A desastrosa gestão de mídias sociais de Marília Arraes

dez 13, 2011 by     110 Comentários    Postado em: Política

 

por André Raboni*
do blog PE de Andada

Desde a última quarta-feira (07), a vereadora do Recife Marília Arraes (PSB) viu sua página do Facebook se transformar na plataforma de debates mais intensa que um parlamentar municipal da cidade jamais viu. A polêmica em torno de seu projeto de lei que pretende proibir o consumo de bebidas alcoólicas nas vias públicas do Recife fez com que uma avalanche de comentários contrários à sua proposta tomasse conta de sua página.

Sobre o projeto em si, recomendo a leitura do artigo “Os erros do projeto de Lei contra o consumo de bebidas“, que analisa como a vereadora se utilizou de uma pesquisa estatística de forma equivocada para justificar seu projeto de lei.

Estou acompanhando a polêmica desde o início, e para facilitar o entendimento de tod@s, divido a narrativa dos acontecimentos em três partes:

1 – broadcast: falando de cima pra baixo;
2 – a interlocução bem-vinda;
3 – recifenses sem voz: a censura em tempos democráticos.

Desde a noite de ontem dezenas de pessoas estão sendo sumariamente excluídas da página da vereadora (inclusive este blogueiro que vos escreve), e centenas de comentários estão sendo deletados, numa postura extremamente antidemocrática e autoritária da vereadora, que simplesmente, depois de “abrir” o debate, optou por calar a boca da opinião pública recifense.

Infelizmente a vereadora e sua assessoria não calcularam os efeitos desse gesto extremamente reprovável, e a repercussão ao seu projeto (que já era negativa), agora se tornou uma repercussão duplamente negativa: ao projeto e ao próprio comportamento de Marília Arraes e seu gabinete.

Mas, como Jack, o estripador, vamos por partes.

Ao final do post, falo sobre nossa ida à Câmara, ontem, e sobre as articulações que estamos movendo para barrar este projeto. Com isto já fica dito que sou contrário à proibição do consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas, mas não pretendo me alongar nisto, senão fazer uma análise sobre a gestão desastrosa das mídias sociais da vereadora. Broadcast: falando de cima pra baixo

As primeiras movimentações polêmicas na página da vereadora aconteceram na terça-feira, dia 6 de dezembro, por volta das 18h. Nesta postagem, sua assessoria informa que os projetos de leis nº 128 e 130 foram aprovados na Câmara.

Sem imaginar a repercussão extremamente negativa ao projeto nº 130 (o que proíbe o consumo de álcool em vias públicas), a vereadora chegou a postar um comentário dizendo o seguinte: “Agradeço o apoio de tod@s!” Mas esse “apoio de tod@s” não existia, e continuou sem vir. Ao contrário, a partir desse momento começaram muitos questionamentos sobre o projeto de lei.

Além desses questionamentos sobre o projeto, começou-se a se questionar o por quê de a vereadora não responder às críticas e perguntas que iam surgindo. “Dá pra senhora responder as perguntas feitas, por favor?”, escreveu uma garota.

Mas as perguntas feitas não foram respondidas. Em vez disso, a vereadora fez outra postagem, na qual dizia estar “muito feliz com a repercussão”.

 Abaixo dessa declaração, uma enxurrada de quase 200 comentários (embora, como se pode ver, esses quase 200 foram reduzidos a 65…). Dezenas de pessoas questionavam a vereadora, sem que ela se manifestasse sobre nenhuma das críticas. Muitos desses comentários, inclusive, eram de extrema pertinência, com observações bastante inteligentes e embasadas sobre os problemas notórios do projeto.

No dia seguinte, 7 de dezembro, com um turbilhão de pessoas criticando o projeto em suas postagens, a vereadora (ou sua assessoria) postou um álbum de fotografias mostrando alguns bares nas ruas do centro da cidade (update: depois da repercussão, a vereadora deletou este álbum).

As fotos, escuras e sempre buscando um olhar sobre a sujeira, foi motivo de muita chacota entre os comentários, como “Vereadora, são pessoas felizes nas fotos, tomando uma cervejinha depois do trabalho. É isso que a senhora quer proibir?” Ou ainda: “Se essas ruas são escuras é culpa do abandono da prefeitura e dos vereadores! Não puna as pessoas pela falta do trabalho de vcs”.

Mais e mais comentários chegavam em tom crítico à postagem das fotos, e tantos outros criticando o projeto de lei da vereadora, e ainda muitos questionando-a se ela não iria responder às perguntas de nenhum cidadão.

Porém, não veio resposta alguma de Marília Arraes. O que vieram foram mais e mais postagens dela, uma por sobre a outra, ignorando completamente as centenas de comentários que surgiam em sua página. Um verdedeiro picadeiro de crise de gestão de mídias sociais estava armado.

Depois do álbum, surgiu uma postagem com uma “nota técnica da secretária de saúde do Estado”, depois outra com a íntegra dos projetos de lei. Em seguida, na sexta-feira, outra postagem com um depoimento do secretário de defesa Wilson Damázio (defendendo a proibição, claro).

Pra fechar a sexta-feira com chave de ouro surge uma postagem dizendo que a Câmara havia aprovado os projetos por unanimidade – como se isso fosse algum atestado de que as pessoas deveriam achar que o projeto era bom.

Esse comportamento da assessoria de imprensa da vereadora, que observei muito atentamente durante todos esses dias, caracteriza uma postura típica de quem desconhece completamente o funcionamento dinâmico das redes sociais.

A intenção desse “post sobre post”, ao que me pareceu, teve como objetivo sufocar o dissenso, passando por cima das opiniões contrárias, e representa uma forma de comunicação totalmente ultrapassada, própria dos veículos tradicionais de mídia que funcionam a partir do broadcast (que significa “difusão”, “transmissão”), empurrando goela abaixo pílulas e mais pílulas de informação na tentativa vã de “morgar o papo a partir do argumento da autoridade”.

Mas em tempos de socialcast, onde cada pessoa é sua própria mídia, cada pessoa é produtora de conteúdo (e, mais do que isso, cada indivíduo é um transmissor, um broadcast), as informações não dependem de um único hub (concentrador), e a consequência é que as críticas e opiniões contrárias se espalham como uma avalanche por diversas outras mídias sociais, em cada perfil de Twitter, de Facebook, de Orkut, etc.

É precisamente esse o poder de difusão incontrolável das mídias sociais. É neste ponto que a internet virou definitivamente a mesa da comunicação social tradicional.

A interlocução bem-vinda

Ainda na sexta-feira, a própria vereadora veio ao seu Facebook para responder algumas pessoas nas seções de comentários. A atitude foi elogiada por várias pessoas, e dava a entender que as coisas estariam, agora, caminhando no rumo certo.

No sábado de manhã, Marília Arraes postou uma mensagem pedindo desculpas pela demora em responder, o que denotou uma virada muito positiva para a parlamentar municipal.

Adotando um tom mais sociável, a vereadora respondia alguns questionamentos e ignorava outros. Logo em seguida, às 9h da manhã deste mesmo sábado, Marília mostrou que apesar de aparentar-se afeita ao diálogo, não estava disposta a voltar atrás de seu projeto, extremamente criticado de forma bastante fundamentada, por dezenas e dezenas de pessoas.

A vereadora se mostrou irredutível, fazendo outra postagem com sua opinião em defesa do seu projeto de lei. A repercussão continuou muito grande, tanto dentro de sua página como em dezenas de perfis tanto do Facebook, quanto do Twitter. Socialcast… lembram?

Em seguida, a vereadora parece ter retomado sua postura inicial, verticalizada, fazendo mais e mais postagens de notícias extraídas de jornais e blogs sobre o projeto, atropelando todas as opiniões contrárias à sua.

Enquanto isso, suas seções de comentários fervilhavam mais e mais…

O fim de semana, então, foi concluído com a postagem de uma matéria da Folha Online sobre o projeto. Essa atitude deixou ainda mais contrariada a opinião pública. A vereadora acabava de perder uma grande chance de virar toda a a polêmica em seu favor.

Recifenses sem voz: a censura em tempos democráticos

Como os projetos de Marília Arraes foram aprovados com emendas, eles voltaram às comissões e nesta segunda-feira seguiriam novamente para votação no plenário. Um grupo de pessoas esteve na Câmara de Vereadores (inclusive eu) para tentar dialogar com Marília Arraes, que numa postura louvável havia convidado para irem até o seu gabinete apresentar suas opiniões.

Ainda de manhã, a vereadora se comprometeu a retirar seu projeto de votação, para que os debates se aprofundassem. Para surpresa de quem conversou pessoalmente com a vereadora, não só o projeto não foi retirado da Ordem do Dia, como seria votado mesmo depois de a vereadora dar sua palavra em contrário.

Sobre o dia de ontem na Câmara, escrevi um post no meu blog (leia aqui), e nele reproduzi a moção de repúdio ao projeto, que escrevemos.

Quando cheguei da Câmara, à noite, fui surpreendido. Eu e várias pessoas havíamos sido excluídos da página de Marília Arraes!, e nossos comentários foram sumariamente deletados.

Porém, o mais curioso foi acompanhar o Twitter da assessora de imprensa da vereadora, que comentava sobre o assunto na mesma hora em que censurava centenas de comentários.

Confiram algumas de suas mensagens:

De forma alguma eu condeno a postura pessoal da assessora de Marília Arraes. Ela tem o seu direito de falar o que pensa. Mas sobre seu comportamento profissional, tenho inúmeras críticas.

A começar pelo fato de que ela tem um cargo público comissionado e seu salário é pago com o nosso dinheiro, o dinheiro dos contribuintes, entre eles, os próprioscidadãos debatedores que ele classifica como “pseudo-intelectuais” – como se todos os cidadãos recifenses fossem obrigados a compartilhar de suas mesmíssimas vulgaridades de pensamento!

A assessoria da vereadora Marília Arraes fez uma verdadeira “limpeza” nas seções de comentários, e praticamente todo o contraditório desapareceu – e, agora, as seções de comentários do Facebook da vereadora mais se parecem às seções de blogs como o de Reinaldo Azevedo ou de Paulo Henrique Amorim, limpas e praticamente sem discordâncias, como se possível fosse uma democracia existir sem o dissenso.

A impressão que ficou é que a “limpeza” feita no Facebook reflete o próprio higienismo do projeto da vereadora: “vamos varrer a sujeira (o dissenso) pra debaixo do tapete e fingir que vivemos numa cidade limpinha (sem oposição).

Para infelicidade da vereadora e de sua assessoria, eu fiz uma cópia de praticamente todos os comentários antes deles serem deletados.

Imaginava que isso poderia acontecer a qualquer momento, e agora transformei toda essa repercussão em um arquivo pdf., pois a perda de toda essa memória seria inaceitável para um blogueiro historiador como eu…

O arquivo está disponível para download clicando aqui.

Façam também o download da nota publicada hoje por internautas contra o PL clicando aqui.

Articulação para barrar o projeto

O projeto de lei da vereadora acabou sendo retirado de pauta na tarde desta segunda-feira, e sua votação foi adiada. Eu e mais um grupo de pessoas fizemos uma comissão para manter ativa a oposição ao projeto, uma vez que o PL havia sido aprovado por unanimidade pela Casa!

Ainda ontem conseguimos o apoio do vereador Osmar Ricardo (PT), e vamos continuar articulando o apoio de outros parlamentares para aumentarmos nossa representatividade no momento da votação – caso a vereadora não desista do projeto.

Por isso, fica aqui o chamado para tod@s que quiserem se juntar à discussão e ampliar uma oposição popular a este projeto de Marília Arraes. Por enquanto, vocês podem acompanhar através de um dos canais de comunicação que criamos, no Twitter: @contraleiseca. Depois ainda criaremos outros canais.

Este é um momento muito importante para nós cidadãos mostrarmos aos parlamentares desta cidade que eles não podem governar para si mesmos, mas para toda a coletividade – pois não apenas os elegemos, também somos nós quem pagamos seus funcionários comissionados, bem como os seus salários de mais de 9 mil Reais.

_____________________________

* André Raboni é blogueiro, gestor de mídias sociais e bacharel em História pela UFPE. Foi redator do Acerto de Contas entre março de 2007 e novembro de 2011 e é editor do blog PE de Andada.

Twitter: @andreraboni

110 Comentários + Add Comentário

  • A Prefeitura de Olinda no Facebook faz a mesma coisa: apagar, deletar, censurar.

    • Boa noite Ernesto, trabalho na Secretaria de Comunicação de Olinda e asseguro que todos os comentários que questionam, criticam e cobram a gestão permanecem onde estão. Apenas palavrões e ofensas são apagados.

      Obs.: não falo de forma “oficial” neste espaço. Caso queira fazer alguma denúncia, estou à disposição pelo email secomolinda@gmail.com

      • Tu é meu ídolo. Resposta mais completa impossível (Y) :P

        • Besteira, gaúcho. Vê se tu paga um churras quando eu for aí, tchê!

    • O projeto é inconstitucional, até um bêbado sabe disso !!! QUEM FOI O REDATOR DAS LEIS ? O cara botou “bares e similares” para fecharem as 22:00h, esqueceu de dizer o que é “similares”. É VERDADE QUE A VEREADORA BEBE E FUMA ?

      • BEBE SIM, SEMPRE BEBEU

        • Não desejo saber quem bebe e quem fuma.
          Desejo apenas esclarecer:

          um bêbedo ao volante de um carro é um perigo para o bêbedo e para o pedestre?
          Sim ou não?

        • Esse Edson parece estar completamente “bêbedo”… Leiam os comentários dele mais abaixo (é um pior que o outro!) e percebam:

          “Qual é então a solução?
          Acabar com as Leis?
          Ou realizar um preocesso de educação e respeito do ciadãos às leis que eles acahm “chic” não respeitar?
          É um problema de FAMÍLIA rpezado Raul. É a famíli que precis ensinar a seus filhos que lei froam feitas para protegê-los e que, por isto, precisam ser respetiadas. ”

          “SADIA LEBERDADE….
          O que é sadia liberdade?”

          “O que da pena é que pessoas que sabemler e escrever achem que as leis sõa feitas para satisfazerem grupelhos de cidadão que se comprazem em infernizar a vida dos demais”

          “TODO MUNDO DE BOM SENSO ESTÁ ACHANDO QUE O CRIME DE MATAR PEDESTRES COM UM AUTOMÓVEL DESCONTROLADO DIRIGIDO POR UM BÊBEDO É IGUAL AO CRIME QUE ESTE BÊBEDO ”

          e BLÁ BLÁ BLÁ…

          Ô seu “bêbedo” ninguém aqui está falando sobre dirigir “bêbedo”.

          Afinal de contas, a lei da vereadorazinha não inibirá ninguém de encher a cara num bar fechado e sair por aí atropelando os outros!!!!

          Que ‘bêbedo” idiota!

          Não dá nem pra levar a sério.

          Aposto que é um puxa saco da vereadora ou gente do próprio gabinete!

      • Bebe, fuma e foge da raia…

        • Não desejo saber quem bebe e quem fuma.
          Desejo apenas esclarecer:

          um bêbedo ao volante de um carro é um perigo para o bêbedo e para o pedestre?
          Sim ou não?

  • Quem foi a Câmara Municipal viu o Varal pela Ficha Limpa Municipal ou já tiraram de lá???

  • Lamentável o projeto de lei, sustentado por argumentos que não têm uma clara e justificável relação de causa e efeito. Não tem o mínimo de realidade com a adequada interpretação de dados estatísticos (todo mundo deveria cursar algo assim, independente do curso!).

    Já dei meu voto a ela uma vez. Nunca mais.

    • Isto não é um comentário!
      É um simples palpite!

      Um comentário precisa ser bem embasado com citações precisas do que é pernicioso e por que não deve ser aprovado.

      É assim ou não é?

      • Esse Edson parece estar completamente “bêbedo”…

        Deve ser um puxa saco da vereadora ou gente do próprio gabinete!

  • Quero ver essa ditadora se eleger novamente.

    • Claro que se elege… Só basta ter dinheiro.

    • Ditadora…

      …parece que você é mais já que quer no empurrar (güela a baixo) um palpite não fundamentado.

  • Paulo Henrique entrevista o autor do livro “A Privataria Tucana”, Amaury RIbeiro Jr., HOJE na Record News às 22h15:

    http://www.conversaafiada.com.br/politica/2011/12/13/amaury-o-“quem-e-quem”-dos-privatas-do-caribe/

  • Boa André , é assim mesmo que temos que tratar este assunto com aqueles que pensam que são donos do Recife e dono de nossas vidas.!!!!!

    • Assim mesmo?
      Assim mesmo como?

      Justificando a imoralidade de um bêbedo ser autorizado a dirigir um veículo e dizimar famílias e transeuntes com a arma que lhe deram para brincar?

  • Marília Arraes é campeã em fazer lei sem sentido, desnecessária e que tão logo sancionada, cairá em desuso.

    Apenas mais uma para não ser cumprida.

    • Leis não são cumpridas não é por causa de Marília Arraes.

      Leis não são cumpridas pelos “filhinhos do papai” que se acham superiores a elas e encontram respaldo na sociedade para infrigirem as leis sem serma punidos.

      É apenas isto e não é Marilai Arraes que não as faz cumprir.

      Você sabe quem é? Se sabe, denunie e prestará um serviço à sua Pátria

  • Muito ridículo esse projeto e a atitude dela! ¬¬

    • Ridículo porque?

  • Para infelicidade da vereadora e de sua assessoria, eu fiz uma cópia de praticamente todos os comentários antes deles serem deletados.

    Imaginava que isso poderia acontecer a qualquer momento, e agora transformei toda essa repercussão em um arquivo pdf., pois a perda de tudo isso seria inaceitável para um blogueiro historiador como eu…

    Ae André, gostei de ver =) Dá-lhe o historiador, salvando o dia da democracia no Recife =)

    Quanto ao tema proibição de bebidas alcoólicas nas ruas, eu mesmo não bebo, mas sei que não é assim que a sociedade vai beber menos e deixar de considerar a alcoólica uma bebida aprazível e passar a vê-la como uma droga.

    Deveria haver uma campanha permanente de conscientização, de debate educativo mesmo, em que o poder público e a população discutisse sobre o efeito do álcool na violência, nos acidentes de trânsito etc. Seria a chance de muita gente repensar o consumo imoderado de álcool – já que tem aqueles que fazem questão de beber até se embriagar, que só veem graça na cerveja se for pra tomar tudo até ficar alterado.

    Lei draconiana como a da neta de Arraes não funciona de jeito nenhum. Seria só uma versão a mais daquela Lei Seca estadunidense que não só fracassou em conter o consumo de álcool como também deu à luz os gangsters.

    Antes da coerção, que se faça a educação.

    • Poxa! Falando de AllCapone para ustificar a embriaguês do brasileiro?

      Não! O que eu quero saber é a razão pela qual um Lei que é benéfica para sociedade como um tudo não vai ser aprovada porque incomoda a meia dúzia, uma dúzia, ou centenas de pessôas que adoram se embriagar em via pública e que sequer correm o risco de serem presas por atropelarem e matarem fmília inteiras

      • Então só porque eu me embriago em vias públicas eu tenho mais chance de matar uma família do que alguém que se embriaga em um bar fechado? Essa lei é totalmente contraditória.

  • Proibir o consumo de bebidas nas ruas é tão patético quanto a proibição de bebida em estádio de futebol. Violência (seja contra a mulher,contra raça, contra torcedor de outro clube e etc) é reflexo da impunidade ( por incompetência do judiciário-que por sinal é caríssimo pelo serviço ridículo que presta- e por leis ridículas que ainda existem no Brasil. Sem contar com o sucateamento e falta de inteligência da polícia). Das pessoas que usam bebida alcoolica, uma minoria é que faz merda. Mas nosso governo de merda (tanto o atual como os anteriores) joga com o inconsciente coletivo da população : ” A culpa é do bebo”. E assim o governo posa de competente e eficiente embora saibamos que isso não é verdade.
    A responsabilidade é pessoal. Que se puna quem rouba, estupra ou mata, independente de estar bêbado ou não. Essas leis ridículas não trazem resultado algum e só serve para político enrolar e justificar a fortuna que recebem da gente. A prova cabal de que o governo sabe que isso é enrolada foi a permissão da venda de bebida em estádio na Copa 2014, após pressão da FIFA. Foi ótimo ver o governo ceder com rabinho entre as pernas!!!!

    • Comentário mais que perfeito. Como todos os outros até aqui, também. Pouco tenho a acrescentar.

    • Comentário mais do que pertinente. Temos que acabar com essa mania no país de ficar fazendo leis que só fazem varrer a sujeira pra baixo do tapete, sem atacar diretamente as causas deles. O mal reside na pouca vergonha que é o judiciário deste país.

    • Para um irresponsável pessoal poder ser preso, responder a processo e ir para a cadeia por alguns anos são necessárias leis que permitam que isto seja feito. Sem leis, nada poderá ser feito!

      Agora: quem não cumpre as leis é por saber que a justiça não funciona. Ta aí o Paulo Maluf que comprova isto. O êrro não é que haja LEIS e sim que se as interprete corretamente já no ^mbito dos inquéritos policiais e, MELHOR AINDA, no Judiciário. É a interpretação que se dá às mesmas que as faz inúteis, como por exemplo, a interpretação que está sendo dada a este Projeto de Lei que ignora que um bêbedo ao volante é um assassino em potencial o que é mais do que comprovado por centensa de famílias destruídas

  • Parabéns André, muito esclarecedor o texto e ao mesmo tempo revoltante! Considero esse projeto uma falácia das mais picantes! Mas é fato e está acontecendo e se não tiver uma movimentação irá passar de fininho pela porta da frente. A vereadora já meteu os pés pelas mãos… agora é ressoar e joga B. na geni…

    • Revoltante é que membros de uma sociedade violenta se sintam ofendidos porque uma das razões da violência etá sendo coibida.

      Um bêbedo ao volante é um assasino em potencial. Esse assasino, ao consumar seu ato vil, paga fiança e nem preso em flagrante pode ser depois de ter destruído famílias inteiras com a nova arma social: UM AUTOMÓVEL NAS MÃOS DE UM BÊBEDO.

  • O que Eduardo Campos e Ana Arraes devem estar achando disto?

    Quero ver com que cara ela vai começar o ano de 2012, ano de eleições.

    • TODO MUNDO DE BOM SENSO ESTÁ ACHANDO QUE O CRIME DE MATAR PEDESTRES COM UM AUTOMÓVEL DESCONTROLADO DIRIGIDO POR UM BÊBEDO É IGUAL AO CRIME QUE ESTE BÊBEDO COMETER SE, OU INVÉS DE USAR O AUTOMÓVEL COMO ARMA USAR UM REVOLVER OU PISTOLA.

      • Mas dirigir bêbado não é a mesma coisa que beber na rua.

        O que a lei quer é proibir de beber na rua !

        Não venha querer defender uma lei que versa sobre castração de liberdades como se ela fosse uma lei de trânsito preventiva aos acidentes…

      • Meu caro Edson, me parece que você está a confundir um pouco as coisas. O projeto de lei versa sobre beber em via pública. Em bares fechados e restaurantes continuaria permitido a bebida sim.

        Sobre beber e dirigir, o bom senso é que dita as regras. Já vi gente que bebe em casa pegar o carro e sair por aí, já vi gente que bebe em bar fechado, durante o almoço, pegar o carro e sair por aí e já vi também gente que bebe na rua pegar o carro e sair por aí.

        Eu particularmente, deixo meu veículo em casa quando sei que há a mínima chance de tomar aquela cervejinha. E não acho isso o fim do mundo. Volto de táxi, de ônibus, de carona…Enfim. Mas pedir que todos pensem como eu é um pouco demais. Eu não faço isso por causa da lei, mas sim, porque tenho bom senso de saber que posso matar alguém ou me matar se dirigir embriagado.

        Aí é que está o TOP da coisa. Vão se fechar os bares de rua, e vão se deixar funcionando casas de show onde GRANDE PARTE dos frequentadores bebem e dirigem. Digo isto empiricamente. Não tenho dados comprovados, mas é só dar uma voltinha ao redor das “boates badaladas” do Recife (que frequento sim) e perceber o número de carros que ali está. Se você parar um pouquinho na frente de uma delas vai perceber UM MONTE de gente saindo dos carros já com garrafinhas e copos na mão, fazendo o “esquenta” antes de entrar na balada. Todos sabem disso e o poder público sabe disso. Se querem proibir que as pessoas dirijam bêbadas, coloquem blitz nas ruas, oras. Agora penalizar o cidadão cumpridor de leis por conta dessa parcela da população é que não pode.

        Do jeito que está, vai acabar se proibindo as pessoas de sair nas ruas entre as 22h e 06h porque teoricamente esse é o horário em que mais crimes são cometidos. E aí, o que você acha? Suprimir as liberdades individuais.

        Mas é claro que seriam abertas exceções para carnaval, são joão e fim de ano, porque esses são as “injeções” de capital na cidade pelos “bebuns que vão curtir as festas”. Interessante isso.

        Tome uma injeção de bom senso, meu amigo. Você está precisando. E de ética da internet também. Escrever em caixa alta dá a impressão de que VOCÊ ESTÁ QUERENDO GRITAR!

  • Pierre / Anizio, agora que vi os campos disponiveis do Blog:

    [_] Notifique-me dos comentários seguintes por email.

    [_] Notifique-me de novos posts por email.

    Muito bom.

    Abs,

    Dalto

  • Na minha opinião a questão aí é de assessoramento.
    Não souberam conduzir o processo.
    Na essência o projeto é uma contribuição. Mas fica apenas nisso, pois é inviável.

    Como está provado estatisticamente que o consumo excessivo de alcool está associado a atos de violencia, Dona Marilia aproveitou o bonde e veio com essa pérola.

    Interessante lembrar que atualmente o grande projeto (e pedra no sapato) do governo do estado está ligado a redução da violencia, o famoso “pacto pela vida”, uma vitrine da gestão Eduardo que está em processo “sonrisal”

    Tirando o belo rostinho e o sobrenome famoso Marilia é do PSB, foi eleita no rastro de prestigio do governador.

    Nada mais justo então que ela pegue carona na onda da “redução dos crimes violentos”.
    Tá dando uma forcinha ao primão e ao mesmo tempo criando factoides.

    É tudo que um verador de primeira viagem deseja.

    • Os próprios assessores dela devem ser frequentadores assiduos de bares e locais como o “Burburinho”, onde o alcool rola solto.

      • Falando em BURBURINHO… E com essa lei, como fica o pessoal da Rua Tomazina, que bebe no meio do rua? E a rua da Moeda? Mermão, isso não existe! E o Central? A rua do Central fica tomada de gente bebendo dia de sexta.

        E a maioria das pessoas que frequenta estes locais é gente de esquerda, muitos deles donos de cargos comi$$ionados, talvez até alguns assessores da vereadora façam happy hour por essas bandas tambem…

        • “E a maioria das pessoas que frequenta estes locais é gente de esquerda, muitos deles donos de cargos comi$$ionados, talvez até alguns assessores da vereadora façam happy hour por essas bandas tambem…”
          ?????????????????????????????oO
          É MESMO?? TEM CERTEZA?

        • Então?

          Para beneficiar beberrões políticos a lei não deve ser aprovada?

          Político ou não, um ser humano que mata outro ser humano por estar embriagado ao volante de um carro é um criminoso e como tal deve ser tratado.

          Só isto!

          Alguém da família de vocês já foi assasinado por um desses “beberrões sem lei” que se acham o máximo por poderem descumprir qualquer lei sem que nada lhes aconteça?

          É de um tristeza infinita!!!!!!!!

  • é uma pena ver lideranças jovens repetirem comportamentos tao antigos. Belchior que estava certo – “ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”. tenho fé que este episódio servirá para melhoramento da vereadora, que, até onde sei, é uma boa pessoa e honesta, ainda que tenha pisado na bola nessa – o mesmo nao pode se falar de outras lideranças tao jovens quanto ela e ainda mais expressivas, mas que lhes faltam caráter.

    • Para prender e condenar um motorista embriagado depois que ele mata um ou dezenas de transeuntes, é necessário, primeiro, que haja um lei que permita fazê-lo, S enão houver essa Lei, qualquer advogadozinho de porta de cadeia paga fiança e:

      lá vai ele, feliz da vida, matar mais gente honesta e trabalhadora que transita pelas ruas de nossas cidades.

      Sem Lei não pode haver justiça!!! Apenas isto!!!

      • O senhor EDSON (obrigatório) parece ignorar o básico desta discussão. Ninguém aqui está se manifestando contra a Lei que proíbe o motorista de dirigir sob o efeito do álcool.
        Parece que falta ao senhor a habilidade de interpretação textual.

        • Minha irmã, não gosto de espetinho em banquinho no meio da rua, nem de som alto que aliás é proibido por lei, e muito menos de brega, mas precisamos lembrar que tem quem goste e o problema de gostar de porcaria é apenas deles, não nos cabe julgar.
          Quanto ao tema em debate, trata-se principalmente da censura imposta pela vereadora com a supressão dos comentários com críticas aos seus projetos.
          Quanto ao PL tenho a dizer que apesar de beber socialmente na praia ou mesmo bares com mesas na calçada, esta é uma prática proibida em diversos países da Europa e nos EUA.
          Também acho que não temos que ter ninguém como exemplo, nem sempre o que é bom para alguns é necessáriamente bom para nós.
          Nem também acredito que a bebida pela bebida seja indutor de violência, esta está mais para falta de educação doméstica, certeza de impunidade e falta do cumprimento da obrigação constitucional do estado nos garantir a segurança.

  • Excelente postagem! Divulguei todos os links pelas redes sociais também!

    É como eu sempre digo, uma “instituição” que só existe no Brasil como a “Vereança” num pode servir pra nada né?

    Lei completamente INÚTIL! A cidade se acabando e esses vereadores atrás de lei seca.

    E ainda tem aquele outro projeto igualmente patético e inconstitucional de outro ser dessa…”raça”… que proíbe eventos na Avenida Boa Viagem.

    Realmente…é de dar pena, não deles, mas da gente, que paga o salário desse zé povinho.

    • O que da pena é que pessoas que sabemler e escrever achem que as leis sõa feitas para satisfazerem grupelhos de cidadão que se comprazem em infernizar a vida dos demais sem que ninguém possa dizer: BASTA! ISTO NÃO É UM COMPORTAMENTO SOCIAL E SIM UM COMPORTAMENTO DE BAGUNCEIROS QUE NÃO RESPEITAM A VIDA EM SOCIEDADE!

  • E o que dar votar em quem nao tem historias de liderancas em seus bairros, de dedicacao , de dinheiro e tempo gasto para ser solidario ou para fazer o bem coletivo! Ela tem que polemizar para se reeleger!

  • Em primeiro lugar, a moça jamais deveria entrar na política sem nunca ter trabalhado na vida. Digo mais, cidadão nenhum deveria assumir cargo público ou político antes de um longo tempo produzindo, uns 20 anos no mínimo.

    Segundo, precisamos acabar com os cargos de vereador. Não serve para nada. A economia com a despesa do inútil parlamento municipal poderia melhorar a educação. É muito melhor contratar professores do que vereadores. A ex-senadora e atual vereadora HH que o diga.

    Terceiro, esses políticos barnabés mirins acham que um bom parlamentar é aquele que faz muitas leis. A grande maioria desnecessária, resultando em apenas em reduzir nossa sadia liberdade. O excesso de leis inócuas só faz piorar nossa relação com os poderes constituídos, aumento o custo de tudo.

    Conclusão, “elegemos” gente jovem (filhotes), despreparados e sem nehuma experiência de convívio social. Essa bancada de filhotes é um horror.

    Finalmente, parabéns André. Espero que em 2012 o AC não recomende nenhum vereador, muito pelo contrário, recomende o fim dos vereadores.

    • “Digo mais, cidadão nenhum deveria assumir cargo público ou político antes de um longo tempo produzindo, uns 20 anos no mínimo.”

      Carlos, isso não garante absolutamente nada. E O que dizer de grandes empresários que entraram na política depois dos 60 anos de idade e podres de ricos, depois de terem construído verdadeiros impérios e, mesmo assim, se envolvem em gigantescos esquemas de corrupção e tráfico de influência?

      Eu acho que você está sendo um pouco preconceituoso com os jovens. Muitas vezes um empresário rico, bem sucedido e experiente entra na política justamente com o objetivo de enriquecer ainda mais aproveitando-se da corrupção e sabendo que a impunidade é garantida.

      Lembre-se que quem tem muito dinheiro compra tudo e todos na política. E a maioria dos grandes empresários são extremamente inescrupulosos. Aliás, se ganharam muito dinheiro, não devem ser santos. Hoje em dia, não se fica milionário sem se fazer uma série de inimigos por aí.

      Quantos empresários vão para a política justamente para aproveitarem a imunidade parlamentar e ficarem longe da justiça? A maioria desses empresários quando chega na política, é por que já está cheio de crimes e condenações nas costas. Esses caras enxergam na política uma oportunidade para se protegerem da justiça.

      Carlos, não seja ingênuo, o cara que é um grande empresário, banqueiro ou empreiteiro, ele não chega na política pra fazer filantropia. Pode ter certeza que ele está ali pra sugar o máximo que puder do Estado.

      • Só complementando: um jovem idealista pode ter muito mais a oferecer do que um empresário rico e interessado em parasitar ainda mais no Estado.

        Eu vou mais longe: acho que gente muito rica devia ficar longe de política. Esse pessoal que tem muito dinheiro geralmente são os que tem as piores intenções.

        • A diferença é que existem alguns jovens que são nada mais nada menos do que filhotes desses mesmo barões inescrupulosos que você citou. Além de não terem conhecimento algum em matéria de política pública, têm seu marketing político calcado na imagem de seus “antepassados”. A vereadora em questão se encaixa bem nesse caso.

        • Roberto, daqui a pouco tu vai dizer que apoia a filhotecracia.

          Será que a sociedade quer que o cargos políticos sejam objeto do programa primeiro emprego para os filhos de políticos?

          Ninguém colhe nada antes de plantar.

          Reafirmo, o que está ferrando o Brasil é essa orda corrupta de políticos profissionais. Quem trabalha duro não rouba!! Mas quem nunca trabalhou na vida não sabe quanto custa cada suor, assim, estão mais propenso à corrupção.

          Para finalizar, nunca vi um homem trabalhador desonesto. Os corruptos não gostam de trabalho, gostam de ganhar sem trabalhar. Gostam do ócio exacerbado.

        • Carlos e Ana,

          Evidentemente, os jovens aos quais me referi NÃO são os filhos dos empresários que citei.

          São jovens que não tenham ligação com esses empresários e seus grupos.

          Claro que não sou maluco de achar que o filhinho do empresário é melhor do que o papai.

          Se o pai é um marginal travestido de empresário sério e empreendedor, é claro que o filho tem tudo pra ser outro crápula.

          E, Carlos, não caia nessa de “nunca vi um homem trabalhador desonesto.”

          Pode ter certeza que isso é pura balela. O esforço que a pessoa faz na vida pra conseguir uma fortuna não faz da pessoa um ser humano melhor.

          Esse papo de que o trabalho melhora as pessoas é pura conversa fiada.

          O que eu conheço de gente-que-veio-do-nada-e-enriqueceu e devia era tá preso, não é brincadeira. Marginal da pior espécie que começou do zero e enriqueceu.

          Ou vai dizer que muita gente que trabalha duro não sonega imposto? E se o cara sonega imposto, meu caro, pode ter ceteza que vai meter a mão do dinheiro público e vai pintar e bordar se virar político.

          Carlos, esqueça esse conto de fadas de que o trabalho dignifica o homem. Um dia eu já acreditei nessa fábula. Hoje, eu já voltei para a realidade.

          Cada vez mais eu acredito na tese de que muitos homem já nascem marginais. O trabalho não muda ninguém. Quem nasce marginal, vai morrer marginal.

        • “O esforço que a pessoa faz na vida pra conseguir uma fortuna não faz da pessoa um ser humano melhor.”

          Isto é uma premissa falsa, pois ninguém faz fortuna com trabalho. Isso não existe, sobretudo aqui no Brasil. Todas as grande fortunas tupiniquins tiveram ajuda da mão invisivel do estado. Observe!!

          Sim, o trabalho melhora as pessoas. E muito!!

          “…gente-que-veio-do-nada-e-enriqueceu e devia era tá preso” É lógico, nenhum homem sério e honesto vem do nada e fica rico. As pessoas sérias e honestas que vem do nada, melhoram de vida com o trabalho. Melhoram muito, mas não a ponto de fazerem fortuna. Já os desonestos e inescrupulosos…

          Roberto, esse seu determinismo me deixa estupefato. Eu vou morrer acreditando nas pessoas e, consequentemente, em uma possível redenção e mudança para melhor. Mas isso só acontece com três premissas juntas: a verdade, o trabalho e a reparação.

          O pensamento não é homogênea. Respeito, mas discordo do seu ponto de vista. E por isso combaterei a profissão político, seus vícios, suas mentiras e sobretudo o filhotismo.

          Jovens, vão primeiro ao trabalho. Depois, se for o caso, à política.

          Políticos profissionais, deixem os cofres públicos em paz e se junte a essa massa brasileira de trabalhadores para construirmos um Brasil pautado no trabalho, nunca no ócio, na mamata ou mordomia.

    • SADIA LEBERDADE….

      O que é sadia liberdade?

      Matar uma criança atropelada porque você está embriagado e dirigindo o seu carrão sem qualuer auto-controle é a tal da sadia liberdade que as leis tentam proibir?

      O que e´q eu você defende como sendo SADIA LIBERDADE?

      O respeito ao próximo? Ou o desrespeito às leis que visam protegê-lo?

      Você sabe mesmo o que é SADIA LIBERDADE?

  • Parabéns, André Raboni, pelo texto e pela atitude. A incompetência múltipla que compõe e cerca a vereadora fala por si só. A gente não sabe se ela é sem noção por propor um projeto sem embasamento ou POR OFERECER UM ESPAÇO DESSE EM PROL DA INTELIGÊNCIA COLETIVA contra esse projeto.

    Digo isso porque a enxurrada de comentários no mural da dita cuja organizou as opiniões da galera e conscientizou alguns recifenses atentos sobre o total despreparo da vereadora e sua equipe. Ademais, mostrou que tem gente inteligente e disposta a um bom debate em nível regional, com bons argumentos.

    Espetáculo à parte é a assessora (nome chique) querer desqualificar as idéias do povo. Mamar em cargo político é bom demais. Eles poderiam, pelo menos, fazer um cursinho aqui ou acolá sobre gestão de mídias sociais, já que estão tão mal em filosofia política. Já que não usam o mínimo exigido, a lógica, poderiam pelo menos botar alguém que use a cabeça pra cuidar dessas coisas.

    Agora, eu até entendo a empolgação da jovem assessora. Já estive entre os assessores de um grande político do Recife, caí de gaiato no navio mesmo. Você acaba misturando as coisas, se não tiver preparo. Tem gente boa e competente, mas a maioria é composta por esperto acomodado com a vitrine e o dinheiro fácil. Quero nem pensar quantos desses estão na Câmara. Muita gente me criticou por ter pedido exoneração, mas até hoje não me arrependo de ter optado por um curso superior numa instituição federal, mesmo com todos os prejuízo$$$ que tive.

    • ?????????????

      Curso superior justifica a falta de embasamento nas críticas que faz?

  • Bora ver se agora ela aprende. Esse lenga lenga todinho e a mulher não se tocou que o debate deveria anteceder o projeto pronto, não preceder.

    Ela é até gatinha, tá ligado? Mas pra um vereador dessas bandas se tornar útil precisa de MUITO mais coisa. Coisa que não se aprende através da genética. E em livro, fica teórico demais.

    • Deixa de Lero Rolando.

      Diga logo o que é que você acha errado ou certo no projeto

  • Eu, fui um dos “deletados” , fato curioso, tb apagado por ela, é que após um longo período sem responder as críticas, ela veio com uma desculpa de que não conseguia responder pq acessava de um celular que não tinha o aplicativo para escrever, apenas visualizar!! hahahah eu até sugeri a ela que comprasse um mais moderno!! Misteriosamente no mesmo dia, ela começou a responder, para mais tarde… Todos já sabem…

  • Ela pegou carona no tolerancia zero do primo, ate quando temos que aguentar estes coroneis donos de partido que nos impurram todo tipo de candidato a politico sem experiencia e herdeiros dos currais politicos no momento!

    • É verdade! Até parece que não podemos escolher quem vai ser eleito!

      • Temos 28 ou 29 partidos e se tiver algum lider comunitario que queira se eleger, esbarra, na hora de entrar em um partido, se for forte e tiver votos, acaba sem conseguir se filiar em nenhum partido, acaba virando cabo eleitoral do politico profissional!

    • É! Não da mais para ler e/ou comentar o que nada tem a ver com as vantagens e desvantagens do Projeto Proposto.

      A ùnica vantagem é a de deixar os beberrões se embriagarem a vontade sem medirem as consequência de seus atos?

      Bem.

      Paro por aqui!

      Não da mais para ficar falando sobre NADA

  • [...] reactions among the population, including  a motion of disgust [pt] and online reactions that have been censored [pt] by the councilwoman Marília Arraes, author of the bill. Tweet Brazilian blogger [...]

  • Parabéns, André! Que beleza de texto! Descreve muito bem o que se passou e expressa de forma clara e brilhante o posicionamento do grupo que se mobilizou esses dias. Sigamos!

    Ana Paula

  • quem é essa tal de Marília Arraes? Alguma Congregada Mariana querendo definir os hábitos e costumes das pessoas?

  • Na cidade tem crack, flanelinhas e protituição infantil nas ruas.
    O poder publico não consegue fiscalizar nem a lei seca.
    Mas Recife acha que pode tirar o alcool das praias, das calçadas, etc.

    “Não queira dar um passo mais largo que as pernas podem dar.” (Mutantes)

    • Qual é então a solução?

      Acabar com as Leis?

      Ou realizar um preocesso de educação e respeito do ciadãos às leis que eles acahm “chic” não respeitar?

      É um problema de FAMÍLIA rpezado Raul. É a famíli que precis ensinar a seus filhos que lei froam feitas para protegê-los e que, por isto, precisam ser respetiadas.

      Você acha mesmo que abolindo todas esas leis cujo conteúdo você resumiu em palavras secas os rpoblemas serão resolvidos?

      Ou é necessário que as famílias voltem a funcionar como isntrumentos de repeito ao próximo, auto respeito e respeito à sociedade?

      • O que tem haver a família com a proibição de beber na rua ?

      • É quase utópico ler que as leis foram feitas para proteger. Talvez sim, mas certamente não. As leis te protegem e te tiram a proteção muito facilmente, é como dito anteriormente: “Tudo é uma questão de interpretação”.

        Edson, quantas pessoas você matou hoje? Talvez vocês responda nenhuma. Mas, se pensarmos que ignorar aqueles que são lesados pelas falhas de nossas leis é uma forma de crime, e que pouco fazemos para combater este mal, estamos contribuindo para a aniquilação de alguém. Se de fato é verdade sua luta pela impunidade no trânsito e outros males causados pelo álcool, pois não são poucos os que morrem por conta da irresponsabilidade alheia, devemos rever que tolher não é a solução. Desde que o homem é homem, este consome e consumirá entorpecentes em busca de prazer. As bebidas alcoólicas se mostram como uma das drogas toleráveis por nossa sociedade, além dos medicamentos laboratoriais. No entanto, todas as vezes que se reprimiu a possibilidade de uso desse produto, um mercado negro surgia. Mortes e violência passavam a fazer parte deste novo cenário de repressão (Deixam de existir vítimas por usuários de álcool legalizados e passam a surgir vítimas por usuários de álcool não legalizado e também por aqueles que detém este novo mercado). Outros passavam a lucrar com este novo cenário. Soa como hipócrita você ser proibido de beber em vias públicas, lembra atos de higienismo. No entanto, consumir bebida além “do horário legal” na casa de um amigo e provocar um acidente fatal envolvendo inocentes é no mínimo contraditório. A cocaína é proibida, mas negar que muitos a consomem em grandes ciclos sociais, e que este ato não gera violência, seja moral ou quaisquer outras, é loucura.

        Não é a questão de banir das ruas muitos que a utilizam como espaço de encontro ou confraternização, mas rever nossas leis que pouco são eficientes. Do que adianta uma lei que permita continuar a dirigir, mesmo depois de ter matado alguém, mas que te caça a carteira caso você esteja com a documentação do carro atrasada? Isso não é incoerente? Isso não parece estúpido? Tudo bem, que surja a lei de controle ao consumo de álcool nas vias públicas… mas, como fica o carinha que bebeu a noite toda na casa do amiguinho ou simplesmente pegou (ou deram) o carro do(s) pai(s) e matou alguém? Como será a punição? Da mesma forma de hoje! Branda.

        Não quero ser nem presenciar mais vítimas de trânsito nas ruas. Mas, como cidadão percebo que esta seria mais uma falácia legal a nascer morta.

        • Tem uma piada para essas leis que nossos digníssimos parlamentares vivem fazendo.

          Um sujeito, pai de família, morador do alto sertão, um dia vendo os filhos definhando de fome por causa da sêca e falta de comida decorrente da mesma, resolve ir a caça.
          Encontra um tatú e o mata imediatamente.
          Voltando para casa encontra um Fiscal do IBAMA que vendo o tatu, quer prendê-lo, ele explica que era para aplacar a fome dos filhos, etc. mas o fiscal do IBAMA irredutível diz que não adianta, nai prendê-lo, e que o crime é inafiançável.
          Ouvindo isso, o matuto pensa um pouco e mata o fiscal do IBAMA, afinal, como ele tem residência fixa, é reú primário e tem emprego na sua lavoura, responderá em liberdade pelo ” simples” homicídio do fiscal, com grande chance de o mesmo prescrever antes do julgamento, ou ainda, ele ser solto por ser réu primário.

          Coisas da Lei e do Brasil.

  • Essa vereadora não tem mais o que fazer não é ?

    Além de tentar criar leis absurdas, tenta apagar o que a sociedade pensa da lei maluca.

    Que cabecinha mais vazia, eu acho é que essa menina está precisando é de um namorado, quem sabe ela não se diverte um pouco e para de pensar em criar leis absurdas.

  • Ela é só mais uma dos totalitaristas que estão no poder, doidos para impor a população o comportamento que eles acham melhor.
    Desgraçados que não aprenderam com o passado.
    Essa aí tá merecendo uma passagem só de ida para Cuba, para morar com os cubanos, e não nos hotéis.

  • Minha única surpresa é que alguém ainda se surpreenda com o “nível” de profissionalismo na relação entre os políticos pernambucanos e a imprensa. E a eleição municipal vem aí, será aberração atrás de aberração. E João atrás de João. Opa.

  • Parabéns pelo brilhante texto. Venho acompanhando a pendenga. Continuo a pedir que seja colocada a lista dos coleguinhas da fosca vereadora que aprovaram o tal PL. Com relação ao desdobramento político desse absurdo podemos qualificar de um verdadeiro tiro no pé. Isso teve o bedelho da assessoria do Gov. Estou sabendo que anda, o próprio, apavorado com os índices de violência que não caem a despeito da presença um tanto assustadora do policiamento efetivo nas ruas. São questões profundas que precisam ser tratadas com seriedade e a participação dos cidadãos. Se você cala essas vozes o ônus fica totalmente por conta do poder público. Um outro assunto importante é uso troncho e indevido que a classe política faz ao tratar das redes sociais. Não aprenderam com as recentes lições que o mundo nos tem dado.

  • Quantos vereadores Recife tem que se elegeram por servicos prestados ao municipios, antes de sua candidatura?

    • Nenhum, Fred3. Ali não existe pessoas querendo servir a sociedade, muito pelo contrário, eles querem se servir do dinheiro da coletividade…

      Bando de abutres e filhotes de abutres.

      • Nao aparece nehum vereador, para confirmar que eu estou errado Carlos!

        • nenhum!

      • Voce ja prestou atencao que sao herdeiros politicos ou vem de cargos comissionados, e geralmente se beneficiam de funcoes que exerceram usando a maquina publica ou dinheiro publico!
        Sera que tem algum politico Recifense que conhece os 88 bairros da cidade?

    • Eleição para vereador é uma nojeira só.

      Fui candidato e vivenciei de perto.

      Não é um problema exclusivo do candidato, o eleitor também é safado. E só se sobressaem aqueles que são mais safados que o eleitor.

      Essa é a pura realidade.

      Quem tem dinheiro ganha eleição, quem não tem fica só chupando dedo. E a representatividade do povo, os grandes debates da sociedade, etc. Ficam em segundo plano.

      Não vou dizer que dessa água não beberei, mas enquanto o sistema for esse, dificilmente serei candidato novamente.

      • Nem candidato laranja? Aqueles que levam votos para a coligação com intuito de eleger os caciques e seus filhotes?

        Brincadeiras à parte, gostei da frase: Quem tem dinheiro ganha eleição. Só Martins que não reconhece isso…

  • Execelente texto! e aqui tem uns comentarios mto bons também! parabens povo vamo derrotar eesse PL!

  • Interessante é que a maioria absoluta dos comentários foi postada por homens.
    Interessante como é fácil desqualificar a iniciativa da jovem vereadora, sempre à luz da emoção desenfreada. Aprendi outro dia com Renato Rabelo, do PCdoB, que não se deve pensar com o fígado (aliás, neste caso, não se deve pensar nem beber, pois o órgão é um dos primeiros a sofrer o impacto negativo do consumo do álcool).

    Li, alguns comentários postados (e excluídos) no facebook da vereadora e concordo que continham algum grau de desrespeito e ofensa, inclusive de caráter sexista. Uma pena que não se possa manter um debate civilizado nas redes sociais.

    Os defensores do consumo do álcool a céu aberto se esqueceram de outro projeto de lei que tramita na Câmara do Recife, de autoria do vereador Sérgio Magalhães, que proíbe a realização de eventos na Avenida Boa Viagem. Este sim, antidemocrático, pois limita o usufruto da via pública.

    • Audicea, no tre, quantos votos M Arraes teve e qual foi e onde foi sua votacao? Que bairros?
      gostaria de saber que perfil de eleitores ela tem?

    • Audicea,

      Quanta besteira, quanta frase vaga e rala de idéias. O velho jogo de culpar o machismo e a sensura, não colam mais.

      Grande lição voce aprendeu com o Sr. Renato Rabelo, pseudo-esquerdóide, sobre o fígado. É obvio, não se deve pensar com nada além da racionalidade.

      Em relação ao projeto da Avenida Boa Viagem, me parece que a senhora não entrou em um acordo sobre a sua opnião. De falastrão a câmara está cheia, vamos ser razoáveis, nós fazemos parte da mesma hipocrisia.

    • Minha cara, eu não bebo mas acho que quem o faz tem todo direito, desde q

      • Minha cara, eu não bebo mas acho que quem o faz tem todo direito, desde que, neste ato, não viole qualquer direito de outro. Espancou, estuprou, matou, que seja punido. Independente de estar bêbado ou não!!!

  • Parabens pela atitude de barrar o projeto.

    Sobre essa vereadora, sem comentário…

  • Senhores, li quase todos os comentários, até cansar.
    Em relação ao comentário sobre a exclusão dos jovens da política e do serviço público, absolutamente eu sou contra, existem inúmeros super preparados para honrar a função desempenhada, mas ao mesmo tempo, existe um número ainda maior de analfabetos, incompetentes e corruptos, estes, inclusive, independentes de serem filhos de políticos e/ou empresários.
    Quero falar ainda que nem todo empresário é sonegador e corrupto como dito, aliás, ser empresário no Brasil, como eu sou, é uma atividade de extremo risco, face as entrelinhas da legislação, entraves burocráticos e funcionários públicos corruptos.
    Em vez de você ser o provedor de uma única família, voce passa a sê-lo de dezenas ou centenas.
    O único a ganhar dinheiro no Brasil, é o sonegador e o Governo Federal, que é o sócio que leva o dele dando a empresa lucro ou prejuízo.
    Quanto ao eventual despreparo dos jovens “eleitos”, com ou sem sobrenome, precisamos ver que os responsáveis pela atuação deles somos nós mesmos, que os elegemos, não podemos reclamar.
    Apesar disso, acho que merecemos mais atenção e respeito por parte de nossos representantes eleitos, lutamos durante anos, ao custo de inúmeras vidas ceifadas em plena juventude, para defendermos a democracia. Acho que ela deveria ter estabelecido o diálogo e que o confronto ocorrido fosse o de idéias.
    Não acompanhei a polêmica no blog da Marília Arraes, também não votei nela, apesar de ter votado em Eduardo, tenho meus próprios candidatos, escolha esta pautada em cima do ideário e não de outras conveniências.
    Acho que na realidade, já passou do tempo de nós representantes da sociedade civil, formadores de opinião, propormos como no caso da Lei da Ficha Limpa, uma reforma política, fruto da vontade popular e desta forma imposta democraticamente pelo povo brasileiro.
    Contribuindo na minha humilde ignorância jurídica e política, mas refletindo a minha vontade como cidadão, acho que compatível com a dos demais, gostaria de ver aprovada uma reforma da seguinte maneira.

    1. Eleições gerais para Presidente, Governador, Senador, Deputado Federal, Deputado Estadual, Prefeito e Vereador, para mandatos de 6 anos, com possibilidade de uma reeleição, e sem possibilidade de mudança de cidade e/ou estado para burlar a legislação. (Gera uma economia imensa com eleição a cada 6 anos e não a cada 2 anos como é hoje, e ainda reduz a corrupção e desvios de dinheiro que ocorre a cada nova eleição)

    2. Criação do cargo de Senador vitalício para os ex-presidentes que não respondam a processos criminais ou tenham sido afastados ou renunciado ao cargo. (Teriamos uns 3 senadores a mais). Acho que a experiência adquirida no exercício da presidencia da republica é extremamente relevante e que os mesmos tem muito a oferecer ao País.

    3. Reduzir o número de senadores, deputados federais e estaduais, e de vereadores, para 1/3 dos atuais, e consequente redução de cargos comissionados em seus gabinetes, verbas de representação, instalações físicas, etc., proibindo-se a ampliação futura desses por projetos de lei, sendo permitido apenas por PEC e já que foi objeto de proposta popular, com referendo popular obrigatório.

    4. Falando em referendo, qualquer um e por mais justo que seja, deveria ocorrer apenas junto com as eleições gerais a cada 6 anos.

    5. E voltando a falar sobre referendo, que tal se o atual presidente do TSE pagasse essa palhaçada de referendo para a divisão do Pará em 3 estados, (temos eleição no próximo ano, não podia esperar???), é apenas dividir a miséria e favorecer as falcatruas dos políiticos locais, ver as experiências nos ex-territórios federais e nos recém-criados estados de Tocantins e Mato Grosso do Sul. É só grilagem de terras públicas e a farra dos empreiteiros ligados aos políticos.

    6. Quanto ao voto, como sou ignorante confesso, ver início do comentário, rss, acho que a cada 6 anos poderia (deveria) permanecer obrigatório para garantir a representatividade, mas não concordo com o voto em lista, nem sei se também distrital, ou distrital misto, ou qualquer outra coisa, deveria ser amplamente debatido pela “sociedade”, políticos à parte, participando apenas como cidadões, já que acho que esse negócio de lista permitiria a perpetuação dos donos de partidos e seus filhos ou herdeiros políticos, em detrimento dos verdadeiros representantes do povo.

    7. Poderiamos pensar até, talvez, ampliar o leque de cargos sujeitos a eleição, e não mais nomeação, tais como, desembargadores, procuradores, ministros de tribunais, agências reguladoras, sei lá mais o que.

    Ficam as idéias.

  • Vou agora ao Facebook da excelentíssima deixar meu comentário, para ser posteriormente apagado.

  • O pior de tudo é que a moça é formada em direito, estudou lá na FDR e vive dando demonstrações de que não aprendeu porra nenhuma de direito. Deve ter passado todo o tempo de faculdade só metida em política, com os coleguinhas vermelhos, que acabaram, surgiram com outro nome e agora atacaram Pierre!

    Vergonha para a Casa de Tobias ter uma ex-aluna bizarra como essa. Não passa de uma filhotinha, fruto da aritocracia da família Arraes de Alencar (que acreditam representar o povo só por vestirem camisa vermelha, mas já nasceram em berço de ouro, são tão aristocráticos quanto os diretões que tanto criticam).

    • Concordo com voce Danilo, estamos desde da epoca da independencia do Brasil, alternando os poderes, entre a esquerda e a direita, mas sempre os mesmos dirigentes ou herdeiros, todos discipulos de maquiavel!

      ela e da esquerda, mas estudou no sao luis, fez direito na Ufpe, que geralmente passa quem tem muita base de estudos em escolas particulares tipo sao luiz ou motivo, estudou em um grande curso de direito, mas esta usando sua vantagem competitiva, para dar manuntencao aos currais eleitorais!

  • Gostaria de lembrar à vereadora que sinto falta do fotoshop!
    Tá vendo, é nisso que dá promover toda a família palaciana nessa eterna mania pelo poder. Antigamente, na época do velho Arraes, se brincava melhor com o Socialismo…

  • Ela só reflete a forma com a qual é vivenciada a nossa “política”. Ela é diferente dos outros? Só ela é “autista”? Só ela não respeita o povo? Existe algum político que realmente represente a coletividade? Existe algum partido em que possamos votar certos de que nos representarão? Temos o costume de fiscalizar e denunciar irregularidades nas ações desses seres humanos? Só quero ver até quando viveremos reclamando dos políticos nos quais votamos e/ou são eleitos pela “legenda” (ou seja, nossos votos também). Só quero ver até quando reclamaremos e, de dois em dois anos, vestiremos suas camisas, colaremos os seus adesivos no peito e no carro e daremos o nosso voto com um sorriso no rosto.

    • E verdade Catarine, nao entendo ate hoje, porque as pessoas que sao mais votadas, pelo povo as vezes nao se elege e porque nao temos ferramentas legais para retirar politicos que trabalham contra a coletividade do poder! Vide o caso de jader barbalho que voltou ao poder hoje!

  • Lamentável é ver essa “pouca vergonha” debaixo dos nossos olhos. A Câmara dos Vereadores do Recife, é uma farsa! Posso assegurar-lhes, pois já trabalhei lá, e o que se pratica é: quem reune votos, quem fica correndo atrás dos pés dos vereadores etc etc tem emprego/chances/cargos comissionados/bons salários/folgas/etc

    E principalmente da família Arraes! Que emprega essas pessoas, muitas delas com necessidades reais, e em época de eleição distribui papéis de listas para cadastrar eleitores ( com numeração de titulo eleitoral e tudo mais ).

    A pergunta é : O que farão agora na época de eleições (?) quando DISTRIBUEM ou VENDEM a preço de banana milhões de latinhas de cervejas para o povo em suas festas nos comitês?
    Além das frozens, capirinhas, batidas entre outros (?)

    Enfim, deve-se mesmo esfriar essas pessoas com vários baldes de água fria, para que as mesmas não continuem se achando donas da NOSSA cidade.

    De maneira civilizada , como o amigo blogueiro relatou e dessa forma atingir o objetivo comum.

  • [...] reações diversas entre a população, incluindo uma moção de repúdio e reações online que tme sido censuradas pela vereadora Marília Arraes, autora da proposta. Tweet O blogueiro Leonardo Cisneiros [...]

  • O ato da censura é absurdo, porém, palavras obscenas e ofensas gratuítas também devem ser evitadas no debate de opiniões, então em vez da supressão dos comentários completos, talvez as palavras supostamente ofensivas poderiam ter sido censuradas já que o site/blog é de autoria da mesma e necessariamente ela não teria que admitir ser ofendida moralmente.
    Acho que isto até pegaria bem para ela, manter a críitica, e apenas mostrar que as pessoas estariam ultrapassando o limite da razoabilidade em suas críticas.
    Não concordo com o PL, bebo socialmente, e o faço muitas vezes em locais públicos, como praia, bares em calçadas, etc., como o fazia em épocas em que era permitido em camposa de futebol. Não concordo com a proibição, acho que deveria ser amplamente debatido e claramente demonstrada a sua vinculação a possíveis atos de violência.
    Acredito inclusive que de nada adianta proibir em campo se no entorno do estádio vende-se e as pessoas já entram embriagadas, isto os que bebem para ficar assim.
    Não acredito que muitos dos que se envolvem nos conflitos decorrentes do jogo de futebol, antes, durante e depois, tenham o perfil do consumidor de bebidas em grande quantidade, principalmente nos estádios, onde eram vendidas a preços exorbitantes.
    E de toda a forma não podemos “punir” os apreciadores da bebida, pelo erro de alguns e mais ainda pela omissão do poder público, responsável por garantir a segurança dos eventos e do público.
    Mas no Brasil sempre é assim, em uma rodovia federal, como a BR101 no contorno do Recife, cuja velocidade limite é segundo o código de trânsito é de 100km/h, instalamos mais de 10 lombadas eletrônicas reguladas a 50km/h, apenas porque o poder público omitiu-se de construir túneis ou passarelas para a travessia de pedestres.
    Em qualquer país do mundo, esta rodovia estaria envolta por cercas de proteção, mais aqui no Brasil, instala-se as lombadas, não evita-se os atropelamentos, mas as empresas beneficiadas pelos politicos com a concessão e o governo enchem os cofres com as multas de trânsito.
    Mas, volto a dizer, a culpa é nossa que elegemos os politicos que aí estão, e acho engraçado que ninguém fale que o que precisa se fazer é uma reforma politica, essa agenda é da sociedade e não podemos esperar que os políticos profissionais de plantão, que são os beneficiados do caos atual, a proponham.
    Acho que deveriamos como feito no caso da ficha limpa, um grande movimento por uma proposta de reforma politica elaborada e encaminhada pela sociedade civil.

  • Mermão, rua não é lugar de beber! Ponto final. Quer beber? Vá pra qualquer lugar, menos na rua. Recifense adora ser maloqueiro e sem noção, fica na rua bebendo e obrigando as pessoas que estão tentando ter um momento tranquilo a ouvir uma porra de som alto. Os espertinhos ocupam qualquer buraco com uma bosta de espetinho, e os manés vão lá beber e comer aquela merda sentado num banquinho ouvindo brega. Que mania de defender o que está errado! Daqui a pouco esta cidade, que já é uma porcaria, estará insuportável. Porque gostamos de nos nivelar por baixo.

  • Pegava fácil, a Arraezinha, pense num filezinho. rs

  • [...] reactions among the population, including  a motion of disgust [pt] and online reactions that have been censored [pt] by the councilwoman Marília Arraes, author of the [...]

  • Essa lei não tem nenhum sentido! Quem tem dinheiro vai pra um bar fechado, e quem não tem? E aqueles que vivem da venda de bebida alcoólica na rua? Irão sustentar a família como? Quer dizer que se eu bebo na rua tenho mais chances de cometer crimes do que se eu bebo em um lugar fechado?

  • Apoiado…

    Odeio gente bêbada…quero q esses butecos sejam fechados e esses viciados em alcool tratados, devia fazer umas restrições pra cigarro tb.

  • Não sei se o projeto da vereadora seria viável, mas medidas sérias devem ser tomadas para se frear o consumo de álcool, ela deveria abrir um canal para discussões a fim de chegar a um projeto de lei que possa ser posto em prática.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).