Ministro solta o verbo contra defensor da ditadura

mai 28, 2009 by     22 Comentários    Postado em: Política

Ministro Paulo Vanucchi

Ministro Paulo Vanucchi

Ontem, o ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi (defensor da punição aos responsáveis por crimes políticos no período da ditadura), veio ao Recife participar das solenidades em homenagem ao padre Henrique, assassinado brutalmente por agentes da ditadura militar brasileira – que eliminava sem escrúpulos seus opositores políticos.

Escrevi sobre o assassinato do padre aqui no blog. Quem não leu, pode acessar clicando aqui.

Em seu discurso na Câmara de Vereadores, Paulo Vannuchi chamou de “canalha” e “torturador” o deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro (PP). O deputado é militar e, segundo Vannuchi, protagonizou (ao lado do regime ditatorial) o episódio da Guerrilha do Araguaia.

Na porta de seu gabinete, Bolsonaro estampou, com orgulho, o seguinte cartaz:

No cartaz, lê-se: “Desaparecidos do Araguaia - Quem procura osso é cachorro”

No cartaz, lê-se: “Desaparecidos do Araguaia – Quem procura osso é cachorro”

O ministro Vannuchi disse que se trata de uma “provocação típica de um torturador”. Falou ainda que o militar e deputado Bolsonaro seria reincidente, já que também teria pedido o “fuzilamento” do ex-presidente FHC.

Esse tipo de manifestação do deputado, penso eu, não é apenas uma afronta às famílias dos desaparecidos, torturados e mortos pela regime militar brasileiro. É um disparate contra a memória histórica do país – que ainda carece da abertura dos arquivos secretos da ditadura militar, para que seja cumprido o Direito à Verdade e a Memória dos cidadãos brasileiros, assegurado pela Constituição Federal.

O deputado Jair Bolsonaro é mais um militar ultrareacionário que se tem manifestado nos últimos meses, no Brasil, numa defesa alucinada do regime militar como se fosse a “última glória” da história do Brasil.

Mas uma coisa não pode deixar de ser questionada à Justiça brasileira:

Não se paga indenizações sem que haja uma causa, um culpado. Dessa forma, pergunto: por que os reponsáveis pelos crimes estão soltos e impunes, debochando da cara do povo brasileiro?

Será o Brasil um país sério?

____________________

Sobre a ditadura militar, leia também:

• “Isso não foi quando ele era jovem. Foi depois. Deus o criou bom.”

• Algumas palavras e casos sobre o regime militar brasileiro

22 Comentários + Add Comentário

  • Em 1986 Bolsonaro saiu nas páginas amarelas de Veja se manifestando contra os baixos salários nas Forças Armadas.
    Era capitão do Exercito.
    A repercussão foi enorme e ele chegou a ser preso disciplinarmente.
    Em 1988 foi eleito Vereador na cidade do Rio de Janeiro e em 1990 eleito Deputado Federal.
    Salvo engano ele tem parentes na Assembléia Legislativa do Rio e na Camara de Vereadores.
    Ele é considerado por milhares de militares, dependentes e pensionistas como representante das Forças Armadas no congresso. De fato hoje temos bancada evangélica, ruralista, de vários segmentos, e “nobre” parlamentar ao invés de defender de fato o interesse dos militares, fica falando bobagem e agindo como um insano.
    Merece sim ser advertido, punido. Um “cidadão” como este não pode sair por aí falando bobagem e fazendo demonstrações como esta, ainda mais de uma época obscura da história do nosso Brasil que ainda não foi 100% passada a limpo.

    • * Quando falo parentes na Assembléia e Câmara de Vereadores, são parentes eleitos Deputado e Vereador.

  • Sera possivel que em pleno seculo 21 alguem promove uma canalhice deste jaez e não é enquadrado por ninguem.

  • Vou primeiro responder à pergunta que é feita na postagem: Não. O Brasil não é um país sério. Se fosse, nosso ilustre presimente já teria sido posto pra correr há muito. Porque não existe ninguém que fale mais besteira que ele.
    Em segundo lugar, segue a ficha desse marginal a quem se dá tanto valor aqui. Diante disso, caso encerrado.

    “Foi militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), onde se familiarizou com ações terroristas como sequestros políticos, assaltos a bancos e quartéis, atentados a bomba, roubo de armas, assassinatos e outras atrocidades que figuram no Manual do Guerrilheiro Urbano, de autoria de Carlos Marighela, líder da organização. Pelas proezas que praticou, foi parar na prisão em 1971 e lá permaneceu até 1976. Beneficiado pela anistia, hoje jata-se de ter sido um “herói da liberdade e da democracia”, quando na verdade era simplesmente a conquista do poder para implantar a ditadura do proletariado no Brasil. Paulo Vannuchi sempre se pautou pelos princípios do marxismo-leninismo e certamente por isso e pelo seu passado, Lula, que governa cercado de remanescentes da luta armada, o nomeou ministro da Secretaria Especial dos Direitos humanos.

    Revanchista ao extremo quer que a anistia volte, ou seja, revogada para que os militares sejam punidos pelo que fizeram durante o regime militar. Pobrezinho do ministro não faz nada é um verdadeiro inocente. Podemos dizer que ele é possuído de bipolaridade, mas a confirmação só pode ser dada por médicos. Pessoas que agem desta maneira são trasgos, verdadeiros insanos e vampirizadores.

    Em defesa de sua tese invocou documentos internacionais que deveriam ser usados para anular a lei da anistia, uma vez que condenam os crimes cometidos por motivos políticos. Como pode uma pessoa querer anular uma coisa de que ele se beneficiou? Desculpem a ignorância. Camuflou o nome dos terroristas e dos crimes praticados por ele. E achou-se no direito de criticar a Suprema Côrte do Brasil afirmando que o “judiciário é o mais defasado dos três Poderes na questão do respeito aos direitos humanos”. Veja a incoerência: O País que criou “Os Direitos Humanos” é quem mais desrespeita estes direitos. Direitos humanos entende-se que seja para humanos direitos.

    Ele quer defender as organizações de esquerda, promover o revanchismo político e o pior: afrontar as Forças Militares. Aqui diremos em alto e bom tom que ele está procurando sarna para se coçar. Dizem que no Brasil os Direitos Humanos foram criados para defender bandidos. Por que o ministro não procura os donos de propriedades que tiveram seus patrimônios invadidos pelos Sem-Terra, e alguns desses proprietários foram brutalmente assassinados. Se nenhuma providência toma é conivente com o crime e a baderna. Ele é os dos fundadores do Instituto Cajamar que forma líderes para a prática do terrorismo.”

    • HUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁ

      Olha aí, BAhé e Pierree, vocês foram agraciados pela ternuma…

  • É engraçado que os políticos “revoltadinhos” com o regime militar são os mesmos que “babam ovo” do carrasco esquerdista Fidel Castro com seu “governo” obscuro e repleto de pessoas que sumiram do mapa.
    Por que a turma dos Direitos Humanos não dá uma passadinha na Ilha de Cuba para cobrar isto dos “amáveis” hermanos fardados?
    Nosso país não é mesmo sério. Prova disto é que colocaram um “marionete” populista para comandar o país, e que agora indica uma “EX-GUERRILHEIRA” para sucedê-lo. É difícil um país querer ser respeitado com essas coisinhas terceiromundistas, bem ao estilo REPÚBLICA DAS BANANAS… Mas tudo bem!!! se a China continuar crescendo, a gente vai no embalo com os demais emergentes, apesar do PT…

    • chorem fascistas…

      • É… ainda falta muito para nos libertamos do facismo agora disfarçado de esquerda… As inúmeras tentativas de “Lei da mordaça” no Brasil nos últimos anos, mostram bem isso… É o mesmo facismo esquerdista de Hugo Chaves, que tenta proibir os meios de comunicação de criticá-lo… E VIVA A DEMOCRACIA!!!

  • Começou-se pelo final, como quase sempre. Indenizou-se como se não houvesse causas para isso. Ora, se não havia causas, a União devia tentar reaver os valores pagos.

    Era uma boa bandeira para os defensores da ditadura militar instalada entre 1964 e 1985. Mas, esse pessoal não é sério e não está muito interessado nisso.

    É curioso que se discurse – como um Bolsonaro – sobre a dignidade das forças armadas. Ora, o exército, a marinha e a aeronáutica brasileiros puserem sua dignidade abaixo quando se prestaram a covardemente prender, torturar e trucidar cidadãos compatriotas seus.

    Na Argentina, desfez-se uma lei de anistia mais canalha que a brasileira e o mundo não se acabou. Prenderam-se generais e o mundo não se acabou.

    E, ao mesmo tempo, nunca se colocou em jogo a dignidade de quem realmente lutou a guerra pelo país. É bom lembrar que nunca se disse uma palavra contra os pilotos argentinos que se meteram em Super Etendards no limite da autonomia, para lançar mísseis exocet nos navios ingleses. Abatidos, muitos morreram congelados no mar.

    Colocou-se em jogo, sim, a dignidade de sujeitos como um Astiz. Muito valente na tortura. Um desertor que se entregou aos ingleses sem dar um tiro. Desse tipo são os militares falastrões, ávidos em arrancar unhas, mas cagando nas calças antes de dar um mísero tiro em guerra.

    Esses não têm o que perder, nem dignidade. Nem têm que praticar esse discurso de que se tenta algo contra as forças armadas. As forças armadas destinam-se a algo muito diferente dos prazeres a que se entregaram durante vinte e um anos, no Brasil.

  • A história da ditadura tem dois lados.
    O dos torturadores e
    O dos guerriheiros
    Que lutaram contra o regime.
    Eu não pedi a ninguém que fosse herói por mim.
    Não pedi que ninguém enfrentasse um regime constituido
    (mesmo que contra vontade da maioria).
    Militares torturaram e mataram.
    Guerrilheiros, sequestradores e ladrões de banco fizeram as mesmas coisas que os militares.
    Desejo que os arquivos do Araguaia sejam realmente abertos ao público. Aí iremos conhecer as ações criminosas dos dois lados.
    E quem sabe cancelarmos essas polpudas indenizações (pagas com dinheiro dos meus impostos) concedidas às “vítimas” do regime.
    A maior dívida que o Brasil tem com a sociedade é a do tráfico de escravos.
    Cada irmão de cor negra, parda, mulata deveria entrar contra a União com uma ação de pedido de indenização pecuniária, por ter tido seus antepassados deportados do continente africano contra a vontade deles. Lá, inclusive, alguns eram reis, princesas, rainhas ou chefes das suas tribos.
    Querem fazer justiça? Comecem por aí.

  • Os comentaristas “Pátria, Brasil!”, “Paulo” e até mesmo o deputado Jair Bolsanaro devem render loas à instituição de um regime democrático como temos atualmente no Brasil. Se fosse em priscas eras (de triste memória) eles poderiam ter o mesmo destino do Padre Henrique e de muito outros caso, fizessem comentários que destoassem dos daqueles que ocupam atualmente o poder. Como estamos em uma democracia (ao menos política) eles tem o direito de manifestar a opinião. Destaco que não sou favorável a regimes totalitários de direita ou de esquerda, sou a favor da democracia (“o pior de todos os regimes, com exceção de todos os outros”).
    As ameaças dos militares (do tipo”estão procurando sarna para se coçar” como consta acima) não infligem mais nenhum temor. Lugar de militar é no quartel, o Brasil é uma democracia consolidada e até o Ministro da Defesa é um civil!

    • Quero destacar Bruno, que não sou defensor do regime militar, o que seria insano, porém repudio a hipocrisia da esquerda, que tenta inventar ‘heróis” que na verdade eram verdadeiros bandidos tanto quanto aqueles que comandam ditaduras de direita ou de esquerda… Tche Guevara então, nada mais era que um terrorista frio e assasino que passava por cima de todos que se opunham à sua idelogia… Não precisamos de “heróis” desse nível…

  • Bruno,

    Eis mais uma atitude sintomática. Como você aponta, utilizam as possibilidades da democracia formal para enaltecer o que era contra ela.

    E, realmente, as ameaças, mais ou menos veladas, são nada, exceto se a quarta frota norte-americana se dispuser a ajudar. Outro aspecto interessante é que os patriotas recorreram aos estrangeiros. Não passou por suas cabeças recorrer ao seu povo.

    Como os capitais financeiros mandam por intermédio dos bancos, que vão muito bem, e os EUA não vão patrocinar golpes militares, pois não há razão para isso, esses discurso sbolsonáricos são ridículos.

    Assim como é ridícula a tibieza dos governos pós militares, à exceção de Sarney e Collor, de quem não se esperava mesmo coisa alguma. É preciso abrir os arquivos.

    Não há o menor risco de segurança nacional nos arquivos. Há sim um farto histórico de crimes cometidos contra cidadãos brasileiros. Cidadãos que não foram processados regularmente, como se deve fazer com quem é suspeito de crimes.

  • A manifestação do Dep. Jair Bolsonaro foi, no mínimo, muito infeliz, pois não coaduna com o valor da dignidade da pessoa humana, um dos fundamentos da República Federativa do Brasil, assim como destoa da ética militar que elege o respeito a dignidade da pessoa humana como um de seus preceitos basilares (art. 28, III do Estatuto dos Militares).
    Os parentes dos mortos têm todo o direito de saber o destino de seus entes, bem como dar um sepultamento digno aos restos mortais, independente da ideologia defendida àquela época.
    Se as indenizações são vultosas e injustas, há mecanismos legais para questioná-las, portanto não há razão para esse alarde por parte do parlamentar, que, agindo desse modo, poderá se sujeitar a um processo na Câmara dos Deputados.

  • “O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), admitiu que recebia auxílio-moradia, apesar de ter residência própria em Brasília, e pediu desculpas por ter informado equivocadamente que não recebia benefício. Sarney afirmou desconhecer que recebia o benefício sem nunca tê-lo solicitado. De acordo com a assessoria de Sarney, a Casa não proíbe receber auxílio-moradia quando o senador tem imóvel próprio.”

    Cadê as passeatas? Cadê abraço-simbólico? Cadê a UNE? Cadê MST? Cadê vigília em frente ao Senado? Bando de pilantras!

  • Ó nóis aqui travêis!

    Bom dia chuvoso (dissipando mais uma vez a fumaça da cannabis na terra virtual), meus amigos!

    Caramba… se eu não tivesse tão ocupado eu deixaria o meu comentário agora (até pelo fato de ter algum conhecimento da coisa), mas voltarei lááá pela noitinha.

    Antes de tudo, se é para abrir os Arquivos e achar os restos mortais daqueles que sucumbiram no Araguáia, tudo bem. Acho que não há qualquer problema nisso. Não há como negar os abusos e crimes.

    O problema é:
    a) quem está encabeçando este movimento. Apenas permutaria este cidadão e colocaria uma equipe de pessoas isentas/imparciais para a averiguação.

    b) E, como mencionaram em outras linhas… e aqueles que cometeram delitos defendendo o marxismo-leninismo? Nada vão acontecer com eles? E os justiçamentos? Roubos e mortes? Recebem pensões altíssimas enquanto um jovem que sofreu atentado (inocente por sinal) perdeu a perna e hoje só recebe uma m …. de salário-mínimo?

    Lembro-vos que a justiça deve recair sobre os ombros de todos os infratores, fardados ou não, independentemente de estarem atualmente em cargos/funções públicas/governamentais.

    Como fala uma amiga minha, “O Pau que dá no Chico, também tem que dar no Francisco”.

    Abs fraternais,

    Bolildo

    PS: Sport, uma razão para viver. Mas assim também tá f…. (desculpem minha pornofonia). Entramos numa “Crise Institucional Futebolística”.

  • Bruno, eu lhe respondi, mas a pilantragem aqui é grande demais e deletaram. Nada a estranhar nos métodos, claro.

  • Eu fico impressionado com a ignorância e o jeito simplório com que certos temas fundamentais são tratados…
    Tem gente aqui que quer que a esquerda que aderiu à luta armada também seja punida, a exemplo dos militares. Mas que militar foi punido? me digam um militar que esteja preso pelo que fez na ditadura! unzinho só! Pois é. O que se tem são as indenizações aos militantes vítimas da ditadura, e quem está sendo responsabilizado é o Estado brasileiro. Os militares querem responsabilizar algum militante de esquerda? pelo quê? por terrorismo? que entrem na justiça, então, e vejam o que levam. É do jogo. Estão ressentidos porque não foram capazes de continuar governando o Brasil e a esquerda chegou ao poder? ora, façam campanha, debatam, argumentem, convençam a imensa maioria, candidatem-se e sejam eleitos, democraticamente, como a esquerda fez.
    Aí, pra piorar, algumas pessoas que ainda vivem em pleno Macartismo americano, em plena guerra fria, acham que a questão relevante é Cuba, é o comunismo etc. etc. Quero avisar a essas pessoas que os anos 50 acabaram, a guerra fria acabou. O comunismo, como havia em alguns países até os anos 80, acabou. O mundo mudou, o País cresceu. Temos leis, temos magistrados que julgam. E temos que respeitar as leis. Vivemos numa democracia. E como é bom estar numa democracia! Aqueles militares que têm algum discernimento, eles mesmos sabem que não foi a esquerda sozinha que acabou com a ditadura. Ela pressionou, mas a maioria dos comandantes militares, à época, viu que era desastroso insistir num governo de exceção, sabiam não serem capazes de governar o país, e por isso foram distencionando o regime até sua completa exaustão. A sociedade como um todo, e não só a esquerda, viu o equívoco monumental que havia cometido ao permitir tantos anos de poder arbitrário, ao passar um cheque em branco para a classe militar governar à base de autoritarismo e violência.
    Tem que ser muito ignorante pra levar essa questão do cartaz do Bolsonaro pra seara político-ideológica, achar que é uma questão de esquerda-direita, civis-militares etc. É uma questão de respeito, apenas. Qualquer família tem o direito de enterrar seus mortos, saber o que houve com seus filhos, netos, irmãos… isso vale pra qualquer um. O Brasil tem o direito de saber o que houve com essas pessoas, os brasileiros têm o direito de saber. E o Estado tem o dever de descobrir e esclarecer. As motivações político-ideológicas são irrelevantes. O que importa é que o Estado brasileiro matou brasileiros. A sociedade como um todo decidiu que o Estado brasileiro NÃO PODE matar seus filhos, por isso essa situação tem que ser esclarecida definitivamente e vai ganhar seu lugar na história desse país, história essa que, no momento, apresenta uma imensa lacuna desses anos de trevas.
    Esse deputado Bolsonaro é um perfeito idiota, um completo despreparado e um oportunista nato. Dizem que ele está no Congresso porque é o “representante dos militares”, acho que eles se iludem porque ele sabe, sim, brigar pelos seu pirão, ou seja, os seus próprios interesses, seu soldo. Mas quero dizer aos militares, aqueles que pensam, que têm alguma consciência, que esse Bolsonaro, com suas ofensas, sua grosseria, seu despreparo e sua falta de inteligência, ofende a imagem das Forças Armadas desse País. Se de fato os militares consideram Jair Bolsonaro um espelho das tropas, um representante de sua classe, vão passar (ou confirmar) a impressão, para muitos, de que são um bando de imbecis. Acho triste isso, penso que os militares têm que procurar entre seus pares representantes que demonstrem um pouco mais de capacidade, sensibilidade e inteligência, ou sua imagem perante a sociedade civil sofrerá danos irreparáveis.
    Com esses argumentos que eu tenho visto alguns militares apresentarem por aí, só confirmam a impressão disseminada na sociedade em geral de que recorrem às armas e à truculência, sempre, porque falta a eles os argumentos e a inteligência para o debate de idéias, o diálogo racional e a construção de soluções para a maioria, ouvindo e respeitando o direito dessa maioria. Lugar de gorila é no zoológico, ou nem isso, nas savanas africanas. Quem quiser e for capaz de dialogar, aí sim, será sempre bem-vindo ao debate.

    • Quem age “fora da lei”, mata, sequestra, tortura, assalta, independente de ser de esquerda ou direita tem que ser punido, e pouco me importa a questão ideológica… Quem entrou na luta armada não era ingênuo, sabia dos riscos… Que sejam todos punidos, militares e guerrilheiros…
      E se pessoas que participaram daquilo tudo alcançaram “democraticamente” o poder, é a grande prova que este país realmente não é sério. Não tinha que ter anistia para ninguém que apoiou crimes…

  • NO MEIO DE TANTA PUTARIA,O DESGRAÇADO DO TRABALHADOR FICA COMO EM UM BACANAL ENCOSTADO COM O RABO NA PAREDE PARA NÃO SER TRAÇADO PELO PRIMEIRO VAGABUNDO QUE VIER,DITADURA ,DEMOCRACIA OU SEJA LÁ O QUE FOR SOMENTE VAI SERVIR AOS INTERESSES DE POUCOS,ENQUANTO ALGUNS SE MATAM POR IDEAIS QUE NÃO INTERESSAM AOS QUE VÃO COMANDAR OUTROS APROVEITAM E MAMAM NAS TETAS DO GOVERNO,ESSA É MAIS UMA REPRESENTAÇÃO PRÁTICA DO DESGOVERNO EM NOSSO PAÍS PINDORAMA!EITA POVO BESTA!

  • Só não vi este ministro defendo punição para os “terroristas” que vitimaram inocentes em seus atentados insanos…

  • Parabenizo o deputado Jair Bolsonaro por sua eficácia na lealdade as lembranças do regime militar .
    O Brasil precisa de uma dúzia como ele .

    Será que alguém que se intitula democrata , já leu o livro A verdade sufocada .

    Por favor leiam !

Tem algo a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!

XHTML: Você pdoe usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Enquetes

Em relação ao impeachment de Dilma Rousseff, qual sua posição?

Ver Resultado

Loading ... Loading ...

Frase do dia

  • A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes.”, Adam Smith.

ARQUIVO

agosto 2019
S T Q Q S S D
« mai    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Informação com Humor

MARCO BAHÉJornalista
É formado em Jornalismo e pós-graduado em História Contemporânea e História do Nordeste do Brasil. Foi repórter da Gazeta Mercantil para os estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Também atuou como repórter do Jornal do Commercio, editor da Folha de Pernambuco e repórter especial do Diario de Pernambuco. É correspondente da revista Época no Nordeste desde 2003. Tamb´m atua com publicidade e marketing eleitoral desde 2004.
PIERRE LUCENADoutor em Finanças
É doutor em Finanças pela PUC-Rio e mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. É professor adjunto de Finanças da UFPE e foi secretário-adjunto de Educação de Pernambuco. É autor de vários trabalhos publicados no Brasil e no exterior sobre o mercado financeiro, e participa como revisor de várias revistas acadêmicas na área. É sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Finanças. Foi comentarista de Economia do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (TV Jornal e Rádio CBN). Atualmente é coordenador do curso de administração da UFPE, e Coordenador do Núcleo de Estudos em Finanças e Investimentos do Programa de Pós-graduação em Administração da UFPE (NEFI).