À homogênea mídia

out 1, 2009 by     40 Comentários    Postado em: Economia
military_coup_in_honduras_by_latuff2_90pc

Charge: Carlos Latuff

“Honduras: mídia é surrada pela notícia

do Blog do Nassif

Esse jornalismo de hipóteses que caracteriza o neojornalismo tupininquim não tem receio da desmoralização, do fato de diariamente tentar passar a perna nos seus leitores – tendo como testemunhas toda a Internet.

Tome-se um caso. A diplomacia norte-americana se enrolou com o caso. A Secretaria de Estado Hillary Clinton adotou uma posição legalista no caso Honduras. Otto Reich, especialista americano da era Bush – influente, com participação na tentativa midiático-empresarial de tentar depor Hugo Chávez – conseguiu convencer parte do parlamento sobre o risco Zelaya. Houve um descompasso que levou o embaixador norte-americano na OEA a criticar Zelaya.

O que era um problema da diplomacia norte-americana – o de não ter uniformizado o discurso sobre o tema – foi colocado como uma crítica ao Brasil. Nem se cuidou de informar que a posição da Secretária de Estado era outra.

Agora, dia após dia vão surgindo sinais de que a posição diplomática brasileira – de firme condenação do golpe de Estado – era correta. Que a convocação do plebiscito serviu de álibi para um golpe de Estado, em que se tirou o presidente eleito sem sequer permitir o direito de defesa.

Desde o início o Itamarati alertava que Micheletti não era confiável, que não se podia fiar na sua palavra. Por efeito pavloviano, toda essa brilhante mídia preferia ficar com Micheletti a dar crédito ao Itamarati.

Agora, toda essa armação, toda esse inacreditável jornalismo de hipóteses – endossado por dez entre dez comentaristas da mídia, em uma homogeneidade admirável – vai ruindo.

Na Folha Online (clique aqui e, no AC, aqui) a afirmação de Micheletti de que Zelaya foi deposto por suas novas inclinações esquerdistas.

Na Folha impressa, entrevista do Sérgio D’Avila com o Secretário-Geral da OEA, endossando plenamente a posição brasileira:

A OEA (Organização dos Estados Americanos) está disposta a aceitar uma nova proposta de conciliação vinda de Honduras, desde que ela use como base o Acordo de San José, elaborado pelo presidente da Costa Rica, Óscar Arias, que prevê a volta de Zelaya, a manutenção das eleições para eleger seu sucessor e o abandono pelo presidente deposto da tentativa de promover uma Assembleia Constituinte considerada ilegal por Congresso e Justiça hondurenhos. A revelação foi feita pelo secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, em entrevista na manhã de ontem por telefone à Folha. (clique aqui).

Ou seja, um marciano que chegasse à terra e lesse esses dias todos de jornalismo de hipóteses, concluiria que o Itamarati levou dez gols, não marcou nenhum e terminou vitorioso.

40 Comentários + Add Comentário

  • CARAMBA! Depois dessa declaração do “presidente de facto”, quem poderá negar que houve golpe? A partir de agora, Micheletti é réu confesso.

    30/09/2009 – 16h20
    Micheletti diz que “esquerdismo” de Zelaya influenciou deposição

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u631402.shtml

    • Martins,

      Micheletti diz assim:

      “Tiramos Zelaya por seu esquerdismo e corrupção. Ele foi presidente, liberal, como eu. Mas se tornou amigo de Daniel Ortega, [Hugo] Chávez, [Rafael] Correa, Evo Morales…”

      Em entrevista ao jornal argentino “Clarín”, Micheletti, ex-presidente do Congresso elevado à Presidência há três meses após a deposição de Zelaya, disse que a posição do presidente deposto “preocupou” as autoridades do país, porque ele “se tornou esquerdista” e convidou “comunistas” para compor seu governo.

      Isso me lembra aquele texto que escrevi aqui:

      “O que incomodou as elites dirigentes das Honduras foi o fato de que Zelaya, ao longo de seu governo, deu uma guinada da centro-direita para a centro-esquerda, conduzindo a política nacional para uma valorização de setores historicamente relegados à condição secundária.
      Ter elevado o salário mínimo em 60% provavelmente foi um de seus maiores “crimes”.

      http://acertodecontas.blog.br/internacional/zelaya-foi-deposto-porque-desagradou-a-elite-hondurenha/

      • Verdade André…

      • Senhores,

        Menos.

        Esquerdismo é igual a Chavez (que ofende a imprensa e eterniza-se no poder), Ortega (corrupto famoso), Evo Morales e Correa (que vão no mesmo estilo chavista)? Então, quem quiser ser esquerdista assim tem mais é que ser preso, ANTES que acabe com a democracia.

        É o mito do esquerdismo vítima que vocês pretendem manter!

        • Que comentário bobo, amigo Exaltasamba.
          Poder-se-ia dizer também:
          “Direitismo é igual a Fujimori (corrupto famoso e condenado), Uribe (que eterniza-se no poder), Menem e FHC (que também tentaram o mesmo caminho)? Então, quem quiser ser direitista assim tem mais é que ser preso, ANTES que acabe com a democracia.

        • SPC,

          Mais-ainda.

          No texto que eu linkei eu falo que Zelaya afastou-se da plataforma política liberal de seu partido, concedendo ganhos às classes trabalhadoras. E eu não falo alegando que Zelaya é um grande “esquerdista”. Aliás, está bem longe…

          Mas as palavras de Micheletti apenas reproduzem a coqueluche verborrágica do momento. E refletem o que eu disse no meu texto: a guinada de Zelaya “preocupou” (pra usar eufemismo) Micheletti…

          Postado no Vio Mundo:

          Herói da mídia brasileira admite que golpe foi ideológico: “Tiramos Zelaya porque foi para a esquerda”

          Atualizado em 01 de outubro de 2009 às 14:59 | Publicado em 01 de outubro de 2009 às 14:11

          Este artigo foi publicado em 30 de setembro no jornal argentino Clarín. O jornalista e escritor Urariano Mota foi quem nos sugeriu a sua divulgação: “Que diferença para o ‘nosso’ jornalismo”.

          “Tiramos Zelaya porque foi para a esquerda e colocou comunistas no governo”

          O líder golpista Roberto Micheletti admitiu que o “único erro” foi a forma de derrubá-lo, ao prendê-lo e depois tirá-lo do país. Mas defendeu a medida, negou tratar-se de um golpe de Estado e acusou Zelaya por corrupção.

          por Néstor Restivo,
          do Clarín
          Tradução: CEPAT*

          O presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, recebeu o Clarín na sala Dionísio de Herrera – primeiro presidente do país – da Casa Presidencial. Anoitece em mais um dia agitado. Nas ruas, a “resistência” a favor do presidente Manuel Zelaya, refugiado na Embaixada do Brasil, segue cada vez mais controlada por policiais e militares com a dificuldade de se organizar: os meios de comunicação opositores foram calados. Micheletti disse que no dia 7 de outubro autorizará a OEA para mediar (no domingo foi expulsa uma missão “sem permissão”, disse) e que há negociações internas para sair do pântano. “Há contatos – indica –, mas Zelaya deve submeter-se à Justiça e eu estou disposto a renunciar, no marco da Constituição”.

          Restivo: A proposta de San José, do presidente Oscar Arias, inclui a restituição condicionada de Zelaya.

          Micheletti: É apenas uma iniciativa, não venham a dizer-nos o que devemos fazer.

          Há negociações, ou buscam ganhar tempo até a eleição de novembro? A comunidade internacional já disse que não reconhecerá essa eleição convocada por vocês.

          As eleições estão marcadas desde 2008.

          Não procuram ganhar tempo expulsando a OEA?

          Uma missão assim pode entrar na Argentina, sem documentos? Não tinham permissão. Somos um país soberano, que fique bem claro.

          Por que o Exército fechou os meios de comunicação opositores?

          Foi em base ao decreto (de estado de sítio). Incitavam à violência e à guerrilha.

          Seu regime está totalmente isolado, até do FMI.

          E por isso devemos resignar a nossa dignidade? Vocês, na Argentina, não foram à guerra das Malvinas por dignidade, sem importar a pressão externa?

          Era uma ditadura militar.

          Independente do que seja. A dignidade nacional existe. Terias permitido que Zelaya fizesse o que fez?

          Depor um presidente é um golpe de Estado.

          Nosso único erro foi tirá-lo da forma como o destituímos. No resto, agimos conforme a lei. Ele violava a Constituição ao buscar uma Constituinte para uma reeleição. Se o prendêssemos e o deixássemos aqui, teria havido mortos. Foi tirado do país, mas agora voltou.

          Não acredita que estão debilitando a democracia na região?

          Se um presidente viola a lei, é corrupto, dá o direito ao povo de reclamar. Nós lideramos esse pedido.

          No Brasil, na Argentina ou nos Estados Unidos foram usados métodos institucionais frente à crise como as que você tenta descrever.

          Nesses casos, o único que fez a coisa certa foi Lula, retificou o seu rumo.

          Não entendi.

          Outros mudaram a Constituição, queriam perpetuar-se, como Zelaya.

          Continuo sem entender. Mas insisto com o Exército. O general Vázquez recordou a relação de Pinochet com Allende, primeiro leal e depois o depôs com as armas.

          Pedimos a Zelaya para não forçar a Constituição. Roubou 700 milhões de lempiras (36 milhões de dólares) e tirou de empilhadeira fundos do Banco Central para a sua reforma constitucional. Gastou milhões para passear de helicóptero e com assessores. Era corrupto, tinha vários sem-vergonhas.

          Que papel exercem as Forças Armadas? Sua presença inunda as ruas.

          Não estão no governo, defendem a democracia, assim como a Polícia. É para cuidar da reação incendiária de Zelaya. Elas nos apoiaram, pois íamos ao abismo.

          Mas tiveram um passado de violações dos direitos humanos e anticonstitucional. Por que lhes dão tanto poder agora?

          Não, não. Faz 29 anos que se adaptaram. Hoje levam e trazem as urnas nas eleições, respeitam o poder civil, são um orgulho.

          Foi a corrupção, a Constituinte ou tentativas de mudanças sociais o que levou ao golpe?

          Depusemos Zelaya por seu esquerdismo e corrupção. Ele foi presidente, como liberal, como eu. Mas se fez amigo de Daniel Ortega, Chávez, Correa, Evo Morales.

          Perdão…

          Deu uma guinada para a esquerda, colocou comunistas no governo e nos preocupou.

          Com 75% dos pobres e um sistema esclerosado, as mudanças sociais não se fazem necessárias?

          Pode haver reformas, inclusive constitucionais, menos em 3 artigos: território, forma de governo nem reeleição. Mas o que Zelaya prometia era pura farsa.

          Como se pode resolver isso e avançar tendo tão baixa pressão fiscal, sem tocar interesses políticos, econômicos, religiosos tão fortes, sem mudanças mais de fundo?

          Pode-se falar, sem brigar. Antes de sair assinarei decretos sociais. O Congresso, além disso, pode obrigar as empresas a pagar mais impostos se for preciso, por exemplo.

          * Cepat é o Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores, que atua em sintonia com a Unisinos

          http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/heroi-da-midia-brasileira-admite-que-golpe-foi-ideologico-tiramos-zelaya-porque-foi-para-a-esquerda/

  • Agora vai. Um grupo de seis deputados, dos quais três são pernambucanos, dirigiu-se a Tegucigalpa para resolver o impasse criado pela volta de Zelaya. Os pernambucanos são Mauricio Rands (PT), Bruno Araújo (PSDB) e o coordenador do grupo, Raul Jungmann (PPS). Jungmann disse que estão acostumados a resolver crises (?) e irão levar a bom termo a missão. Os parlamentares não vão receber nada por seu trabalho: nem diárias, pois, preferiram pagar as despesas do próprio bolso para evitar burocracia. O único ganho, talvez, seja o clarão dos holofotes da mídia.

    • uahuahauha… principalmente da Globo… no caso do Raulzão

  • A unânime condenação internacional ao golpe (aliada, obviamente, à decisiva participação brasileira) desgatou tanto o “governo de facto” que os golpistas já admitem a volta de Zelaya à presidência sob certas condições.

    http://noticias.uol.com.br/ultnot/internacional/2009/10/01/ult1859u1565.jhtm

  • Jungmann já tem acordo de exclusividade com a Globo para transmitir as notícias direto da embaixada. Ninguém merece!

    Aqui: http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=19263 e Aqui: http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=19232

  • Da Ansa

    Honduras: General alega que cerco à Embaixada é para proteger Zelaya

    TEGUCIGALPA, 29 SET (ANSA) – O chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Honduras, general Romeo Vásquez Velásquez, negou hoje que haja repressão no país e disse que o cerco militar mantido à Embaixada do Brasil em Tegucigalpa visa proteger as pessoas que estão no edifício, entre elas o presidente deposto, Manuel Zelaya.

    Em entrevista concedida à emissora Telesur, o comandante afirmou que as manifestações não estão proibidas”, como foi denunciado por partidários de Zelaya. “Segundo a Constituição, [os manifestantes] devem notificar com antecedência” as autoridades sobre os protestos que desejam realizar, justificou ele.

    Velásquez não se referiu em qualquer momento ao decreto, publicado no Diário Oficial de Honduras na última sexta-feira, que impõe o estado de sítio em Honduras por 45 dias. Com a medida, qualquer concentração pública fica vetada em todo o território nacional.

    Segundo ele, os militares estão cercando a Embaixada do Brasil na capital Tegucigalpa para “dar segurança ao prédio, para que não entre nenhum veículo que possa levar uma bomba”.

    “As forças militares estão sob mando da polícia para dar segurança ao ex-presidente Zelaya e às pessoas que estão com ele” na representação diplomática, afirmou.

    Indagado sobre o fechamento da Rádio Globo e do canal de TV 36, emissoras acusadas de apoiar o mandatário destituído, o comandante das Forças Armadas declarou que “os meios de comunicação incitam a violência”.

    Os militares, por outro lado, “são geradores da paz”, complementou. “Não estamos gerando violência”, reiterou Velásquez.

    Passados 86 dias do golpe que o tirou do poder, Zelaya voltou a Honduras inesperadamente na segunda-feira da semana passada e buscou abrigo na Embaixada do Brasil. Desde então, o governo de facto tem decretado toques de recolher diários para impedir mobilizações em seu favor.

    Também hoje, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, disse estar profundamente preocupado com a situação e classificou como “intoleráveis” as ameaças contra a Embaixada do Brasil.

    ******

    O chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Honduras, general Romeo Vásquez Velásquez, que diz cumprir a lei da Suprema Corte de Justicia, teria sido ladrão de carro de luxo?

    do blog Narcosphere
    http://narcosphere.narconews.com/notebook/al-giordano/2009/07/honduras-coup-general-was-charged-1993-auto-theft-ring

    “General Was Charged in 1993 Auto Theft Ring”

    Posted by Al Giordano – July 4, 2009 at 4:15 pm

    By Al Giordano

    General Romeo Vásquez Velásquez, who appeared on stage this week with Honduran coup “president” Roberto Michiletti, and who ordered the kidnapping and forced deportation of P resident Manuel Zelaya last Sunday, was charged with grand auto theft in 1993, Narco News has learned.

    On February 2, 1993, the front page of the Tegucigalpa daily El Heraldo included this headline: “Eleven Members of the Gang of 13 Go to Prison”:

    Eleven individuals arrested for their alleged participation in the theft of 200 luxury automobiles… were sent to prison yesterday… (including) Colonel Wilfredo Leva Caborrea and Major Romeo Vásquez Velásquez, accused as alleged participants…

    (Narco News makes the document available for download by press and public here http://www.narconews.com/docs/DEFENSOR-DE-LA-DEMOCRACIA.pdf, including two interior pages of the newspaper that report on the case, each mentioning the then-major, now commander of the military coup in Honduras.)

    The newspaper report further stated:

    …Major Romeo Vásquez Velásquez, connected to the theft of luxury cars in the ‘Gang of 13,’ will be imprisoned in the Central Penitentiary (PC, in its Spanish initials).

    Prior to his criminal acts, Vásquez attended ( http://en.wikipedia.org/wiki/Romeo_V%C3%A1squez_Vel%C3%A1squez) the US School of the Americas in 1976 and 1984, when the school was located in Panama, but he did not graduate.

    It was the same Honduran Congress that endorsed, after the fact, last Sunday’s military coup, and named Roberto Micheletti as the country’s “president,” that promoted this common car thief as head of the Armed Forces.

    Memo to the General: Objects in the rear view mirror are closer than they appear…

    • para proteger… uahuahauhaua… que belezaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    • Andre’,
      Acho que o o cerco a embaixada esta intimamente ligado aos carros de luxo que estao estacionados nas redondezas da embaixada. Pena que com o estado de sitio, ninguem vai registrar queixa contra roubo de veiculo.
      Agora so ta faltando um estuprador na coordenacao do golpe.

  • Pôxa!! O bate bola está um colosso.
    E não é que o blog foi tomado por um surto de neodemocratas?
    Democracia delivery, é aqui!!!.
    É só ligar para os “articulistas comprometidos” e logo sai da fornalha um texto capaz de provocar um surto de opiniões.
    Viva Zelaya, o mais democrata dos aprendizes de caudilho.
    Viva Chavez, um verdadeiro ícone da liberdade de expressão.
    Viva Lula, o guardião da democracia sulamericana.
    Viva o cocaleiro Evo, especialista em pilhar o patrimonio alheio.
    Viva Marco Aurélio Garcia, um dos mais expressivos baluartes da “diplomacia” brasileira.
    Viva a famiglia Kirchner, sobejamente pretensa a tungar a liberdade de imprensa.
    E, claro, vida longa a Fidel, afinal de contas, mesmo moribundo, ele é ainda é, por enquanto, (tem alguem de olho na vaga dele) o embrião de todo esse surto democratico da nova safra de “presidentes populares”.
    É muita HIPOCRISIA!!!

    • Viva o Beato Salú que sobe no caixote da Veja e fica pedindo o Impeachment do Amorim e do Lula!
      Salve salve o Beato Salú porque quando Micheletti sair o Rei vai ficar nú!

    • “Cê tá pensando que eu sou lóki, bicho?”

    • Viva Fujimori, condenado à prisão por roubalheira.
      Viva FHC, aquele da reeleição comprada!
      Viva Uribe, aquele da re-re-eleição que não é golpe!
      Viva Menem, que afundou a Argentina!

      E aí, Chiquito, o que você acha dessas impolutas figuras?

      • Pois é meu caro aspone Martins.
        Vc é um excelente “reciclador” de respostas.
        Incapaz de concatenar um contraponto.
        “Copiar colar” é o teu forte.
        A propósito, tivestes acesso a “incólume” prova do ENEM?
        ….nunca antes na história desse páis……até prova de ENEM contrabandeada.

        • Claro, claro, é a primeira vez que esse tipo de coisa acontece no Brasil, Chicão, com certeza.

  • Viva Pinochet!
    Glória a Videla e Galtieri!
    Stroessner, verdadeiro guardião da democracia!
    Um brinde a Médici e ao resto da turma verde-oliva!

    • Nota-se que o Martins não é leigo em política, nossa sugestão é que o mesmo se candidate a um cargo político em 2010.
      Quem sabe, hein? Tudo é possível.

      • Obrigado pelo elogio, amigo. Mas disputar eleição realmente não faz parte dos meus planos. Além de milhões de outros motivos, tem o fato de que estou morando fora de Recife.

    • Isso é uma opinião ou sessão espírita?

  • “Agora, dia após dia vão surgindo sinais de que a posição diplomática brasileira – de firme condenação do golpe de Estado – era correta. Que a convocação do plebiscito serviu de álibi para um golpe de Estado, em que se tirou o presidente eleito sem sequer permitir o direito de defesa.”

    Onde, onde, onde?????? Onde vão surgindo esses sinais? No Irã, Venezuela, Líbia, Sudão, No acerto de contas????Onde, meu guru????? Credibilidade zero. Graças a Deus, só faz a cabeça da turma dazesquerdas.

    • Ivan, amigo, repito a pergunta que te fiz há dias: és capaz de citar UM SÓ PAÍS ou INSTITUIÇÃO DIPLOMÁTICA INTERNACIONAL que reconheça o tal “governo de facto”?

      • Não é possível uma coisa dessas.
        Você não se emenda, rapaz? Parece mulher de malandro..
        Vai ver se eu estou no campo de testes dos mísseis do Ahmadinejad. Com sorte, um te acerta.

        • OPA!
          Blogueiros, Ivan está desejando a minha morte! Sinto-me ameaçado! Minha vida está em risco! Moderação já! Socorro!

          Além de tudo, ele continua sem responder a uma pergunta tão simples….

        • Martins,liga não.Esse ivan não passa de um *¨%$#@#$.
          PS:Raboni,pode apagar se quiser.Mas que ivan é *¨%$#@#$,isso é….

          Nota: comentário editado por conter termo ofensivo.

      • Martins, historicamente tivemos mais golpes e ditaduras instituidas por grupos que se diziam de esquerda! Por que a revolta com exercito hondurenho ? Claro que estão errados e muito. Mas por que os amantes da “esquerda” se voltam ferozmente ? O chavez pode , não é mesmo ?

        • Alexsandro, por favor embase sua afirmação de que houve mais golpes e ditaduras de grupos que se diziam de esquerda. Eu acho que os dois lados historicamente se equivalem no assunto autoritarismo. Para cada Chavez, há um Uribe. Para cada Stalin, um Hitler.

  • Ah, estão Zelaya era o direitista que virou esquerdista e por isso sofreu um golpe ? Se ele voltar, pede um cargo para ele, André Raboni! Ou peça um no governo Lula pois essa tua ênfase nesse assunto deve ser por 2 motivos : 1) Justificar o fato do governo Lula ser fantoche nesse episódio. Se são tão democráticos acabem com voto obrigatório no Brasil ,ao invés de se meterem em lambanças em Honduras. 2) O golpe da “esquerda” foi antecipado pela “direita”, daí a dor de cotovelo! A quem queres conveçer que o exercito realmente deu um golpe ? Sabemos que deram. O problema é que foi antes do Zelaya. Daí a chateação toda! Agora, Lenin, Stalin, Fidel, Tito, Ceausesco, Húsak é que são santos não é mesmo ? Façamos um pedido a Bento XVI para santificá-los!

    • Meu deus, o que tem a ver voto obrigatório com o golpe em Honduras? Viajou legal, viu?!?

      Pode ser ilegal, mas não tinha nada de golpista a proposta zelayana de convocar uma assembléia constituinte para possibilitar a reeleição dos futuros presidentes.

      Sim, porque por mais que se diga o contrário, o tal plebiscito seria no mesmo dia das eleições de novembro, e Zelaya não seria candidato nelas.

      • Bom, se nosso governo interfere em Honduras dizendo defender a democracia, que começe em casa, depois dê pitaco na dos outros. O que citei foi um exemplo!

  • E antes que venham dizer que estou defendendo golpes de estado, digo logo que não estou. O que quero dizer é o seguinte : Um “esquerdista” reclamar de golpe de estado é paradoxal, visto que seus “mestres”, que citei acima, não são democráticos nem santos!

    • Concordo em parte, Alexsandro, mas pouquíssimos esquerdistas de hoje gostam dessa turma comunista barra-pesada. Só os que continuam apegados ao triste passado dogmático – quase nenhum.

      Mas a direita com certeza não fica atrás,com seus francos, salazares, babys e papas docs, videlas, pinochets, galtieris, medicis, stroessners, reinaldos azevedos, ferdinand marcos etc etc etc etc.

      • Exato, por isso que não vale a pena ficar perdendo tempo com essa estoria ( com “e” mesmo) de esquerda x direita. O que temos é um grupo que mama e outro que está louco para mamar! Agora gostaria que o André Raboni explicasse porque dá tanta ênfase na tentativa de mostrar que as forças armadas hondurenhas deram um golpe, visto que é algo tão evidente!

  • joao, gostaria que você dissesse essas coisas pessoalmente. Ah, como gostaria.

    • Você meteria ele no pau-de-arara, Ivan?

  • Ao Acerto de Contas:

    Será que não existe uma forma de vocês disciplinarem esse tal de martins? Vocês não estão vendo que toda vez que esse camarada sente uma coceirinha, ele tem que me provocar? Quem esse *&%$# pensa que é? Ou está orientado por vocês para agir assim deliberadamente? Essa joça tem regra ou não tem? Tomem providências definitivas. Ou então, me censurem diretamente, excluindo meus comentários. Dessa forma, vocês se livram do incômodo que eu estou causando. Não permitam que isso aqui vire uma barraca, pois é o que já está parecendo, uma vez que está sendo frequentado por *%$ #$@ $#@$*%.

    Nota: comentário editado pela equipe do blog.

    • Na boa, amigo Ivan: não sou eu que preciso ser “disciplinado”, e sim você.

      Seu jeito agressivo e até violento de escrever, sempre xingando as pessoas, é repudiado por 99% dos frequentadores deste blog. Por favor, se manque.

      Ah, sim. Caros editores do blog, considero-me novamente ofendido pelo comentário de Ivan. Ele me xinga duas vezes. Isso está virando rotina.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

dezembro 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).