Preços dos imóveis em Recife subiram 22,8% em 5 meses

mai 24, 2012 by     58 Comentários    Postado em: Financiamento Imobiliário

apartamento

Em pesquisa contratada pelo Portal LeiaJá, realizada numa parceria entre o Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN) e o Núcleo de Finanças e Investimentos da UFPE, (coordenada por mim com a participação da aluna Izzy Freire), foi verificado um aumento de 22,8% no preço do metro quadrado dos apartamentos ofertados no Recife (incluindo também os bairros de Piedade e Candeias) em relação à última pesquisa realizada no mês de novembro, também pelo IPMN. Foram pesquisados 571 apartamentos ofertados pelas imobiliárias entre os dias 16 e 18 de abril.

Vários são os motivos pela forte alta verificada nos últimos anos, mas pode-se destacar o aumento na oferta de financiamento imobiliário e o crescimento de renda da população, em especial nas regiões metropolitanas do Nordeste.

Na pesquisa foram identificados os fatores fundamentais na determinação do preço de um imóvel. Os bairros mais valorizados são Boa Viagem/Setúbal, Pina e a região de Casa Forte/Parnamirim/Apipucos.

Chama a atenção o preço do metro quadrado no bairro do Pina, que já é o segundo mais valorizado da cidade, ficando em média a R$ 5.359,65, pouco atrás de Boa Viagem, com R$ 5.492,08.

Dois são os fatores principais para este fenômeno: a requalificação do bairro, com empresariais e a construção do Shopping Rio Mar e a proximidade com o Centro da Cidade. Observando os motivos pelos quais o consumidor escolhe um produto, pode-se inferir que o fatores Mobilidade e vizinhança estariam valorizando a região.

Outro ponto importante seria em quais bairros haveria espaço para valorização de imóveis em áreas em que o imóvel ainda tem o preço quadrado tão alto e possui fatores positivos visíveis. A bola da vez parece ser o entorno do Centro da Cidade, como a Boa Vista e o Bairro de Santo Amaro, que recebe agora benefício fiscal da Prefeitura para empresas de Economia Criativa.

Alguns fatores importantes também foram verificados na pesquisa:

Imóveis menores são mais valorizados: os apartamentos com 1 quarto são os que possuem maior valor por metro quadrado (R$ 5.676,22/m2) e os apartamentos de 3 quartos são os que possuem o menor valor médio por metro quadrado (R$ 4.203,56/m2).

Não há diferença pela quantidade de apartamentos por andar: o metro quadrado não fica mais alto pelo fato de ter poucos ou muitos apartamentos por andar. Apenas os de 1 por andar possuem preço fora da média, mas isso é resultado de imóveis com alto valor agregado (luxo).

Apartamentos novos possuem metro quadrado mais valorizado: o preço do metro quadrado de apartamentos novos (R$ 4.914,07) e na planta (R$ 4.854,30) é maior do que nos apartamento usados (por volta de R$ 4.440,66). Isso mostra que não há espaço para ganhos em apartamentos na planta em relação a novos.

O andar do apartamento importa no preço do metro quadrado: quanto mais alto o apartamento maior o valor do metro quadrado. Apartamentos localizados entre o 1º e 3º andares tem preço médio de metro quadrado de R$ 3.926,33, enquanto os localizados entre o 10º e o 19º andares têm preço de metro quadrado estimado em R$ 4.933,14.

Tipo de prédio também é importante: prédios com elevador e com serviços valorizam o metro quadrado do apartamento de forma significativa.

58 Comentários + Add Comentário

  • Belo estudo, Pierre.

    Você e as instituições avaliaram aluguéis?

  • Construtoras estão desabando na bolsa…
    Prenuncios…..

  • Pier, parabéns pela pesquisa.
    Vocês teriam esta média de preços x m2 para salas comerciais também? Ou saberia onde eu posso encontrar. Obrigada!

  • O que fazer pra investir em imóveis? Esperar o “pior”?
    Parabéns pelo projeto.

  • Sheyla e Diego
    Este estudo é apenas venda de apartamentos residenciais.

  • Se disserem que a Imbiribeira e/ou Ipsep são extensões de Boa Viagem, o preço sobe.
    Não foi assim com o Pina?
    Tenho amigos que moram no “pé” do viaduto Tancredo Neves, bem ao lado do canal, mas juram que moram em Boa Viagem. E de fato moram, né? Ou não.
    Por outro lado, tenho amigos que moram na Várzea e Areias, que não querem sair de lá nunca. Belas casas.
    Então, quem diz que um bairro é bom e valorizado são as empreiteiras ou os institutos? É a lei de mercado?
    Se eu fosse me basear em pesquisas e estudos, ou um shopping por perto, pra escolher onde morar, tava ferrado.
    Faz dois anos que deixei Recife. Achei que sentiria falta da capital. Mas hj estou como meus amigos: Não quero sair daqui mais nunca.

    Em tempo: E meu apartamentozinho no Rosarinho tá super valorizado e concorrido pra alugar, apesar dos super-hiper-mega-espigões que se erguem na área. O atual inquilino adiantou o aluguel até Dezembro. Viva as pesquisas! Ou não.

  • Não troco meu apartamento na Boa Vista por nada. Estou muito satisfeito com ele, mesmo tendo a central do Samu por perto com “zuada” de ambulância.
    Tenho onibus para todo o lugar a 200 metros de casa, supermercado, padaria, lavanderia, escola, faculdade, teatro, me viro a pé sem medo de ser feliz.
    Acho que os valores de Boa Viagem e Pina exorbitantes, ainda mais considerando que água é na base do poço artesiano e minha tese “empirica” diz que haverá logo logo um colapso neste fornecimento de água, sem falar que o saneamento quando existe é subdimensionado frente ao crescimento verticalizado nas alturas daquela região.
    Já em Piedade / Candeias eu não moro lá nem de graça, transito infernal e urbanização meia boca

    • Dalto o centro vai ficar valorizado, ninguem aguenta mais o transito! É por isso que o shopping boa vista é o que tem mais rentabilidade, e JCPM é doido para comprar!

    • Pois é Dalto, o que leva o cidadão a querer morar em Boa Viagem ? Afora esse problema do abastecimento d’água, as ruas adjacentes são apertadas e sem mais espaço pra caber tanto carro estacionado (os apartamentos só tem uma vaga na garagem, mas as famílias têm 3 carros). Em BV, tudo é mais caro: do litro da gasolina ao pão francês da padaria da esquina. Entrar e sair de Boa Viagem, a qualquer hora do dia, a qualquer dia semana, com aquele trânsito caótico, é exercício de paciência pra corno nenhum botar defeito.

      Resumindo e respondendo: escolhe-se BV pra morar por conveniência (talvez a proximidade do local de trabalho) ou por “status”. Se for por este último, as construtoras agradecem. E somente elas.

  • Caxangá tá mais caro que a Jaqueira???

    • A linha é Madalena/Caxangá/Torre, conta-se a média dos 3 bairros próximos.
      A Jaqueira isoladamente é mais caro, mas tinha poucos imóveis ofertados, e aí junta-se com Rosarinho e Aflitos.

  • Ipsep/vila da sudene. Ótimo lugar pra se morar.

  • Desculpe Pierre sou do ramo imobiliário, e tem alguns preços de metro quadrados que contradizem com a realidade da nossa avaliação e creio que o da maioria dos bons profissionais habilitados do mercado. Por exemplo, o bairro da Jaqueira juntamente com Casa Forte e Apipucos tão no mesmo nivel em termos de preço de metro quadrado.

    Outro ponto contraditório nessa pesquisa são os bairros do Espinheiro e Graças estarem abaixo de Caxangá e Torre?! Na prática e nas avaliações que fazermos os valores de Graças e Espinheiro são superiores os da caxangá e torre.

    Entendo que isso é uma média geral dos metros das citadas regiões. E a diferença de um novo ao usado chega a ser de 30% pelo que avaliamos

    Att.,

    Thiago de Araújo – CRECI 8390

    • Thiago
      Dentre os imóveis atualmente ofertados, Madalena está mais caro que Espinheiro e Graças. Caxangá e Torre entraram juntos porque poucos imóveis estavam disponíveis.
      A Jaqueira foi colocada junto com Aflitos, porque assim está estabelecido na própria Prefeitura.

  • Pierre,

    os dados da pesquisa sugerem que existe um grande viez. Primeiro, parece-me que vocês estão fazendo a média dos valores praticados no mercado. Média só seria plausível caso todos os elementos da amostra fossem qualitativamente iguais. E não são. Cada empreendimento tem inúmeras variáveis e o padrão utilizado pela construtora pode, por exemplo, deixar o preço mais caro.

    Média é a pior ferramenta para avaliar fenômenos como vocês estão se propondo a fazer. Estão quantificando, sem nenhum peso, dados qualitativos. Afinal, pode-se considerar sim, os empreendimentos imobiliários como qualitativos. Tomar 100 unidades e tomar a média é totalmente INADEQUADO. O preço das graças que você fala é um praticado há exatamente 12 meses. Pode perguntar a qualquer corretor.

    A pesquisa merece um melhor método a fim de diminuir esses problemas de validade. Média por si só, só se você estivesse, por exemplo, avaliando o preço do metro quadrado dos empreendimentos da Moura Dubeux apenas no Pina.

    Boa sorte!

    Gosto muito do setor e de pesquisa e gostaria de colabora caso fosse possível.

    • Caro Leitor

      Obvio que os imóveis não são qualitativamente iguais. Mas a média é uma medida quantitativa razoável, que não pode ser inferida em cada bairro, pois a amostragem só permite fazer inferência no total. O quadro é apenas para ilustrar resumidamente a valorização de cada bairro.
      A pesquisa leva em conta os imóveis ofertados nas 14 maiores imobiliárias da cidade, além da própria Ademi.
      No caso do Pina, a primeira rodada já tinha detectado isso.
      Como levamos em consideração apenas apartamentos, e se o Bairro possui vários empreendimentos de construtora de alto luxo, obvio que os apartamentos serão mais valorizados.
      O mesmo ocorre no Espinheiro. Se a MD não tem nenhum imóvel por lá, é claro que o preço médio do metro quadrado no bairro irá cair. Não quer dizer que o Bairro está desvalorizado, mas o preço médio do apartamento está, já que as obras não estão sendo construídas com o mesmo padrão de outros lugares.
      Vamos fazer esta pesquisa mensalmente, e estou à disposição para sugestões de captações de informação.

      • Hum…é que o quadro por si só traz outras interpretações.

        “14 maiores imobiliárias da cidade” ? talvez vocês tenham preços classificados por construtora/incorporadora?

        cruzar as variáveis Construtora X Preço X Bairro (ao longo do tempo) pode trazer um bom insight…
        algumas construtoras podem funcionar como players principais, ou seja, àquelas que puxam o mercado, puxam o preço pra cima, as demais (as “menores”) seguem a tendência…isso pode ser evidenciado nos lançamentos…percebo que, muuuuuitos empreendimentos ficam esperando os lançamentos concorrentes para lançar/divulgar seus preços, apesar de já tenham calculado…

        acho esse insight muito relevante pois pode demonstrar um dos porquês o preço sobre!

        • Esse da construtora pode ser realmente uma boa. Vou ver se dá tempo para incluir na que vai a campo na próxima semana.

      • Pierre,

        por que o valor considerado é o ofertado e não o realmente pago (imóveis comercializados)?

  • Pierre, o que acontece aqui e no resto do brasil é bolha…

    Há sérios boatos de que a Falcão está falida e uma outra grande (bem maior que a falcão) prestes a falir. Outras tantas não estão bem. Em outros estados outras construtoras começam a quebrar (Lider em BH). As que estão na bolsa, tão virando pó. A conversa antes era outra, tudo muito otimista http://www.corretoresassociadospe.com.br/noticia.asp?codigo=67 . Ou seja: não acreditemos que está tudo bem.

    Os preços não param de subir, embora as vendas estejam bem fracas.

    O número de imóveis para aluguel hoje é bem maior do que em 2009 ou mesmo do que no ano passado, quando aluguei um imóvel.

    Conversei com um corretor recentemente e ele disse que tá difícil.. Disse que num stand de vendas de um empreendimento lançado no começo do ano, desde o lançamento só venderam 2 unidades. Isso está acontecendo em todo lado.

    O endividamento da população está chegando no topo.

    Aqui, falam que essa alta de preços é por causa dos empreendimentos de SUAPE. Mas, vejamos: um apto de 4 quartos em boa viagem custa mais de 700 mil. Quantos funcionários de SUAPE podem pagar um apartamento desses?

    E tem mais, alguém que vem de outro estado para trabalhar aqui por alguns anos (construção de uma refinaria da petrobras) vai comprar um apartamento? não, vai alugar. Ou seja, tudo isso é papo de corretor.

    Se diz que essa valorização é por causa da copa, mas, deixemos de ser imbecis: o que a copa tem a ver com valorização imobiliária? Será que alguém que vem assistir a um jogo na copa vai comprar uma apartamento para usar nesse pequeno período?

    No Rio, com olimpíadas e tudo os preços já começaram a cair. Vide http://www.jb.com.br/rio/noticias/2012/05/23/precos-de-imoveis-no-rio-comecam-a-cair-apos-supervalorizacao/ e essa outra aqui http://oglobo.globo.com/imoveis/freio-nas-expectativas-rio-registra-queda-de-preco-de-imoveis-usados-4948960

    A renda de Pernambuco não difere muito de outros estados do nordeste. O crescimento também não foi essa coisa toda que os jornais dizem, comparando, por exemplo, com a Bahia.

    Não existe esse déficit habitacional tão falado por aí. O Brasil tem mais de 6 milhões de domicílios desocupados, segundo dados do último censo. O número de pessoas que mora em imóvel alugado aqui em Recife também não difere muito de outras capitais do NE, em especial Fortaleza e Salvador.

    No último feirão da caixa em Recife, o preço médio dos imóveis vendidos foi de 110 mil reais (fiz o cálculo dividindo o número de imóveis vendidos pelo montante negociado).

    O mercado de imóveis mais caros tá parando…

    Logo logo teremos muitos imóveis encalhados, como os carros nos pátios das montadoras.

    Assim, esperemos o final dessa história.

    • Perfeito!!!

    • O que se tiver de minha casa minha vida para vender, na faixa de preço de 65.000.00 a 150.000.00, vende-se!

      E para classe média ate 60metros quadrados com os preços citados acima na pesquisa, vende-se!

      • O problema é que esse pessoal do minha casa minha vida está mais sujeito a dar calote. Basta a economia esfriar um pouco (como agoram e 2012, que deve crescer menos de 3%, embora o governo continue dizendo o contrário) essa galera perde o emprego e eles não tem nenhum tipo de “colchão” pra segurar as despesas no momento de crise.

    • A Falcão já faliu, pergunte a quem comprou imóvel nela…

  • E tem mais: http://economia.ig.com.br/financas/casapropria/investidor-e-ate-70-da-clientela-dizem-empresas/n1597648473576.html

    Rico não investe nisso, pq tem pouca liquidez. Quem entra nessa é classe média…

    Quando pobre (classe média) começa a ganhar dinheiro, é bom se ligar pq vem m… por aí.

  • Pessoal
    Vamos fazer esta pesquisa mensalmente, e estou à disposição para sugestões para refinar a captação de informação.

    • Outro fator que faz variar o preço dos imóveis é o valor do condomínio e deve ser considerado na pesquisa.

      Na semana passada vi dois apartamentos 4 quartos na orla de Jaboatão. Vou exemplificar a situação:
      1. Apartamento A. Construído na década de 80. 4 Quartos. Dois apartamentos por andar. Sem piscina nem quadra. Condomínio de 650 reais. Valor: 750 mil.
      2. Apartamento B. Construído na década de 90. 4 quartos. Um apartamento por andar. Com piscina e quadra. Condomínio de 1.600 reais. Valor 550 mil.

      Ou é o condomínio que influencia ou é uma grave distorção do mercado.

      Vale dizer que no início de 2010 eu visitei esses mesmos imóveis. O número 1 tinha dois aptos pra vender, um de 260 e o outro de 290 mil. O número 2 custava 300 mil.

      • Rodrigo com certeza a metragem são diferentes do tipo 1 e 2!
        Agora, seria bom citar os edificios! Tem algum problema?

        • O número 1 é o edf. Tiberius

          O número 2 é o edf. Poison

      • Obrigado!

      • Rodrigo
        Seria, mas parte significativa da amostra é de apartamentos novos e na planta.anda nao tem valor de condomínio.

        • Outro fator: se é terreno de marinha ou não, se é ocupação ou aforamento.

    • Pierre, Terrenos se enquadrariam nesta pesquisa?

  • Já disse aqui nesse mesmo blog e repito novamente: o Brasil enfrenta uma bolha generalizada de crédito, inclusive imobiliária. Desde o final de 2011 o mercado de imóveis encontra-se em viés de baixa. Basta um “googleada” na internet pra constatar. Construtoras importantes, como a GAFISA, MRV e ROSSI já perderam mais de 30% do valor na bolsa só nos ultimos meses.

    Nosso modelo econômico vem se sustentando no aumento desenfreado do consumo baseado exclusivamente no crédito farto e barato, e não no aumento da renda. Como uma capital, como Recife, cuja renda per capita média divulgada pelo IBGE é uma das mais baixas do país, pode ter uma valorização absurda e abrupta no preço dos imóveis? Só tolos podem acreditar que seja factível pagar mais caro pra morar em Boa Viagem do que em Miami, como já foi noticiado no Diário de Pernambuco.

    2014 promete! Quem viver, verá! Grécia e a Espanha: eu sou vc amanhã!

    • A propósito da bolha, fiz um comentário que a moderação do blog não publicou.

      • Opa, deixa eu fazer justiça: o comentário foi publicado. Eu é que não tinha visto.

  • A capacidade de se construir no Brasil ainda se estar em 73%! Um mestre de obras hoje, ganha mais que um professor pós doutorado da UFPE!

    Com o crescimento da classe C a procura tende a aumentar por apartamentos!

    Agora se compra muita griffe ainda, que como exemplo foi o maria rita e mara nila em Candeias, um péssimo projeto da queiroz na minha opinião, mas, vendeu tudo em 15dias!

    • Não tenho dúvidas quanto à capacidade de construir.

      Eu acho é que a capacidade de comprar da população tá chegando no limite.

  • Pierre,

    Porque não foi incluído como variável do preço o fato do terreno ser ou não de marinha? Em Recife, como nas demais cidades litorâneas que têm terrenos de marinha, esse é um fator que é levado em conta na aquisição. Seria interessante ver o quanto isso repercute, se os imóveis sem a enfiteuse da união têm o mesmo valor de metro quadrado que outros em condições similares que estão aforados.

  • Parece-me que houve muito movimento no mercado imobiliário e os preços subiram demais mas quem comprou, comprou e o mercado mostra indícios de saturação. Nos aluguéis, ainda está quente mas nas vendas, especialmente de imóveis mais caros, esfria a cada dia. A questão do custo do apt proporcional ao condomínio, faz parte da cultura pernambucana. Em 2010 eu comprei um apt de 90m nas proximidades do shopping e paguei R$120 mil e, um ano depois, o vendi por R$200 mil (janeiro 2011), sendo que o vizinho vendeu o dele em setembro/2011 por R$300 mil!!! Atualmente existe um à venda por R$280 mil e encalhado há meses. O Pina mostra-se uma boa opção em face da proximidade com o centro e o trânsito caótico. E além do condomínio, o fato do terreno ser “de marinha” também influi. E se for ocupação, aí complica de vez pois a Caixa não financia (vide Ed Luíza Dias, da RR próximo ao Bompreço Domingos Ferreira). E imóveis usados não valem 10% a menos do que os novos. Aliás, se o prédio tiver até 2/3 anos de construído, pode ser. Depois disso, é queda! Fica na média de 30% abaixo, Apt de 4 quartos a R$4.500 o m2 cai para R$3.500. Se for cobertura, aí fica entre R$2.500 e R$3.000 se o prédio for bom mas se for meio antigo ou enseje manutenção, ninguém quer! Um fato que deve ser apreciado é o grande número de edifícios que reformaram ou estão reformando a fachada. Enfim o pernambucano deixou de cuidar apenas do carro e descobriu que as construções demandam manutenção.

    • Caro Joel,

      Poderia me dar o endereço deste imóvel encalhado. Tenho interesse em vê-lo. Que sabe não sai negócio. Obrigado.

  • Pierre,

    Qual cenário se desenha para a RMR nos próximos anos (após a Copa) ? Mais valorização, queda ou estabilização dos preços dos imóveis ?

  • Futurologia não é a minha mas creio que a Copa vá influenciar pouco e por pouco tempo. O que me parece é que, desde já, é necessário proibir a construção de edifícios em algumas área e incentivar a migração para outros lugares mas já tratando da infra-estrutura para esses lugares. A construção de edifícios-garagem parece-me imperiosa em alguns locais para poder tirar os carros que estacionam nas ruas devido ao número insuficiente de vagas nos edifícios. Notaram que a Av. Boa Viagem se tornou uma extensão do estacionamento dos moradores depois da limitação na Navegantes? Se houvesse pista dupla e viadutos, Aldeia seria um paraíso de condomínios horizontais, assim como o trecho que vai do Curado ao futuro estádio do Náutico (o Vazião, hehehe). Essas medidas podem impedir que os preço subam e segurar o de locais nobres como Boa Viagem e Casa Forte com seu trânsito caótico.Aliás, o futuro de BV é derrubar edifícos antigos e menores, como o Caiçara, próximo ao La Cousine. Em Paris o metrô tem trechos na superficie e aqui daria para fazer desde Paulista e pegar por cima do canal desde o Tacaruna, passando pelo Derby e avançando pela via Mangue, Jequitinhonha até Piedade, Candeias, Curcurana…. Esconderia a sujeira do canal e seria uma construção com menos transtornos e sem ter que cavar nada, baixo custo

  • Pierre,
    no início do ano estive procurando apartamentos e a coisa mais interessante que constatei é que hoje em dia é mais vantajoso negociar apartamento com corretor de imóveis do que com o proprietário do apartamento. Em anos anteriores, era melhor negociar diretamente com o proprietário, dava pra conseguir um desconto bacana e ainda ganhava pela falta de necessidade de pagar comissão ao corretor. O cenário hoje é diferente: os proprietários estão “chutando” um valor, lá em cima, supondo que venderão facilmente seus apartamentos por preços exorbitantes. Acontece que muitos desses apartamentos não estão sendo vendidos, ou, quando são vendidos, por preço bem abaixo do que foi pedido inicialmente. Quando os imóveis estavam sendo negociados por corretores, eu dizia que os preços estavam muito acima do que eu esperava, ao que eles respondiam mais ou menos o que um me disse exatamente com essas palavras: “quem tá pedindo esse preço é o proprietário, mas ele não consegue vender nem a pau. Eu já conversei com ele, expliquei que o apartamento não vale isso tudo, mas assim ele quer”. Em resumo, acredito que um outro olhar da pesquisa pode ser mais interessante: em vez de analisar os valores dos imóveis a venda, seria interessante avaliar o valor dos imóveis vendidos no mês anterior ao da pesquisa. Em vez de focar no futuro (imóveis que serão vendidos), focar no passado (imóveis já vendidos).
    Acredito que haja uma dificuldade adicional em pesquisar esses valores pq muita gente não quer divulgar por quanto vendeu seu apartamento, mas talvez fosse possível conseguir essa informação junto às imobiliárias sem que essas precisassem dizer qual o apartamento específico foi vendido, apenas características importantes tais como bairro, quantidade de quartos, construtora, idade do edifício, etc.

  • Há tempos ouço falar em “bolha”. Mas a alta é duradoura e nada me faz crer que não seja consistente. Será que há demanda nova, por conta dos investimentos e da atração de profissionais para o Estado?

    • enquanto a bolha não estoura, a impressão é essa que você tem. Sempre existe uma justificativa para a bolha… Isso acontece aqui, em Portugal, na Espanha, nos EUA… nenhum, repito, nenhum ativo econômico apenas sobe de preço. Sempre que um ativo tem seu preço aumentado sem causa ou justificativa, os preços caem para se adequar à realidade.

  • Pierre, pelos valores dados por você, alguém que possua uma casa de 320 m², na madalena, e queira vender para uma construtora em troca de apartamentos de 60 m², com 3 por andar, deveria, então, receber o total de 5,52 apartamentos????

    Conta: 320m² x R$ 4.676,45 / 60m² x R$ 4514,20

    Abçs.

    • ALO???

  • Esta especulação já virou palhaçada! Os preços só sobem. Qual será esse limite? Não consigo entender onde tem tanta gente com dinheiro no Recife pra comprar imóveis a preços absurdos. Mesmo a cidade não tendo mais espaço para crescer, não vejo justificativa para estes preços que estão sendo aplicados. Onde que Recife possui estrutura melhor que a de Curitiba, para o metro quadrado aqui ser mais caro? Onde que Recife possui população vivendo melhor financeiramente que no Sul do país? Estão passando um imagem para o povo pernambucano de que um simples aumento na renda, mostra que ele já é de outro patamar financeiro e que pode pagar qualquer preço no imóvel. Quem conhece o Brasil e o exterior sabe que Recife não tem nada que justifique esses valores.

    • O preço só está assim porque as construtoras colocam o maior preço possível e as pessoas acreditam que seus imóveis valem os preços absurdos que estão sendo cobrados. Penso que tudo isso não passa de valores irreais. Lembro muito bem quando meus pais compraram o apartamento onde moro, no Parnamirim, que à época, 1999, custava na faixa de 150 mil reais. Hoje em dia, custa a bagatela de 750 ~ 800 mil, segundo alguns corretores.

  • “Dois são os fatores principais para este fenômeno”

    Nada explica esse fenômeno. O nome disso é roubo + burrice do comprador.
    Anunciam ap de 30m² por 200.000 e a turma “CADE? ONDE? EU QUERO”.

    Só está esse preço pq as pessoas são idiotas e pagam. Onde já se viu, ap de 40.000 valendo 200.000.

  • Pierre,
    Que tal agregar à pesquisa os valores médios e variações de preços de aluguéis?

  • Pierre,
    Que tal agregar à pesquisa os valores médios e variações de preços de aluguéis?.?

  • Pierre,

    Gostaria de saber o preco real hoje do metro quadrado para terreno na Av. Norte nas proximidades da fabrica da macaxeira???
    E verdade que onde e a fabrica sera um parque?
    Aquela área tende a se valorizar ?

  • Estou a quatro meses tentando adquirir um imovel aqui em Recife… a sensação que tenho é que Pernambucano está pagando caro e morando malll!!!… não existe parâmetro de metro quadrado como em outros estados, os corretores só te empurram uma única opção…. é lamentável… acredito nesta cidade e acredito que a população acorde para essa indevida especulação… para nós brasileiros que merecemos uma moradia isso está uma bagunça… esperos que vocês do mercado imobiliaria comecem a divulgar valores reais por metro quadrado.. essa é a unico Estado que usam a desculpa que é o proprietario que dá o valor ao seu imovel….. desvalorizando a importancia de se ter um corretor e sua justificativa de seu desempenho e respeito… Não existe esse procedimento em nenhuma capital… cada bairro geralmente possui seu valor de mercado avaliado pelas pessoas competentes do mercado… não esta bagunça sem parâmentro conforme vejo… As pessoas que vem a trabalho infelizmente não a tour acreditamos nesta capital e merecemos respeito por ser nossso PAÍS…ou vamos torcer para que os chineses QUE FORAM PARA venezuela FIZERAM apartamentos completos por preços inferiores venham pra cá……

  • eu acho que os imovel estão super valorizado e que governo deveria intervir pra não acontecer o que ocorreu nos estado unidos e europa existem um agrande bomba preste a explodir.

  • massa mais queria saber da importância econômica do bairro da boa vista

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

outubro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).