Ano novo, Globo de Ouro Novo, E números

jan 23, 2012 by     6 Comentários    Postado em: Imagem-Movimento

Por Bernardo Queiroz
para o Acerto de Contas

Voltando à ativa depois de um longo e tenebroso Mestrado, podemos sempre refletir sobre a indústria no ano que passou. É uma forma meio dura de retorno, mas é uma assunto um tanto seco…

1

Rio (3D)

R$68.694.564

2

A Saga Crepúsculo: Amanhecer: Parte 1*

R$59.969.022

3

Harry Potter e as Reliquias da Morte: Parte 2 (3D)

R$56.993.342

4

Os Smurfs (3D)

R$51.977.169

5

Piratas do Caribe: Navegando em águas misteriosas (3D)

R$49.103.072

6

Enrolados (3D)

R$39.552.020

7

Transformers: O lado Oculto da Lua (3D)

R$35.724.139

8

Carros 2 (3D)

R$33.620.043

9

Velozes e Furiosos 5

R$33.351.318

10

Capitão América: O Primeiro Vingador (3D)

R$33.033.261

Fonte: Filme B.

A lista dos filmes mais vistos neste ano mostra um quadro um tanto quanto triste do ponto de vista criativo. Destes, apenas 3 deles não são continuações ou spin-offs, filmes lançados a partir de outros, com aconteceu com “o gato de botas”. Também não encontramos nenhum filme Brasileiro entre os mais vistos, o que é uma infelicidade já esperada, já que os grande lançamentos (Assalto ao Banco Central) deram com os burros na água. Outros filmes interessantes geraram mais polêmica mais do que público (Bruna Surfistinha, olá…) e excelentes filmes tiveram um péssimo agendamento (O interessantíssimo Homem do Futuro concorria salas com Planeta dos Macacos). Foi um ano de poucas supresas nos cinemas nacionais, também por culpa das distribuidoras. É difícil lembrar um ano com tantos blockbusters-vou-lotar-metade-das-salas-do-país juntos, com consequências complicadas para quem assiste. Muita coisa boa acabou sumindo pelas rachaduras.

Uma afirmação assim é evidenciada pela premiação do Globo de Ouro, uma premiação prévia (e para mim, mais  séria) do Oscar 2011. Ocorrida neste domingo, a premiação foi completamente entregue para filmes que praticamente (ou completamente ) não estrearam no país, seja por que não possuem distribuidoras ou por que não tiveram espaços nas salas abarrotadas de filmes ‘maiores’. Dos premiados, apenas “Meia Noite em Paris”,  o belo filme da Belle Epoque de Woody Allen já foi visto nos cinemas nacionais. De resto, premiações para membros dignos: Mais um globo de ouro para Meryl Streep por sua encarnação de Margaret Thatcher em A Dama de Ferro, outro para Martin Scorsese com a adaptação do magnífico livro “A Invenção de Hugo Cabret” e um de melhor animação para Steven Spielberg por seu “Tin Tin – O Filme” Que estréia nos cinemas nacionais esta semana, e promete ser uma versão animada do tipo de ação de Indiana Jones, algo que o diretor sabe fazer muito bem.

Para vocês, quais foram os grandes filmes de 2011, e o que pode explicar estas escolhas do público? Estou curioso para saber o que os leitores acharam do filme Rio, maior bilheteria (mas não maior público, que ficou para Amanhecer) de 2011 e sua visão alegorizada feita por um brasileiro…

6 Comentários + Add Comentário

  • Parabêns pelo Mestrado, sou um educador em formação, que conto com seu apoio, visite meu blog.
    wwwsabereducar.blogspot.com

  • Bernardo

    A animação ” Rio” eu achei apenas razoável. É bonito, colorido, mas apenas um filme que depois de assisti-lo vc esquece. Não tivemos grandes animações no ano de 2011, mas acho a melhores animações do ano passado foram ” O mágico” e ” Rango’.

    Os melhores filmes do ano passado (os que assisti):
    Meia noite em Paris
    Missão Madrinha de Casamento
    Cisne Negro
    Drive
    Bravura Indômita
    O palhaço
    O homem do Futuro
    Super 8
    o Magico
    Guerreiro

    • Eu gosto muito de Bravura Indômita, mas acho que vários desses são de 2010, como Cisne Negro, Arnobio. Foi um ano mais interessante cinematográficamente do que 2011.

      Gosto muito do Homem do Futuro, acho que foi uma pena a repercusão pequena que o filme teve. O palhaço… bem… eu achei o filme bonito, mas com um tipo de pensamento pretensioso. Se não fosse o trabalho do Selton, não sei se ele teria a atenção que teve.

      • Eu sei, mas Bravura e Cisne Negro estrearam apenas em fevereiro de 2011 no Brasil.

  • Bom, particularmente não gostei do tão aclamado filme RIO, não consegui assistir até o fim, achei o filme com uma história sem criatividade e um pouco arrastado…
    Gostei muito do filme RANGO…

    ***“Uma Noite em Paris” – não seria “Meia noite em Paris”?

    • Seria Joshua. já corrigi. :) Abraços

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).