a noção de retenção, redes de laços fortes e fracos e etc vale uma lida no blog da prof. Raquel Recuero: http://pontomidia.com.br/raquel/arquivos/conteudo_online_twitter_x_facebook.html

    @Tsavkko

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

março 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).