20 anos sem Marcos Freire

set 9, 2007 by     45 Comentários    Postado em: Política

marcos-freire-2.jpg 

por Inaldo Sampaio
do JC

Ontem, dia 8 de setembro, fez exatamente 20 anos que o então ministro da Reforma e Desenvolvimento Agrário, Marcos Freire, faleceu num desastre de avião ocorrido no Pará. Ele tinha viajado àquele Estado para tratar de assuntos do seu ministério e poucos minutos após a decolagem o jatinho que o conduzia explodiu no ar.

Morreram no mesmo acidente o secretário-geral do ministério Dirceu Pessoa, o presidente do Incra José Eduardo Vieira Raduan, o secretário particular José Coelho Teixeira Cavalcanti, os assessores Amaury Teixeira Cavalcanti e Ivan Ribeiro, o tenente-coronel aviador Wellington Rezende, o capitão aviador Jorge Shimonura e o 3º sargento Carlos Alberto da Silva. O jornalista pernambucano Geraldo Sobreira, então assessor de imprensa do ministro, iria embarcar no mesmo vôo, mas, à última hora, cedeu a vaga a outra pessoa.

Marcos Freire, natural do Recife, tinha completado 56 anos três dias antes (nasceu no dia 5/9/31). Ele era um dos principais líderes do PMDB pernambucano ao lado de Miguel Arraes (então governador do Estado) e Jarbas Vasconcelos (então prefeito do Recife).

Sua vida pública foi iniciada ainda na década de 50 como oficial de gabinete do então prefeito Pelópidas Silveira. Formado em Direito pela UFPE (turma de 1955), ele foi procurador da Prefeitura do Recife, secretário de Assuntos Jurídicos (nomeado pelo então prefeito Liberato Costa Júnior) e professor de Direito Constitucional da mesma faculdade em que se formou antes de disputar sua primeira eleição: a Prefeitura de Olinda em 1968.

Freire disputou o pleito em Olinda pelo MDB, único partido de oposição, à época, derrotando os dois candidatos do então partido do governo: Nivaldo Machado (Arena 1) e Barreto Guimarães (Arena 2). Para ganhar a eleição, ele teria que somar mais votos que as duas sublegendas da Arena, juntas, e conseguiu: obteve 17.069 votos, contra 6.512 de Nivaldo Machado e 5.941 de Barreto Guimarães.

Sua vitória foi largamente comemorada pelos principais líderes de oposição ao regime militar então vigente, porém a alegria durou pouco. Em sinal de protesto contra a edição do Ato Institucional nº 5, dois dias após a sua diplomação (13/12/68), e a cassação do seu vice-prefeito, Renê Barbosa, ele renunciou ao mandato.

Dois anos depois, recebeu convite do então presidente nacional do MDB, senador Oscar Passos (AC), para se candidatar a deputado federal e se elegeu. Foi o mais votado da bancada da oposição, que incluía, além dele, Fernando Lyra (atual presidente da Fundação Joaquim Nabuco), Thales Ramalho e Sérgio Murilo.

Em Brasília, Marcos Freire vinculou-se ao chamado “grupo autêntico” do MDB, que era a corrente do partido que fazia uma oposição mais acentuada ao regime militar. Orador brilhante, ele logo chamou a atenção da imprensa nacional pela contundência dos seus discursos não apenas sobre assuntos institucionais mas também em defesa dos segmentos da sociedade que não podiam se expressar livremente naquela ocasião, particularmente artistas, dramaturgos, escritores e jornalistas.

Defendeu ardorosamente a convocação da Assembléia Nacional Constituinte, a anistia para os cassados e banidos pelo regime militar, a eleição direta em todos os níveis, a realização da reforma agrária e o fim da censura aos órgãos de imprensa. Escolhido sucessivas vezes pelo comitê de imprensa da Câmara como um dos melhores deputados do Congresso Nacional, rapidamente seu nome despontou no MDB como candidato natural ao Senado, em 1974, quando estaria em jogo a cadeira ocupada pelo então senador João Cleofas de Oliveira, integrante do partido do governo.

Coube ao seu colega de bancada, Fernando Lyra, bancar a indicação do seu nome para concorrer à vaga do Senado, enfrentando a má vontade de muitos emedebistas que, céticos em relação à vitória, defendiam que Freire fosse candidato à reeleição para não pôr em risco uma cadeira certa que ele tinha na Câmara Federal.

Freire foi eleito senador com 605.953 votos, contra 478.369 votos de João Cleofas de Oliveira, o candidato apoiado pelo governador (eleito indiretamente) Moura Cavalcanti e os ex-governadores Etelvino Lins, Cordeiro de Farias, Cid Sampaio, Paulo Guerra e Nilo Coelho.

lula-jarbas-marcos-freire-e-arraes.jpg

Disputa interna com Arraes em 82

A atuação de Marcos Freire no Senado foi tão destacada quanto à da Câmara Federal. Ao lado dos outros 15 senadores igualmente eleitos pela oposição em 1974 – entre os quais Mauro Benevides (CE), Ruy Carneiro (PB), Saturnino Braga (RJ), Itamar Franco (MG), Orestes Quércia (SP) e Paulo Brossard (RS) –, Marcos Freire fez dura oposição ao regime militar, credenciando-se para ser o candidato do partido ao governo de Pernambuco na primeira eleição direta pós 64 para a escolha dos governadores.
Todavia, até tornar-se candidato oficial ele teve que enfrentar uma disputa interna no partido contra Miguel Arraes de Alencar, que voltara do exílio três anos antes (1979) e se julgava com a legitimidade necessária para disputar o governo estadual. Arraes perdeu a disputa interna para Freire porque o então presidente regional do partido, Jarbas Vasconcelos, que havia perdido a disputa para senador em 1978 mesmo tendo sido o mais votado (perdeu para a sublegenda) e era candidato a deputado federal em 82, desequilibrou o jogo em favor do senador.

Marcos foi o candidato favorito até o governo militar tomar uma medida que não estava nos planos da oposição: tornar obrigatória a vinculação do voto desde vereador até governador, ou seja, o voto só seria válido se o eleitor votasse nos candidatos de um mesmo partido para vereador, prefeito, deputado estadual, deputado federal, senador e governador.

Como o PMDB (sucedâneo do MDB) era frágil no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o governo militar tomou outra decisão visando a beneficiar os seus candidatos: prorrogou os mandatos dos prefeitos por dois anos para que a eleição municipal coincidisse com a estadual. Como o PDS (sucedêneo da Arena) estava melhor estruturado em Pernambuco que o PMDB e tinha mais de um candidato a prefeito em 80% dos municípios do interior, o seu candidato a governador, Roberto Magalhães, mesmo tendo partido em desvantagem, acabou sendo eleito para o governo, junto com Marco Maciel para o Senado. Obteve 909.962 votos, contra 814.447 de Marcos Freire. O opositor de Maciel foi Cid Sampaio, que deixara o partido do governo para se aliar à oposição.

Após a derrota, Freire recebeu um prêmio de consolação: a presidência do diretório estadual do PMDB. Em 1984, participou ativamente da campanha das diretas, tornando-se presidente da Caixa Econômica após a vitória de Tancredo/Sarney para a Presidência da República. Nesse mesmo ano (1985), ele se negou a apoiar Jarbas Vasconcelos para prefeito do Recife, optando por uma aliança branca com o PDS para apoiar o deputado federal Sérgio Murilo (PMDB), que perdeu a eleição. Jarbas disputou, e venceu, pelo PSB.

Pouco tempo depois, Freire deixou a presidência da CEF para assumir o Ministério da Reforma e Desenvolvimento Agrário, cargo no qual permaneceu até a data da sua morte.

Foto: Fernando Gusmão/DP

Derrota para Magalhães e o voto vinculado

Marcos Freire se candidatou pelo PMDB ao governo estadual em 1982, mas foi derrotado por Roberto Magalhães, candidato do PDS, por 97 mil votos de diferença. Freire obteve 62,7% dos votos da capital, 60,8% da área metropolitana e 49,6% da Zona da Mata, mas foi fragorosamente derrotado no Agreste e no Sertão, onde só conseguiu obter 23,3% e 16% dos votos, respectivamente.

Ele entrou na campanha como candidato favorito, mas não agüentou o poder de fogo da azeitada máquina governista, que estava espalhada pelo Estado inteiro através das sublegendas PDS-1, PDS-2 e até PDS-3. Seu vice foi o deputado federal Fernando Coelho, ex-presidente da OAB-PE, e seu candidato ao Senado o ex-goevrnador Cid Sampaio.

Cid, eleito governador em 1958 contra Jarbas Maranhão, fora candidato a senador pela Arena em 1978, contra o peemedebista Jarbas Vasconcelos. Obteve 330 mil votos, que, somados aos 360 mil de Nilo Coelho, garantiu a cadeira do Senado para este último, apesar de Jarbas Vasconcelos ter sido, individualmente, o candidato mais votado (654 mil votos).

O fato de Cid ter sido um adversário histórico do PMDB e participado diretamente da conspiração político-militar pela queda de Miguel Arraes em 1964 levou muita gente da oposição a fazer “corpo mole” na campanha. Entretanto, houve uma terceira causa que também contribui muito para a derrota eleitoral do senador: o “baixo nível” da contrapropaganda produzida por seus adversários, envolvendo a pessoa de sua mulher, Carolina Freire.

Essa contrapropaganda – atribuída por alguns ao então Serviço Nacional de Informações (SNI) – chegou a alcançar um nível tão degradante que o próprio candidato do PDS, Roberto Magalhães, ameaçou renunciar à candidatura caso não se desse um basta às ofensas feitas à honra do seu principal adversário, que, como ele, também era professor da Faculdade de Direito do Recife.

Para tentar superar essas dificuldades, Marcos Freire aliou-se a Cid Sampaio e fez dele o candidato único ao Senado na chapa por ele encabeçada. Ambos, que não conheciam direito a geografia eleitoral do Estado, sonhavam contar com o apoio político das mesmas lideranças que haviam apoiado Freire para o Senado, em 74, esquecendo que essas lideranças estavam “amarradas” à candidatura de Roberto Magalhães por força do voto vinculado.

Resultado: Marcos Freire ganhou no Recife por 142 mil votos, na área metropolitana por 113 mil e na Zona da Mata por 27 mil. Mas perdeu no Agreste por 180 mil e no Sertão por 198 mil.

Nessa mesma eleição, Miguel Arraes e Jarbas Vasconcelos travaram intensa luta nos bastidores para ver qual dos dois obteria mais votos na eleição para a Câmara Federal, tendo o primeiro levado a melhor: 191.471 contra 172.004. Para o Senado, Marco Maciel obteve 926.771 mil votos (13 mil a mais que o candidato a governador), contra 788.191 de Cid Sampaio.

marcos-freire-1.jpg

“Soltaram a onça no chiqueiro dos bodes”

A campanha de Marcos Freire ao Senado, em 74, foi a mais vibrante que ocorreu em Pernambuco durante o regime militar. Com sua oratória fácil, o seu carisma e o seu poder de convencimento, ele empolgou os eleitores do Sertão ao litoral com o slogan “Sem ódio e sem medo”, criado pelo jornalista e publicitário (falecido em 2005) Eurico Andrade.
Além de jovem, carismático e simpático, ele teve como adversário um político de 76 anos, João Cleofas de Oliveira, que além de residir no Rio já tinha perdido três eleições para o governo de Pernambuco: em 50 para Agamenon, 54 para Cordeiro de Farias e 62 para Arraes. Por isso, era chamado pelos opositores de “João três quedas”.

Cleofas era um dos principais símbolos da UDN pernambucana, motivo pelo qual adversários do PSD recusaram-se a votar nele. Um desses foi o deputado Argemiro Pereira, de Serra Talhada. Argemiro (hoje com 90 anos) tinha origem política no PSD e era adversário de Inocêncio Oliveira, que descendia da UDN. Ele chegou a dizer na época que “quero que minha mão murche se eu pedir votos para Cleofas”. Foi a primeira grande dissidência no partido do governo (Arena), que foi descrita dessa forma pelo jornalista Sebastião Nery no livro “As 16 derrotas que abalaram o Brasil”:

“Notícias e fotos desciam do Nordeste como sonho de noite de verão: Marcos Freire fazendo um comício monumental em Petrolina, cidade de Nilo Coelho. Marcos Freire carregado pelo povo em Caruaru. Marcos Freire conquistando da classe A aos mocambos. Parecia incrível, mas era a vitória que começava a pintar. E as prévias do próprio governo comprovando. E líderes da Arena pedindo em público a substituição de João Cleofas por outro candidato para evitar a derrota. A Arena entrou em pesadelo. João Cleofas, de 76 anos, perdeu a esportiva: ‘Marcos Freire é um agente da contestação e do revanchismo’. Passou a aceitar o ritmo alucinante da campanha do adversário, fazendo o possível para acompanhá-lo: dormindo cinco horas por noite, levantando-se às 6h30 da manhã (…). O argumento de Nilo Coelho em 66, usado para um chefe político de Serra Talhada, voltou:

– Ou o Sr. vota no doutor Cleofas, ou não toma cafezinho no Palácio nos próximos quatro anos.

O deputado Argemiro Pereira, que controla 20 mil votos no Pajeú, ficou em casa:

– Minha mão murcha se eu pedir votos para o doutor Cleofas.

Lívio Valença, deputado estadual do MDB (São Bento do Uma), resumiu tudo na irrespondível sabedoria de quintal:

– Soltaram a onça no chiqueiro dos bodes.

Resultado: 127.584 votos de frente”.

45 Comentários + Add Comentário

  • O Brasil merece ter um Marcos Freire de volta

  • acho que vcs deveriam aprofundar mais, e expor mais sobre a vida politica do nosso excelente amigo Nivaldo Machado. Um politico honrado em Olinda, e diga -se de passagem o melhor de todos até a presente data.

  • Muito boa a materia. É de homens como Marcos Freire que o nosso pais esta preciasando. Pena que ele não pode fazer mais pelo Brasil pais que tanto amava. Sou uma fã dele desde de sua campanha de 1982.

  • Marcos Freire conhecí desde os meus 7 anos de idade. Quando vinha a Petrolina sempre meu pai me levava para ouvi-lo. Os seus livros editados era sagrado enviar um ao meu pai. O maior orador que já vi. deixou saudades para o Brasil, Pernambuco e Petrolina.

    • ola, vc conheceu jose eduardo vieira raduan?

      • Sim. Conheci muito . Era cliente do pai dele Dr. Raduan que era dentista de nossa família. Eramos também amigos de colégio desde a nossa adolescência.
        Eramos muito bons amigos . Gostava demais de toda essa família .
        Sua mãe D. regina, se pai, nosso dentista e seu irmão caçula, Celso Vieira Raduan.
        Fiquei chocada qdo soube de sua morte.

  • gostaria de dizer que existe um outro Marcos Freire em permanbuco fica em ameixas , distrito do município de cumaru há 30 KM da cidade de caruaru. este Marcos Freire de ameixas seu nome foi dado pelos seus pais em homenagem ao saudoso senador Marcos Freire. É um jovem de 37 anos e está engresando na carreira politíca , ele está pela primeira vez disputando uma vaga na camera nunicipal de cumaru , como vereador. É muito querido pela população. venham conhecer este MARCOS FREIRE DE AMEIXAS como é chamado.

  • Vi Marcos Freire pela primeira vez foi em Surubim-Pe, no Colégio Marista Pio XII, tinha 14 anos e nunca mais esqueci de suas palavras deferidas a nós alunos naquela época, foi sensacional. Realmente faz muita falta um político como ele hoje em dia. Um político sério e ao mesmo tempo competente naquilo que fazia.

  • Muito bom! Recordei e aprendi bastante. Sou de Natal e estou morando em Recife desde maio/2006.

  • O MELHOR …
    PARABÉNS !!!
    SAUDADES !!!

  • O senador Marcos Freire era exemplo de conduta ilibada. Sempre o admirei, apesar de minha tenra idade, porque era um político transparente e muito cativante. Um exemplo a ser seguido pelos políticos da atualidade.

  • ola,
    gostei muito dessa materia sobre Marcos Freire,
    Eis um homem que com certeza, vai demorar aparecer um igual,
    enquanto isso, vamos aprendendo com suas experiencias, seu determinismo e sua coragem.
    sou de Arcoverde – PE,
    JA FUI candidato a vereador2004/2008 e a Dep. Estadual 2006, e queria muito um livro de M. Freire,
    se vcs puderem me mandafr um livro dele com os discursos da sua trajetória, eu fico muito agradecido.

    um forte abraço!!!!!
    JOAO ALMEIDA PARRA ( JOAO DO SKATE )
    meu end: Rua: Capitulino feitosa, 538 Centro Arcoverde – PE cep: 56506-060

    OBG…

  • tanto tempo… e como faz falta!
    Seriam necessários poucos Marcos Freires, se estes tivessem a grandeza do principal, para moralizar essa avalanche de podridão do Senado atual.
    Família íntegra, que eu tive a honra de conhecer a sua matriarca, por quem eu tenho eterna admiração.
    Saudades!

  • Gostaria de receber uma foto de Marcos Freire ,onde ele esta pela primeira vez em Custódia – Pe esta foto eu vi na reportagem da TV Senado e fiquei muito emocionada pq eu estou fazendo parte da mesma, agradeço desde ja se mim enviarem a foto, sempre recebi todos os livros de seus discursos era sua adimirodora fiel. Espero respostas bjs Rosaly Leite Rezende

  • Meus parabéns pela matéria e que os políticos atuais façam um exame de consciência para retornarmos ao eixo da boa política.
    Já avançamos muito e conseguimos que a impressa mostre os métodos da ARENA, PDS, PFL, DEM e outros que se alinham com o exemplo dado no escândalo recente do governo do distrito federal.
    Sou recifense mas sempre morei em Olinda e presenciei esses belos momentos da nossa história, boas lembranças. Lembro quando voltava com meu pai que foi votar em Marcos Freire, para governador, em Santa Cruz do Capibaribe e no retorno já sentiamos a dor da derrota provocada pela vinculação da legenda e difamações criminosas.
    Estou morando em Brasília mas espero voltar a andar e participar dos exemplares movimentos da sociedade pernambucana.

  • Bela homenagem a um grande homem público que muito honrou Pernambuco pela sua dignidade e seriedade no trato das coisas públicas, virtudes tão raras hoje em dia.

    Nesse terrível acidente perdi um de meus melhores amigos, a quem considerava um irmão, José Coelho (“Deda”) e seu bom pai Dr. Amaury.

    Muita saudade de vocês, cuja família é lindíssima!

    • É, Guilherme, também tiro o meu chapéu para o Marcos Freire, mas minha dor maior foi pela perda de Deda, um dos meus primeiros amores. Ainda lembro, depois de tantas décadas, do beijo que ele me roubou um dia no Colégio de Aplicação. Estávamos na 6a série, imagina! Foi um verdadeiro choque sua morte! E não posso deixar passar também a perda de seu pai, Amaury, cuja lembrança principal é de quando ele pegava a bola de vôlei e quase a amassava entre as mãos. São as boas lembranças que ficaram…

  • O laudo deste acidente quem poderá informar por favor sou estudante de ciencias aeronauticas e me interesso sobre assuntos relacionados .Além mas este acidente não ha informação disponivel obrigado!

  • CONHECI MARCOS FREIRE, AINDA UM MANINO DE 9 ANOS DE IDADE, JÁ ACOMPANHAVA A POLITICA E COMECEI A GOSTAR E MIM APAIXONAR , PELA A VIDA PUBLICA VENDO ELE DISCURSAR, HOMEM DO POVO QUE DEIXOU SAUDADES,UM ORADOR INÉSQUISIVEL,QUE DEUS O PROTEJA!

  • Maros freire foi o maior orador que já´vi, fez a minha cabeça na juventude não renunciaria a nada para não voltar em marcos freire . viva maros freire eternamente seu liderado.

  • nao gosto de politica,mas achei muito interesante esta coluna sobre M.freire.sera que ele tem filhos ou neto na politica, que tenha mesmo caracter mesma visao que ele?

  • Eu gostei muito da matéria publicada em alusão ao ex ministro Marcos Freiure. Sou um dos privilegiado porque o conheci de perto. Fui morador de Olinda durante anos, fiz campanha para Marcos Freire com convicção. O antigo MDB era um partido de muita credibilidade. Tenho saudade desse tempo.

  • Pra mim foi o político mais marcante de todos, lembro-me quando meu pai me levava aos comícios em 74, quando venceu as eleições para senador. O slogan ” Sem ódio e sem medo” é memorável. Parabéns pela matéria.

  • Tenho uma mensagem escrita para o povo brasileiro por Marcos Freire que consegui quando eu era estudante em João Pessoa-Paraiba, quero doar para a familia do Marcos Freire, não sei como faço isso.

  • Apredi a gostar de politica após ver Marcos Freire discursar em um comicio na casa do estudante de PE, homem integro, e capaz de trazer a verdade a quem não chegava, em uma epoca em que a chibata falava mais forte na hora do voto.

    • Serra Talhada, Minha Terra Querida!

  • sempre gostei da politica,só não gosto dos maus politicos.minha bisa vó era tia de marcos freires,lá de alagoinha.pe

  • O Brasil iria mais longe como homens como o nosso inesquecivel Senador Marcos Freire.

  • Nai gosto de politica nem de politicos, no entanto, de tempos em tempos aparece um que se identifica com os anseios do povo. marcos freire foi um deles. lembro-me bem de que, após o acidente aéreo que o vitimou, a autoridade aérea competente publicou uma nota , dando conta de que no prazo de 30 dias apresentaria um relatorio sobre o sinistro dando conta sobre as causas do acidente. Não sei se aconteceu porque não vi o tal documento em nenhum orgao de imprensa falada, escrita ou televisada. Correu uma estoria à época que uma bomba teria sido colocada na aeronave que o conduzia, que explodiu logo depois da decolagem. ´Foi uma pena. Quando aparece alguém que instila esperanças no povo, morre prematuramente. Enquanto isso os Josés… os Lulas, os, os, os…duram, duram, duram e duram.

  • Desculpem.

    • Com muita honra e orgulho, quero dizer que, o senador Marcos Freire era primo de 3º grau. Eu só passei a saber disso porque o meu pai (falecido) e irmão da minha querida tia Clarice Costa Campos, moradora de Boa Viagem-PE na Rua Carolina Machado, me contou. Que pena que não nos conhecemos um ao outro de perto, até porque, eu saí de Recife no ano de 1979 para servir à caserna militar e assim dar continuidade ao meu ofício. Mas, como já disse, me orgulho por ter tido esse primo no sistema politico brasileiro. Que todos os políticos deste imenso e querido Brasil, use de justiça e equidade para com o povo brasileiro, dando assim mais valor e dignidade. Pois o Brasil tem tudo para dar certo, é tirar o veneno chamado corrupção e os corruptores do sistema. Mas, graças ao bom Deus que ainda existem em nossa politica, homens com o caráter e a dignidade do ex-Senador da República Brasileira-Marcos Freire. O que estamos precisando é reconhecer que quando o impio governa, o povo sofre e se entristece. Mas, quando o justo governa, o povo se alegra sobremaneira. Que Deus possa levantar homens corajosos e valentes e compromissados com o país e que de fato e de direito, governe bem essa querida nação brasileira.

  • FUI SUA FÃ DESDE MENINA. ACOMPANHAVA TODOS OS COMÍCIOS QUE TINHA EM CARUARU QUANDO CRIANÇA, MESMO SEM VOTAR, O MEU PAI VOTAVA POR MIM.
    O BRASIL MERECE POLITICOS E HOMENS COM A GARRA A CORAGEM DESSE DE SERIA O MAIOR REPRESENTANTE DE PERNAMBUCO NO BRASIL E NO MUNDO.
    SAUDADES

  • Meu nome é Adriana Jeronimo da Silva tenho trinta e oito anos, e gostaria de encontrar a minha mãe. Minha história começa assim, nasci em pernambuco e logo depois que eu nasci, minha mãe trabalhava de doméstica na casa do deputado Marcos Freire e meu pai era pedreiro lá, eles se conheceram, moraram juntos, mais meu pai era muito violento e bebia muito, então minha mãe fugiu comigo e foi morar na casa da minha avó, ainda não tinha me registrado meu pai foi atras dela e me roubou da minha mãe e jurou que se ela viesse atras de mim ela a mataria, então me registrou com o nome de outra mulher Maria Helena da Silva. Meu próprio pai contou essa história para mim antes de morrer e disse que o verdadeiro nome da minha mãe é Severina, fui criada pela minha madrasta Elizete Francisca de Souza dos cinco anos em diante, com 10 anos fui pra FUNABEM e fiquei ate os 13 anos quando fui trabalhar de babá em uma casa de família, e com 15 anos me casei, tive duas filhas mas não conheço mais ninguém do Rio de Janeiro que seja o meu parente. Gostaria muito de encontrar a minha mãe, porque sinto enorme vazio e uma solidão muito grande, espero que voces possam me ajudar!

  • Voce sabe dizer onde foi esse comicio de Marcos??

  • POLÍTICO, DE VERDADE QUE PLANTOU ESPERANÇAS NOS BRASILEIROS. VERDADEIRO MODELO DE POLÍTICO.

  • No ano de 1976 em Serra talhada eu fui o comicio de Marcos Freire no correto que fica centro da praça principal da cidade, ele falou uma frase que nunca esqueco ate hoje, {COMO É BOM VOTAR}.

  • Marco Freire deixou um grande legado de coragem e determinação politica para as gerações vindouras. Os seus discursos vibrantes e possuído de uma energia contagiante a de ficar para sempre na constelação politica desta pátria.

    Armando Fonseca Junior
    Rio Verde-Goias

  • Marco Freire deixou um grande legado de coragem e determinação politica para as gerações vindouras. Os seus discursos vibrantes e possuído de uma energia contagiante a de ficar para sempre na constelação politica desta pátria.

  • MARCOS DE BARROS FREIRE, SENADOR DA REPUBLICA? O MAIOR E MELHOR ORADOR POLITICO DO.
    PLANETA, BRILHANTE, INTELECTUAL,HONESTO,DEFENSOR DAS CAUSAS SOCIAIS,RESPEITADOS.
    PELOS ADVERSARIOS POLITICOS,AMIGOS DO POVO BRASILEIRO,FALAVA SO VERDADE EM BENEFICIO.
    DA HUMANIDADE, SEM ODIO SEM MEDO? O BRASIL NUNCA JAMAIS TERAR OUTRO POLITICO.
    IGUAL A MARCOS DE BARROS FREIRE? O INESQUECIVEL DURMA EM PAZZZZZZZ?
    O SEU LIVRO EMBUSCA DA PAZ? ESTAR COMIGO, BEM GUARDADO EM MEMORIA A VOCE?
    ASS:PENUEL GOMES BEZERRA,NATURAL DE RECIFE-PE, BRASIL?18/10/13!SEM ODIO SEM MEDO?

  • sem odio e sem medo marcos freire para senador… lembro bem da musica. tempo de gente de coragem e coração grande na politica, cada vez mais raro… andrade de eurico com muito orgulho!

  • Marcos Freire era tão admirável que novamente pesquisando suas histórias voltei a este blog, cuja leitura tinha feito em 2007 com um registro nestas respostas, mas novamente presto mais uma homenagem ao HOMEM RETO que foi Marcos Freire, OLINDA PRECISA RESGATAR ESTES VALORES. Convido a todos fazer uma caminhada na Avenida Marcos Freire, na beira mar de Olinda, para ver uma grandiosa homenagem ao exemplo de político que foi MARCOS FREIRE.

  • VENDIDO ! ! !

    Fechou muitas unidades da CEF para que o BRADESCO pudesse entrar nessas praças.

  • Fazem 28 anos desde aquele triste 08 de setembro de 1987 quando meu querido amigo José Eduardo Vieira Raduan , presidente do antigo INCRA e Marcos Freire, ministro da Reforma Agrária se foram com mais 5 pessoas da equipe, naquele acidente muito mal explicado! Acidente ou atentado? Minha tese é que foi um atentado promovido pela antiga UDR que era contra a Reforma Agraria. Isso em plena redemocratização, no governo Sarney, na chamada Nova República.
    O avião pousado por uma noite no Aeroporto de Carajás recebeu areia no tanque de combustível, mas o laudo do acidente foi que passaros entraram nas turbinas do avião na decolagem sobre a Floresta Nacional de Carajás. São heróis da luta pela Reforma Agrária no Brasil. # RIP

    “Morreu na explosão do avião em que viajava a serviço do Ministério, após a decolagem, no sul do Pará. A queda ocorreu a apenas cinco quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto.”
    Morreram no mesmo acidente o secretário-geral do ministério Dirceu Pessoa, o presidente do Incra José Eduardo Vieira Raduan, o secretário particular José Coelho Teixeira Cavalcanti, os assessores Amaury Teixeira Cavalcanti e Ivan Ribeiro, o tenente-coronel aviador Wellington Rezende, o capitão aviador Jorge Shimonura e o 3º sargento Carlos Alberto da Silva. O jornalista pernambucano Geraldo Sobreira, então assessor de imprensa do ministro, iria embarcar no mesmo vôo, mas, à última hora, cedeu a vaga a outra pessoa.

    Marcos Freire, natural do Recife, tinha completado 56 anos três dias antes (nasceu no dia 5/9/31). Ele era um dos principais líderes do PMDB pernambucano ao lado de Miguel Arraes (então governador do Estado) e Jarbas Vasconcelos (então prefeito do Recife).

  • Isso mesmo Vanda Lucia Garbin. Fazem 28 anos desde aquele triste 08 de setembro de 1987 quando meu querido amigo José Eduardo Vieira Raduan , presidente do antigo INCRA e Marcos Freire, ministro da Reforma Agrária se foram com mais 5 pessoas da equipe, naquele acidente muito mal explicado! Acidente ou atentado? Minha tese é que foi um atentado promovido pela antiga UDR que era contra a Reforma Agraria. Isso em plena redemocratização, no governo Sarney, na chamada Nova República.
    O avião pousado por uma noite no Aeroporto de Carajás recebeu areia no tanque de combustível, mas o laudo do acidente foi que passaros entraram nas turbinas do avião na decolagem sobre a Floresta Nacional de Carajás. São heróis da luta pela Reforma Agrária no Brasil. # RIP
    “Morreu na explosão do avião em que viajava a serviço do Ministério, após a decolagem, no sul do Pará. A queda ocorreu a apenas cinco quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto.”
    Morreram no mesmo acidente o secretário-geral do ministério Dirceu Pessoa, o presidente do Incra José Eduardo Vieira Raduan, o secretário particular José Coelho Teixeira Cavalcanti, os assessores Amaury Teixeira Cavalcanti e Ivan Ribeiro, o tenente-coronel aviador Wellington Rezende, o capitão aviador Jorge Shimonura e o 3º sargento Carlos Alberto da Silva. O jornalista pernambucano Geraldo Sobreira, então assessor de imprensa do ministro, iria embarcar no mesmo vôo, mas, à última hora, cedeu a vaga a outra pessoa.

    Marcos Freire, natural do Recife, tinha completado 56 anos três dias antes (nasceu no dia 5/9/31). Ele era um dos principais líderes do PMDB pernambucano ao lado de Miguel Arraes (então governador do Estado) e Jarbas Vasconcelos (então prefeito do Recife).

  • Alguém teria a(s) foto(s) da foto montada ou como se deu toda essa armação?

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

dezembro 2018
S T Q Q S S D
« mai    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).