Populismo começa a ruir na América do Sul

dez 7, 2015 by     17 Comentários    Postado em: Política

Primeiro ganha-se a eleição. Depois agiganta-se o Estado com o objetivo de atendimento de políticas sociais. Depois aumenta-se o Estado ainda mais com o único objetivo de permanecer no poder. Como não há recursos que dê conta para tanta demanda, começam a ter problemas fiscais ao menor vento anticíclico. Começam a detonar bancos públicos e estatais, dando pedaladas. Ao fim, começam a imprimir dinheiro para “honrar” tanto compromisso. E aí as condições econômicas se deterioram com inflação, e em alguns casos mais bizarros com desabastecimento.

O roteiro do populismo já é conhecido, mas sempre encontra um lugar na América Latina. Ao final a tragédia vira uma história sem final feliz, para um povo que adora um seio público para mamar.

Pelo jeito, felizmente o ciclo está chegando ao fim. Com a exceção do Uruguai e do Chile, que viveram governos responsáveis nas últimas duas décadas, o resto da America Latina assistiu a uma grande confraternização dos cofres públicos com a irresponsabilidade, sempre com um toque de semvergonhice e tendência ao totalitarismo, como na Venezuela e Colombia, cujo verniz é um pouco diferente, mas com raízes semelhantes. Regras democráticas são jogadas no lixo com o discurso surrado do imperialismo e da mídia malvada, que na prática só servem como cortina de fumaça para a justificativa de “mudança de regras” nas republiquetas.

A queda começou pela Argentina, agora está passando pela Venezuela, mas chegará aos demais países.

Com a economia deteriorada, fica impossível manter a farra por tanto tempo.

Mesmo com uso da máquina pública de maneira descarada, a população acaba enxergando o fracasso do modelo. Infelizmente em alguns anos se esquecerão, e o ciclo populista acaba ganhando força novamente, afinal o problema está na força do apelo do assistencialismo junto à uma população desassistida e sem escolaridade.

Como sabemos, no longo prazo as coisas se equilibram…mas o problema é que às vezes demora muito para o longo prazo chegar.

17 Comentários + Add Comentário

  • Pena que esse alegado populismo de esquerda não vai demorar pra ser substituído por um populismo de direita.

  • Aguarda só o Termer………………

  • FORA PT !!!

    Raça de corruptos mamador de teta estatais.

    Queremos um governo verdadeiramente LIBERAL. Sem BNDES, sem ajuda para os ‘amigos do Rei’, sem estatais berços da corrupção.

    Chega dessa cambada que só pensa em projeto de poder, e não de PAÍS.

    É incrível que em pleno seculo XXI ainda temos essa corja enganando os mais pobres para viverem vidas de rei. TRISTE!

  • Eu não sei o porquê de todo esse ódio contra medidas ditas “populistas”.

    Vamos lá: Assistencialismo.

    Concordo que seria ótimo se não fosse necessário, mas é. Negar o assistencialismo é a mesma coisa que negar morfina a um paciente com câncer, não vai curar a doença, mas vai amenizar o sofrimento até que se ache uma solução.

    Outro dia eu vi um cara limpando galerias de água de chuva… brother, o coitado entra naquele buraco cheio de lixo, barata, rato, bosta, lama preta… enfim, uma miséria! Pra isso pobre serve né?

    O mau desse pessoal que critica as políticas ditas “populistas” é achar que no nosso caso o Recife se resume a Conselheiro Rosa e Silva, 17 de Agosto, Av Boa Viagem, Parque da Jaqueira e Pracinha de Casa Forte! Vão na Campina do Barreto pra ver algumas coisas interessantes! Brasilit, Ilha do Joaneiro, Xié, Milagres…

    Vão lá!

    • Demétrius.

      O problema não são as medidas populistas em sí, longe disso.

      O problema está basicamente em usar isso como bandeira principal, sendo que na prática no final apenas fica o empobrecimento geral da Nação.
      Enquanto que eles, em Brasilia, têm uma vida de rei.

      Economia não é um jogo de soma zero, onde para Pedro ter algo, João precisar perder. Longe disso!
      Em uma economia saudável TODOS podem ter uma vida próspera, em qualquer lugar na Terra.

      O que essa corja jamais conseguiu fazer foi reduzir a pobreza absoluta e levar prosperidade, pois o q

      • Não conseguiu reduzir?

        http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2014/09/16/brasil-reduz-a-pobreza-extrema-em-75-diz-fao.htm

        Isso é o que não pode! Fazer vista grossa para os benefícios do tal odiado “populismo” em nome de uma bandeira que ninguém sabe a quem serve, pois, se não é para ajudar o povo, não é governo!

        • Demétrius Damasceno, o que vem ocorrendo é um gasto público irresponsável. Assistencialismo não é desculpa para desajuste fiscal. O desajuste fiscal ocorreu e está ocorrendo por pura irresponsabilidade. O PT gosta muito de dar uns aditivos para umas obras gigantes que nunca acaba e depois fala que ajuste fiscal é difícil de fazer. Só em Belo Monte o aditivo foi de 14 bilhões, que é mais do que o valor estimado caso ocorresse aquele corte nas despesas discricionárias.

        • Eu te afirmo que má gestão de contratos públicos, projetos de engenharia feitos nas coxas e superfaturamento, se não estiver em 100% das obras brasileiras em todas as esferas, está em 99%. Infelizmente não é uma ineficiência puramente petista ( pq se fosse eu seria o primeiro a pedir o impeachment!). Mas o assunto é assistencialismo…

        • Demétrius, concordo em parte, o assistencialismo jamais quebraria o país. É uma parcela mínima, mas essa não é uma bandeira petista. Simplesmente, o PT se apoderou quase que completamente do tema.

          Já sobre o populismo, concordo com Pierre. As esquerdas forçam demais a barra na tarefa indutora do estado. Nosso estado é ruim, nossos funcionários públicos são piores ainda, portanto, quanto maior o estado, pior!!

          Outro ponto, essa balela infantil de dizer que a corrupção quebrou o Brasil é coisa de quem não sabe fazer uma conta de somar!!! Quem quebrou o Brasil foi a má gestão do PT, sobretudo na promoção de um estado gigantesco.

          Ah, os políticos do PMDB e dos demais partidecos não querem o Estado Mínimo porque assim eles não terão como roubar e colocar seus apadrinhados. Idem também para os nababos do judiciário e mp. Esses últimos só querem manter e aumentar suas mamatas vitalícias às custas do dinheiro arrancado dos contribuintes.

        • Pior é o governo saber que ia quebrar, sim, sabia, e continuou com as mesmas práticas.

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

abril 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).